PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA     CONSULTA AO ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Teses > Teses Defendidas > Resumos de Teses

 

Teses

Teses Defendidas

Editais de Teses

 

Teses

Resumos de Teses


 

043


Clementina de Jesus: um corpo cultural, ancestral e da indústria cultural

 

 Carlos Alberto Silva da Silva


9 de setembro de 2016, às 13 horas e 30 minutos
na Sala 212, Bloco B, do Campus Grande Florianópolis da Universidade do Sul de Santa Catarina

Banca:

Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano – UNISUL (orientadora);
Dr. Eduardo David Oliveira - UFBA (avaliador);
Dr. Kabengele Munanga - USP (avaliador);
Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (avaliadora);
Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (avaliador);
Dra. Simone Pereira Schmidt – UFSC (suplente externa); e
Dra. Jussara Bittencourt de Sá – UNISUL (suplente interna)

 


Resumo:

A presente pesquisa tem por objeto Clementina de Jesus: seu canto e sua ancestralidade, como resistência estética e política em meio à indústria cultural. O trabalho de análise parte dos referenciais teórico crítico dos estudos culturais, fundamentalmente a partir dos estudos da cultura negra e da ancestralidade para localizar Clementina de Jesus na música popular brasileira como memória de uma africanidade dos tempos da escravidão que chega à indústria do entretenimento e à indústria fonográfica como um passado no presente, um velho no novo, uma tradição na modernidade. Para fazer este trânsito temporal, recorreu-se aos teóricos da cultura para embasamento sobre a diáspora negra e, consequentemente, sobre a cultura negra, com um olhar no afro-brasileiro. E abordar africanidade, anterioridade e religiosidade de matriz africana significa tratar de mitologia africana, dos orixás e seus mitos, da magia e do encantamento. Clementina de Jesus surge no mundo da indústria cultural apresentando uma parte do canto e da música negra marcada pelos processos colonizadores, escravistas e classistas, na história brasileira. Portanto, a tese afirma em Clementina de Jesus a resistência ao apagamento da história, que estrategicamente criou uma marca musical negra entre as demais culturas. A ancestralidade pode ser entendida como uma categoria de relação, ligação, inclusão, diversidade, unidade e encantamento (Oliveira, 2007). O que nos leva a entender que Clementina de Jesus serviu, e ainda serve, como uma arma política na defesa da cultura negra. De certa forma, seu canto ancestral não se resumiu em trazer à cena uma oralidade dos tempos da senzala que estava de lado, correndo riscos de ser esquecida, ele serviu também como estratégia política de inserção na indústria cultural.


Palavras-chaves: Clementina de Jesus. Cultura Negra. Ancestralidade. Indústria Cultural.


versão integral

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061