PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA    ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Notícias > Notícias de 2017

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

Notícias

2017



Foto/Divulgação: PPGCL
Cinema de terror é objeto de dissertação


(14/08/2017) Ainda nesta segunda-feira, o estudante de mestrado Daniel Lucas de Medeiros, defendeu sua dissertação intitulada “Atividade Paranormal e o realismo no cinema de terror contemporâneo”. A defesa pública foi realizada no campus Pedra Branca.

 

Subgênero found footage


O subgênero found footage proliferou-se a partir da virada do milênio e hoje representa uma parcela significativa da produção do cinema de terror norte-americano – especialmente o independente. Caracterizado pelo uso de câmeras diegéticas – inseridas dentro do universo narrativo dos filmes –, que normalmente são manuseadas pelos próprios personagens, as produções realizadas dentro desse estilo aproximam a relação que o público tem com uma imagem supostamente (e simuladamente) amadora e, consequentemente, mais realista.


“Esta dissertação tem o objetivo de analisar de que maneira o subgênero found footage se relaciona com essa discussão a respeito do realismo no cinema, mais especificamente no cinema de terror”, explica o mestrando.


Para atingir o objetivo, estudou-se a história do realismo no cinema – tendo como base estudos de autores como André Bazin, Ismail Xavier e David Bordwell.


“Por meio dessas análises, observamos que a própria concepção de realismo dentro da franquia mostra-se maleável, à medida que os filmes ora pendem para um cinema de vanguarda, ora para um cinema clássico”, finaliza Daniel.

 

Daniel foi aprovado com distinção em banca composta pelos avaliadores Dra. Ramayana Lira de Sousa – UNISUL (orientadora), Dr. Rodrigo Octávio D’azevedo Carreiro – UFPE (avaliador), Dra. Ana Carolina Cernicchiaro – UNISUL (avaliadora) e Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (suplente).

 

Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Pesquisa analisa imagens na apreensão da cultura


(14/08/2017) Nesta segunda-feira (14), a doutoranda Cynthia Hansen, defendeu no campus Pedra Branca sua tese intitulada “O uso de imagens para a apreensão da cultura: uma abordagem baseada na filosofia peirceana”. O trabalho está vinculado a linha de pesquisa Texto e Discurso.


Imagem e cultura


A sociedade se constrói enquanto cultura desde as atitudes mais prosaicas do dia-a-dia até as problematizações mais complexas que coloca em pauta para sua própria reflexão. Diante desse contexto, os estudos realizados pela estudante Cynthia, mostram que a cultura é um contexto no qual uma profusão de possibilidades significantes (comportamentos, artefatos, estados de consciência) se entrelaça.


“Em vista disso, o objetivo desta tese é mostrar que é possível extrair conhecimento sobre o mundo a partir dos fenômenos que constituem este próprio mundo e que a análise semiótica de imagens produzidas pelas pessoas a respeito de suas experiências cotidianas é uma estratégia válida para isso”, explica Cynthia.


A pesquisa permite pensar como a atenção diligente a determinadas ações sociais deliberadas e o uso de uma ferramenta conceitual adaptada ao caráter holístico do contexto cultural são capazes de fornecer inferências que podem ser consideras logicamente corretas porque se dão a partir do grupo mesmo que negocia os significados ali potencializados e expressam, em diferentes níveis, suas crenças, desejos e intenções.


Cynthia Hansen obteve conceito aprovado em banca composta pelos professores Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (orientadora), Dra. Graziela Morelli – UNIVALLI (avaliadora), Dra. Luciene Jung de Campos UCS (avaliadora), Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (avaliador), Dra. Ramayana Lira de Sousa – UNISUL (avaliadora), Dra. Giovanna Benedetto Flores – UNISUL (suplente interno) e Dra. Ana Josefina Ferrari - UFPR (suplente externo).

 

Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL



Foto/Divulgação: PPGCL

Pesquisa é inspirada em narrativa literária


(14/08/2017) Ainda se pode falar em literatura? Em arte? Estas e outras questões foram debatidas e apresentadas na Defesa Pública de Tese da estudante Vera Lucia Sommer, na última sexta-feira (11), às 14 horas no campus Pedra Branca.

Sobre a narrativa literária produzida na América Latina na era pós-moderna, a tese intitulada “Reprodução: a subjetividade emergente numa narrativa distópica e pós-autônoma”, analisou o romance Reprodução, do escritor e jornalista brasileiro Bernardo Carvalho.

“Por meio da escritura de BC e, especialmente, do romance Reprodução, objeto de estudo dessa pesquisa, buscou-se por sinais, indícios, rastros e vestígios para o debate sobre as características da atual produção literária brasileira, inserida no contexto da literatura e da arte contemporâneas”, explicou a doutoranda.

O trabalho de Vera foi aprovado por banca composta pelos avaliadores Dr. Antonio Carlos Gonçalves dos Santos – UNISUL (orientador), Dr. Jorge Hoffmann Wolff – UFSC (avaliador), Dra. Raquel Alvarenga Sena Venera – UNIVILLE (avaliadora), Dra. Ana Carolina Cernicchiaro – UNISUL (avaliadora), Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano – UNISUL (avaliadora), Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (suplente interno) e Dra. Ana Porrúa – UNMDP (suplente externo).

 


Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL
Tese aborda Corpo(s)-arte de Rosângela Rennó


(11/08/2017) A estudante de doutorado Carla Süssenbach defendeu nesta sexta-feira (11) sua tese intitulada “Espelho Diário: Corpo(s)-arte de Rosângela Rennó na perspectiva discursiva”. O trabalho foi orientado pela professora Nádia Régia Maffi Neckel, no campus Pedra Branca.

A pesquisa de Carla se inscreve no campo teórico da Análise de Discurso pecheutiana e sua interlocução com o campo da arte, marcado por um lugar de dizer da história, da ideologia e também pelos aspectos sociais.

“O dispositivo teórico-analítico percorre diferentes noções/formulações discursivas notadamente: arquivo/dispositivo, texto/textualidade, função/efeito autor, projeções sensíveis/corpo-imagem”, explica a estudante.

O corpo


O gesto analítico estabelece também uma escuta teórica quanto a arte contemporânea e as questões que implicam o corpo tanto na linguagem da performance, quanto o corpo social determinado pelos gestos performativos. Projeções sensíveis é uma noção tomada para compreender o corpo-imagem de Rosângela Rennó, enquanto um gesto no Discurso Artístico, gesto este constituído na e pela contradição

Desta forma, a perspectiva discursiva permitiu a compreensão da opacidade, e os deslocamentos de sentidos presente na produção contemporânea da videoinstalação “Espelho Diário”.

A doutoranda foi aprovada em banca composta pelos avaliadores Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (orientadora), Dra. Nadja de Carvalho Lamas – UNIVILLE (avaliadora), Dra. Suzy Maria Lagazzi – UNICAMP (avaliadora), Dra. Solange Maria Leda Gallo – UNISUL (avaliadora), Dr. Maurício Eugênio Maliska – UNISUL (avaliador), Dra. Giovanna Gertrudes Benedetto Flores – UNISUL (suplente interno) e
Dr. Sandro Braga – UFSC (suplente externo).

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Tambores Maranhenses é analisado a partir da Análise do Discurso

(10/08/2017) “Tambores Maranhenses: do corpo africano à (há) produção de sentido da posição/condição mulher” esse é o título do trabalho da estudante Conceição de Maria dos Santos Pacheco, que defendeu sua tese nesta quinta-feira (10), às 9 horas no campus Pedra Branca.

A pesquisa pôde constatar novos desdobramentos da Brincadeira do Tambor de Crioula do Maranhão, em modalidades, que foram acontecendo, na medida em que determinações, por parte do discurso que representa o colonizador europeu, limitavam essas manifestações o que resultava em reinscrições sob forma de resistência, num processo de diferentes negociações: a Conterraneidade, o Patrimônio Cultural e a Ponta de Rua.

“O objetivo geral foi de compreender as possibilidades de inscrição da posição sujeito brincante coreira na brincadeira de Ponta de Rua, a partir das relações entre memória e cultura”, explica a doutoranda.

Conceição foi aprovada em banca composta pelos avaliadores Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (orientadora), Dra. Ana Josefina Ferrari – UFPR (avaliadora), Dr. Thiago Silva de Amorim Jesus – UFPEL (avaliador), Dra. Giovanna G. Benedetto Flores – UNISUL (avaliadora), Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano – UNISUL (avaliadora), Dra. Solange Maria Leda Gallo – UNISUL (suplente interno) e Dr. Sandro Braga – UFSC (suplente externo).

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Identidade Social Gaúcha é tema de tese


(09/08/2017) A doutoranda Íria Catarina Queiroz Baptista, do campus Pedra Branca, defendeu na tarde desta quarta-feira (9) sua tese intitulada “Um lugar chamado gaúcho: invenções da identidade sul-riograndense por meio da música”. A pesquisa foi orientada pela profa. Dilma Beatriz Rocha Juliano.


O trabalho abordou a identidade social gaúcha construída por meio das músicas regionais que compõem as manifestações culturais do Rio Grande do Sul dos Movimentos Tradicionalista, Nativista e Tchê Music.

 

Música, guerra e trabalho foram inspiração


Com o objetivo de mostrar que as músicas regionais gaúchas promovem constantemente a manutenção de uma identidade gentílica sul-rio-grandense, a tese encontrou nas guerras, na vida ligada ao trabalho rural e no trato com os animais a inspiração para criação e constantes renovações de uma identidade construída com bases em valores do passado.


“Além disso, esta pesquisa comprovou que a historiografia gaúcha tradicional priorizou a versão das classes dominantes por meio da valorização de características cuidadosamente cultuadas e defendidas para alimentar a tradição inventada e conservar viva a ideia do mito do gaúcho herói, provocando, muitas vezes, o apagamento de alguns tipos sociais que, apesar da contribuição para a defesa e a manutenção política do estado, não obtiveram o mesmo reconhecimento dispensado aos comandantes dos conflitos e às classes politicamente dominantes”, complementa a estudante.


Em banca composta pelos professores Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano – UNISUL (orientadora), Dr. João Cláudio Arendt – UCS (avaliador), Dr. Domingos Sávio Campos de Azevedo – UNIPAMPA (avaliador), Dra. Giovanna G. Benedetto Flores – UNISUL (avaliadora), Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (avaliador), Dra. Solange Maria Leda Gallo – UNISUL (avaliadora) e Dra. Jussara Bittencourt de Sá – UNISUL (suplente), Íria obteve o conceito Aprovada.

 


Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Aula inaugural na PB é ministrada por professor da Universidad de Buenos Aires

 

(07/08/2017) Nesta segunda-feira além das defesas de dissertações, o campus Pedra Branca deu início as disciplinas obrigatórias gerais. Na oportunidade, uma aula inaugural com o professor Dr. Mario Cámara, da Universidad de Buenos Aires/CONICET deu às boas-vindas aos novos estudantes.

 

Na atividade de recepção aos novos alunos de Mestrado e Doutorado, Cámara falou sobre sua própria pesquisa a partir do conceito de arquivo e, principalmente, de anarquivamento. A partir de teóricos como Michel Foucault, Jacques Derrida, Hal Foster, Walter Benjamin, entre outros, Cámara discutiu a virada arquivística e a explosão do arquivo em artistas como Bernd e Hilla Becher, August Sander, Pablo Katchadjian, Voluspa Jarpa, Andy Warhol, Rosângela Rennó e Adriana Varejão.

 

Os autores citados problematizam o arquivo pelo desordenamento, pela expansão caótica ou pela supressão e subtração, mostrando que o arquivo é sempre uma montagem específica, que constrói uma versão da história, esquecendo, portanto, das múltiplas histórias sob a História, afinal, por mais que se queira totalizante e neutro, o arquivo é sempre recheado de esquecimento e de relações de poder, que a arte contemporânea coloca em jogo nas suas diferentes estratégias de embaralhamento do arquivo.

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Dissertação analisa projeto do artista Gian Paolo Minelli

(07/08/2017) Dando continuidade as defesas de Mestrado, o estudante Roberto Luiz Svolenski, defendeu nesta segunda-feira, às 14h, o trabalho intitulado “Piedrabuena: a imagem que arde”. A defesa foi realizada no campus Pedra Branca.

O estudo propôs analisar o projeto Zona Sur Barrio Piedra Buena, do artista Gian Paolo Minelli, que reúne fotografias realizadas pelos moradores do complexo habitacional Piedrabuena, em Buenos Aires.

“O objetivo foi o de refletir sobre a ardência dessas imagens, analisando a forma como o trabalho de Minelli resgata a história dos vencidos e escova a história a contrapelo (segundo a expressão de Walter Benjamin) ao rememorar a história dessas pessoas e do bairro, que foi criado pelo governo durante os períodos de ditadura militar na Argentina”, explica o estudante.

Roberto foi aprovado, em banca composta pelos professores Dra. Ana Carolina Cernicchiaro – UNISUL (orientadora), Dr. Mario Cesar Camara – UBA (avaliador), Dr. Antonio Carlos dos Santos – UNISUL (avaliador) e Dr. Artur de Vargas Giorgi – UNISUL (suplente).

 

Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Corpo feminino plus size é tema de dissertação

(07/08/2017) Análises de campanhas publicitárias e da relação entre Corpo e Discurso foram a base para a pesquisa da estudante Barbara Pavei de Souza. O resultado do trabalho intitulado "Corpo feminino plus size: nomeação e/ou condição?" foi apresentado nesta segunda-feira, às 9 horas, no campus Pedra Branca em sua Defesa Pública de Dissertação.

Corpo e discurso

A mestranda apontou que Corpo e Discurso andam próximos no campo teórico da Análise de Discurso (AD), pois pode-se compreendê-lo tanto como forma de subjetivação (meio de constituição do sujeito), quanto linguagem (nessa esfera o corpo-arte por exemplo).

“Para a AD o corpo surge estreitamente relacionado a novas formas de assujeitamento e, portanto, associado à noção de ideologia”, conta a mestranda.

Plus size


Compreende-se que o corpo feminino plus size vem sendo marcado por diferentes posições-sujeitos à medida que os discursos vão interpelando e constituindo essas posições-sujeitos das mulheres. Este corpo feminino é produzido pelo efeito dos discursos midiáticos, onde a mulher passa a ser prisioneira de um padrão hegemônico de beleza.

“Analisamos duas fotografias de moda protagonizadas por corpos femininos de tamanho grande, sendo a primeira uma campanha publicitária da marca Valfrance, intitulada “Gostosa demais para usar 38” e a segunda, a capa da Revista Moda Moldes tamanhos especiais, na qual tem como artista protagonista, a cantora Preta Gil”, finaliza Barbara.

 

A estudante foi aprovada com distinção em banca formada pelos professores Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (orientadora), Dra. Simone Hashiguti – UFU (avaliadora), Dra. Giovanna G. Benedetto Flores – UNISUL (avaliadora) e Dra. Solange Maria Leda Gallo – UNISUL (suplente).

 

PPGCL



Foto/Divulgação: PPGCL

Pesquisa de mestrado analisa o silêncio em interrogatórios

 

(04/08/2017) Nesta sexta-feira, a estudante da linha de Texto e Discurso, Karla da Rosa Lapolli, defendeu sua dissertação intitulada “Efeitos de sentido do silêncio em interrogatórios judiciais brasileiros: quem cala consente?”. A defesa foi realizada no campus de Tubarão.

A pesquisa buscou verificar se o pré-construído da culpa tem influenciado, ainda que de forma velada, nas decisões de processos judiciais penais onde o acusado exerce o direito ao silêncio.

Quem cala consente?

O direito ao silêncio foi garantido pela Constituição Federal de 1998, expressamente no artigo 5º, inciso LXIII, inserido no título concernente aos direitos e garantias fundamentais, e foi regulamentado pelo artigo 186 do Código de Processo Penal, onde foi previsto expressamente que o silêncio do acusado não será considerada confissão, bem como que não poderá ser interpretado em prejuízo da defesa.

“Percebeu-se que a tentativa de estabilizar interpretação do silêncio do acusado nos interrogatórios, como pretendido juridicamente, ou mesmo vedar a interpretação desse discurso, é uma utopia inalcançável, e que a edição da norma existe, possivelmente, como ferramenta de garantia da ordem”, conta a pesquisadora.

No viés da análise do discurso foram estudados o pré-construído da culpa, a ideologia que recai sobre o discurso do acusado, bem como a possível origem e desenvolvimento do dito popular “quem cala consente”. Ainda, estudou-se como se dá a produção de sentido pelo silêncio e sua interpretação e o papel que o contexto desempenha para os efeitos de um discurso, que permitiram a análise de três acórdãos que expressam jurisprudência em que os acusados permaneceram em silêncio, bem como de um interrogatório em que o acusado respondeu as perguntas do juízo.

“A presente pesquisa permitiu concluir que mesmo diante da vedação legal, é inviável a pretensão de restrição do gesto interpretativo, mas tão somente é possível restringir sua menção durante a realização dos atos processuais penais, com o fim de evitar-se a nulidade dos mencionados atos”, finaliza Karla.

Em banca constituida pelos professores Dra. Maria Marta Furlanetto – UNISUL (orientadora), Dra. Débora de Carvalho Figueiredo – UFSC (avaliadora), Dra. Silvânia Siebert – UNISUL (avaliadora) e Dr. Fábio José Rauen – UNISUL (suplente), Karla foi aprovada em sua defesa de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem.
 

Foto/Divulgação: PPGCL


PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Discurso materno é tema de dissertação

(03/08/2017) A estudante de mestrado Leidiane Nunes Mateus Goulart defendeu nesta quinta-feira sua dissertação intitulada “Discurso materno: articulações entre o gozo e a autoria”. O trabalho foi realizado sob orientação do professor Maurício Eugênio Maliska.
 

Autoria e gozo


O trabalho defendido no campus Pedra Branca, teve como objetivo analisar o discurso materno presente na escrita do livro “Mãe me ensina a conversar: vencendo o autismo com amor”. “A ideia foi relacionar os conceitos de autoria e gozo”, explica a estudante.

Para isso foram retirados fragmentos de trechos do livro, de modo que, a partir das marcas das falas da mãe, pudessem operar os gestos de análise. Os estudos foram baseados a partir das teorias da Análise do Discurso de linha francesa, de Michel Foucault e de Michel Pêucheux, assim como da teoria da psicanálise, de Freud e Lacan.

“No decorrer da pesquisa, foi possível identificar marcas que constituem um Discurso Materno diante da possibilidade de diagnóstico de um filho autista. A partir dessas marcas, identificamos uma mãe que escreve um livro ao mesmo tempo em que se autoriza, mesmo que precariamente, para a função materna. Uma mãe que no discurso contido no livro, se coloca como uma “super mãe”, ao mesmo tempo que não dá condições suficientes para que o sujeito possa se constituir”, finaliza Leidiane.

A estudante foi aprovada, em banca formada pelos professores Dr. Maurício Eugênio Maliska – UNISUL (orientador), Dr. Pedro Heliodoro de Moraes Branco Tavares – UFSC (avaliador), Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (avaliadora) e Dra. Adriana de Oliveira Limas – UNISUL (suplente).
 

Foto/Divulgação: PPGCL

 

PPGCL


Foto/Divulgação: Lasa International

Professora do PPGCL participa de evento no Uruguai


(02/08/2017) A professora Ana Carolina Cernicchiaro, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul, participou da Sección de Estudios del Cono Sur do Latin American Studies Association (Lasa) - “Modernidades, (in)dependencias, (neo)colonialismos”, que aconteceu entre os dias 19 e 22 de julho, em Montevidéu, Uruguai.


Cernicchiaro foi convidada a participar do Simpósio “Inflexiones de lo popular en la literatura brasileña”, onde falou sobre a antologia Poesia.br e o devir-ameríndio da Literatura Brasileira.


A mesa foi organizada por Laura Cabezas, da Universidad de Buenos Aires e do CONICET (Argentina), e Juan Recchia Paez, da Universidad Nacional de La Plata e do FONCyT (Argentina). Contou ainda com a presença de Byron Vélez e Leonardo D’Ávila, da Universidade Federal de Santa Catarina, e a mediação de Javier Uriarte, da Stony Brook University (Estados Unidos).


PPGCL


Foto/Divulgação: UnisulHoje
Doutora formada no PPGCL lança livro

 

(01/08/2017) A professora da Unisul, Edla Maria Silveira Luz, publicou recentemente o livro "O espetáculo de “ser visto” a qualquer custo". O livro surgiu a partir da tese de doutorado em Ciências da Linguagem intitulada ‘O lugar místico da intimidade no imaginário contemporâneo: o parto filmado como espetáculo’.

 

A obra é parte dos quatro anos de pesquisa, e, enfatiza como “o ‘ter’ passou a ser afirmação de todos os ideais humanos, onde a crítica se constrói na base das relações de aparência e de contemplação das aquisições capitalistas e de consumo”.

 

A escritora destaca ainda que a vida é agregada de valores, de motivações, de conquistas e também de buscas. Sendo o próprio livro uma realização destas buscas incansáveis. “Que bom que somos seres em busca, inconformados e altamente dispostos a prosseguir e progredir”, finaliza.

 

Sobre a autora

 

Integrante do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano, Edla Maria Silveira Luz, é doutora em Ciências da Linguagem, mestre em Saúde Coletiva, especialista em Saúde da Família, especialista na Área de Formação Profissional e graduada em Enfermagem e Obstetrícia. Atualmente é docente em cursos de graduação e pós-graduação e orientadora de projetos de pesquisa e monografias, coordenadora de ambulatórios de Internato Médico (cirurgia e ginecologia-obstetrícia). Enquanto pesquisadora, desenvolve estudos em Ciências da Saúde, Ciências da Linguagem e Comunicação. Além de escritora também é palestrante.

 

Interessados em adquirir a obra podem entrar em contato com a autora pelo e-mail edla.luz@unisul.br O livro custa R$ 15,00 reais.

 

UnisulHoje (adaptado)


Foto/Divulgação: PPGCL
Turma 2017 inicia as aulas


(28/07/2017) Nesta quinta (27), iniciaram-se as atividades letivas da Turma 2017 dos cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências da Linguagem em Tubarão. Os estudantes foram recepcionados pela coordenação e secretaria, que apresentaram a estrutura do currículo e algumas exigências acadêmicas.


Estudos Linguísticos é a primeira disciplina


“Conhecer o projeto dos cursos e as obrigações acadêmicas”, esses foram os principais objetivos da recepção dos novos estudantes dos cursos de mestrado e doutorado em Ciências da Linguagem na tarde desta quinta-feira (27) no Centro de Pós-graduação da Unisul em Tubarão.


“Trata-se de uma oportunidade que a coordenação e a secretaria do Programa tem de dar as boas-vindas calorosas aos estudantes e de explicar o funcionamento das atividades do curso”, explica o professor Fábio José Rauen, coordenador.


Depois da recepção, os estudantes aprovados no processo seletivo do primeiro semestre iniciaram o primeiro semestre do curso com a disciplina de “Estudos Linguísticos”. Amanhã (28), iniciam-se as aulas de “Filosofia da Linguagem” e “Estética”.


“Este ano o calendário está muito apertado, porque há vários feriados programados para as quintas e sextas, quando ocorrem as aulas em Tubarão”, esclarece Rauen.


Na Pedra Branca, as aulas começam no dia 7 de agosto. As aulas das disciplinas obrigatórias terminam nos dias 5 e 9 de outubro em Tubarão e Pedra Branca. Em seguida, são ministradas as disciplinas das linhas de pesquisa até o final de novembro.


PPGCL


Foto/Divulgação: PPGCL

Oficina trabalha a elaboração de projetos


(26/07/2017) Nesta terça (25) na sala 107 do Bloco Pedagógico da Unisul de Tubarão, os professores Fábio José Rauen e Clarissa Carneiro Mussi desenvolveram a Oficina “Elaboração de projetos de iniciação científica”. O evento faz parte da Semana do Programa de Formação Continuada da Unisul – PROFOCO.


Qualificação da Produção Científica da Universidade


Professores da Unisul participaram nesta terça-feira da Oficina “Elaboração de projetos de iniciação científica” que visou a promover uma “reflexão sobre os critérios de avaliação e componentes da estrutura de apresentação de projetos de iniciação científica”.


A atividade começou com uma palestra ministrada pelo professor Fábio José Rauen. Rauen apresentou a estrutura retórica do texto acadêmico e desenvolveu com os professores uma metodologia de elaboração de anteprojetos de pesquisa.


“Defendi a tese de que um trabalho acadêmico possui dois argumentos. O primeiro dá sustentação à formulação do objetivo, e o segundo dá sustentação à formulação da conclusão”, explica. “Depois disso, eu desenvolvi com os professores uma metodologia de geração de projetos de pesquisa que evita um conjunto expressivo de equívocos que as comissões de avaliação de projetos de iniciação científica percebem”, complementa.


Em seguida, a professora Clarissa Mussi apresentou os elementos estruturais dos projetos de pesquisa, enfatizando os critérios de avaliação e os erros mais recorrentes nos trabalhos e exemplificando essas questões em casos concretos.


“Minha preocupação foi dar uma dimensão concreta dos problemas encontrados nas submissões dos projetos para que os professores possam qualificar a sua produção científica”, esclarece Clarissa.
A Oficina será reapresentada hoje (26) a partir das 14 horas na Sala 121 do Bloco B da Unidade Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis.


PPGCL


Conto de escritora Lygia Fagundes Telles é objeto de Dissertação


(21/07/2017) A mestranda Tatiani Longo Mazon defendeu, na tarde dessa sexta-feira (21) sua dissertação intitulada “Efeito de fecho em gestos de leitura do conto A Caçada, de Lygia Fagundes Telles”, que abordou um dos contos da escritora. O encontro aconteceu na Sala 7, do Centro de Pós-Graduação, do Campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.


As várias interpretações de uma mesma obra


Tatiani elaborou sua dissertação em torno de uma obra de grande notoriedade na literatura nacional, o conto “A Caçada”, da escritora brasileira Lygia Fagundes Telles, que conta a história de um homem que, ao visitar uma loja de antiguidades, se deslumbra por uma velha peça de tapeçaria. Todo o desenrolar da trama fica em torno da interpretação que o homem faz do objetivo. O final, em suspenso, permite que diversos leitores da obra elaborem diversos finais diferente, o que torna o conto ainda mais interessante.


“Minha pesquisa busca compreender a produção de sentidos em gestos de leitura e interpretação do conto “A Caçada”, de Lygia Fagundes Telles. Como processo metodológico para compreender os gestos de leitura, realizei uma pesquisa aplicada com estudantes do Ensino Médio da escola Heriberto Hülse, de Criciúma, Santa Catarina”, explica a mestranda.


Tatiani teve sua dissertação aprovada por banca composta pelos professores: Dra. Silvânia Siebert – UNISUL (orientadora), Dr. Sandro Braga – UFSC (avaliador), Dra. Maria Marta Furlanetto – UNISUL (avaliadora) e Dra. Andréia da Silva Daltoé – UNISUL (suplente).

 

 

PPGCL


Dissertação aborda a interdição da língua alemã no período do governo Getúlio Vargas

 

(20/07/2017) A estudante do mestrado Vanilda Policarpo defendeu na tarde dessa quinta-feira (20) sua dissertação intitulada "Por que não aprendi a falar alemão? Identidade, silêncio e memória". O apresentação aconteceu na Sala 7, do Centro de Pós-Graduação, do Campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

A pesquisa de Vanilda analisa a interdição da língua alemã, que ocorreu no período do Estado Novo do governo de Getúlio Vargas, entre os anos de 1938 e 1945. Para compreender esse período histórico, foi apresentado a forma como Vargas governou e os meios utilizados para criar a imagem do presidente amigo, defensor dos humildes. Apesar da popularidade, Vargas também se constitui como um presidente centralizador de poder e, dessa forma, criou leis para comandar o país de acordo com seus interesses políticos.

 

Entre muitas leis sancionadas, há a Lei da Nacionalização do Ensino, que proibia as aulas e utilização de línguas estrangeiras, primeiro em âmbito escolar, depois até mesmo nos lares. Também dentro dessa proibição, estava a interdição da língua alemã no Brasil.

 

"Minha pesquisa busca investigar as consequências da interdição da língua alemã no Brasil, sendo prejudicial para a aprendizagem de seus descendentes, bem como os efeitos produzidos pela memória dos sujeitos que viveram no período da interdição. Para poder alcançar os objetivos do trabalho, realizei quinze entrevistas a fim de analisar quais foram os resultados desse processo referente à aprendizagem da língua alemã, assim como os vestígios da interdição que permanecem na memória dos descendentes", explica a mestranda.

 

A dissertação de Vanilda foi aprovada por banca composta por: Dra. Andréia da Silva Daltoé – UNISUL (orientadora), Dra. Vejane Gaelzer – IFFar (avaliadora), Dr. Fábio José Rauen – UNISUL (avaliadora) e Dra. Silvânia Siebert – UNISUL (suplente).

 

 

PPGCL


Currículo e formação identitária dos professores de Educação Física são objetos de Tese

 

(20/07/2017) A doutoranda Luciane Lara Acco defendeu na manhã dessa quinta-feira (20) sua tese intitulada “A identidade dos professores de Educação Física e a sua (des)construção profissional na pós-modernidade”. A apresentação e arguição aconteceram na Sala de videoconferência da Biblioteca Universitária, do campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Identidade profissional docente

Os currículos dos cursos de Educação Física Licenciatura vêm, na última década, passando por mudanças com o objetivo de se adequarem às orientações expostas nas Diretrizes Curriculares. A pesquisa de Luciane, que foi desenvolvida no âmbito do PPGCL e vinculada à Linha de Pesquisa Linguagem e Cultura, tem como objetivo de estudo quatro projetos pedagógicos de universidades públicas e privadas de Santa Catarina.

“O objetivo geral da minha pesquisa é analisar a identidade profissional dos professores de Educação Física constituída a partir dos currículos e projetos pedagógicos de universidades públicas e privadas de Santa Catarina. Minha pesquisa é um estudo documental, com abordagem qualitativa em documentos. Para a análise dos dados qualitativos, utilizei as categorias de legalização, perfil do egresso e matriz curricular”, explica a doutoranda.

Luciane teve sua Tese aprovada por banca composta por: Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias– UNISUL (orientadora), Dra. Gelcemar Oliveira Farias – UDESC (avaliadora), Dra. Iguatemy Maria de Lucena Martins – UFPB (avaliadora) (Via Skype), Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes – UNISUL (avaliadora) e Dra. Jussara Bittencourt de Sá – UNISUL (avaliadora).

 

 

PPGCL


Dissertação analisa arquivo de leituras


(18/07/2017) A estudante Bianca Queda Costa defendeu sua dissertação de mestrado intitulada “Arquivo de leituras em AD: uma construção (im)possível” na manhã desta segunda-feira (17) na Sala 212, do bloco B, do Campus da Grande Florianópolis na Universidade do Sul de Santa Catarina.


Arquivos digitais


Em “Arquivo de leituras em AD: uma construção (im)possível”, Bianca Queda Costa investiga aspectos da leitura de arquivos discursivos, mais especificamente, arquivos no digital, e também aspectos informatizados do tratamento de documentos textuais. Por meio do dispositivo teórico da Análise de Discurso, a autora mobilizou noções teóricas da Análise do Discurso de Linha Francesa para analisar os aspectos técnicos e políticos da construção de um arquivo digital.


“Por exemplo, a noção de arquivo foi definida não como um espaço físico, mas como conceitua Pêcheux (1992), ou seja, um campo de documentos pertinentes e disponíveis sobre uma questão”, explica a estudante.


Nesta pesquisa, experimentou-se, através da construção do instrumento tecnológico “Arquivo de Leituras em AD”, uma forma de circulação de materiais acadêmico-científicos na rede internet por meio de uma plataforma parecida com aquelas que oferecem mecanismos de busca mais comuns.


“O Arquivo de Leituras em AD é uma plataforma que reúne materiais bibliográficos da Análise do Discurso, a partir das quais deriva um banco de dados online para (re)atualizações (in)constantes das noções que estão sendo pesquisadas nesses materiais, por via do que chamamos fichamentos”, esclarece Bianca.


“Buscamos nas nossas investigações olhar para essa materialidade do digital e como se dá essa criação coletiva de um arquivo científico/acadêmico e, a partir disso, procuramos desenvolver a noção de divulgação científico-acadêmica”, complementa a autora.


A pesquisa de Bianca Queda Costa, orientada pela Professora Solange Maria Leda Gallo, foi avaliada por banca formada pelas professoras Solange Mittmann (UFRGS) e Juliana da Silveira (Bolsista PNPD Capes/Unisul) e contou com a professora Giovanna G. Benedetto Flores (Unisul) como suplente.


PPGCL


“Imaginário” em destaque no PPGCL

 

(13/07/2017) Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano do PPGCL realizou nesta quarta-feira (12) extensa programação em Tubarão. De manhã, houve a defesa da tese de Willian Corrêa Máximo; à tarde, a oficina ‘O Imaginário do Brincar’ com a Dra. Eunice Simões Lins Gomes (UFPB); à noite, a conferência ‘O Imaginário do Sagrado’ e a apresentação do site do grupo.

 

Enchente de 1974

 

Orientado pela professora Heloisa Juncklaus Preis Moraes, o doutorando Willian Corrêa Máximo, coordenador da área de comunicação da Unisul, defendeu publicamente a tese ‘Tubarão e o Imaginário de 1974: marcas simbólicas de um rio, vestígios de mitologias hídricas, a mitologização de uma catástrofe e os traços que presentificam uma comunidade imaginada’, sendo aprovado com distinção. “A exemplo do Nilo, Ganges, Amazonas e tantos outros, Tubarão tem a dádiva de ter um rio ‘cortando’ a cidade de ponta a ponta. Sinto-me gratificado em aplicar a teoria do imaginário na comunidade onde nasci e cresci; mostrar que uma narrativa histórica pode ser mítica; um rio-símbolo que mexe com nossa imaginação, faz parte do nosso imaginário local, e que, todos os dias, nos brinda com sua faceta sensível, atraente e voraz”, afirma Willian.

 

A defesa aconteceu na sala de webconferência da Biblioteca Central da Unisul de Tubarão. A banca foi composta pelos professores doutores Juremir Machado da Silva (PUCRS) – que participou via webconferência, direto de Porto Alegre (RS), Eunice Simões Lins Gomes (UFPB), Deisi Eloy Scunderlick de Farias (Unisul) e Jussara Bittencourt de Sá (Unisul). De acordo com a avaliadora externa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), professora Eunice Simões Lins Gomes, a tese mergulhou na teoria do Imaginário, e conseguiu identificar o que a água representa ao povo, desvelando o que a água catastrófica proporciona ao povo tubaronense, “em uma relação com o dilúvio, em uma dualidade de vida e morte, a morte que leva muita coisa do povo tubaronense, mas ao mesmo tempo, a vida que nova que ressurge da sociedade que enfrenta estas águas”, conclui ela.

 

Oficina e Conferência

 

De forma lúdica, a oficina intitulada ‘O Imaginário do Brincar’ foi ministrada pela professora Eunice Simões Lins Gomes aos integrantes do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano, trazendo os símbolos como objeto de autoconhecimento, ressignificação e libertação, permitindo aos integrantes do Grupo de Pesquisa identificarem-se com a própria teoria através da prática lúdica de significação e entrega ao símbolo.

 

Na conferência ‘O Imaginário do Sagrado’, aberta ao público e ministrada também pela professora Eunice, os participantes tomaram conhecimento de símbolos e significados restritos a determinadas culturas religiosas. A fala da ministrante, carregada de conhecimento sobre o judaísmo, islamismo, cristianismo e religiões de descendência afro, enfatizou as aproximações que o sagrado destas possuem.

 

Eunice Simões Lins Gomes é pedagoga e teóloga. Possui pós-doutorado em Ciências da Religião; doutora do em Sociologia; mestrado em Ciência da Informação e Teologia. É Professora Adjunta do Departamento de Educação do Campo (DEC) da Universidade Federal da Paraíba. Atualmente, lidera o grupo de pesquisa Educação, Religião e Antropologia do Imaginário-GEPAI (CNPq).

 

Site

 

Ao final do seminário, o site do Grupo de Pesquisa foi oficialmente lançado. No endereço www.pesquisa.unisul.br/imaginario, interessados em pesquisas do imaginário podem entrar em contato com as diversas atividades do grupo.

 

Para a Profa. Heloisa Juncklaus Preis Moraes, líder do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano do PPGCL, a programação de quarta-feira possibilitou rico aprendizado, especialmente quanto aos métodos e as técnicas do Imaginário. “Além disso, as atividades viabilizaram a organização de rede de pesquisa com a Universidade Federal da Paraíba”, complementa.

 

Matéria e fotos, clique aqui.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Tese analisa a enchente de 1974 na cidade de Tubarão

 

(12/07/2017) O doutorando Willian Corrêa Máximo apresentou na manhã dessa quarta-feira (12) sua tese intitulada “Tubarão e o imaginário de 1974: marcas simbólicas de um rio, vestígios de mitologias hídricas, a mitologização de uma catástrofe e os traços que identificam uma comunidade imaginada” na Sala de videoconferência da Biblioteca Universitária, do campus Tubarão da Unisul.

 

Reflexos da tragédia

 

Em sua apresentação, o doutorando apresentou diversos dados relacionados com a grande enchente enfrentada pela cidade de Tubarão no ano de 1974, evidenciando esse evento como sendo um marco zero para o desenvolvimento da cidade. Além disso, ressaltou todo um imaginário criado em torno desse momento vivido, seus impactos emocionais e culturais e sua significação para a comunidade tubaronense que, até hoje, permanece viva. Durante a pesquisa, Willian realizou 21 abordagens com pessoas entre 21 e 84 anos, promovendo questionamentos, interações e até mesmo simples “perguntas e respostas” e “pingue pongue, o que tornou a pesquisa de Willian ainda mais fundamentada e significativa.

 

“Meu objetivo foi identificar as peculiaridades de março de 1974 para a cidade de Tubarão, na transversalidade dos universos e microuniversos míticos, e nas imagens simbólicas do devaneio hídrico dos tubaronenses, as ressurgências e convergências que definem uma narrativa mítica local que, nesse caso, é o mito fundados da grande enchente de 1974, e sua aproximação com outros mitos diretores que consubstanciam, a cada relato épico, um imaginário e uma comunidade simbólica-imaginada”, explica o doutorando.

 

A tese de Willian foi aprovada com distinção por banca composta pelos professores: Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes – UNISUL (orientadora), Dra. Eunice Simões Lins Gomes – UFPB (avaliadora), Dr. Juremir Machado da Silva – PUCRS (avaliador) (Via Skype), Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias – UNISUL (avaliadora) e Dra. Jussara Bittencourt de Sá – UNISUL (avaliadora).

 

 

PPGCL


Obra organizada por professora do PPGCL é premiada no Rio de Janeiro

 

No dia 21 de junho/2017, a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil entregou os prêmios 2017 aos melhores livros produzidos em 2016, em diversas categorias.

 

Literatura infantil e juvenil: do literário a outras manifestações estéticas, vencedor na categoria Melhor Livro Teórico, recebeu a premiação em evento realizado no Rio de Janeiro. As organizadoras Profa. Eliane Debus (UFSC), Profa. Dilma Beatriz Juliano (UNISUL) e Nelita Bortolotto (UFSC) estiveram presentes e puderam constatar a importância do livro, através da justificativa dos votantes, membros da FNLIJ. Destes, podemos citar: “A obra é bastante representativa do trabalho profícuo e contínuo do grupo de estudos vinculados à Literatura Infantil e Juvenil atuante em Santa Catarina. ” (Profa. Regina Zilbermann – UFRGS).

 

“Atualmente há muitos livros teóricos sobre literatura infantil e juvenil, o que só ratifica a relevância do gênero. Sem dúvida, alguns com mais qualidade do que outros. A obra em questão, no entanto, extrapola a literatura, usualmente estudada em seus aspectos variados. Focaliza também outras artes, enriquecendo a formação do leitor, assim, enfatizando a necessidade de uma educação estética ampla. A linguagem, embora cuidada, é coloquial, facilitando o acesso aos interessados, com níveis de escolaridade diferentes. A leitura flui com facilidade, o que mostra como qualquer embasamento teórico se pode internalizar. O modo é que importará no sucesso. ” (Profa. Maria Teresa Gonçalves Pereira – UERJ)

 

A Coleção Linguagens (PPGCL) acolheu a obra e colaborou na organização na certeza do desempenho da tarefa acadêmica de disseminar o conhecimento oriundo de pesquisas relevantes na área da ficção destinada às crianças e aos jovens.

 

19ª Salão do Livro para Crianças e Jovens

 

Fazendo coincidir o calendário de eventos, a FNLIJ convidou as professoras organizadoras a participar do 19ª Salão do Livro para Crianças e Jovens, apresentando o livro premiado, os capítulos e seus autores, a linha de estruturação da obra e os objetivos da publicação. Ao chamado evento paralelo, compareceram professores da rede municipal do RJ presentes no Salão, pesquisadores universitários, público em geral visitante do Salão, participando do debate.

 

Foi uma excelente oportunidade de divulgar o livro premiado, com seus vínculos internacionais e nacionais de pesquisa na área.

 

 

PPGCL


 

Reportagem “Bela, recatada e do lar” da revista Veja é objeto de dissertação

 

(05/07/2017) A estudante do mestrado Maria Aparecida dos Santos Mota defendeu nessa quarta-feira (5) sua dissertação intitulada “’Bela, recatada e do lar’: gênero, política e redes sociais”. O encontro aconteceu às 14 horas, Sala 7, do Centro de Pós-Graduação, do Campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Lugar de mulher é onde ela quiser!

 

“Em meu trabalho, propus investigar a circulação e a produção de outros sentidos possibilitados pela reportagem intitulada “Bela, recatada e do lar”, publicada na revista Veja no dia 20 de abril de 2016”, explica Maria Aparecida.

 

Em sua dissertação, Maria Aparecida analisou os aspectos midiáticos relacionados com a frase “Bela, recatada e do lar”, destinada à primeira-dama do Brasil, Marcela Temer. Além disso, faz uma reflexão do papel da mulher na sociedade, expondo momentos da história que vão desde a Belle Époque brasileira, até o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e os dias atuais.

 

“Meu trabalho explora conceitos como acontecimento, memória, silêncio e formação imaginária. Conclui, com meu trabalho, que está sendo trazido à tona, mais uma vez, a força da memória coletiva: enquanto a imagem de Marcela Temer indicia uma mulher idealizada, um modelo de mulher à ser seguido, a imagem de Dilma Rousseff evidencia o distanciamento de certo padrão para uma posição que, até então, era exclusivamente masculina, apontando-se novos matizes da contradição nas relações de gênero social”, completa a mestranda.

 

Maria Aparecida teve sua dissertação aprovada por banca composta pelos professores: Dra. Maria Marta Furlanetto – UNISUL (orientadora), Dr. Atílio Butturi Júnior – UFSC (avaliador), Dra. Silvânia Siebert – UNISUL (avaliadora) e Dra. Andréia da Silva Daltoé – UNISUL (suplente).
 

PPGCL


 

Mestrado em Educação promove seminário sobre pesquisa científica

 

(05/07/2017) Na manhã dessa quarta-feira (5), o Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) realizou na Sala de Treinamento do Prédio Sede, em Tubarão, o Seminário da Linha de Pesquisa Educação em Ciências. Na ocasião, o professor e coordenador do PPGCL, Prof. Dr. Fábio José Rauen ministrou a palestra "Pesquisa científica: da concepção até a produção e a apresentação".

 

É o primeiro seminário realizado pela linha de pesquisa e traz como objetivo a reflexão sobre o processo de produção e apresentação da pesquisa científica, além de possibilitar a articulação entre os dois programas de pós-graduação da Unisul (PPGE e PPGCL).

 

Fábio José Rauen possui graduação em Letras Português/Inglês pela Fundação Educacional do Norte Catarinense (1986), mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (1990), doutorado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (1996) e pós-doutorado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2006). Tem experiência na área de Linguística, atuando no campo da Pragmática Cognitiva como especialista em Teoria da Relevância e como proponente da Teoria de Conciliação de Metas; e na área de Metodologia Científica e da Pesquisa, atuando como especialista em Redação Acadêmica. Atualmente, é docente e coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul).

 

A apresentação de Rauen se dividiu em dois momentos, o primeiro destinado ao projeto de pesquisa e o segundo voltado à redação acadêmica, destacou três princípios chaves para a elaboração da pesquisa – singularidade, coerência e parcimônia – e salientou procedimentos técnicos que são considerados corretos para o meio científico. “O grande problema dos TCCs é que o aluno não tem problema, o problema é o próprio TCC, da mesma forma, ter a dissertação como problema é que é o problema, começa tudo torto”.

 

O coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE), professor Gilvan Luiz Machado Costa, ressaltou a importância do evento para a consistência da linha de pesquisa Educação em Ciências e para a aproximação com o PPGCL, programa consolidado no meio acadêmico. “O PPGCL oferta o doutorado, perseguimos o doutorado para o PPGE também, e este evento ajuda no caminho desta perspectiva, é parte deste movimento”, ressalta Gilvan.

 

 

Unisul Hoje (Adaptado)


 

Dissertação discute os conceitos de beleza diante dos padrões impostos pela mídia

 

(30/06/2017) Foi realizada na manhã dessa sexta-feira (30) a defesa pública de dissertação da estudante Raissa Beatriz Bussolo Capeler, intitulada “A doença pode estar na imagem da doença”. A apresentação aconteceu na sala 8, do Centro de Pós-Graduação, do Campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Estudo da estética corporal

 

A pesquisa de Raïssa analisou o comportamento de pacientes submetidos à cirurgia de cranioplastia, questionando como eles negociam a aparência com suas deformidades para se adequarem aos padrões de beleza ditados pela mídia na contemporaneidade.

 

“Minha dissertação teve o objetivo de estudar a estética corporal associada a processos culturais contemporâneos, cujo modelo emerge do apelo a padrões preestabelecidos, em regra, pelos meios de comunicação de massa”, explica.

 

Mais especificamente, o estudo buscou entender os conceitos de abjeção, anormalidade e monstruosidade quando relativos ao corpo, investigar as alterações provocadas nos processos indenitários da cranioplastia, por consequência da ditadura do corpo perfeito e destacar a razão e os resultados deste procedimento para o paciente e seus familiares.

 

“Além do que já foi citado, minha dissertação investigou as convicções na atualidade em torno do corpo visto como anormal, feio e inadequado. Nesse sentido, abordei como o humano, que não se ajusta aos padrões exigidos de beleza e normalização, sente o mundo e o seu entorno”, finaliza a doutoranda.

 

Raíssa teve sua dissertação aprovada por banca composta pela Dra. Ramayana Lira de Sousa – UNISUL (orientadora), Dra. Alessandra Soares Brandão – UFSC (avaliadora), Dra. Nádia Régia Maffi Neckel – UNISUL (avaliadora) e Dra. Ana Carolina Cernicchiaro – UNISUL (suplente).

 

 

PPGCL


Tese analisa a influência das redes sociais nas formas de criação de moda

 

(30/06/2017) A doutoranda Graziela Brunhari Kauling defendeu nessa sexta-feira (30) sua tese intitulada “As redes sociais como dispositivos do imaginário e potencializadoras simbólicas de novas formas de criação de moda”. O evento aconteceu na sala 7, do Centro de Pós-Graduação, do Campus Tubarão da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Redes sociais como dispositivos do imaginário

 

“Minha pesquisa procurou entender a sociedade pós-moderna sob um viés sociológico e compreensivo, em que a moda é um dos pontos centrais. A potência social, juntamente com a moda, é amparada pela teoria do imaginário cuja análise apresenta novos apontamentos para as formas de pensar e criar moda. A problemática de minha tese surge com os aspectos insustentáveis da moda contemporânea, fruto de uma modernidade utilitarista e progressista”, explica Graziela.

 

As redes sociais, enquanto dispositivos do imaginário, dão suporte ao de produção sustentável, dando visibilidade à narrativa e, com isso, permite a identificação e materializa a subjetividade do imaginário social. Em sua tese, Graziela propôs seis Caracteres Essenciais que devem servir como eixos norteadores para uma análise fenomenológica. São eles: sustentabilidade virtualizada, artesania pós-moderna, nomadismo potencializador, narrativa tecnológica, tempo e espaço on-line e objeto com aura.

 

"Meu intuito foi o de criar um alinhamento de análise cuja inspiração dicotômica dos termos surgiu a partir das leituras de Maffesoli, e visa principalmente a propor uma forma de disseminação de imaginários sociais, das quais as redes sociais devem funcionar como potencializadoras simbólicas para novas formas de criação de moda. A metodologia que escolhi permeia o estudo desde o referencial teórico, até a técnica de análise, que é a narração do vivido", completa a doutoranda.

 

Graziela teve sua tese aprovada com distinção por banca composta pela Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes – UNISUL (orientadora), Dra. Eunice Simões Lins Gomes – UFPB (avaliadora), Dr. Juremir Machado da Silva – PUCRS (avaliador), Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias – UNISUL (avaliadora), Dra. Jussara Bittencourt de Sá – UNISUL (avaliadora) e Dr. Artur de Vargas Giorgi – UNISUL (suplente).

 

 

PPGCL


 

Professor Maurício Maliska participa de eventos na França

 

(26/06/2017) O Prof. Dr. Maurício Maliska, do PPGCL participou entre os dias 10 e 18 de junho de colóquios, aulas, apresentações e reuniões de trabalho nas cidades de Paris e Reims, ambas na França. Durante a viagem, o professor estreitou laços com importantes pesquisadores e universidades francesas.

 

Frutífera estada

 

Durante toda a semana da viagem, o Prof. Dr. Maurício Maliska participou de diversos eventos. Logo no primeiro dia da viagem (10 de junho), apresentou o trabalho “Le cri du suicide: la voix qui ne parle pas” no Colloque Voix/Psychanalyse organizado pela Profa. Claire Gillie na Universidade Paris 7: Denis Diderot.

 

No domingo (11), apresentou o trabalho: “Le suicide: des manuels de psychiatrie à l´ecoute psychanalytique” no Colóquio Franco-Brasileiro de Psicanálise, organizado por instituições francesas de psicanálise, com a participação de instituições psicanalíticas brasileiras, na cidade de Reims.

 

Na segunda-feira (12) visitou o Centre de Jour Antonin Artaud, na cidade de Reims. Essa visita ocorreu através da intermediação do Prof. Luciano Elia (UERJ). O Prof. Luciano Elia também esteve presente também em Reims para o Colóquio Franco-Brasileiro de Psicanálise. Na oportunidade, tratou-se de uma visita a um Hospital Dia que presta atendimento psicanalítico e oficinas terapêuticas a sujeitos em sofrimento psíquico, principalmente psicóticos.

 

Na terça-feira (13), o professor Maurício Maliska proferiu uma aula intitulada “La voix: du symptôme au sinthome” no curso Diplome Universitaire (D.U.) Voix et Symptôme, organizado pelos professores Claire Gillie e Paul-Laurent Assoun, na Universidade Paris 7. O D.U. Voix et Symptôme é equivalente a uma especialização ou curso de aperfeiçoamento no Brasil, e o professor Maliska proferiu a penúltima aula desse curso. Nos dias 15 e 16 de junho (quinta e sexta-feira) integrou uma reunião da Comissão de Enlace Geral da Convergência: movimento lacaniano para a psicanálise freudiana. Nesta reuniãoque ocorreu em Paris, no Instituto Protestante de Teologia, e foi organizado pelo Comitê Francês de Convergência, Maliska representou também a Maiêutica Florianópolis – Instituição Psicanalítica.

 

No sábado e no domingo (17 e 18 de junho), ele apresentou o texto “O Encontro: convergências em Psicanálise”, representando a Maiêutica Florianópolis – Instituição Psicanalítica no Colóquio Internacional de Convergência: La Rencontre, que ocorreu na FIAP, em Paris, e foi organizado pelo Comitê Francês de Convergencia.

 

Além dessas atividades, o Prof. Dr. Maurício Maliska também assistiu a apresentação do livro de Enrique Tenenbaum, "Psicoanalisis y Poesia na Maison de l´Amerique Latine", no dia 13/06; assistiu à última aula do Seminário do Prof. Paul-Laurant Assoun, no Espace Analytique, no dia 15/06; assistiu à última aula do D.U. Voix et symptôme, com o Prof. Assoun. Assistiu ao seminário de Gricelda Sarmiento no Espace Aanlytique, em 14/06.

 

De volta ao Brasil, o Prof. Maliska traz muitas ideias para continuar os intercâmbios com os colegas franceses e aprimorar suas pesquisas aqui no Brasil.

 

PPGCL


 

Professora do PPGCL participa de mesa-redonda

 

(26/06/2017) A Profa. Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes participou no dia 19 de junho de uma mesa redonda no evento "Meu Corpo Meu - Desconstruindo a Imagem do Corpo Ideal", promovido pelo Curso de Psicologia, campus de Tubarão.

 

Contato relevante

 

No Evento, Heloisa proferiu a palestra "Corpo, Imaginário Social e Espetáculo", que foi seguida da apresentação da Psicóloga Jaqueline Figueiredo e posterior debate.

 

"Participar de eventos como este é muito importante porque temos a chance de promover uma discussão, baseada na perspectiva do imaginário social, de um padrão de beleza, questionando a posse (simbólica) do nosso corpo", ressalta a Dra. Heloisa.

 

No evento, estiveram presentes alunos dos Cursos de Psicologia e Jornalismo.

 

PPGCL


PPGCL seleciona novos estudantes

 

(19/06/2017) Acontece nesta semana o processo seletivo de ingresso de novos estudantes para os cursos de Mestrado e Doutorado em Ciências da Linguagem. Nesta segunda-feira (19) ocorrem os exames escrito e de proficiência, na terça-feira (20) ocorrem as entrevistas e na quarta-feira (21) ocorre a reunião de deliberação do Colegiado.

 

Maratona

 

O processo de seleção de estudantes do PPGCL tem suas etapas decisivas nesta semana no Campus da Grande Florianópolis. Na manhã desta segunda-feira (19), realizou-se o exame escrito com questões relacionadas às bibliografias do edital de seleção. À tarde, os candidatos respondem questões relativas ao exame de proficiência em língua inglesa, espanhola e francesa.

 

“Nossa estratégia já consagrada é a de viabilizar o exame de proficiência no mesmo dia do exame escrito para otimizar a participação dos candidatos que já se esforçaram por se deslocar de suas cidades para a seleção”, explica o professor Fábio Rauen, coordenador do PPGCL.

 

Para amanhã, terça-feira, há uma agenda extensa de entrevistas nas quais os candidatos apresentam para uma banca de docentes do curso as suas propostas de pesquisa.

 

“Nosso esforço é o de viabilizar em no máximo dois dias as etapas presenciais da seleção para diminuir ao máximo os custos para os candidatos”, complementa Rauen.

 

A seleção não é uma maratona apenas para os candidatos, mas também para os professores. Antes mesmo das etapas presenciais, os docentes avaliaram currículo e projetos de pesquisa. Na tarde de segunda (19), ocorrem as correções dos exames escritos, que é seguida pelas bancas de entrevistas na terça (20) e pela sessão de deliberação dos resultados na quarta (21).

 

PPGCL


 

Patrimônio cultural em discussão


(15/06/2017) O Grupo de Pesquisa em Educação Patrimonial e Arqueologia (GRUPEP) organizou nesta quarta-feira (14) à noite a mesa-redonda “Patrimônio Cultural Brasileiro: Debates Contemporâneos” no auditório da Saúde Bloco C da Unisul de Tubarão. Participaram da mesa o procurador da república, Sr. Jorge Lacerda, e a arquiteta do IPHAN, Cintia Costa Chamas.


O papel do IPHAN em evidência


Jorge Lacerda abriu os trabalhos apresentando a legislação nacional que protege o patrimônio nacional. Com o título “Legislação Federal de Proteção de Bens Culturais”, Lacerda brindou a plateia, formada de estudantes e docentes dos cursos de história e geografia, com um uma análise de um conjunto expressivo de leis e outros instrumentos legais que permitem ao Estado preservar os bens culturais brasileiros.


Cintia Costa Chamas, por sua vez, apresentou o case de preservação da “Ilha do Campeche”. Arquiteta e paisagista do IPHAN e responsável pela coordenação de gestão da Ilha, Cintia relatou todas as etapas que redundaram no tombamento e na atual gestão deste importante patrimônio catarinense.


A mesa-redonda, coordenada pela professora Dra. Deisi Scunderlick Eloi de Farias, do PPGCL, foi encerrada com uma concorrida sessão de perguntas relacionadas com a gestão de itens do patrimônio cultural catarinense.

 


PPGCL


 

Palestra discute elaboração de anteprojetos


(14/06/2017) O professor Dr. Fábio José Rauen apresentou na manhã da última quarta-feira (14) uma palestra sobre elaboração de anteprojetos em Criciúma. A atividade faz parte dos Seminários de Pesquisa do Curso de Mestrado em Educação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).


Desmitificando a metodologia da pesquisa


Rauen abriu a palestra defendendo a tese de que é necessário levar em conta a estrutura retórica do texto acadêmico para produzir pesquisas de qualidade. Em essência, o texto acadêmico deve dar conta de dois argumentos, aquele que justifica a proposição de um objetivo e sustenta a legitimidade da proposição de um objetivo de pesquisa e aquele que justifica as conclusões da pesquisa, mediante evidências metodologicamente sustentadas pela literatura de determinado campo do conhecimento.


Em seguida, Rauen apresentou uma metodologia de geração de anteprojetos de pesquisa apoiada na ideia de que é necessário que o pesquisador delimite adequadamente em uma única sentença qual é o tema da pesquisa. Com essa metodologia, os estudantes e docentes de graduação e pós-graduação presentes na atividade puderam ver como uma ideia em princípio vaga pode ir sendo progressivamente transformada num anteprojeto exequível.


“Esta metodologia não tem como meta gerar um projeto de pesquisa, mas a de definir a estrutura argumentativa que sustenta a geração de um projeto de pesquisa e de todos os gêneros textuais que derivam desse projeto”, propõe o pesquisador.


Os Seminários são organizados pelos docentes da linha de pesquisa “Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos”, professores Dr. Ademir Damazio, Dr. Alex Sander da Silva, Dr. Vidalcir Ortigara e Dra. Graziela Fatima Giacomazzo, que visa a discutir bases teórico-metodológicas do conhecimento, que sustentam os processos pedagógicos; a elaboração e apreensão de conceitos nas práticas pedagógicas; as abordagens de desenvolvimento e aprendizagem; e as relações entre saberes cotidiano e científicos. Após a apresentação da palestra, estudantes da linha pesquisa apresentaram seus trabalhos em andamento.


PPGCL


 

Grupo de pesquisa "Produção e Divulgação de Conhecimento" promove workshop

 

(12/06/2017) Na última terça-feira (6), o grupo de pesquisa "Produção e Divulgação de Conhecimento", coordenado pela Profa. Dra. Solange L. Gallo, promoveu no campus Pedra Branca um workshop com convidados e com os pesquisadores Mauro Faccioni Filho e Luiz Queriquelli, do grupo de pesquisa SISPLEX, que apresentaram o trabalho "Modeling the complexity of language as a two-mode network".


Os dois grupos discutiram as possibilidades de modelagem de uma rede informatizada que tem a linguagem como objeto.


Vários alunos do mestrado e do doutorado do PPGCL participaram da discussão. Muitos deles estão desenvolvendo questões relacionados ao discurso que circula na internet.


O interesse comum, constatada no encontro, permitiu uma prospecção de futuras ações envolvendo os dois grupos de pesquisa da Unisul.


PPGCL


 

Mesa-redonda discute a obra de León Ferrari no III Marcas da Memória

 

(12/06/2017) Na última quinta-feira (8), o Prof. Dr. Artur de Vargas Giorgi (UNISUL), apresentou a fala “León Ferrari: arquivo, memória, história”, que fez parte da III Semana Marcas da Memória, em mesa coordenada pela mestranda Carla A. Marinho Borba (UNISUL) e que também foi composta pela Profa. Dra. Andréia Daltoé (UNISUL) e pelo doutorando Luciano Daudt da Rocha (UNISUL-GIPART/UFSC).

A professora Andréia tratou do tema A Comissão Nacional da Verdade e a gestão discursiva do Estado: que se apresente o corpo. Na exposição, a pesquisadora parte da análise da lápide do túmulo de Cilon Brum, um dos desaparecidos durante a Guerrilha do Araguaia, para discutir o modo como muito da história da ditadura continua ainda reclamando respostas, provas, documentos, que, mesmo depois dos trabalhos da Comiss

Na apresentação do professor de RI, Luciano, o tema foi a questão da ditadura e democracia nos países periféricos e semiperiféricos dentro de um contexto internacional, especialmente na compreensão da expansão projeto hegemônico estadunidense. O pesquisador traz alguns acontecimentos importantes que antecederam a ditadura e despertaram nos Estados Unidos o receio de que o nacionalismo dos governos sul-americanos da época em tela se convertesse também em uma força anti-imperialista e, pior, socialista.

Em sua exposição sobre a obra do artista argentino León Ferrari, exilado no Brasil durante as últimas ditaduras militares, o professor ressaltou que o trabalho do artista é o de um montador. “Seu gesto é o de intervir no aparente consenso que naturaliza o curso progressivo da história para, expondo seu artifício – sua fábula –, estabelecer a contrapelo uma leitura disseminadora de narrativas – de ficções – alternativas. Em outras palavras: diante de um arquivo (de imagens, de textos, de tempos), o artista desnaturaliza a montagem por meio do reforço crítico da montagem”, afirmou o professor.

"A Semana Marcas da Memória proporciona um espaço para o debate, o que é fundamental nos dias de hoje, tanto para promover um resgate histórico quanto para gerar reflexões sobre a atual conjuntura no que diz respeito a questões extremamente relevantes, como as violações aos direitos humanos e a consolidação do estado de exceção. Além disso, o evento estabelece um ponto de solidariedade entre diversas áreas do conhecimento, permitindo uma abordagem plural desses temas, constituindo-se assim em um importante momento de luta e resistência da comunidade acadêmica", registra o Professor do curso de Relações Internacionais, Dr. João Marcos.

 

 


PPGCL


 

Transição Democrática é o tema do terceiro dia do III Marcas da Memória

 

(08/06/2017) Nesta quarta-feira (7), aconteceu no Salão Nobre da Unisul, do campus Tubarão, mais uma noite de atividades do III Marcas da Memória. Na ocasião, a Dra. Mariana Joffily (UDESC) ministrou a palestra "Transição Democrática e acesso a arquivos sensíveis: o caso dos perpetradores".

 

A palestra tratou da transição democrática e da abertura de acervos sobre o período da ditadura militar, que nos ajuda a compreender as particularidades do processo de redemocratização brasileiro, no qual a impunidade dos perpetradores andou passo a passo com um acesso amplo e massivo a fontes documentais do período autoritário.

 

Joffily, que é professora de História da América do Departamento de História da UDESC, falou de sua experiência em pesquisa de arquivo e ressaltou o número enorme de documentação que é disponível hoje para consulta sobre este período histórico do Brasil. Nesse sentido, a professora fez um levantamento dos principais arquivos disponíveis desde a Ditadura e o modo como foram sendo disponibilizados à medida que o Brasil avançava no processo de redemocratização.

 

"Gostaria congratular os professores do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem que estiveram na organização da III Semana Marcas da Memória. Tive o prazer de participar de um evento muito bem organizado, para um público interdisciplinar, composto de discentes de diversas áreas, interessado em debater temas importantes de nossa história recente e da atualidade" destaca a pesquisadora.

 

"O salão nobre estava lotado de uma audiência atenta, que formulou perguntas inteligentes e interessantes. Um evento extremamente importante em todos os tempos, mas particularmente na atual conjuntura, de ascenso do conservadorismo e de questionamento de direitos básicos como os trabalhistas, a liberdade de ensino e a pluralidade de gênero", comemora

 

Para o aluno Henrique dos Anjos Cruz, a palestra da professora Mariana foi muito importante e vem engrandecer o 3° evento Marcas da Memória.

 

"A palestra mostrou como o Brasil avançou do ponto de vista da pesquisa, principalmente em relação aos países vizinhos que sofreram com regimes militares no mesmo período. Segunda ela, estamos muito atrasados, quando comparados por exemplo com a Argentina, na questão da justiça. A falta de julgamento dos perpetradores respalda na forma repressiva do Estado brasileiro e suas instituições até hoje".

 

"As dificuldades para desenvolver com mais eficácia a Comissão da Verdade e como torturadores debocham da justiça, provavelmente pela falta de julgamento e condenação. Enfim, muito bom estar estudando um período tão tenebroso para os trabalhadores e para a juventude brasileira, que precarizaram o trabalho, enraizaram a dependência econômica e deram frutos as empreiteiras atualmente conhecidas", complementa o estudante.

 

O evento contou com a presença de professores, coordenadores de cursos e alunos dos cursos de Relações Internacionais, Pedagogia, Letras, História, Psicologia, Geografia, Direito, Fisioterapia (foto à esquerda).

 

 

PPGCL


 

Segundo dia do III Marcas da Memória aborda narrativas

(07/06/2017) O segundo dia do evento III Semana Marcas da Memória contou com uma palestra ministrada pela Profa. Dra. Christina Ferraz Musse da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com o tema: “Mídia e memórias: as construções narrativas sobre a ditadura civil-militar brasileira”.


A palestra foi realizada no Espaço Integrado das Artes da Unisul, campus Tubarão, e contou com a presença de estudantes de vários cursos da Unisul, entre eles Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Relações Internacionais, História, Geografia, mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e outros.

A abertura do evento ficou por conta da Profa. Dra. Andréia da Silva Daltoé (PPGCL), que ressaltou a importância da promoção de discussões relacionadas com a ditadura militar, ainda mais no cenário atual do Brasil. “A ditadura militar é tema de pesquisas, e é importante expandir essas pesquisas para além da sala de aula e colocá-las em debate sempre”, ressalta a professora.


Mídia e memórias


A Profa. Dra. Christina Musse deu continuidade ao evento abordando mídia e memórias, trazendo-nos a seguinte questão norteadora: que narrativas a mídia constrói sobre nossa realidade? Com o objetivo de debater os impactos causados pela narrativa utilizada nas mídias impressas desde a década de 1960, a pesquisadora apoiou sua fala em capas de jornais e revistas ao longo deste período até hoje. Para Musse, “A maneira como a mídia em geral legitimou o golpe de 1964, deu lastro à ditadura, que se estendeu até 1985, e, anos depois, rememora esses fatos, nos faz compreender melhor as múltiplas construções narrativas sobre o passado, e de que forma essa forma de lembrar ressignifica o presente, e nos impõe o desafio de estudar cada vez mais o papel das mídias na sociedade contemporânea”.


Também em sua fala, a pesquisadora conta um pouco de sua experiência como colaboradora da Comissão Municipal da Verdade de Juiz de Fora e o quanto foi importante para a região este trabalho desenvolvido, que resultou num livro, a partir de um projeto de extensão da Universidade.

 


Currículo


Christina Ferraz Musse possui mestrado (2001) e doutorado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006). É professora do Curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), onde exerce o cargo de Chefe do Departamento de Práticas Profissionais e Conteúdos Estratégicos. É membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFJF, onde é vice-coordenadora do PPGCOM-UFJF. Para saber mais, clique aqui.

 

Na foto principal, um registro do início da palestra tendo a esquerda a professora Andréia e a direita a professora Christina.

 

PPGCL


 

III Semana Marcas da Memória acontece na Unisul

 

(07/06/2017) A abertura oficial da III Semana Marcas da Memória, aconteceu nesta segunda-feira (5), no Salão Nobre, campus Tubarão. Esta edição será um espaço aberto ao debate social, histórico e político, que busca oferecer voz e escuta aos que lutaram e lutam pela consolidação e amadurecimento da democracia.

 

Entendendo melhor o período ditatorial brasileiro

 

Segundo a coordenadora do evento, professora doutora Andréia Daltoé, o evento traz a memória sobre a ditadura civil-militar no Brasil. “Trazemos aqui a reconstrução engajada do passado, não como uma rememoração de fatos, mas sim como uma reflexão que possa nos ajudar a pensar a situação atual da política brasileira”.

 

O Prof. Dr. Renan Quinalha abordou na palestra um pouco dos legados da continuidade da ditadura ainda presentes entre o povo. Segundo ele a democracia brasileira é muito jovem e passa por intensa e crítica crise política. “Para entender este momento é importante olharmos para o passado para podermos compreender a continuidade, não só das práticas autoritárias da ditadura, mas também o processo de transição que permitiu que a democracia nascesse”, completa Quinalha.

O reitor da Unisul, professor Mauri Luiz Heerdt, destaca a relevância da temática, proposta em sintonia com a essência da universidade, uma instituição que presa pelo respeito e promoção dos direitos sociais. “A palestra abordou desde a ditadura até o atual momento. Conhecer sobre o período é importante para discutirmos esta questão central. Ter uma consciência desta história permite se situar no contexto atual, além do que, é importante conhecermos a nossa memória”, frisa.

O evento continua até o dia 8 de junho e contará com palestrantes da Unisul e de outros estados. As inscrições são feitas no local e são limitadas ao número de lugares.

 

UnisulHoje (Adaptado)


 

Renan Quinalha, da USP, ministra palestra no PPGCL


(07/06/2017) O PPGCL promoveu, na última segunda-feira (5) uma palestra com o Prof. Dr. Renan Quinalha, da Universidade de São Paulo (USP), que teve como tema principal “Judiciário na crise política atual”. O encontro aconteceu na sala 8, do Centro de Pós-Graduação do Campus Sul da Unisul.

 

Análise do passado, momento atual e futuro do Brasil

Advogado, e militante dos Direitos Humanos, Renan Quinalha é mestre em Sociologia do Direito e Doutor em Relações Internacionais. Durante a palestra, ele fez uma análise complexa de todo o contexto histórico brasileiro, fazendo reflexões importantes, partindo do Golpe Militar de 31 de março de 1964, passando pelo processo de impeachment do ex-presidente da República, Fernando Collor de Mello, em 1992, até os dias atuais, pontuando os pós e os contras do impeachment ocorrido no ano passado, com a ex-presidente Dilma Rousseff, seus impactos no meio político, culminando então na crise política brasileira atual.


O professor ainda explorou outros temas, salientando a gravidade de ainda convivermos com movimentos que pedem a volta da Ditadura Militar, e a importância de uma renovação nas eleições nacionais de 2018, ou outros eventuais cenários, como eleições indiretas. Além disso, ele respondeu os questionamentos feitos pelos pós-graduandos e convidados e se posicionou sobre o atual momento político do país.

 

PPGCL


 

III Semana Marcas da Memória acontece de 5 a 8 de junho na Unisul

 

(02/06/2017) A III Semana Marcas da Memória, Direitos Humanos, Mídia e Educação acontece de 5 a 8 de junho e contará com palestrantes da Unisul e de outros estados. O evento é gratuito e aberto ao público em geral. As inscrições são feitas no local e são limitadas ao número de lugares.

 

Com exceção do dia 6 de junho que será no Espaço Integrado de Artes, os demais dias serão no Salão Nobre da Unisul Tubarão. A palestra de abertura acontece no dia 5 de junho, às 19h15, e será proferida pelo professor doutor Renan Quinalha, que abordará o tema “A luta pelos direitos humanos: da ditadura à democracia”. Quinalha tem formação em Direito e em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo (USP), onde defendeu o mestrado em Sociologia do Direito e doutorado em Relações Internacionais, também é advogado e militante dos direitos humanos. Veja abaixo a programação completa:

PROGRAMAÇÃO – III SEMANA MARCAS DA MEMÓRIA

05/06: segunda-feira
Oficina Pedagógica: (Des)Construindo conceitos sobre a ditadura militar recente: visões, percepções e reflexões
Mestrando Lucas Vicente Comassetto
Local: Colégio Dehon
Horário: das 13:30 às 15:00

05/06: segunda-feira
Dr. Renan Quinalha (USP)
Palestra: A luta pelos direitos humanos da ditadura à democracia
Local: Salão Nobre
Horário: das 19:15 às 22:00

06/06: terça-feira
Prof. Dr. Christina Ferraz Musse (UFJF)
Palestra: Mídia e memória: as construções narrativas sobre a ditadura civil-militar brasileira
Local: Espaço Integrado de Artes
Horário: das 19:15 às 22:00

07/06: quarta-feira
Dra. Mariana Joffily (UDESC)
Palestra: Transição democrática e acesso a arquivos sensíveis: o caso dos perpetradores
Local: Salão Nobre
Horário: das 19:15 às 22:00

08/06: quinta-feira
Mesa-redonda: Poder de Estado, memória e história
Coordenação: Carla A. Marinho Borba
Local: Salão Nobre
Horário: das 19:15 às 22:00

Dra. Andréia da Silva Daltoé (PPGCL/UNISUL): A Comissão Nacional da Verdade e a gestão discursiva do Estado: que se apresente o corpo


Dr. Artur de Vargas Giorgi (PPGCL/UNISUL): León Ferrari: arquivo, memória, história


Me. Luciano Daudt da Rocha (UNISUL-GIPART/UFSC): Golpes de Estado, intervenção midiática e construção de um projeto de hegemonia global

A Semana Marcas da Memória está sendo coordenada pelas professoras Andréia da Silva Daltoé e Carla Aparecida Marinho Borba, organizado por Camila Borges dos Anjos, Juliene Silva Marques, Maria Sirlene Pereira Schlickmann, Gisele Vargas e Mário Abel Bressan. Conta com a parceria dos cursos de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem (PPGCL-UNISUL) e de graduação: Relações Internacionais, Licenciaturas, Direito, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Psicologia; PARFOR; PIBID; SINPAAET; Coletivo Catarinense Memória, Verdade e Justiça e Escola de Educação Básica Lino Pessoa.

Mais informações: (48) 3621.3369

 

UnisulHoje (Adaptado)


 

Professoras do PPGCL realizarão atividades em Curitibanos

(30/05/2017) No próximo dia 01 de junho, as professoras pesquisadoras Nádia Neckel, Giovanna Flores, Solange Gallo e Juliana Silveira (PNPD), juntamente com doutorandos do PPGCL e com a doutora egressa do Programa, Kátia Zillo, realizarão algumas atividades financiadas pela Fapesc/Unisul. O evento ocorrerá na Universidade do Contestado, campus Curitibanos.
 

Evento importante

Um dos projetos é intitulado "Análise discursiva de textualidades digitais: Pesquisa e autoria para/na Educação Básica." Segundo a Profa. Dra. Solange Gallo, o evento prevê palestras a professores da escola básica, além de oficinas e produção de material audiovisual que serão disponibilizados, posteriormente, no site Metarede, desenvolvido pelo grupo de pesquisa.


O evento ocorrerá na Universidade do Contestado, campus Curitibanos às 19h30min.


PPGCL


 

PPGCL realiza encontro para debater sobre Michel Foucault


(17/05/2017) Foi realizado na última terça-feira (16) um encontro com o Prof. Dr. Nei Nunes (UFSC) intitulado "Ciclo de Estudos em Foucault". O evento foi organizado pelo Grupo de Pesquisa em Estética e Política na Contemporaneidade (EPOCA) do PPGCL. O encontro aconteceu na Sala 212, Bloco B, do Campus Grande Florianópolis da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Encontro importante

 

"A aula do professor foi excelente; tivemos sala cheia com alunos de graduação e da pós-graduação, da iniciação científica, e de grupos de pesquisa, que já nos dão retorno positivo. A conversa clara e a demonstração de domínio de estudo, em um autor tão importante e complexo como o é Michel Foucault, foram pontos altos do evento. O Professor Nei fez um panorama das trajetórias Foucaultianas das obras entre 1974 à 1983", explica Dra. Nadia Régia Maffi Neckel (UNISUL).
 

PPGCL


PPGCL recebe presidente da ABRAP


(16/05/2017) O PPGCL recebeu nesta terça (16) a visita do professor Dr. Sebastião Lourenço dos Santos (UEPG), presidente da Associação Brasileira de Pragmática (ABRAP). Santos participou da Banca de doutorado da estudante Leila Minatti Andrade e falou sobre o papel da Associação na consolidação dos estudos pragmáticos no Brasil.


Associação Pertinente


Os estudos pragmáticos vêm se desenvolvendo muito em vários países do mundo nos últimos anos, que se expressam pela geração de novas linhas de investigação, criação de novos centros de pesquisa, publicação de novos periódicos e livros especializados.


“Em 2006, na Universidade Federal do Paraná, durante os diários encontros com os alunos, percebemos a agregação de pessoas de fora da universidade com o intuito de discutirem sobre a pragmática. Mesma nas férias ou em períodos sem aula, os alunos continuavam se reunindo. Isso se estendeu por mais de quatro anos. Com uma pequena pesquisa, percebemos que, até aquele momento, não havia no Brasil uma associação de pragmática. Foi aí que montamos a associação”, explica Dr. Sebastião.


A Pragmática tem por objeto o uso da linguagem. Trata-se de uma especialidade dos estudos da linguagem na qual os significados linguísticos são estudados levando-se em conta os contextos de interação real. A rigor, é uma área interdisciplinar que estabelece relações com ciências que estudam o ser humano e seus comportamentos: a psicologia social e cognitiva, a antropologia e a filosofia, entre outras, e, mais recentemente, com as ciências cognitivas e Biológicas, que consideram as leis biológicas como fatores de causação de fenômenos culturais e linguísticos.


“Nossa associação tem como objetivo congregar pesquisadores da área de lingüística, objetivamente da pragmática, promovendo encontros, debates, publicações, workshops, discussões, em que essas pessoas envolvidas no projeto tenham um espaço em comum onde possam discutir sobre os assuntos relacionados à pragmática”, esclarece Dr. Sebastião.


ABRAP


A Associação Brasileira de Pragmática - ABRAP é uma associação civil de ação científica e cultural sem fins econômicos nem lucrativos, apartidária, regida pela legislação vigente no território brasileiro.
A ABRAP visa a desenvolver, fomentar e divulgar os estudos científicos, as pesquisas acadêmicas e aplicadas na interface entre a Pragmática Linguística e as demais ciências que estudam a linguagem, a cultura e o comportamento humano, bem como a promoção de eventos científicos, acadêmicos e culturais em âmbito local, estadual, regional, nacional e internacional.

Entre as metas da ABRAP traçadas para o biênio 2017-2018 estão a consolidação dos Workshops Internacionais de Pragmática e a criação de novos eventos específicos sobre o tema, a criação de um periódico científico semestral, e a proposição de um Grupo de Trabalho em Estudos Pragmáticos na Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL), preenchendo uma lacuna importante entre os temas já recobertos pela Associação.


“Com a criação de grupo de trabalho específico, nós entendemos que conseguiremos potencializar, em suas múltiplas vertentes, as pesquisas na área”, esclarece o professor Dr. Fábio José Rauen (coordenador do PPGCL e primeiro vice-presidente). “Além disso, poderemos também promover o intercâmbio de experiências e conhecimentos entre investigadores nacionais vinculados a Programas de Pós-graduação e, assim, contribuir para o avanço no desenvolvimento da Pragmática no Brasil”, complementa.


No PPGCL, Rauen coordena o Grupo de Pesquisas em Pragmática Cognitiva – GPPC. Na Unisul, o GPPC tem aplicado a teoria da relevância a fenômenos comunicacionais e, mais recentemente, desenvolvido o que ele chama de teoria de conciliação de metas.


PPGCL


Tese analisa piadas e ensino/aprendizagem de espanhol


(17/05/2017) A doutoranda Leila Minatti Andrade defendeu na tarde desta terça (16) a tese “Piadas como estratégia para ensino/aprendizagem de espanhol como língua estrangeira moderna para estudantes nativos brasileiros: análise conforme a teoria da relevância”. A apresentação e arguição aconteceram na sala 7, do Centro de Pós-Graduação do Campus Sul da Unisul.


Piadas levadas a sério


Estudantes e docentes do PPGCL participaram da primeira defesa de tese do PPGCL em 2017. Neste trabalho, a estudante Leila Minatti Andrade argumentou que é possível pensar a utilização do gênero humorístico piada como estratégia produtiva de ensino e aprendizagem de Língua Espanhola para alunos brasileiros.


“Eu penso que o humor, de forma mais geral, e a piada, que foi meu objeto mais particular de análise, pode auxiliar o aluno a conhecer e internalizar não somente aspectos linguísticos, semânticos e pragmáticos, mas, acima de tudo, pode contribuir contribuir para a discussão da cultura da língua estudada”, explica a estudante.


Para dar conta desse objetivo, Leila revisou diversos trabalhos empíricos que sugerem que o humor facilita a aprendizagem e aplicou conceitos da teoria da relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995) em consonância com as concepções teóricas do humor com a intenção de identificar que tipos de piada podem ser utilizados na aprendizagem da língua espanhola, especialmente para estudantes novatos.


“Para selecionar as piadas da internet, eu utilizei a classificação de Yus (2010), porque ela está fundamentada nos procedimentos inferenciais que se esperam que os ouvintes ou os leitores percorram quando interpretam uma piada”, acrescenta.


A autora concluiu que aplicar o aparato analítico da teoria da relevância permite uma descrição empírica e uma explicação adequada dos processos ostensivo-inferenciais verbais que compõem as piadas.


“Com a teoria da relevância, eu percebi que é possível acompanhar as supostas inferências que os alunos precisariam desenvolver para interpretar corretamente as piadas e compreender por que em algumas delas o processamento por estudantes brasileiros é tão difícil”, esclarece.


Entre as conclusões da autora destaca-se o fato de que nem sempre são as mesmas as suposições factuais que os falantes nativos do espanhol e os falantes nativos do português fazem quando interpretam a pisada, a despeito da proximidade das línguas. Além disso, se o aluno não conseguir acessar os referentes adequados das palavras, ele provavelmente não encontrará a incongruência e, consequentemente, não rirá da piada ou mesmo se o custo de processamento for muito alto, a relevância diminui, e o aluno perderá o interesse pela piada, não conseguindo entendê-la.


“Meu trabalho revelou ainda que se o aluno partir da língua materna para entender a piada em espanhol, muitas vezes, não conseguirá entendê-la”, diz a autora. “Mas não é somente isso, pode ser o caso de que o aluno pare na primeira interpretação que lhe for mais relevante, e obtenha efeitos cognitivos que não são suficientes para detectar o humor da piada”.


De acordo com a pesquisa, se não houver uma seleção consciente de que piadas usar para determinado fim pedagógico, seu emprego na sala de aula perde sentido. Em geral, como era de se esperar, piadas mais adequadas são aquelas que Yus (2010) chama de transferíveis, ou seja, piadas que podem ser compreendidas sem um esforço expressivo de tradução.


“Minha pesquisa destaca que as piadas transferíveis serão compreendidas com maior facilidade, porque a tradução da piada para a língua materna, que é uma estratégia recorrente com estudantes novatos, não prejudica os efeitos de humor”, complementa a autora. “Lógico que quanto mais os idiomas forem semelhantes, como é o caso do Espanhol e do Português, mais baixo tende a ser o custo de processamento, e eu penso que isso é uma vantagem importante para ser explorada no ensino e na aprendizagem de espanhol para falantes nativos de português”.


A tese de Leila foi orientada pelo professor Dr. Fábio José Rauen e foi avaliada por banca formada pelos professores Dr. Sebastião Lourenço dos Santos (UEPG), Dra. Sídnei Cursino Guimarães Romão (UFU), Dra. Sandra Vieira (IFC), Dra. Fátima Hassan Caldeira (Unisul) e Dra. Andreia da Silva Bez (IFC).


PPGCL


 

PPGCL realiza Seminários Avançados

 

(15/05/2017) O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem (PPGCL) da Unisul de Tubarão realizou na última quinta e sexta-feira, 11 e 12 de maio, no Centro de Pós-graduação da Universidade do Sul de Santa Catarina, os Seminários Avançados. Na oportunidade, os doutorandos do PPGCL apresentaram os trabalhos que estão desenvolvendo.

 

Em contrapartida, os estudantese receberam contribuições teóricas, tanto da banca que analisa cada projeto, quanto dos demais doutorandos integrantes do programa.

 

Os seminários fazem parte do projeto pedagógico do curso, sendo uma etapa essencial de toda pós-graduação. O diferencial do PPGCL da Unisul reside no fato de o programa trazer o estudante para o papel de avaliador, ele influencia na percepção teórica de seus colegas avaliados.


A avaliação institucional continua sendo dos professores que compõem a banca, mas o doutorando, quando toma a palavra, durante todo o evento, também exerce a função de avaliador. De acordo com o coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, professor Dr. Fábio José Rauen, os Seminários mostram ao doutorando que ele faz parte de um processo.

 

“Os alunos têm a chance de aprender a avaliar, e, avaliar faz parte da vida acadêmica. Já os professores da banca, escolhidos para avaliar os trabalhos realizados até então, exercem a função do contraponto, do contraste, eles chamam a atenção para os pontos cegos de cada trabalho”, destaca Rauen.

 

PPGCL


 

Obra organizada por professora do PPGCL é premiada pela FNLIJ

 

(15/05/2017) Coleção Linguagens, selo editorial do PPGCL/UNISUL, é premiada pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) com melhor livro teórico de 2017 (produção 2016) Literatura Infantil e Juvenil: do literário a outras manifestações estéticas, organizado pela pelas professoras Eliane Debus (UFSC), Dilma Beatriz Juliano (UNISUL) e Nelita Bortolotto (UFSC).


É um reconhecimento importante na área da literatura e formação de professores e faz disseminar o nome de nossas universidades entre professores, autores e críticos da literatura e da cultura produzidas para a infância e juventude.


"Os textos componentes desta obra alargam o debate e atualizam as proposições de mediação entre adultos (professores, escritores, críticos, atores), crianças e jovens, no que se refere aos objetos ficcionais disponíveis. Há um mundo de palavras, imagens e sons que acediam a infância e a juventude, com múltiplas possibilidades de fruição e/ou de compreensão crítica de seus contextos e vivências. Cada autor, a sua maneira, coloca o desafio de seguir investigando o papel mediador. Se ficção não se 'ensina', como acessar o mundo infantil e juvenil por meio da ficção, sem posturas determinantes? E, por outro lado, quais os caminhos se deve permanecer trilhando para garantir o prazer da leitura/escrita da ficção na infância e juventude e a profundidade da experiência com este conhecimento?"

 

Estas e outras questões animam o debate que compõe o livro e convidam à leitura.

 

PPGCL


 

Pesquisa sobre intervenção militar encerra Seminários Avançados


(12/05/2017) Apresentação e defesa do projeto de tese “‘Intervenção Militar Já!’: o deslizamento dos sentidos sobre a ditadura civil-militar no Brasil” da estudante Juliene da Silva Marques encerrou a edição 2017 dos Seminários Avançados do Campus Sul do PPGCL.


Deslocamento de sentidos


Conforme Juliene, o cenário político brasileiro atual, desde 2013, está chamando a atenção por motivar diversas manifestações que buscam reformas governamentais.


“Depois de anos sem grandes reivindicações, os brasileiros saíram novamente às ruas para se posicionarem politicamente com clamores do tipo ‘Impeachment!’, ‘Fora Dilma!’, ‘Fora PT!’ ou ‘Fora Temer!’”, explica a autora. “Entre esses clamores, pedidos por intervenção militar ganharam espaço e se tornaram recorrentes nas ruas e nas mídias. Penso que esse movimento é muito relevante porque retoma discursos anteriores, desliza sentidos e promove um posicionamento do cidadão em relação ao comando do país”, complementa.


Dos pedidos por intervenção militar, chamou a atenção da pesquisadora o enunciado recorrente em cartazes exibidos durante as manifestações ou postados nas redes sociais: “Intervenção Militar Já!”. Para Juliene, este enunciado recupera da memória um outro aclamado durante as manifestações populares do início da década de 80, quando o Brasil reivindicava eleições diretas para presidente: “Diretas Já!”.


“Para mim, isso faz-nos questionar que sentidos trabalharam/trabalham entre uma e outra reivindicação popular, considerando a relação antagônica que ambas estabelecem no contexto político brasileiro”, argumenta.


“Na época da Ditadura Militar Brasileira, os populares se manifestavam contra o governo militar e desejavam ter o direito de escolha referente ao comando do país e hoje pedem justamente por perder um direito adquirido: permanecer em uma democracia”.


O trabalho de Juliene quer compreender por que muitos clamam justamente a tomada de poder pelos militares, abrindo mão de seu direito de escolha.


“De que modo a história permitiu este retorno? Que sentidos trabalharam entre um período e outro. Que ressonâncias discursivas sobre a ditadura permitem que um discurso de pedido por sua volta se instale no momento político atual?”, questiona Juliene.


Em síntese, o trabalho de Juliene analisa em que medida o enunciado “Intervenção Militar Já!” desloca a noção de patriotismo do enunciado que retoma “Diretas Já!”, investigando como é possível, com este pedido, lutar para abrir mãos dos direitos conquistados. Para dar conta desse objetivo maior, Juliene pretende selecionar em torno do tema diferentes materialidades discursivas: blogs, sites de relacionamento, jornais, revistas, cartazes em manifestações populares; identificar quem são os sujeitos que pedem pela intervenção militar e como se filiam a posições ideológicas determinadas; pesquisar os resultados dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade e a opinião a respeito tanto pelas vítimas quanto pelos militares ouvidos; e, por fim, analisar os deslocamentos de sentidos que o enunciado “Intervenção Militar Já!” sofreu a partir de memes criados nas redes sociais, investigando neste movimento as relações de paráfrase e/ou polissemia.


O projeto de Juliene, orientado pela professora Dra. Andréia da Silva Daltoé, foi avaliado por banca formada pelas professoras Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias e por seus colegas de doutorado, encerrando a edição de maio de 2017 dos Seminários Avançados do Curso de Doutorado em Ciências da Linguagem.


PPGCL


 

Tese analisa a imigração italiana no sul do Brasil


(12/05/2017) Luiza Liene Bressan apresentou o projeto de tese “O imaginário do imigrante italiano no sul catarinense e na serra gaúcha: leituras cruzadas a partir das narrativas de Mazzurana e Pozenato” na manhã desta sexta (12) na sala 7 do Centro de Pós-graduação do Campus Sul da Universidade do Sul de Santa Catarina.


Imaginário em construção


Docentes e discentes do PPGCL participaram da apresentação e da discussão de mais um projeto do Grupo de Pesquisa sobre Imaginário e Cotidiana nos Seminários Avançados 2017 do PPGCL. O trabalho de Luíza consiste em estudar como o imaginário da corrente imigratória italiana no sul de Santa Catarina e na Serra Gaúcha foi construído, a partir do estudo de duas narrativas literárias: “Operários de Primeira Hora” de Mazzurana e “A Cocanha” de Pozenato.


“Estou me propondo a estabelecer leituras cruzadas entre as duas narrativas na expectativa de encontrar os mitos construídos na vinda do imigrante italiano ao novo mundo”, esclarece Luiza.


A estudante pretende continuar um diálogo, já iniciado com o texto da dissertação de mestrado, entre literatura e história, norteada pelo escopo teórico do imaginário de Durand, observando o percurso antropológico que a imigração italiana traçou nas regiões de abrangência das narrativas que estudaremos.


O trabalho visa a descrever a formação da “bacia semântica” do imaginário, mapear os principais elementos simbólicos presentes e aprofundar a compreensão, a partir desses elementos, do mecanismo de compartilhamento de imaginários e dos processos de identificação cultural dos imigrantes italianos descritos nas duas narrativas.


Para a estudante, a leitura cruzada dessas narrativas sob as lentes do imaginário se justificam na medida em que permitem compreender a produção literária de regiões brasileiras ocupadas por imigrantes italianos. Ambos os autores são gaúchos, embora Mazzurana viva em Santa Catarina há mais de 40 anos; ambos escrevem sobre a imigração italiana no sul do país, revisitando o mito da busca de terras prometidas no sul de Santa Catarina, na mítica Brentano de Mazzurana ou Santa Corona, de Pozenato.


“Nessa empreitada, pretendo responder questões como em que medida as imagens percebidas cotidianamente contribuem para a formação do imaginário do imigrante italiano inseridos nos contextos das narrativas que serão analisadas; o que há em comum entre os imaginários construídos pelos italianos do sul de Santa Catarina da obra de Mazzurana e os da Serra Gaúcha, da obra de Pozenato; é possível comparar nas narrativas a forma imaginária de organização e de procura pela cocanha”, explica a autora.


“Minha hipótese é a de que regiões de colonização italiana do sul de SC e Serra gaúcha têm em comum um imaginário que se sustenta e se reatualiza de forma constante, mantendo o fio condutor do mito que os conduziu à América, ou seja, encontrar a cocanha, a partir das narrativas “Operários de Primeira Hora, a épica da migração italiana no sul de Santa Catarina” de Valdemar Mazzurana e “A Cocanha” de José Clemente Pozenato.


O projeto de Luiza, orientado pela professora Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes, foi avaliado pelos colegas de doutorado e por banca formada pelas professoras Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias e Dra. Jussara Bittencourt de Sá. Os Seminários prosseguem à tarde com a apresentação do projeto de Juliene da Silva Marques.


PPGCL


 

Projeto discute Modelagem Matemática


(11.05.2017) “Conversão de diferentes registros de representação semiótica na modelagem de matemática de situações-problemas: análise guiada pela teoria da conciliação de metas” é o título do projeto de Bazilicio Manoel de Andrade Filho, defendido nesta quinta (11) às 19 horas, na sala 7 do Centro de Pós-graduação do Campus Sul da Universidade do Sul de Santa Catarina.


Conciliação de Metas, Relevância e Registros de Representação Semiótica


Ao defender seu projeto, Andrade Filho destacou que as atividades desenvolvidas pelas disciplinas do núcleo propedêutico, entre as quais a Matemática, precisam ser articuladas, sempre que possível, com disciplinas da área técnica, como é o caso do curso técnico de edificações Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).


Para isso, é relevante compreender como se dão os processos de modelagem matemática de problemas ligados às edificações, assumindo que a modelagem auxilia o aluno a desenvolver a capacidade de analisar problemas, formular hipóteses, interpretar e validar modelos encontrados na resolução de um problema, além de permitir que ele compreenda a linguagem matemática e seus diferentes registros de representação semiótica.


“Sempre que nos colocamos diante de um problema real a ser modelado matematicamente, surgem alguns desafios: quais são as informações relevantes; quais as variáveis envolvidas; quais relações podem ser estabelecidas entre esses dados e os objetos matemáticos; como representar matematicamente esta situação”, pondera o estudante.


Para Andrade Filho, é a mobilização de um modelo relevante em direção à resolução ótima de um problema (reconhecido como uma meta) que explicaria os processos de formação de representação identificável, de tratamento e de conversão de diferentes registros de representação nos termos de Duval.


“Estou assumindo duas teses substantivas no meu trabalho. A primeira é a de que o procedimento de compreensão proposto pela teoria da relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995) possibilita analisar e compreender como ocorrem as atividades cognitivas de tratamento e de conversão de representações semióticas em matem ética. A segunda é a de que a teoria de conciliação de metas de Rauen (2014) permite descrever e explicar a formulação e a avaliação de hipóteses na modelagem da resolução de problemas”.


“Em resumo, minha pesquisa visa a analisar, do ponto de vista da teoria de conciliação de metas, o processo de conversão de diferentes registros de representação semiótica na modelagem matemática de situações-problema”, comenta o autor. “Para isso, minha meta é propor uma situação-problema para estudantes do curso de nível técnico em edificações cuja solução somente pode ser obtida mediante modelagem matemática”.


O projeto de Andrade Filho é orientado pelo professor Dr. Fábio José Rauen e foi avaliado pelos colegas de doutorado e por banca formada pelas professoras Dra. Diva Marília Flemming e Dra. Sandra Vieira (IFSC). Os Seminários prosseguem nesta sexta (12) com a apresentação de mais dois projetos.


PPGCL


 

Estudo analisa programas de auditório no rádio e na TV


(11/05/2017) O estudante de doutorado Jackson Gil Avila defendeu, na tarde dessa quinta-feira (11) seu projeto intitulado “Tons e sons na formação da identidade musical brasileira: o papel dos programas de auditório no rádio e na TV”. O encontro aconteceu às 15 horas, na sala 7 do Centro de Pós-graduação do Campus Sul da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Análise da musicalidade nos programas de auditório

 

O projeto de Jackson serve de base à elaboração de sua tese de doutorado que pretende investigar a contribuição dos programas de auditório, no rádio e na televisão, para o desenho da identidade musical brasileira. As reflexões presentes em seu projeto originam-se dos estudos efetuados na dissertação de Mestrado, bem como Grupo de Estudo Identidades, Migrações e Representações, vinculado à linha de pesquisa Linguagem e Cultura, do Programa de Pós Graduação em Ciências da Linguagem pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL.


"Durante os estudos que fiz para a composição desse trabalho, despertou em mim o interesse pela manutenção das pesquisas referentes à formação da identidade musical brasileira, abordada inicialmente no Mestrado em relação à década de 1970, pelo viés das trilhas sonoras das telenovelas. Nesse momento, entretanto, meu enfoque sofreu um direcionamento para a observação dos programas de auditório; procurando diagnosticar o processo de consolidação da música nacional, a partir do advento do rádio e da televisão", explica o doutorando.

 

Seus estudos apresentam os seguintes questionamentos: em que momento sócio histórico esses programas entram em cena? Quais músicas, estilos e cantores ocupam espaço nesse cenário? Qual o desenho da identidade musical que se enseja a partir da influência desses programas? Esses questionamentos e outros apontam para a hipótese de que, enquanto componentes da indústria cultural, os programas de auditório atuaram não só como promovedores de talentos ou divulgadores das músicas, mas também influenciaram nos tons das linhas e cores da identidade cultural brasileira.

 

"Minha pesquisa tem como objetivo analisar como esse protagonismo dos programas de auditório se materializou no desenho identitário da música do Brasil. Para tanto, como objetivos específicos, quero tecer algumas reflexões acerca da consolidação da identidade musical brasileira, relacionando o rádio e a TV, os programas, os artistas e o público. Além disso, discorrer sobre a música brasileira, enfatizando o período entre os anos 1920 e 1980, contextualizar os programas de auditório selecionados na pesquisa e o cenário político social da década em que o movimento se inseriu, analisar fundamentados na teoria, o conceito de nação e de identidade e entender como o processo de promoção do repertório musical se deu durante as décadas em estudo, no rádio e na televisão, além de avaliar quais artistas e músicas são evidenciadas no cenário artístico nacional da época", finaliza Jackson.
 

O projeto de Ávilia, orientado pela Dra. Jussara Bittencourt de Sá, foi avaliado pelos colegas de doutorado e por banca formada pelos professores Heloisa Juncklaus Preis Moraes e Dr. Alexandre Linck Vargas. Os Seminários prosseguem nesta quinta (11) e sexta (12) com a apresentação de mais três projetos de tese.


PPGCL


 

Ensaio analisa traição em Julia Lopes de Almeida


(11/05/2017) “Desejo e sedução: a traição nos romances de Júlia Lopes de Almeida” é o título de ensaio de Tatiana Mânica apresentado nesta quinta (11) às 14 horas na Sala 7, do Centro de Pós-graduação do Campus Sul da Universidade do Sul de Santa Catarina.


Desejo e sedução em pauta


O ensaio de Tatiana Mânica analisa como o desejo e a sedução levam personagens femininas de Julia Lopes de Almeida à traição. Segundo Tatiana, as mulheres não podiam assumir seus desejos, entre outras coisas porque dar vazão aos sentimentos as enfraqueciam.


“Ao analisar no mestrado a vida de Anita Garibaldi, chamou-me a atenção a relação que se pode fazer entre desejo, sedução e traição. Anita foi julgada como traidora justamente por ter atendido seus sentimentos”, comenta Tatiana. “No ensaio, eu observo que essa cadeia de relações se repete em romances como ‘Cruel Amor’, ‘A falência’ e ‘A intrusa’, o que nos faz pensar como as mulheres são retratadas por uma autora mulher do final do século XIX e início do século XX”, complementa.


“O trabalho da Tatiana, como os demais trabalhos de meu grupo de pesquisa, visa a dar destaque a autores que não têm visibilidade na academia, na mídia ou na escola, como é o caso de Julia Lopes de Almeida”, explica Jussara Bittencourt de Sá. “Esses trabalhos, sem dúvida, vão contribuir para a fortuna crítica do PPGCL e da literatura nacional”, complementa.


O ensaio teve orientação da professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá e avaliação crítica da professora Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias e fez parte dos Seminários Avançados do PPGCL. Os Seminários continuam nesta quinta e sexta com a apresentação de mais quatro projetos de tese.


Na foto principal, um flagrante da apresentação da estudante. Na foto abaixo, uma imagem de Julia Lopes de Almeida.


Julia Lopes de Almeida


Júlia Valentim da Silveira Lopes de Almeida nasceu no Rio de Janeiro, em 24 de setembro de 1862 e morreu na mesma cidade, em 30 de maio de 1934. Uma das primeiras romancistas brasileiras, sua produção literária é prolífica e abrange vários gêneros: conto, peça teatral, crônica e literatura infanto-juvenil. Julia está entre os intelectuais que participam do planejamento e da criação da Academia Brasileira de Letras. No entanto, por ser mulher, é impedida de ingressar na instituição. Seu estilo é marcado pela influência do realismo e do naturalismo francês.


Entre suas obras, destacam-se os romances A Família Medeiros, Memórias de Marta, A Viúva Simões, A Falência, Cruel Amor, A Intrusa, A Silveirinha, A Casa Verde (com Felinto de Almeida, seu esposo), Pássaro Tonto e O Funil do Diabo; as novelas e contos Traços e Iluminuras, Ânsia Eterna, Era uma vez…, A Isca (quatro novelas), A caolha; teatro A Herança (um ato), Quem Não Perdoa (três atos), Nos Jardins de Saul (um ato) e Doidos de Amor (um ato); entre outras obras.

 


PPGCL


 

Projeto analisa publicidade de energéticos
(11/05/2017) O doutorando Lucas Pereira Damazio defendeu na manhã desta quinta (11) o projeto “As produções simbólicas das marcas de energético: uma análise dos quatro elementos em campanhas publicitárias pela perspectiva bachelardiana”. O projeto abriu a edição 2017 dos Seminários Avançados no Campus de Tubarão.

 

Imagens primordiais


Docentes e estudantes do PPGCL prestigiaram na sala 7 do Centro de Pós-graduação a apresentação do projeto de Lucas Pereira Damázio na manhã desta quinta (11). Abertos os Seminários pelo Professor Dr. Fábio Rauen, coordenador do Curso de Doutorado, o estudante apresentou seu projeto de pesquisa que, em linhas gerais, pretende extrapolar para a publicidade a perspectiva bachelardiana que aplica os quatros elementos primordiais, terra, agua, ar e fogo na análise da produção poética.


“Pretendo olhar essa questão em peças publicitárias de bebidas energéticas produzidas entre 2012 e 2017”, esclarece o estudante.


Para dar conta desse objetivo, Damázio pretende aprofundar conceitos ligados à Hermenêutica Simbólica e à Teoria do Imaginário. A intenção é aplicar em materialidades da publicidade, as propostas de Gaston Bachelard de ir à própria raiz da força imaginante e encontrar as mais profundas relações entre o ser humano e mundo.


“Minha ambição maior é propor diretrizes para os publicitários elaborarem peças publicitárias nas quais as chamadas imagens primordiais sejam utilizadas de forma mais consciente”, complementa o estudante.


O projeto de Damázio, orientado pela Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes, foi avaliado pelos colegas de doutorado e por banca formada pelos professores Dr. Alexandre Linck Vargas e Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias. Os Seminários prosseguem nesta quinta (11) e sexta (12) com a apresentação de mais quatro projetos e um ensaio.


PPGCL


 

Último dia do III SEDISC analisa o Discurso, Cultura, Política, Escola e Leituras


(05/05/2017) Na última quinta-feira (04) aconteceram os últimos encontros do III SEDISC, em mais uma edição de sucesso do evento. Na data, foram apresentados a mesa e o simpósio sobre o Discurso, Cultura e Política, coordenada pela Dra. Mónica Graciela Zoppi Fontana (UNICAMP), e a mesa e o simpósio sobre Discurso, Escola e Leituras, coordenada pela Dra. Andréia Daltoé (Unisul).

 

No período matutino, a Dra. Fernanda Lunkes (UFSB) e a Dra. Silmara Dela Silva (UFF) coordenaram o simpósio que analisou o Discurso, Cultura e Política. Também pela manhã, a Dra. Mónica Graciela Zoppi Fontana (UNICAMP) coordenou uma mesa-redonda, que também debateu sobre o tema, e que contou com a participação da Dra. Mara Glozman (UBA) e do Dr. Phellipe Marcel (UERJ).

 

“Abordamos como pode e deve ser feita, na Análise do Discurso, tanto epistemologicamente quanto no devir das ruas e das redes, a luta; e como tem sido feita. Para isso, nos debruçaremos teoricamente sobre as noções de ideologia e de cultura, focando no modo como elas podem contribuir para a práxis de deslocamento e transformação da AD", explica Dr. Phellipe Marcel.

 

No período vespertino, a Dra. Gesualda Rasia (UFPR) e o Dr. Sandro Braga (UFSC) coordenaram o simpósio de fomentou discussões à cerca do Discurso, Escola e Leituras. Ainda na data, a Dra. Andréia Daltoé (Unisul) coordenou a mesa-redonda que também analisou e debateu o Discurso, Escola e Leituras, que teve a participação do Dr. José Simão da Silva Sobrinho (UFU), da Dra. Leonete Luiza Schmidt (UNISUL) e da Dra. Mariza Vieira da Silva (LABEURB/NUDECRI/UNICAMP).

 

"Nossa proposta foi explicitar processos discursivos presentes na segunda versão da Base Nacional Curricular Comum de 2016, enquanto parte de uma política mais ampla de educação, como modo de organizar a política de escolarização da leitura em língua portuguesa, capaz de criar condições gerais de exercício da cidadania em situações de comunicação e de interação para todos os brasileiros e discutir o confronto que aí se dá do simbólico com o político, marcado pela divisão do sentido, do sujeito, da sociedade. Buscamos, assim, expor os gestos de interpretação e de autoria constituídos na materialidade linguístico-discursiva e seus efeitos, compreender os processos de produção e circulação do conhecimento sobre as línguas na sociedade brasileira em sua relação com a história, bem como a organização imaginária da leitura na escola em direção à estabilização de sentidos e sujeito", explica Dra. Mariza Vieira da Silva.


PPGCL


 

III SEDISC fomenta discussões sobre Discurso, Arquivo, Tecnologia, Corpo e Equívoco

 

(05/05/2017) O segundo dia do III SEDISC, que aconteceu na última quarta-feira (03), foi marcado pela análise em duas importantes mesas-redondas do evento: Discurso, Arquivo e Tecnologia, com a coordenação da Dra. Solange Maria Leda Gallo (UNISUL) e Discurso, Corpo e Equívoco, com a coordenação da Dra. Nadia Régia Maffi Neckel (UNISUL).


Logo pela manhã, o Dr. Guilherme Adorno (UNICAMP) e a Dra. Solange Mittmann (UFRGS) coordenaram o simpósio Discurso, Arquivo e Tecnologia e a Dra. Solange Leda Gallo (UNISUL) coordenou a mesa-redonda, que teve a participação de Dra. Evandra Grigoletto (UFPE), Dra. Juliana Silveira (UNISUL) e Dr. Rafael Evangelista (LABJOR/IEL/UNICAMP).


“Sem eleger um fato histórico específico, tomei, para exemplificar e refletir sobre a questão tecnológica, alguns episódios recentes da cena política brasileira. Entendo que a internet, ao mesmo tempo em que abre possibilidades para diferentes interpretações desses episódios, também controla, através dos dispositivos tecnológicos, os trajetos de sentidos do sujeito-leitor, constituindo-se num espaço constitutivamente contraditório, onde o efeito ideológico funciona na sua forma mais perversa”, explica Evandra Grigoletto, participante da mesa Discurso, Arquivo e Tecnologia.


No período vespertino, a Dra. Aracy Ernst (UCPEL) e a Dra. Maria Cristina L. Ferreira (UFRGS) coordenaram o simpósio Discurso, Corpo e Equívoco e a Dra. Nadia Régia Maffi Neckel (UNISUL) coordenou a mesa-redonda, que teve a participação de Dr. Alexandre Ferrari (UNIOESTE), Dra. Ana Josefina Ferrari (UFPR/Setor Litoral) e Dr. Mauricio Maliska (Unisul).


“Em meu trabalho, a partir da teoria francesa de análise de discurso fundada por Michel Pêcheux, na década de 1960, na França, e ressignificada, no Brasil, por Eni Orlandi, propus-me analisar os discursos de (e sobre) sujeitos transexuais, analisando a relação entre a língua, o corpo e a posição-sujeito na constituição de um discurso possível: um (não) lugar fora da língua e fora do corpo para os corpos transexuais. Esses corpos não correspondem aos sentidos estabilizados pelos significantes “homem” e “mulher” e nos leva a questionar a constituição de um sujeito que situa seu corpo em um entrelugar: entre as posições binárias legitimadas em nossa sociedade”, explica Dr. Alexandre Ferrari, participante da mesa Discurso, Corpo e Equívoco.


PPGCL


 

III Sedisc debate Discurso, Cultura e Mídia

 

(04/05/2017) O PPGCL da Pedra Branca sedia até esta quinta-feira (4) o III SEDISC. O evento pretende congregar pesquisadores que estejam discutindo em suas pesquisas a imbricação do Discurso, Cultura, Artes e Mídias, na busca de dispositivos contemporâneos de análise dos processos de formulação e circulação do conhecimento nessas áreas.
 

Evento importante


A Unisul, por meio do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem tem desenvolvido pesquisas integradas e interinstitucionais em Análise do Discurso, Cultura, Artes e Mídia. Esse evento discutirá não apenas o percurso de pesquisas já realizadas, como também a possibilidade de formação de novas redes de pesquisas no escopo do discurso. Assim, a temática desse evento procura tratar as relações Discurso, Cultura e Mídia em seu processo de transformação.

 

A Dra. Eni Orlandi, da UNIVAS/UNICAMP, realizou a conferência de abertura e abordou a matéria, movimento e equívoco, no discurso e propôs discussões ao destacar a importância em compreender a linguagem na construção do conhecimento. “Para nós que trabalhamos com discurso, colaborar, enfrentar o medo, de oferecer algo para essa vida intelectual, porque lidamos com pessoas de diferentes áreas. Estamos aqui não para ocupar um lugar e sim, construir o lugar”, apontou.

O Reitor da Unisul, professor Mauri Luiz Heerdt, é um dos grandes incentivadores do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem desde a implantação na Unisul. Em sua fala, durante a abertura do Seminário disse que Análise do Discurso e a inovação possuem uma relação muito forte, independente da área pesquisada. “Eu sempre parto em defesa da inovação na Análise do Discurso. Porque ela caminha em diferentes áreas de conhecimento, sempre propondo um novo olhar nas formas em que tratamos os objetos de estudo”. Para finzalizar, o Reitor, citou François Rabelais: “Ciência sem consciência seria a morte da alma”, para propor a reflexão acerca da ética e clareza na análise.

 

UnisulHoje (Adaptação)


 

Alunos de Comunicação Social da Unisul organizam aula integrada

 

(04/05/2017) Aconteceu no último dia 27 de abril, no auditório do Cettal da Unisul de Tubarão uma aula integrada organizada pelos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Direitos humanos e migração foram os temas do debate.

 

Em uma articulação entre a graduação e o stricto sensu, o debate intitulado “Migração e Direitos Humanos: diálogos entre graduação e PPGCL” foi mediado pelas professoras, Andréia da Silva Daltoé, Patrícia Schlickmann Orlandi e Carla Aparecida Marinho Borba e contou com a participação do curso de Relações Internacionais e do Programa de Pós Graduação em Ciências da Linguagem – PPGCL.

 

A proposta central do encontro foi ampliar o debate sobre migração, o modo como o tema é trabalhado pela grande mídia, em especial o discurso veiculado sobre o refugiado, bem como a questão geopolítica e de direitos humanos envolvida.

 

UnisulHoje (Adaptado)


 

PPGCL promove evento nacional para discutir a mídia

 

(28/04/2017) Em momento em que a mídia participa ativamente da política nacional, o Programa de Pós-graduação em Ciências de Linguagem (PPGCL), realizará a terceira edição do Seminário Discurso, Cultura e Mídia (Sedisc). A Unidade Pedra Branca receberá pesquisadores de todo o Brasil entre 2 e 4 de maio, no Auditório C. Os estudiosos discutirão suas pesquisas na busca de dispositivos contemporâneos de análise dos processos de formulação e circulação do conhecimento nessas áreas.

A Unisul tem desenvolvido pesquisas integradas e interinstitucionais em Análise do Discurso, Cultura, Artes e Mídia. “Também será discutida a possibilidade de formação de novas redes de pesquisas no escopo do discurso. Assim, a temática desse evento procura tratar as relações Discurso, Cultura e Mídia em seu processo de transformação”, afirma Giovanna Flores, docente PPGCL da Unisul.

Programação:

 

Mesas Redondas: pesquisadores convidados;
 

Simpósios: espaços exclusivos para as apresentações dos grupos de pesquisa (objetivos, temáticas, a síntese das produções e/ou trabalhos representativos da produção do grupo). Cada grupo terá espaço para uma apresentação em um dos simpósios. Cada apresentação em simpósio terá 15 minutos. Cada simpósio terá até 6 apresentações;
 

Pôster: disponível para trabalhos individuais de doutores e doutorandos, e para trabalhos de mestrandos e graduandos (iniciação científica).

O evento é aberto para Professores/pesquisadores, doutorandos, mestrandos e graduandos em Análise do Discurso e áreas correlatas. As inscrições serão realizadas no local do evento.

 

UnisulHoje (Adaptado)


Livro do PPGCL recebe selo altamente recomendável


(28/04/2017) A Coletânea “Literatura infantil e juvenil: do literário a outras manifestações estéticas”, organizada pelas professoras Eliane Debus, Dilma Beatriz Juliano e Neila Bortolotto, recebeu o selo “altamente recomendável” da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ. Os livros considerados Altamente Recomendáveis estão concorrendo ao Prêmio FNLIJ. A lista dos vencedores à láurea será divulgada pelo site da instituição em maio de 2017.


Prêmio Relevante


Criada em 23 de Maio de 1968, a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ é a seção brasileira do International Board on Books for Young People - IBBY, e constitui-se como uma instituição de direito privado, de utilidade pública federal e estadual, de caráter técnico-educacional e cultural, sem fins lucrativos, estabelecida na cidade do Rio de Janeiro.


A Missão da FNLIJ é a de promover a leitura e divulgar o livro de qualidade para crianças e jovens, defendendo o direito dessa leitura para todos, por meio de bibliotecas escolares, públicas e comunitárias. Com isso a FNLIJ pretende contribuir para a melhoria da educação e da qualidade de vida de crianças e jovens, como valor básico para a educação e cidadania.


O Prêmio FNLIJ teve a sua primeira versão em 1974, com a instituição do Prêmio “O Melhor para a Criança”, concedido ao melhor livro infantil publicado em língua portuguesa, no Brasil, no ano anterior. A premiação conta, atualmente, com 18 categorias: Criança; Imagem; Informativo; Jovem; Literatura em Língua Portuguesa; Livro Brinquedo; Melhor Ilustração; Poesia; Projeto Editorial; Reconto; Teatro; Teórico; Tradução/adaptação (criança/jovem/informativo/reconto); Escritor Revelação; e Ilustrador Revelação.


A Coletânea da Editora da Unisul concorre na categoria “Teórico”.


PPGCL


 

Estudante do PPGCL realiza estágio na Universidade de Reading, na Inglaterra


(24/04/2017) Através do Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE) da Capes, o doutorando do PPGCL Julio César Alves Da Luz, está realizando intercâmbio na University Of Reading, localizada no Reino Unido. Sob orientação da pesquisadora Lúcia Nagib, o objetivo do estudante é aprofundar as condições de visibilidade das figuras populares na produção cinematográfica contemporânea no Brasil.

 

O objeto da pesquisa de Julio é um desdobramento e aprofundamento dos estudos realizados durante o mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina, os quais resultaram na dissertação intitulada “Rostos severinos: figuras do homem ordinário na ficção audiovisual brasileira”, defendida em novembro de 2013. Dedicada a repensar as figurações estereotipadas do nordestino no audiovisual brasileiro, a pesquisa procurou problematizar a visibilidade da vida ordinária nas telas da televisão e do cinema. Dentre as questões suscitadas em meio às nossas investigações, esse estudo acabou despertando o interesse por pesquisar, ampliando o foco de seu objeto, as condições de visibilidade das figuras populares na produção cinematográfica contemporânea no Brasil.

 

Aprofundamento dos estudos

 

"O problema que me motivou nesta pesquisa parte do paradoxo, apontado pelo filósofo francês Georges Didi-Huberman, da visibilidade ameaçada dos povos nos dias de hoje, contexto em que, não obstante a ampliação ilimitada dos meios para tanto, justamente quando mais deveríamos vê-los aparecer, mais nos parece, porém, vê-los desaparecer. Sob risco não só na sua representação estética, bem como política e, inclusive, na sua própria existência, os povos e as condições de sua visibilidade tornam-se uma questão estético-política imprescindível que se nos impõe na atual conjuntura", explica Julio.

 

Além de contar com sua vasta experiência no campo da pesquisa cinematográfica, o intercâmbio no âmbito da colaboração acadêmica que o departamento de Lúcia Nagib, em Reading, já desenvolve com o Brasil, poderá contribuir, igualmente, para projetar nossa pesquisa e inseri-la nessa rede de estudos. Nesse sentido, a possibilidade de estágio em Reading não só proporcionará à Julio uma base acadêmica fundamental para o desdobramento de minhas investigações e desenvolvimento da tese, como também permitirá estreitar os laços entre a universidade inglesa com a Unisul.

 

PPGCL


 

Projeto de Tese analisa o Deaf Gain e sua relação com o Cinema

 

(24/04/2017) A doutoranda Fabiana Paula Bubniak defendeu na última terça-feira (18) seu projeto de tese intitulado “Deaf Gain e o Cinema: uma estética pós-fonocêntrica”. O evento aconteceu na Sala 212, Bloco B, do Campus Grande Florianópolis da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Cinema pós-fonocêntrico

 

"Esse trabalho pretende apresentar o cinema pós-fonocêntrico e expor suas relações com o Deaf Gain, ou seja, com a cultura surda. A partir de uma análise da relação entre a voz e o cinema, bem como de obras que resistem à característica fonocêntrica dessa expressão artística, pretende-se demonstrar que o cinema pós-fonocêntrico é um Cinema Surdo que promove possibilidades de resistência e emancipação do espectador", explica a doutoranda.

 

A análise de um cinema não centrado na voz começa com as produções a partir do advento do cinema falado. O que antes era uma limitação técnica, no cinema mudo, passa a ser uma escolha estética. Esse cinema, ao fazer um recorte no sensível, apresenta uma ruptura com a ordem estabelecida, propondo uma nova forma de se relacionar com a linguagem.

 

Fabiana teve sua tese aprovada por banca composta por Dra. Dilma Beatriz Rocha - UNISUL (orientadora), Dra. Antonio Carlos dos Santos - UNISUL (avaliador) e Dra. Ramayana Lira de Sousa - UNISUL (avaliadora).

 

PPGCL


 

Abertas em inscrições para a bolsa do UNIEDU - 2017


(27/03/2017) Foram abertas na última sexta-feira (24) as inscrições do processo seletivo para concessão de Bolsas de Pós-Graduação, na modalidade presencial, em nível de Especialização, Mestrado e Doutorado do Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina – UNIEDU, mantido pelo Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior – FUMDES/2017.

 

O UNIEDU é um programa do Estado de Santa Catarina, executado pela Secretaria da Educação, que agrega todos os programas de atendimento aos estudantes da educação superior. O UNIEDU/Pós-Graduação é mantido com os recursos do Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior – FUMDES.

 

O cadastramento do candidato se dá de forma online no site do UNIEDU.

Para mais informações, acesse http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/

 

PPGCL


 

1º Workshop sobre migração debate crise migratória global


(27/03/2017) Foi realizado nos dias 24 e 25 de março, no prédio da pós-graduação da Unisul de Tubarão, o 1º Workshop sobre migração – Fronteiras culturais, imaginário e memória: diálogos contemporâneos. O evento foi organizado pelos Grupos de Trabalho Fronteiras Culturais, conhecimento tradicional e migração.

 

Crise migratória: para compreender o refúgio e os refugiados
 

Na quinta-feira, 24/3, a coordenadora do curso de Relações Internacionais da Unisul de Tubarão, professora Carla Aparecida Marinho Borba, explanou sobre o projeto de extensão do curso: Acolhida ao Migrante. A extensão que está sobre a coordenação de Carla, mas é realizada pelos extensionistas, trata de uma questão importante para o planeta, a crise migratória. “Quando as pessoas perdem suas casas, sua cidade, seu país, não há simpatia nem dinheiro que resolva. Cada refugiado em migração forçada deixa para traz a própria identidade. No mundo, cerca de 65 milhões de pessoas passam por esta situação e precisam solicitar refúgio. É preciso maximizar esta ideia: evoluímos como sistema global depois das duas grandes guerras, mas a paz não se limita só a ausência de guerra ou a ausência de força, ter paz significa proteger as questões humanas”, destaca a professora.

 

Ainda no dia 24, a presidente da Organização pelos Refugiados, Bárbara Vicentini Camargo (graduanda no curso de Direito da Unisul) e a Secretária Geral da Organização pelos Refugiados, Nadiny Beatriz Cardoso, trouxeram a experiência de como está sendo realizado o trabalho da ONG. Segundo as ministrantes, as pessoas que migram forçadamente surgem a partir da segunda guerra, e com elas as primeiras normas para legalizar o refugiado. As leis se ampliam, mas não garantem a proteção deste, afinal, a ordem jurídica internacional não interfere na jurisdição interna de cada estado.

 

Dentro desta crise humanitária há a falência da diplomacia internacional em dar conta das questões que vão além do aspecto jurídico, social e econômico. Os refugiados contam apenas com ONGs como a Organização pelos Refugiados e projetos como o que apresentou a professora da Unisul: “o Acolhida surge de uma realidade que permanece na região. O primeiro contato se deu pelos corredores da própria Universidade. A presença dos migrantes foi percebida e, desde então, a proposta do projeto é auxiliar no processo de inserção social, cultural, laboral e produtiva do migrante internacional residente na região de Tubarão.

No dia 25, cada Grupo de Trabalho apresentou observações que pudessem contribuir para o entendimento da problemática e propôs soluções a serem documentadas em uma Moção, a ser entregue posteriormente à autoridades que, por ventura, possam fortalecer a discussão em torno da problemática. Dentre o proposto, o eixo norteador figura em (re)conhecer e sensibilizar para a cultura do outro, produzir um cadastro e síntese cultural de cada país que haja migrantes atendidos pelo Acolhida e promover ações de conscientização. Todos os Grupos de Trabalho se comprometeram a realizar pesquisas relacionadas a migração, o que resultará em produção científica dentro de cada área de pesquisa.

 

 

 

UnisulHoje (Adaptado)


Prof. Dr. Vinícius Nicastro Honesko, da UFPR, ministra palestra no PPGCL


(16/03/2017) O Professor da Universidade do Paraná (UFPR), Dr. Vinícius Nicastro Honesko ministrou, na última segunda-feira (13), a palestra “A Linguagem em Agamben”. O encontro ocorreu às 17 horas e 30 minutos na sala 212, do bloco B, do Campus Grande Florianópolis da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Filosofia e linguagem, abordadas por Giorgio Agamben
 

O Prof. Dr. Vinícius apresentou uma conferência, proferida em um evento em São Paulo (2016), tecendo considerações em torno das relações entre filosofia e linguagem, abordadas por Giorgio Agamben, principalmente, nos livro “Categorias italianas” (Editora UFSC) e “Pulcinella” (ainda não lançado no Brasil).

 

Fazendo referência a várias outros textos e entrevistas com o filósofo italiano, Prof. Dr. Vinícius Honesko reafirmou a importância do pensamento de Agamben para a contemporaneidade, pois, para o italiano “filosofar é a coragem do pensamento”.

 

Segundo Agamben, “A casa de verdade é a linguagem, e eu desconfiaria de qualquer filósofo que iria deixá-la para outros – filólogos ou poetas – cuidarem desta casa “. À fala do Prof. Vinícius seguiu-se o debate, quando sustentou a concepção de que “a linguagem é uma questão de ética”, para com isso marcar a posição política do autor, diante das acusações de pessimismo com as quais se depara na crítica acadêmica. Nem pessimista e nem esperançoso (“uma esperança vazia”), mas uma “desesperança” que vem da ética do pensar contemporâneo. Neste sentido, o pensamento como coragem é a linha de fuga que o anima no presente. Nas palavras de Agamben, “Como diz Pulcinella: ubi fracassorium, ibi fuggitorium, onde há uma catástrofe, aí há uma linha de fuga.” Fazer filosofia, pensar a linguagem.

 

Prof. Vinícius Nicastro é doutor em Teoria Literária pela UFSC e professor adjunto no Departamento de História da UFPR. Também atua como tradutor e, dentre seus autores, estão: Jean-Luc Nancy, Pasolini, Giorgio Agamben e mais alguns esparsos publicados em revistas acadêmicas. É autor de "O paradigma do tempo: Walter Benjamin e messianismo em Giorgio Agamben".

 

PPGCL


Professora e doutoranda do PPGCL participam de congresso em Niterói-RJ


(14/03/2017) Foi realizado entre os dias 7 e 11 de março, no Campus do Gragoatá, na sede do Instituto de Letras da UFF, na cidade de Niterói, estado do Rio de Janeiro, o X Congresso Internacional da Abralin, que contou com a presença da Profa. Dra. Giovanna Benedetto, do PPGCL e sua orientanda Diane da Silva Zardo.


A Profa. Dra. Giovanna Benedetto participou do congresso e apresentou seu trabalho intitulado “O humor nas redes sociais: a sátira sobre a política em A Luta” e sua orientanda Diane da Silva Zardo, que também esteve presente no evento, apresentou seu trabalho intitulado "O corpo deficiente na inscrição dos discursos pedagógico, jurídico e midiático".


O X Congresso Internacional da Abralin celebrou os 48 anos de fundação da entidade, que tem concorrido, ao longo de quase meio século, para a promoção, a divulgação e a inovação da pesquisa linguística brasileira, em sua feição teórica e prática, em parceria internacional. O tema do X Congresso Internacional da Abralin contempla e destaca o papel social e histórico da atividade científica praticada na área da Linguística, no viés da pesquisa e do ensino-aprendizagem de línguas, entre outros setores, envolvendo questões tais como o retorno social dos produtos intelectuais da área, as práticas inovadoras, a formação discente para a cidadania, o preconceito linguístico, a reflexão sobre ética na pesquisa e na manipulação de dados, entre outros constantes da pauta do século XXI.

 

 

PPGCL


 

Bate-papo promove reflexão sobre o Dia Internacional da Mulher


(10/03/2017) Foi realizado na última terça-feira (7), no Auditório G do campus Pedra Branca, um bate-papo que teve como objetivo debater a importância do Dia Internacional da Mulher e convocá-las para o movimento 8M, realizado no último dia 8 de Março. O evento contou com a participação das Professoras do PPGCL, Dra. Ramayana de Souza e Dra. Ana Cernicchiaro.

 

Bate-papo sobre Elas

 

O evento teve diversos temas abordados, como, por exemplo, os desafios da mulher no século XXI, a mulher no mercado de trabalho, a mulher e a tripla jornada diária, mitos e tabus sobre a igualdade no mundo feminino e mulheres que fizeram a diferença no mundo, além de enaltecer a importância do Dia Internacional da Mulher.

 

Esta data foi adotada pelas Nações Unidas para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres. O dia 8 de Março foi designado na virada do século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial e da Primeira Guerra Mundial, quando ocorre a incorporação da mão-de-obra feminina, em massa, na indústria. A partir desta data, as mulheres tiveram muitas conquistas, mas seguem lutando pelos seus direitos. Muitas mulheres fizeram história como artistas, cantoras, pintoras, juízas, inventoras, dentre outras.

 

Além das professoras do PPGCL, estiveram presentes no evento a liderança do movimento Indígena, Kerexu Yxapyry, a cientista política Carla Salasário Ayres, a representante do Movimento Negro Unificado, Vanda de Oliveira Pinedo, a advogada do movimento 8M, Iris Gonçalves Martins e a realizadora do evento, Cintia Domit Bittar.


PPGCL


PPGCL dá início às atividades letivas de 2017

 

(02/03/2017) A primeira semana do mês de março está sendo marcada pelo início das atividades letivas de 2017 dos cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências da Linguagem - PPGCL. Na quinta-feira (2), as aulas iniciaram para os estudantes da unidade de Tubarão e, segunda-feira (6), para os estudantes da unidade da Pedra Branca.

 

Ano de 2017 inicia-se com Tópicos Especiais

 

Na quinta-feira (6), iniciaram-se as atividades letivas para os estudantes de Mestrado e de Doutorado em Ciências da Linguagem da unidade de Tubarão. As disciplinas iniciadas foram: Tópicos Especiais em Teoria de Conciliação de Metas com o Dr. Fábio José Rauen; Tópicos Especiais em estudos sobre o imaginário social com a Dra. Heloisa Moraes; Tópicos Especiais em relações de poder: memória e esquecimento com a Dra. Andréia Daltoé e Tópicos Especiais em fronteiras culturais, territórios e dinâmica social na pós-modernidade com a Dra. Deisi de Farias.

 

Na segunda-feira (6) será a vez do campus da Pedra Branca dar início às atividades letivas de 2017. Serão iniciadas as seguintes disciplinas: Tópicos Especiais em discursividades online e textualidades digitais com a Dra. Solange Maria Leda Gallo; Tópicos Especiais em discurso, cultura e mídia com a Dra. Giovanna Gertrudes Benedetto Flores e Dra. Nádia Régia Maffi Neckel; Tópicos Especiais em cinema, política e cultura - Máquinas para ver filmes I: (Anti-)Édipo e Antígona com a Dra. Ramayana Lira de Sousa e Tópicos Especiais em teorias da imagem com o Dr. Antônio Carlos Gonçalves dos Santos.

 

As disciplinas denominadas Tópicos Especiais consistem em discussões teórico-práticas emergentes, correlacionadas com a área de concentração e linhas de pesquisa do PPGCL.

 

 

PPGCL


 

MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061