PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA    ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Notícias > Página Principal

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

Notícias

Página Principal




Foto/divulgação: PPGCL

Comunidade negra de Paulo Lopes, SC, é objeto de dissertação


(11/12/2017) O deslocamento de nome da comunidade “Toca”, localizada em Santa Catarina, para o nome “Santa Cruz” inspirou o estudante Guilherme Araujo Silva a escrever sua dissertação. O trabalho foi defendido nesta segunda-feira (11), no campus Pedra Branca, fechando as apresentações do ano de 2017.


Intitulada “O silêncio que me toca: efeitos de sentido, silenciamento e constituição do sujeito a Toca”, a pesquisa analisa o movimento de deslocamento de sentido do nome “Toca”, para o nome “Santa Cruz”. Um processo de (re)nomeação/apagamento que é simultâneo a um outro processo de silenciamento dos sujeitos negros daquela comunidade.


Entendendo melhor...

 

"Toca” é o nome tradicionalmente utilizado para nomear uma comunidade negra rural, localizada no município de Paulo Lopes, distante aproximadamente 70 quilômetros da capital do Estado, Florianópolis.


“Nosso corpus de análise foi composto por múltiplas materialidades produzidas acerca do negro, que localizamos em cartas oficiais, registros de batismo, anúncios em jornais estaduais, reportagens televisivas e impressas, bibliografias sobre Paulo e também Desterro - atual Florianópolis”, conta Guilherme.


Foram realizadas ainda entrevistas com os cinco moradores mais idosos daquele lugar, bem como investigado os perfis de 25 deles no facebook em busca de enunciados produzidos por eles. Todo estudo embasado no escopo teórico e analítico da Análise de Discurso da vertente francesa (AD).


“Os processos que analisamos têm levado ao apagamento/silenciamento de uma forma-sujeito, própria do discurso de oralidade, na qual se inscrevem os sujeitos negros, descendentes dos negros escravizados da região. Nossa análise permitiu mostrar que, dessa forma, esses sentidos vão se deslocando para a institucionalidade do quilombo Santa Cruz”, finaliza o estudante.


“Aprovado com distinção” foi o conceito dado pela banca composta pelos professores Dra. Solange Maria Leda Gallo – UNISUL (orientadora); Dra. Ana Josefina Ferrari – UFPR – Setor Litoral (avaliadora) e Dra. Giovanna G. Benedetto Flores – UNISUL (avaliadora).


PPGCL


Foto/divulgação: PPGCL

Tese estuda Cibercultura da intolerância política

 

(11/12/2017) O estudante Elvis Dieni Bardini defendeu nesta segunda-feira (11) sua pesquisa intitulada “A Cibercultura da intolerância política, ou como a linguagem do ódio desconstrói a cidadania”, no campus de Tubarão.


Em uma sociedade em rede na qual o ciberespaço torna-se o lugar público de maior alcance na história da humanidade e apresenta potencialidades para a disseminação de valores democráticos e ações cidadãs, Elvis busca investigar a polarização política entre Direita e Esquerda, veiculados no facebook, a partir das eleições de 2014.


“Estamos centrados na intolerância política a partir de comentários em matérias jornalísticas tendo como base o tema “ditadura”, explica o doutorando.


Como alternativa, indicamos construção e promoção de espaços coletivos visando o desenvolvimento de uma consciência cidadã e consequentemente o respeito ao multiculturalismo, a diversidade, aos valores democráticos.

 

Elvis foi avaliado e aprovado pelos professores Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias– UNISUL (orientadora);
Dr. Juliano Bitencourt Campos – UNESC (avaliador); Dr. Francisco Antonio Pereira Fialho – UFSC (avaliador);
Dra. Andréia da Silva Daltoé – UNISUL (avaliadora) e Dr. Alexandre Linck Vargas– UNISUL (avaliador).


PPGCL


Foto/divulgação: PPGCL

Fotografia no discurso jornalístico é tema de dissertação

 

(11/12/2017) A partir dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso de linha francesa, a estudante de Mestrado Cilene Macedo, defendeu nesta segunda-feira (11), no campus Pedra Branca, sua dissertação intitulada “Funcionamento da fotografia no discurso jornalístico e o processo de (des)construção da imagem”.


Através de sua dissertação, Cilene propôs investigar a fotografia como notícia e, dessa forma, entender como o político se marca em fotos da presidenta Dilma Rousseff.


“O nosso corpus é composto de fotos publicadas no jornal O Estado de São Paulo e na revista Isto É, em 2016. As fotos em questão rompem com um processo já estabilizado historicamente em relação a outros presidentes do Brasil e marcam, ao mesmo tempo, um processo de repetição e de contradição discursiva”, conta a estudante.


Para compreender os sentidos produzidos nas imagens mobilizou-se noções de memória discursiva, repetibilidade, paráfrase e silenciamento, assim como olhares para a historicidade e para as condições de produção das fotos jornalísticas.

 

Cilene foi aprovada por banca formada pelos professores Dra. Giovanna G. Benedetto Flores – UNISUL (orientadora); Dra. Ercilia Ana Cazarin – UCPEL (avaliadora) e Dra. Nádia Régia Maffi Nackel – UNISUL (avaliadora).

 

Foto/divulgação: PPGCL


PPGCL



Foto/divulgação: PPGCL

Pesquisa investiga cultura escolar

 

(11/12/2017) A semana no PPGCL inicia dando continuidade as defesas públicas. Nesta segunda-feira (11), a doutoranda Nádia Maria Soares Sandrini, defendeu sua tese intitulada “Cultura escolar e políticas curriculares: interfaces na aplicação do programa ensino médio inovador em escolas do sul de Santa Catarina”, no campus de Tubarão.

 

Cultura e currículo

 

O objeto da tese é a investigação da cultura escolar, como parte integrante do currículo, para compreender, em âmbito local, as interfaces entre cultura e currículo na efetiva construção do espaço/tempo de implantação de uma política educacional proposta pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), denominada Programa Ensino Médio Inovador (PROEMI).

 

Correspondem ao âmbito local, especificamente, seis escolas públicas estaduais do sul de Santa Catarina, situadas nos municípios de Tubarão, Laguna, Gravatal e Imbituba.

 

“Os resultados sugerem que as escolas possuem aspectos culturais que as aproximam e outros que as distanciam e que, consequentemente, apresentaram diferentes resultados no desenvolvimento do PROEMI, todavia, de maneira geral, demonstraram ampla preocupação com os meios entendidos como inovadores para cativar e manter os jovens na escola, porém sem demonstrar que os fins pretendidos nos projetos desenhados pela comunidade escolar tenham sido atingidos”, conta Nadia.

 

A estudante foi aprovada em banca composta pelos avaliadores Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias– UNISUL (orientadora); Dra. Geovana Mendonça Lunardi Mendes – UDESC (avaliadora); Dr. Jean Mac Cole Tavares Santos – UERN (avaliador); Dr. Gilvan Luiz Machado Costa – UNISUL (avaliador) e Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes – UNISUL (avaliadora).

 

Foto/divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/divulgação: PPGCL

Protestos de junho de 2013 são analisados em tese

 

(08/12/2017) Ainda nesta sexta-feira (8), o estudante José Isaías Venera defendeu sua tese intitulada “Da cólera ao acontecimento junho de 2013: do que escapa à representação em Deleuze e Lacan”. A defesa foi realizada no campus da Pedra Branca.

 

A linguagem dos protestos


A pesquisa tem como objetivo investigar a linguagem colocada sob vertigem nos protestos de junho de 2013. “Para dar conta deste problema inicial, de trabalhar com o que escapa à representação e, ao mesmo tempo, dessa força a-significante no acontecimento junho de 2013, destacamos inicialmente, os conceitos de Real, em Jacques Lacan, e de virtual, em Gilles Deleuze”, explica o doutorando.


Os protestos de junho de 2013 são analisados no que permanece neles como acontecimento, ou seja, como o que não se deixa simbolizar. Para além deste gesto de se debruçar sobre o que escapa à representação, o trabalho destaca à noção cunhada de sujeito intervalar como esforço de interpretar o gesto de vida que caracteriza a contemporaneidade.

“Este sujeito que emerge no intervalo entre as imagens que saltam da tela escura de dispositivos, como smartphones, e o seu retorno à tela escura e pelo qual repete um rastro do sujeito, uma imagem espectral que logo desaparece ao sair do intervalo”, finaliza José Isaías.


Em banca composta pelos avaliadores Dr. Maurício Eugênio Maliska – UNISUL (orientador); Dra. Taiza Mara Rauen Moraes – UNIVILLE (avaliadora); Dr. Pedro Heliodoro de Moraes Branco Tavares – USP (avaliador); Dra. Ana Carolina Cernicchiaro – UNISUL (avaliador) e Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (avaliador).


PPGCL



Foto/divulgação: PPGCL

Obra “A hora da estrela” de Clarice Lispector é objeto de estudo


(08/12/2017) Nesta sexta-feira (8) a estudante Daiana Orben Martins defendeu sua dissertação intitulada “Ensino de literatura: a autoria no processo de releitura e produção da obra A hora da estrela”. Sob orientação da professora Silvania Siebert, o trabalho foi apresentado no campus de Tubarão.


A pesquisa de Daiana teve como objetivo entender como se dão os gestos de autoria na releitura da obra “A hora da estrela” de Clarice Lispector, a partir da releitura e sua produção em versão audiovisual, por alunos do segundo ano do ensino médio, de uma escola particular, na cidade de Braço do Norte, SC.


“O intuito era apresentar a importância de se pensar à relação entre mídia, escola e literatura”, comenta a estudante.


Com base nos estudos da Análise do Discurso, foi analisado os possíveis indícios de autoria na realização da versão em audiovisual da obra de Clarice Lispector.


Em banca composta pelos professores Dra. Silvânia Siebert – UNISUL (orientadora); Dr. Luiz Carlos Martins de Souza – UFAM (avaliador); Dra. Andréia da Silva Daltoé - UNISUL (avaliadora) e Dr. Fábio José Rauen – UNISUL (suplente), Daiana Orben Martins foi aprovada.


PPGCL


 

MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061