PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA    ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Notícias > Página Principal

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

Notícias

Página Principal




Foto/Divulgação: PPGCL

Estudo discute Congruência em Conversões de Registros


(21/10/2017) Ensaio intitulado “Conversão de registros de representação semiótica em matemática e o fenômeno da não congruência: análise guiada pela noção de relevância”, de Bazilicio Manoel de Andrade Fillho, foi apresentado na tarde desta sexta (20) na sala 7 do Centro de Pós-graduação do Campus Tubarão da Unisul. Em questão o fenômeno da não congruência de conversões de registros em matemática.


O papel da congruência entre registros na compreensão


Segundo Duval, um pesquisador francês interessado em como os estudantes aprendem matemática, os conteúdos nesta ciência somente são acessíveis mediante registros de representação, ou seja, linguagens produzidas para representá-los. Isso ocorre porque não é possível, por exemplo, encontrar empiricamente os conceitos matemáticos. Eles não são coisas que possam ser medidas, mas abstrações.


Um conceito matemático como, por exemplo, o de fração, somente é compreensível mediante sistemas semióticos que contêm a formação de uma representação identificável, um símbolo que identifica o conceito, e permita tratamentos, ou seja, cálculos, e conversões, isto é, a tradução de um símbolo em outro símbolo.


“Quando traduzimos ‘duas maçãs’ por ‘2x’ estamos realizando uma operação de conversão e é essa operação que nos permite compreender tanto o conceito de ‘dois’ como o conceito de ‘variável’”, explica Andrade Filho.


O problema é que nem sempre a tradução de um registro a outro é tão linear assim, gerando o que Duval chama de não congruência entre os registros. Quem conhece duas línguas sabe que não basta trocar cada palavra de uma língua na outra para gerar uma sentença compreensível. Por exemplo, se você traduzir “Eu tenho vinte anos” por “I have twenty years”, você produz uma sentença estranha em língua inglesa. Coisas semelhantes ocorrem em matemática.


Pensando nessas questões, fundamentado nos pressupostos teóricos da teoria da relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995), o estudo de Andrade Filho analisou o fenômeno da não congruência em conversões de registros de representação semiótica, tais como teorizados por DUVAL, 2009.


“Eu apliquei o mecanismo de interpretação guiado pela noção teórica de relevância para descrever e explicar a conversão de três enunciados em língua natural para os registros algébrico e gráfico”, esclarece o autor.


“O que percebi é que a noção de congruência deve ser mais bem compreendida em termos relativos em vez de absolutos como sugere Duval. Penso que conversões podem ser mais ou menos congruentes conforme o conjunto de inferências requerido na tarefa, os registros de representação em pauta, o sentido da conversão, o nível requerido de explicitação da formalização, entre outros fatores”.


O trabalho de Andrade Filho, orientado pelo professor Dr. Fábio José Rauen, foi avaliado pela professora Dra. Elizete Pozzamai (IFC/Sombrio) e encerra as atividades das Jornadas de Pesquisa 2017 do PPGCL.

 

PPGCL



Foto/Divulgação: PPGCL

Linguagem e Ensino de Matemática em Interface


(20/10/2017) “Conversão de registros de representação semiótica e compreensão conceptual de sistemas lineares” é o título do projeto de tese de Vanessa Isabel Cataneo defendido nesta sexta (20) na sala 7 do Centro de Pós-graduação do Campus Tubarão da Unisul. Orientado pelo professor Dr. Fábio José Rauen, o estudo propõe uma interface entre os estudos da linguagem e o ensino de matemática.


Compreensão dos objetos matemáticos em pauta


As dificuldades de compreensão dos estudantes brasileiros é pauta constante nos noticiários brasileiros. Em matemática, essa questão é particularmente complexa porque os conceitos são abstratos. Os objetos conceptuais em matemática não são empíricos, e sua compreensão somente é possível mediante sistemas semióticos ou registros de representação nos termos de Raymond Duval, um pesquisador francês interessado nessas questões. Para Duval, um estudante somente compreenderá um conceito matemático quando conseguir passar de uma simbolização a outra, quando, por exemplo, ele interpreta um problema em língua natural e consegue convertê-lo numa fórmula, num gráfico, numa tabela, num diagrama, etc.


“É justamente nessa passagem de um registro para o outro que os professores podem perceber se um estudante compreendeu o conceito matemático em jogo”, esclarece Vanessa.


O trabalho de Vanessa está interessado justamente no papel que a informática exerce para agilizar essas conversões.


“Quando o estudante usa um aplicativo para ver qual é o efeito de uma fórmula em um gráfico cartesiano e vice-versa, ele consegue estabelecer associações que jamais teria apenas armando e resolvendo fórmulas”, defende a autora.


O trabalho de Vanessa visa a analisar, do ponto de vista da teoria de conciliação de metas, teoria da relevância e teoria de registros de representação semiótica, a viabilização da compreensão conceptual de sistemas lineares por estudantes do 8º ano do Ensino Fundamental mediante a proposição de atividades que demandam a conversão de registros de representação com apoio de recursos informatizados.


“Pretendo elaborar sequências didáticas envolvendo situações problemas que, com apoio de recursos informatizados, demandam soluções envolvendo sistemas lineares do 1º grau e testá-las com estudantes do Ensino Fundamental da escola de Educação Básica Samuel Sandrini de Orleans (SC)”, explica.


“Com isso, pretendo avaliar a pertinência dos recursos informatizados como instrumentos que potencializam as conversões entre os registros algébrico e gráfico e promovem uma apreensão significativa dos conceitos matemáticos em situações problemas que demandam soluções por sistemas lineares do 1º grau”, complementa.


Para o professor Fábio Rauen, orientador da pesquisa, o trabalho de Vanessa é muito relevante porque, entre outros méritos, analisa a pertinência da associação entre teoria de conciliação de metas e teoria da relevância para descrever e explicar a mobilização de registros de representação semiótica.


O projeto foi avaliado por banca formada pelas professoras Dra. Elizete Pozzamai Ribeiro (IFC/Sombrio) e Dra. Maria Marta Furlanetto (Unisul). A Jornada de Pesquisas se encerra à tarde com a apresentação do ensaio “Conversão de registros de representação semiótica em matemática e o fenômeno da não congruência: análise guiada pela noção de relevância”, de Bazilicio Manoel de Andrade Fillho.

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Política de cotas raciais sob análise


(20/10/2017) O estudante Éderson José de Lima defendeu nesta quinta (19) projeto de tese intitulado “Desdobramentos discursivos no espaço jornalístico contemporâneo acerca da política de costas raciais: ‘eu vos digo: eis o que é preciso pensar’”. O evento faz parte da Jornada de Pesquisas 2017 do Campus de Tubarão do PPGCL.


O papel da mídia


Como a mídia jornalística constrói enunciados sobre políticas de cotas é a questão central do projeto de tese de Lima, que pretende observar editoriais dos jornais “Gazeta do Povo” e “Folha de S. Paulo”.


“Meu trabalho assume que modos de pensar são construídos, são efeitos retóricos que fazem significar e estabilizar o que é ou deixa de ser a verdade”, defende Lima. “Daí pensar no papel que a mídia desempenha para consolidar formas de compreender as cotas”.


Segundo o estudante, a política de cotas deve ser pensada como políticas emergenciais de estado para compensar/corrigir discriminações históricas, intimamente relacionadas com discussões que tiveram início no governo de Fernando Henrique Cardoso e foram ganhando corpo nos governos de Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef. Objetivamente, o resultado dessas questões se materializou na Lei 12711/12 de 29/08/2012 que dispõe sobre regras de ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio.


O projeto, orientado pela professora Dra. Silvânia Siebert, foi aprovado por banca formada pelas professoras Dra. Andréia da Silva Daltoé e Dra. Maria Marta Furlanetto. A Jornada de Pesquisas finaliza sexta-feira (20) com a apresentação do projeto “Conversão de registros de representação semiótica e compreensão conceptual de sistemas lineares”, de Vanessa Isabel Caetano e do ensaio “Conversão de registros de representação semiótica em matemática e o fenômeno da não congruência: análise guiada pela noção de relevância”, de Bazilicio Manoel de Andrade Fillho.

 

Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL
Ex-alunas e professora do PPGCL participam do ENELIN em MG


(17/10/2017) Realizado entre os dias 04 e 06 de outubro de 2017, pela Univás em Minas Gerais, o VII Encontro de Estudos da Linguagem e VI Encontro Internacional de Estudos da Linguagem (ENELIN 2017) teve como tema "Linguagem, Instituições e Práticas Sociais".

A Profa. Andréia da Silva Daltoé, que participa pela terceira vez do evento, teve a companhia de suas ex-alunas do PPGCL: Me. Camila Borges dos Anjos e Dra. Clésia Mende Zapelini.


Nesta Edição, a Profa. Andréia Daltoé apresentou a comunicação “Relações de Poder e Metáfora: O Projeto Escola Sem (?) Partido”. As ex-alunas do PPGCL, Clésia Zapelini Mendes e Camila Borges dos Anjos também apresentaram trabalho, representando, juntamente com a Professora, o Grupo de Pesquisa GEPOME: Relações de Poder: memória e esquecimento do PPGCL-UNISUL.


Além de importantes nomes nacionais, como a Profa. Dra. Eni P. Orlandi (UNIVÁS/UNICAMP), coordenadora do evento, o evento contou com a participação da Profa. Dra. Alma Bolón (UDeLaR - Uruguai) na Conferência de Abertura intitulada “Negação e desconhecimento da ficção como forma própria da linguagem”, e com a Profa. Dra. Rachele Raus (Universidade de Turim – Itália) na Conferência “Efeitos das práticas colíngues e codiscursivas sobre a instituição do sentido e dos sujeitos políticos no Parlamento Europeu”.

 

PPGCL


 

MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061