PORTAL UNISUL   BIBLIOTECA   ACERVO  BASE DE DADOS   DISSERTAÇÕES   TESES   PORTAL DE PERIÓDICOS   MINHA UNISUL   CONTATO

Página Inicial > Notícias > Página Principal

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2020

Notícias de 2019

Notícias de 2018

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

Notícias

Página Principal


Foto: Divulgação

Professora Ramayana participa do IX Cachoeira, evento inicia nesta terça

 

(25/05/2020) A professora Ramayana Lira de Sousa, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e do Curso de Cinema e Audiovisual da Unisul é uma das curadoras do IX CachoeiraDoc, importante festival de cinema documentário.

 

O CachoeiraDoc é um festival diferente. No Brasil, temos o É Tudo Verdade, "um maravilhoso festival de documentário que é mais voltado para o mercado", explica a professora. “O CachoeiraDoc é importante porque vai na contramão, apontando em estéticas e cineastas emergentes. O É tudo Verdade fala do documentário hoje, o CachoeiraDoc fala do futuro do documentário”.

 

A professora faz parte da equipe curatorial do festival. “Selecionar filmes e desenhar uma programação são atividades ao mesmo tempo incrivelmente difíceis e gratificantes”, pondera Ramayana.

 

“Para o CachoeiraDoc minha proposta curatorial leva em conta que entre imagem e mundo a fricção se dá por aquilo do mundo que, na imagem, ainda não se con-figurou, ou já se des-figurou, ou seja, não é novo ainda, ou já o deixou de ser há muito”.

 

Em 2020, devido à crise da Covid, o festival precisou redefinir suas atividades. Não haverá atividades presenciais, mas sim dois dias de debates com a equipe de curadoria. Ramayana explica que aA proposta é discutir como os filmes atuam sobre um presente em crise”.

 

Acessando o site do festival (http://www.cachoeiradoc.com.br/festivalimpossivel/) é possível encontrar links para os filmes e informações sobre os debates.

 

Ramayana Lira vai participar de uma live sobre o filme À beira do planeta mainha soprou a gente e sobre curadoria.

 


Foto: PPGCL

Mestrado e doutorado em Ciências da Linguagem com inscrições abertas
 

(08/05/2020) O Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul está com inscrições abertas. São 18 vagas para o curso de mestrado e 14 para o curso de doutorado, tanto no campus Palhoça quanto em Tubarão, ambos com possibilidade de bolsa da Capes e institucional.

 

As inscrições estão disponíveis até o dia 31 de maio com uma novidade: todo processo seletivo está sendo realizado online. Para saber mais é só acessar o site www.unisul.br/linguagem.

 

Saiba mais sobre o PPGCL

 

Os cursos de Mestrado e de Doutorado se organizam a partir de duas linhas de pesquisa: a linha de pesquisa de Texto e Discurso e a linha de Linguagem e Cultura. Tendo como diferencial sua multidisciplinaridade, acolhendo estudantes das mais diversas licenciaturas e bacharelados que se interessam por objetos textuais, discursivos e culturais.

 

Tire suas dúvidas

 

Por conta da pandemia de Covid-19, o contato com o PPGCL está sendo feito a distância. Fale com a equipe por meio do Whatsapp (48) 3621-3369 ou pelos e-mails ppgcl.sec@unisul.br e ppgcl.pb@unisul.br.   

 


  

Foto: Divulgação

Covid-19: e a arte como criação de mundos em comum
 

(14/04/2020) “Poesia, uma coisa pra nada”, sentenciou o poeta Paulo Leminski. O filósofo Jacques Derrida foi menos incisivo, mas, por fim, concluiu que o poema “se deixa fazer, sem atividade, sem trabalho, no mais sóbrio pathos, estranho a toda produção”. Também Georges Bataille afirmava que “a literatura rechaça de maneira fundamental a utilidade”. Antes deles, no prefácio de O Retrato de Dorian Gray, o esteta Oscar Wilde ampliara a assertiva para além da escritura ao dizer que “toda a arte é absolutamente inútil”.

 

Em um mundo utilitarista, mercadológico, produtivista, essa gratuidade, esse dom, legou a arte à parte do fogo, ou seja, ela é “aquilo que uma cultura reduz à destruição e às cinzas, aquilo com o que ela não pode conviver, aquilo que ela faz um incêndio eterno”, diz Maurice Blanchot. O incêndio pode até ser eterno, mas quanto mais o Estado flerta com o fascismo, mais as chamas se avivam. Lembremos da famosa fogueira de livros promovida pelo Terceiro Reich ou, para não irmos muito longe, da muito recente onda obscurantista que tomou de assalto o Brasil e censurou artistas e exposições em nome da moral, da família e dos bons costumes. Nos últimos anos, vimos editais, investimentos, fundações, agências de fomento e o próprio Ministério da Cultura serem extintos – afinal, a arte não serve para nada mesmo.

 

Mas se ela não serve para nada, por que incomoda tanto? Talvez porque esteja justamente neste “não servir para nada” que se encontra sua potência, uma potência de não, segundo a expressão de Giorgio Agamben, que é o contrário da impotência. A potência de não da arte é um agenciamento social e político, ela age no mundo nos desviando de sua lógica da produtividade, da atividade, do lucro, colocando em questão nossas dicotomias classificatórias e mercadológicas, através das quais reduzimos ao útil tudo o que nos cerca, de coisas a pessoas, passando, é claro, pela natureza. Daí o xamã Yanomami Davi Kopenawa nos apelidar de “povo da mercadoria”, por nosso desejo desmedido por mercadorias a ponto de não enxergarmos nada além delas. “Seu pensamento se esfumaçou e foi invadido pela noite. Fechou-se para todas as outras coisas. Foi com essas palavras da mercadoria que os brancos se puseram a cortar todas as árvores, a maltratar a terra e a sujar os rios”, afirma ele.  

A arte nos faz enxergar para além da mercadoria, resgata nossa sensibilidade, nos desvia do automatismo, nos faz perceber o mundo, experienciá-lo verdadeiramente. Em O tempo e o cão, a psicanalista Maria Rita Kehl conclui, a partir de Walter Benjamin, que o tempo mecanizado do capitalismo é sobrecarregado de impulsos. Esse tempo comprimido nos escapa, a vida passa em altíssima velocidade sem percebermos, a sensação de cansaço é constante (Byung-Chul Han nos chama de “sociedade do cansaço”), não há lugar para a fantasia, o devaneio, a imaginação. Essa série de vivências automáticas não produzem modificações duradoras no psiquismo, deixando uma sensação de vida vazia, não vivida, nos incapacitando de experienciar o que vivemos. Como diria Leon Tolstoi, “se toda a vida complexa de muita gente se desenrola inconscientemente, então é como se esta vida não tivesse sido”.

 

E é para libertar nossa percepção desse automatismo que existe arte, defende o formalista russo Vítor Chklóvski em um famoso texto de 1917, intitulado “A arte como procedimento”: “E eis que para devolver a sensação de vida, para sentir os objetos, para provar que pedra é pedra, existe o que se chama arte. O objetivo da arte é dar a sensação do objeto como visão e não como reconhecimento; o procedimento da arte é o procedimento da singularização dos objetos e o procedimento que consiste em obscurecer a forma, aumentar a dificuldade e a duração da percepção. O ato de percepção em arte é um fim em si mesmo”.

 

Assim, se a lógica da mercadoria busca transformar tudo em objeto padrão, que pode ser medido segundo um axioma comum – o dinheiro, inclusive outros seres vivos, humanos ou não, a arte faria o contrário, singularizaria tudo, inclusive as coisas, os acontecimentos de nossa vida, a linguagem, o pensamento, os afetos, aumentando nossa percepção deles (como a criança que se deslumbra com o mundo a todo instante).

 

Não sabemos ainda quais serão as consequências desse isolamento social a que fomos forçados para nos proteger do Covid-19, mas, queiramos ou não, para o bem ou para o mal, o mundo não será mais o mesmo. Fomos obrigados a desacelerar, a reduzir o passo, a consumir menos; e a arte saiu do seu lugar de coisa menor, ganhou status de serviço de utilidade pública diante do tédio, da solidão, do medo, do trauma. Podemos pensar essa conjunção entre a necessidade do isolamento e a revalorização da arte como uma espécie de linha de fuga de nossa temporalidade acelerada, sufocante, de nosso automatismo vazio, de nossa insensibilidade mercadológica, uma possibilidade de criação de mundos comuns, ali onde os corpos não podem se tocar, não a falsa universalidade do como-um fascista (que reduz a alteridade à mesmidade, o outro ao eu), mas a criação de mundos com-uns, onde os seres se percebem como seres-uns-com-os-outros, singularmente plurais, segundo a bela expressão de Jean-Luc Nancy. Uma abertura ao outro, ao mundo, ao mundo do outro, a outros mundos possíveis.

 

Texto: Professora Ana Carolina Cernicchiaro 

 


  

Foto: UCSB

Egresso do PPGCL publica artigo em revista internacional
 

(08/04/2020) O egresso do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul Jessé Torres teve artigo publicado na revista Santa Barbara Portuguese Studies, do Departamento de Espanhol e Português da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, EUA. O volume 4 da revista é uma edição dedicada a trabalhos que investigam a obra do filósofo Vilém Flusser, justamente o objeto de estudo do pesquisador.

 

O texto foi originalmente escrito para o seminário Primeras Jornadas Flusserianas: Naturaleza, Cultura, Basura. Flusser y después..., realizado na Universidade Nacional de Córdoba, Argentina, em 2019. Em seu trabalho, Torres explora o conceito de ficção filosófica na obra do pensador, composta essencialmente de ensaios, mas também de muitos contos filosóficos, que se situam numa zona fronteiriça entre a literatura e a especulação filosófica. De origem tcheca, Vilém Flusser se naturalizou brasileiro para escapar da perseguição nazista aos judeus.

 

"Estou muito feliz com esse reconhecimento que é a publicação de um artigo em uma revista internacional", afirmou o pesquisador.

 

Em seu mestrado, Torres contou com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), através de bolsa de estudos de isenção de taxas, e do Arquivo Vilém Flusser São Paulo, ligado à PUC-SP, que concedeu acesso a seu acervo digital para a pesquisa. Entre os editores convidados do volume 4 está o prof. Gustavo Bernardo Krause, da Universidade do Estado do Rio do Janeiro.

 

Link para acessar a publicação: https://sbps.spanport.ucsb.edu/volume/4 

 


MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061