PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA    ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Notícias > Notícias de 2012

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2018

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

 

Notícias

2012


Notícias do Front edita dossiê de realizações

 

(21/12/2012) Edição Especial de Notícias do Front destaca as realizações de 2012 do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem.

 

Efeitos de sentido

 

Em cada final do ano, uma das tradições do PPGCL é editar as “Notícias do Front”, coletando as matérias do que se produziu durante o ano. Um dos efeitos de sentido emergentes e recorrentes nesta tarefa é a percepção do quanto se realizou e do quanto o Programa é capaz, especialmente quando se dá conta de que muitas das atividades sequer foram noticiadas.

 

“Tantas e qualificadas ações são frutos de uma equipe excepcional e qualificada de docentes, funcionárias e estudantes para os quais não há palavras que possam expressar a devida gratidão”, diz o professor Fábio Rauen, coordenador do Programa.

 

Segundo o coordenador, o PPGCL está em franca fase de afirmação de nosso curso de doutorado, e o impacto dessa consolidação já se faz sentir na crescente qualificação de suas pesquisas e publicações. “Os periódicos vêm recebendo o devido reconhecimento da área e os grupos de pesquisa têm apresentado resultados consistentes”, complementa.

 

“Se o triênio 2010-2012 foi marcado pela implantação do curso de doutorado, o próximo triênio, 2013-2015, sem dúvida, deverá ser marcado pela consolidação do Programa como um todo, tanto nacional como internacionalmente”, projeta. “Em 2013, por exemplo, avizinham-se as primeiras defesas de tese, muitas delas em adiantada fase de conclusão”, complementa.

 

O dossiê com as notícias do Front pode ser acessado aqui.

 

PPGCL


Revista incentiva leitura e escrita de alunos do IFS

 

(20/12/2012) Vinicius Valença, professor de língua portuguesa do Instituto Federal de Sergipe - IFS e egresso do curso de Mestrado do PPGCL, criou a revista Entretemas, que tem como objetivo principal o incentivo à leitura e à escrita dos estudantes. A primeira edição da publicação é composta por textos escritos pelos alunos e revisados pelo docente.

 

Projeto Inovador

 

Segundo o professor, a ideia para as próximas edições é abrir espaço para publicações de alunos de todos os campi do IFS e também de outras instituições. “Como o próprio nome sugere, a revista Entretemas é composta por textos variados, abrangendo poemas, contos, resenhas, artigos e matérias”, afirma Vinicius.

 

O projeto gráfico da revista é de autoria do designer Thiago Estácio. Nesta primeira edição, o professor também contou com o apoio dos servidores José Adelmo Lima e Júlio César Nunes, do Setor Gráfico do IFS, no processo de impressão.

 

“Também foi imprescindível o apoio do reitor, Ailton Ribeiro de Oliveira, e da pró-reitora de Pesquisa e Extensão, Ruth Sales, que acreditaram no projeto e foram extremamente solícitos no que diz respeito à publicação da revista”, ressalta o professor.

 

Para obter mais informações sobre a Entretemas, basta enviar e-mail para o endereço entretemas@hotmail.com.

 

IFS (adaptado)


Mestranda analisa humor em cenas do “Improvável”

 

(17/12/2012) Layla Antunes de Oliveira defendeu a dissertação intitulada “Processos ostensivo-inferenciais do jogo Cenas Improváveis de Improvável – Um espetáculo provavelmente bom: estudo de caso com base na teoria da relevância”, na última sexta (14), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul. A dissertação de Layla pesquisou os processos que provocaram o riso e o silêncio da plateia em duas cenas específicas do jogo “Cenas Improváveis de Improvável – Um espetáculo provavelmente bom”.

 

O humor em destaque

 

Uma piada não precisa de aplausos, mas sim de risos. O problema é que nem sempre ela surte o efeito esperado na plateia, que, invariavelmente, responde com um constrangedor silêncio. A partir dessa questão, a mestranda Layla Antunes de Oliveira pesquisou os “Processos ostensivo-inferenciais do jogo Cenas Improváveis de Improvável – Um espetáculo provavelmente bom: estudo de caso com base na teoria da relevância”.

 

Improvável é um espetáculo de humor com base no improviso. No recorte feito pela mestranda, o jogo Cenas Improváveis, um mediador sorteia um tema absurdo proposto pelo público para que os atores interpretem-no em parcos 30 segundos. Layla escolheu duas cenas interpretadas a partir do mesmo tema: “Coisas que seu pai faz que te fazem pensar que ele é um serial killer”. Numa delas, houve riso. Noutra, a plateia permaneceu em silêncio. O estudo da mestranda, então, procurou compreender os motivos que levaram as cenas humorísticas ao sucesso e ao fracasso.

 

A pesquisa foi fundamentada pela Teoria da Relevância, que explica como se dá a comunicação humana, e utilizou também teorias sobre improvisação e humor. Layla traçou a estrutura narrativa de cada uma das cenas. No caso da interpretação que não surtiu o efeito esperado no público, a mestranda entrou em contato com o ator que a interpretou para saber qual foi a intenção dele no momento do jogo. “A plateia não riu porque não houve incongruência, porque a interpretação não conseguiu ser contextualizada pelo público dentro do tema proposto”, explica a pesquisadora.

 

A dissertação foi orientada pelo professor doutor Fábio José Rauen e foi aprovada com distinção por banca composta pelo professor Sebastião Lourenço dos Santos, da Universidade Estadual de Ponto Grossa (UEPG) e a professora doutora Sídnei Cursino Guimarães Romão, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Antes da apresentação da dissertação, os dois professores participaram de uma mesa redonda sobre Teoria da Relevância e Humor.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Mesa redonda discute humor

 

(17/12/2012) "Teoria da Relevância e Humor" foi o tema da mesa redonda ministrada pelos professores Dr. Sebastião Lourenço dos Santos, UEPG, e Dra. Sídnei Cursino Guimarães Romão, UFU, na última sexta-feira (14), na sala de treinamento da Unisul.

 

O processamento cognitivo do humor

 

Na mesa, os pesquisadores apresentaram os seus pontos de vista sobre o processamento cognitivo do humor.

 

“Piada, humor e riso: uma relação complicada” foi o título da apresentação de Sebastião Lourenço dos Santos. “As piadas são o meu objeto de estudo”, inicia. “Contudo, o meu objetivo não é contar piadas nem analisar o que a piada significa, mas abordar como o mecanismo cognitivo humano processa a interpretação da piada”, completa.

 

Para o pesquisador, a piada é um texto composto por elementos estruturais (mais ou menos) estáveis responsáveis por um arquétipo de piada. “A piada é um gênero narrativo que desempenha uma função comunicativa com um valor de entretenimento humorístico crítico, irônico, de sátira social sobre o comportamento de uma comunidade, uma vez que aborda temas que envolvem crenças, convenções, tabus, poder, moral, comportamentos e demais valores identitários de uma determinada cultura”, explica.

 

Segundo Santos, o riso é consequência da percepção de uma incongruência (no sentido de algo que gera uma quebra de expectativa da normalidade). 

 

 

Já a professora Sídnei Cursino Guimarães Romão destacou o paradoxo presente no humor. “A construção do humor de piadas: da coerção das premissas ao paradoxo que fecha o texto” foi o tema de sua fala.

 

A pesquisadora apresentou um modelo de explicação do mecanismo do humor submetendo o conceito de bissociação aos princípios da teoria da relevância.

 

“O texto humorístico apresenta dois esquemas cognitivos de origem: o primeiro é formado pelas suposições contextuais processadas na parte do texto que precede o gatilho (enunciado final); o gatilho não é relevante, em relação ao primeiro esquema, por isso o leitor busca um dado que o torne relevante: reconhece a existência de um segundo esquema (congruente) de origem (até ali não cogitado, ausente do texto, mas indicado pelo gatilho”, explica.

 

Para Sídnei, a incongruência no humor é criada a partir do mecanismo da bissociação (sobreposição de esquemas de significados incompatíveis), que resulta num fenômeno lógico: um paradoxo. “Por resultar de um paradoxo, é inevitável ao raciocínio e causa surpresa, que leva ao riso”, comenta.

 

Ao término da mesa, os pesquisadores falaram, entre outras coisas, sobre os limites dos humoristas. Sebastião Lourenço dos Santos afirmou que não concorda com as piadas do chamado “humor negro”, pois elas costumam propagar manifestações de preconceito. Já Sídnei Cursino Guimarães Romão destacou que o humor é a única alternativa ao sistema e que, portanto, ele não pode ter limites.

 

Na mesma tarde, os professores participaram da defesa pública de dissertação de Layla Antunes de Oliveira.

 

PPGCL


Dissertação analisa o ensino da matemática

 

(13/12/2012) A estudante Fernanda Medeiros Alves Besouchet Martins defendeu a dissertação intitulada “O número como signo: Relatos de uma experiência de ensino de frações a partir das teorias sócio-interacionista e dos registros de representações semióticas”, na manhã da última terça (11), no Cine Pedra Branca, bloco A, do Campus Grande Florianópolis da Unisul.

 

Analisando o ensino-aprendizagem de frações

 

A dissertação de Fernanda teve por objetivos aplicar e avaliar os resultados de estratégias e atividades lúdicas e significativas desenvolvidas para o ensino-aprendizagem de frações, baseadas na teoria sócio-interacionista de Liev Vigotskii e na teoria das conversões dos registros de representações semióticas de Raymond Durval.

 

A pesquisadora discorreu, num primeiro momento, sobre as suas trajetórias escolar, acadêmica e profissional que justificam a motivação para a realização da pesquisa.

 

“Quando cheguei na 5ª série do 1º grau, minha relação com meu professor de matemática não foi das melhores, justo no ano que comecei a aprender frações (ou pelo menos tentar), além de ser uma série que marca a vida de qualquer adolescente. Fiquei em recuperação no primeiro bimestre. Sem ter como me ajudar, meus pais logo trataram de conseguir uma professora particular para me acompanhar por um tempo, que simplesmente me acompanhou durante os quatro anos do 1º grau”, explica.

 

Depois de perceber que a matemática é um universo possível de se conhecer e conviver, e interessada em auxiliar outras pessoas a entenderem matemática, Fernanda ingressou no curso de licenciatura da Universidade do Rio de Janeiro.  “Por volta do ano de 1994, quando já era aluna do curso de licenciatura plena em matemática e também já lecionava, comecei a perceber que a matemática é um tipo de mundo à parte, onde vivem formas retas e curvas que se combinam ou não. Entretanto, é um mundo que tem uma beleza especial, acessível a qualquer pessoa”, comenta.

 

Decidida a facilitar o ensino dos conteúdos da matemática, Fernanda participou do processo seletivo para o curso de Mestrado em Ciências da Linguagem, tendo sido aprovada em 2010. “Gostaria de cursar um mestrado onde eu pudesse aliar a matemática ciência com a matemática linguagem. Aqui vi esta possibilidade.”

 

Na dissertação Fernanda descreveu todas as estratégias de ensino de frações que foram aplicadas, de forma exploratória, com duas turmas de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Dinâmica, em Florianópolis.  

 

De acordo com a pesquisadora, os resultados da aplicação das estratégias desenvolvidas apontam para a conclusão de que o ensino de matemática, em especial de frações, baseado nas teorias apresentadas, é mais significativo do que o ensino tradicional de conceitos e aplicações, pois possibilita que a criança compreenda todos os possíveis significados do objeto estudado, construindo, assim o seu verdadeiro conhecimento.

    

A dissertação de Fernanda foi aprovada com distinção por banca composta pelos professores Dr. Aldo Litaiff, orientador, Dr. Cassiano Roberto Nascimento Ogliari, avaliador externo, e Dra. Nádia Régia Maffi Neckel, avaliadora interna.

 

Edna Mazon


Desenho animado é objeto de dissertação

 

(12/12/2012) Leidiane Coelho Jorge defendeu a dissertação intitulada “Uso social e mediações do desenho animado Doki: estudo comparativo de recepção”, na última quinta (6), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

O desenho animado em sala de aula

 

Segundo Leidiane, a pesquisa tinha o objetivo de identificar o uso social e as mediações do desenho animado Doki, em caráter comparativo em duas escolas públicas municipais do ensino infantil do município de Balneário Gaivota – SC.

 

“A partir do objetivo geral, pensamos nos seguintes objetivos específicos: 1) analisar, com base nas correntes teóricas ‘Uso Social dos Meios’ de Jesús Martín-Barbero e ‘Enfoque Integral da Audiência’, de Guillermo Orozco, a recepção e as mediações do desenho animado Doki por crianças da Educação Infantil do ensino público; 2) compreender a estrutura do desenho animado como uma linguagem reconhecível, significativa e motivadora ao imaginário infantil; 3) identificar se o desenho animado Doki dispõe de elementos possíveis de serem aproveitados na prática pedagógica em sala de aula; e 4) utilizar a linguagem midiática para incentivar a participação ativa dos alunos nas aulas”, explica.

 

De acordo com a pesquisadora, pôde-se concluir através dos diálogos e da expressão artística que a criança absorve rapidamente o conteúdo veiculado pelo desenho e já consegue transferir/mediar o discurso proposto pela personagem/desenho animado.

 

“Percebemos que a TV/ o desenho animado  funciona para o telespectador como mecanismo não apenas de transmissão de conteúdos por reproduzir a realidade, mas apresenta-se como provocadora, chamando o individuo a posicionar-se diante dos fatos por ela veiculados”, conclui.

 

A dissertação foi aprovada por banca composta pelos professores Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes - Unisul, orientadora; Ricardo Luiz de Bittencourt – Unesc, avaliador externo; e Jussara Bittencourt de Sá – Unisul, avaliadora interna.

 

PPGCL


Professora Ramayana palestra no Centre for World Cinemas
 
(12/12/2012) A professora Dra. Ramayana Lira ministrou palestra no Centre for World Cinemas, University of Leeds, Inglaterra, na última quinta-feira (5).
 
Discutindo a violência no cinema brasileiro
 
Na palestra, Ramayana retomou algumas das discussões de sua pesquisa anterior sobre violência no cinema brasileiro e organizou um texto intitulado The Politics of Violence in Contemporary Brazilian Cinema.
 
“Voltei a pensar os conceitos de imagem violenta e imagens da violência e seus desdobramentos políticos”, comenta. “Para a discussão, trouxe Cidade de Deus, Carandiru e Tropa de Elite para examinar a potência política da violência”, complementa.
 
A resposta da plateia foi muito boa, com um debate intenso sobre a relevância dos conceitos apresentados. “Recebi elogios e insights generosos vindos de Alessandra Brandão, Paul Castro, Paul Cooke, Vlad Strukov e Chris Homewood”, finaliza.
 
PPGCL

PPGCL tem representação no Sul Letras

 

(26/11/2012) As alunas Suelen Francez Machado, Sheyla de Souza Bitencourt e Aurélia Regina de Souza Honorato representaram o PPGCL no I Encontro Sul Letras que ocorreu entre os dias 19 e 21 de novembro, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, em São Leopoldo, Rio Grande do Sul.

 

PPGCL no Sul Letras

 

A mestranda Suelen Francez Machado integrou a comissão organizadora do evento como a representante do PPGCL. Na ocasião, a aluna atuou como monitora e representou o professor Fábio José Rauen na reunião dos coordenadores do Sul.

 

O PPGCL contou ainda com as comunicações individuais das alunas Sheyla de Souza Bitencourt, mestrado, e Aurélia Regina de Souza Honorato, doutorado. Sheyla apresentou o trabalho “Clarah Averbuck: a construção da subjetividade e a espetacularização do eu” e Aurélia “A criação do sensível no processo de apropriação da literatura de Clarice: as adolescentes e o audiovisual”.

 

Contextualizando

 

Os coordenadores dos programas de pós-graduação da área de Letras da Região Sul reuniram-se ao longo de 2012 para estabelecer um amplo conjunto de iniciativas que visavam parcerias interinstitucionais entre os programas, com o intuito de consolidar os programas associados.

 

Dentre as ações, foi criado o Encontro Sul Letras. O evento tem o objetivo de proporcionar um espaço qualificado de interlocuções acerca das pesquisas e da formação desenvolvida no espaço dos programas de pós-graduação da área de Letras da Região Sul.

 

PPGCL


Fernando Vugman lança livro nesta quarta (14/11)

 

(13/11/2012) O professor Dr. Fernando Vugman lança o livro “Ficção e Pesadelos (pós)Modernos”, da Editora Unisul,  nesta quarta (14), na Livraria Catarinense do Shopping Beiramar, em Florianópolis, às 19 horas.

 

Modernidade e pós-modernidade em destaque

 

Na obra, resultado de suas pesquisas de mestrado, Vugman analisa o livro “1984”, publicado em 1949 por George Orwell, e “Brasil, o filme”, do diretor Terry Gilliam, lançado em 1984. Uma é a primeira obra vista sob a perspectiva da modernidade e, a outra, como obra pós-moderna. Segundo Vugman, há um diálogo entre essas duas obras.

 

“Já não se discute mais esses conceitos de modernidade e pós-modernidade, justamente pela impossibilidade de se chegar a uma definição, mas certas questões que eram importantes nesse debate não foram resolvidas e por isso permanecem”, ressalta o autor. “A crise da noção de indivíduo, bem como o enfraquecimento da palavra e sua substituição pela imagem em um contexto de crise das grandes ideologias, e como isso se manifesta tanto no livro como no filme analisados, são discussões extremamente contemporâneas”, destaca.

 

Fernando Vugman, docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul, é graduado em Ciências Biológicas – Modalidade Médica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP), é mestre e doutor em Literaturas da Língua Inglesa. Tradutor, editor científico e escritor, suas pesquisas se voltam para o cinema, onde investiga questões como mitos modernos, identidade nacional, gêneros e linguagens cinematográficas. É também autor do livro de contos “A casa sem fim”, lançado em 2009 também pela Editora Unisul.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Grupep-Arqueologia é destaque em Programa da Band-SC

 

(05/11/2012) Os 23 sepultamentos localizados pelo Grupep-Arqueologia da Unisul, coordenado pela professora Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias, no sítio arqueológico de Cabeçudas, no município de Laguna, foi destaque no programa "Estado de Excelência" exibido na noite da última segunda-feira (29) pela emissora Band-SC.

 

Saiba mais sobre a matéria

 

O programa, conduzido por Raimundo Martins, foi reprisado no domingo (4) e também poderá também ser conferido aqui.

 

Durante o programa, Martins mostrou o trabalho da equipe de arqueólogos, conversou com alguns desses profissionais e também enfatizou a participação de alguns deles, que começaram como bolsistas de iniciação científica na graduação e hoje estão integrados à equipe.

 

Educação permanente

 

Também foram entrevistados o reitor da Unisul, professor Ailton Nazareno Soares, o Pró-reitor de Ensino, Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Mauri Heerdt, e o coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, Fábio José Rauen, que ressaltaram o perfil da universidade de tornar a investigação científica uma prática comum na instituição.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Curso de Letras é ofertado com novo currículo

 

(31/10/2012) O curso de Letras da Unisul, assim como as demais licenciaturas, volta a ser oferecido com mudanças curriculares que tornam o ensino mais dinâmico e desenvolvem diferentes competências.

 

2013 com destaque nas licenciaturas

 

A partir do próximo semestre, a Unisul de Tubarão passa a oferecer novas Licenciaturas, além das de Educação Física e Pedagogia, e retomam cursos como Letras, História, Geografia, Ciências Biológicas, Química e Matemática, que ficaram temporariamente sem oferta. Entre as novidades, destaca-se a reformulação curricular e os novos projetos acadêmicos. As inscrições para os processos seletivos já estão abertas. As datas podem ser conferidas no site.

 

“Trata-se de uma proposta curricular moderna, organizada num modelo pedagógico focado no desenvolvimento de competências, possibilitando assim novas oportunidades de atuação”, explica o professor Felipe Felisbino, que integra a equipe de divulgação das ofertas da Unisul para o próximo semestre. Ainda de acordo com ele, a reformulação pela qual passam as Licenciaturas também acontece em outros cursos.

 

A nova ideia de organização educacional possibilita que o estudante circule por diferentes áreas de formação. A mudança fundamental ocorre na maneira como este faz sua trajetória na Universidade. Agora, além de cursar uma habilitação completa, ele pode optar por certificações, ou seja, competências específicas, que já podem habilitá-lo para atuar em algumas atividades profissionais. “As certificações preveem o desenvolvimento de competências com base em conteúdos e em habilidades”, destaca a assistente pedagógica da Unidade Acadêmica de Educação, Humanidades e Artes, Tânia Fernandes.

 

O curso de Letras, por exemplo, oferece, dentro do conteúdo completo necessário para a formação de um professor, certificações como as de Revisor de Texto e de Redator. Assim, o estudante que não tem o interesse de lecionar, mas pretende atuar no mercado de trabalho como redator, pode cursar apenas essa certificação, além de tantas outras quantas lhe forem interessantes, inclusive de outros cursos. “Essa concepção amplia as possibilidades de atuação no mercado de trabalho”, observa a coordenadora do curso de Letras, professora Jussara Bittencourt de Sá.

 

Ela explica ainda que essa organização foca em uma das metas da Universidade: a Educação Permanente, e amplia o potencial de formação. “Nós preservamos todos os conteúdos exigidos pelas diretrizes de formação do MEC e, ao mesmo tempo, acrescentamos outros que dão mais dinamicidade à formação”, destaca. Além disso, Letras retoma sua oferta com currículo novo, Língua Portuguesa e Literaturas.

 

 “O foco na pesquisa e na extensão se efetiva por meio de atividades formativas realizadas em ambientes que vão além do espaço da Universidade”, complementa a assistente pedagógica Tânia Fernandes. Ela reforça, também, que o aluno que ingressar nesses cursos de Licenciatura tem a possibilidade de circular em grupos de pesquisa, a exemplo do Grupo de Pesquisa em Cultura (Grupec) e do Grupo de Pesquisa em Educação Patrimonial e Arqueologia (Grupep), o que amplia a formação do estudante e o aproxima dos programas de mestrado e doutorado da Unisul.

 

Ela destaca, também, a possibilidade dos estudantes dos cursos de licenciaturas integrarem programas como a Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), que hoje distribui entre as licenciaturas, aproximadamente, 100 bolsas. A participação neste tipo de programa auxilia o estudante a subsidiar sua formação, aproximando-o da realidade escolar.

 

Para a diretora do campus Tubarão da Unisul, professora Milene Pacheco Kindermann, a ideia é dinamizar os cursos e aproveitar a estrutura física e os professores da Universidade. “Trabalhamos por três anos na construção dessas competências. A nossa expectativa é a de que a comunidade perceba toda a flexibilidade e as novas possibilidades de formação que os cursos estão oferecendo com os projetos reformulados”, ressalta.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Professoras Alessandra e Ramayana palestram em Leeds

 

(31/10/2012) As professoras Alessandra Brandão e Ramayana Lira ministraram palestra sobre o neo-realismo italiano, nesta terça-feira (30), na Universidade de Leeds, Inglaterra.

 

Cinema em destaque

 

As professoras, atualmente fazendo pós-doutorado no Centre for World Cinemas da Universidade de Leeds, falaram aos alunos do curso de World Cinemas.

 

“Essa é uma das partes mais gratificantes do estágio de pós-doutorado, a troca com alunos e pesquisadores da instituição que nos recebe”, disse a professora Alessandra. A palestra é parte das atividades programadas para o desenvolvimento das pesquisas das professoras.

 

“É, também, excelente oportunidade de conhecermos o funcionamento e a lógica de organização acadêmica de outras instituições. Não com um projeto de 'importação' para o Brasil, mas como elemento de comparação que nos faz refletir sobre nossas práticas e lógicas acadêmicas”, completa a professora Ramayana.

 

Na foto principal, um flagrante da apresentação da professora Ramayana. Mais abaixo, temos a professora Alessandra.

 

 

PPGCL


X CELSUL conta com participação expressiva do PPGCL

 

(29/10/2012) O X Círculo de Estudos Linguísticos do Sul – CELSUL contou com 26 trabalhos de docentes, de discentes e de egressos do PPGCL. O evento ocorreu entre os dias 24 e 26 de outubro de 2012 na Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Campus Cascavel – Paraná.

 

 

Lançamento de livro

 

Na oportunidade, foram lançados os livros “Ficção e pesadelos (pós) modernos”, de Fernando Vugman, PPGCL, e “Sociedade, cognição e linguagem: apresentações do IX CELSUL”, organizado por Maria Marta Furlanetto, PPGCL, Adair Bonini, UFSC, Débora de Carvalho Figueiredo, UFSC, e Maria Ester Wollstein Moritz, UFSC.

 

Coordenação de Grupo Temático

 

Docentes do PPGCL organizaram cinco Grupos Temáticos no evento, são eles:

 

Nádia Régia Maffi Neckel (UNISUL); Ismara Tasso (UEM)

Imagem e(m) discurso

 

Fábio José Rauen (UNISUL); Jorge Campos da Costa (PUCRS)

Cognição, relevância e interface semântico-pragmática

 

Giovanna Benedetto Flores (UNISUL); Simone de Mello de Oliveira (PNPD/CAPES - UFSM)

Linguagem, mídia e sujeito -

 

Andréia da Silva Daltoé (UNISUL); Raquel Ribeiro Moreira (FURG)

A condição do político no discurso e suas práticas de subjetivação -

 

Solange Maria Leda Gallo (UNISUL); Suzy Maria Lagazzi (UNICAMP)

Socialização do conhecimento: uma perspectiva discursiva -

 

Conhecendo o evento e as apresentações da Unisul

 

O evento, que comemorou 10 edições, teve o propósito de debater questões seminais da área por intermédio de mesas-redondas, grupos de trabalho e palestras.

 

A seguir, apresenta-se a lista de trabalhos da Unisul que compõem o Caderno de Resumos do Evento:

 

Carolina Bithencourt Rubin

A pele que habito: o corpo in suspenso na contemporaneidade

 

Nádia Régia Maffi Neckel, Ismara Tasso

Imagem e(m) discurso: movimentos de sujeito, poder e política na contemporaneidade

 

Edinéia Aparecida Chaves de Oliveira

O discurso sobre as mulheres fruta no jornal folha de São Paulo: novas formas de comodificação do feminino na modernidade tardia

 

Ligiane Pessoa dos Santos Bonifácio

Análise dos estímulos ostensivos de um anúncio publicitário televisivo com base na teoria da relevância

 

Layla Antunes de Oliveira, Fábio José Rauen

Processos ostensivo-inferenciais do quadro Cenas improváveis de Improvável – um espetáculo provavelmente bom: estudo de caso com base na Teoria da Relevância

 

Helena Iracy Cerquiz Santos Neto

O funcionamento do meio radiofônico: um caso exemplar

 

Patricia de Oliveira Claudino

O silenciamento da mídia, a campanha nas redes sociais e o novo Código Florestal Brasileiro

 

Simone Atayde Floriano da Silva, Rosangela Nandi Zanelato

Discurso e ciência: compreensão discursiva do uso das tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem na rede estadual de ensino

 

Deivi Eduardo Oliari

Análise do discurso publicitário na internet web 2.0: sujeitos divididos entre o público e o privado

 

Regina Aparecida Milléo de Paula

EAD: Acontecimento discursivo - indicação de processos de individuação do sujeito contemporâneo

 

Maurício Eugênio Maliska, Silvana Colares Lúcio de Souza

A ironia e o humor: uma construção teórica

 

Lúcio Flávio Giovanella

A produção audiovisual na escola

 

Marilene Maria Schmidt

Identidade e subjetividade no discurso de egressos de um curso superior de tecnologia

 

Maria Marta Furlanetto

Explorações sobre política e identidade autoral: doação, adoção e danação

 

Angela Cristina Di Palma Back, Richarles Souza de Carvalho

Petit-Pavé ou Paver? Discussões entre o velho e o novo na cidade de Criciúma-SC

 

Andréia da Silva Daltoé

As metáforas de lula como espaço de disputa de/por sentidos na língua política

 

Myrna Mendes Maciel

A Língua como manifestação de discurso em uma Comunidade Polonesa

 

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Leidiane Coelho Jorge

“A nova biblioteca do visconde: tecnologias de sedução à memória cultural e literária”

 

Leidiane Coelho Jorge, Heloisa Juncklaus Preis

Imaginário infantil e memória: o lugar da cidadania na recepção do desenho animado Doki

 

Suelen Francez Machado, Fábio José Rauen

Relevância, lógica formal e custo de processamento

 

Giovanna Benedetto Flores

Os sentidos de liberdade e independência nas epígrafes dos jornais de 1821-1822

 

Paula Isaias Campos-Antoniassi, Vanessa Wendhausen Lima

Jornal Escolar: letramento e ensino de gêneros

 

Maria Sirlene Pereira Schlickmann

Refletindo sobre a base legal do ensino fundamental de nove anos e os desdobramentos desse acontecimento discursivo em instituições educacionais

 

Cristiane Gonçalves Dagostim

Letramento imagético e material didático: relação possível a partir da perspectiva sócio-histórica de letramento e da análise do discurso

 

Carlos Arcângelo Schlickmann, Daniela Arns Silveira

Análise linguística: um olhar sobre textos acadêmicos

 

Vaniele Medeiros da Luz

“Eu não sei inglês”: a (im)possível identidade do estudante de língua estrangeira

 

PPGCL


Conferência discute o suicídio

 

(29/10/2012) Alunos e profissionais da área de Psicologia reuniram-se para debater o tema suicídio na conferência “Suicídio: um desafio para os profissionais da saúde”, na noite da última quinta-feira, no campus de Tubarão da Unisul. O debate foi presidido pelo professor Dr. Maurício Eugênio Maliska, PPGCL, que recentemente publicou o livro “Suicídio: um desafio para os profissionais da saúde”.

 

O problema do suicídio desafia os profissionais

 

“O livro é desafiador porque ele provoca nossas próprias teses”, diz o professor Maliska ao explicar que a ideia de fazer o livro surgiu após a apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da aluna Aline Wallauer. O objetivo da pesquisa era ver se os profissionais da saúde conhecem os fatores de riscos e as ações que deveriam ser tomadas no caso de um suicida.

 

Maliska diz que o suicídio já passou por várias alterações na sociedade. “Na época do Império Romano, o suicídio não era discriminado. Apenas no momento em que a Igreja Católica passa a ser a religião oficial é que ele passa a ser descriminado pela população”, explica.

 

O doutor afirma que até hoje o suicídio ainda é considerado um problema moral. “No livro, tentamos tratar esse assunto como um problema de saúde mental. Na maioria das vezes, o suicida já tentou praticá-lo antes do ato final. E é exatamente isso que procuramos verificar no profissional que atende um paciente nessas condições. Qual sua preparação em atendê-lo”, frisa.

 

“Transtornos mentais e de personalidade são considerados fatores de risco. Outro fator é o acesso a medicamentos e a armas de fogo. Pesquisas mostram que indivíduos solteiros, viúvos e jovens são propensos à prática do suicídio. Mas tudo isso é muito relativo. Temos que analisar os fatores que este indivíduo vive”, completa o professor.

 

Segundo o professor, a Região Sul é a que apresenta o maior número de suicídios no país.

 

Maliska é psicanalista, psicólogo, mestre e doutor em Linguística pela UFSC. Também é professor de Psicanálise no curso de Psicologia da Unisul, na unidade de Pedra Branca e no Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem na Unisul, campus Tubarão.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Adriana Limas fará curso na França

 

(29/10/2012) Adriana de Oliveira Limas Cardozo, doutoranda em Ciências da Linguagem e professora no curso de Psicologia da Unisul, está com passagem marcada para a França. Ela embarca no início de novembro para um doutorado sanduíche em psicanálise na Université Paris VII, na capital do país.

 

Ampliando conhecimentos

 

Para ampliar conhecimentos, a professora Adriana Limas irá passar quatro meses em Paris em um doutorado sanduíche

 

Doutorado sanduíche é o nome dado ao programa de doutorado que é parcialmente realizado em outra instituição brasileira ou estrangeira. Tanto a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), quanto o CNPq, oferecem bolsas de doutorado sanduíche para alunos interessados em realizar estágios de pesquisa em outras instituições, como no caso da professora Adriana Limas, que conseguiu a bolsa sanduíche pela Capes.

 

Apoiada pelo orientador, professor doutor Maurício Eugênio Maliska, que já havia participado do programa de doutorado sanduíche na França, Adriana entrou em contato com o professor doutor Alain Vanier, psicanalista francês, responsável pela sua inserção na Université Paris VII, a quem enviou sua proposta de tese e plano de trabalho.

 

Devido à semelhança de assuntos entre seus estudos e as pesquisas realizadas por ele, doutor Vanier não hesitou em aceitar o pedido. “Enviei o email no domingo, pouco antes do meio dia, com a indicação de tese apoiada pelo doutor Maurício. No início da tarde, já havia a resposta positiva, enviada pelo doutor Vanier. Ele será meu orientador francês, durante o programa”, conta a professora.

 

Com pós-graduação em Ciências da Linguagem, ela pretende estender seus conhecimentos na área do pensamento feminino, sob o ponto de vista da psicanálise. “Esse doutorado vai me permitir aprofundar conhecimentos na área, e desenvolver meu tema”, aponta.

 

Para desenvolver a tese “O discurso feminista e sua relação com a concepção de feminino na psicanálise”, não poderia haver lugar melhor, argumenta Adriana. “Vou poder ver de perto as obras de Michel Pechêux, Jacques Lacan e a escritora e filósofa feminista Simone De Beauvoir, essenciais para meu doutorado, já eu trabalho com essa mesma linha de discurso”, explica.

 

Durante sua estadia na França, a professora deve conhecer as pesquisas desenvolvidas no Centro de Pesquisas Psicanálise e Medicina da Université Paris VII, dirigidas pelo professor doutor Alain Vanier, e assim escrever parte de sua tese, como também artigos que tratem de aspectos da mesma. Adriana viaja em novembro e retorna no início de março de 2013.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Professora Giovanna recebe menção honrosa

 

(18/10/2012) Professora Giovanna Gertrudes Benedetto Flores recebeu menção honrosa na categoria doutorado da sétima edição do Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo (PAGF), concedido anualmente pela SBPJor, Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo.

 

Conhecendo o processo de avaliação

 

Todo o processo de avaliação pelas comissões julgadoras foi realizado por meio de revisão cega, sem a identificação dos autores, orientadores, programas, faculdades ou universidades. O trabalho de julgamento de um total de 55 trabalhos inscritos envolveu três comissões julgadoras, uma por categoria, as quais tiveram na coordenação geral do PAGF 2012, o professor Leonel Aguiar (PUC-Rio).

 

O rigoroso processo de julgamento teve um saldo muito positivo, segundo o coordenador do prêmio, Leonel Aguiar: “A qualidade acadêmica e a potência teórica tanto dos trabalhos vencedores quanto dos que receberam indicação para menção honrosa nas três categorias demonstram que a pesquisa em jornalismo avançou e se consolidou no país. Simultaneamente a potencialização da qualidade, tivemos um aumento do número de inscritos, com destaque para a pesquisa em jornalismo também na graduação”.

 

Categoria doutorado

 

A tese premiada é Ser revista e viver bem: um estudo de jornalismo a partir de Vida Simples, de Frederico de Mello Brandão Tavares. O doutorado do autor foi realizado no Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação a Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos), sob orientação da pesquisadora Christa Berger.

 

A comissão julgadora da categoria doutorado, composta pelos pesquisadores Bruno Souza Leal (UFMG), Raquel Paiva (UFRJ) e Ronaldo Henn (Unisinos), atribuiu menção honrosa ao trabalho de Giovanna Gertrudes Benedetto Flores. A tese Os sentidos de nação, liberdade e independência na imprensa brasileira (1821 – 1822) e a fundação do discurso jornalístico brasileiro foi defendida no Instituto de Estudos da Linguagem/Doutorado em Linguística da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sob orientação da pesquisadora Cláudia Regina Castellanos Pfeiffer.

 

Premiação

 

A cerimônia oficial de entrega da sétima edição do Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo ocorrerá na noite de 08 de novembro, como parte da programação do 10° Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo e do II Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (JPJor), que serão realizados em Curitiba, na PUC-PR, em parceria com a UTP e UFPR.

 

Allan Gouvêa (adaptado)


Lançamento da coletânea do IX CELSUL

 

(18/10/2012) No dia 9 de outubro foi lançado o livro “Sociedade, cognição e linguagem: apresentações do IX CELSUL”, publicado pela Editora Insular (Florianópolis), nas dependências da Livraria Livros & Livros, localizada no Centro de Cultura e Eventos do campus da UFSC, na Trindade. Os organizadores, que também compuseram a comissão que presidiu o IX CELSUL, realizado no campus Pedra Branca da UNISUL em 2010, estavam presentes no evento: Débora de Carvalho Figueiredo, Adair Bonini, Maria Marta Furlanetto, Maria Ester Wollstein Moritz.

 

21 trabalhos compõem a obra

 

Os 21 trabalhos publicados foram apresentados em palestras e mesas-redondas do IX CELSUL por pesquisadores convidados, e foram distribuídos, na obra, em quatro grupos, associando a linguagem à sociedade, à cognição, ao ensino e aprendizagem e à descrição da língua portuguesa.

 

Os autores são: Adail Sobral, Aracy Ernst-Pereira, Eliana Rosa Sturza, Gilvan Müller/Margarita Correia, Júlio César Araújo, Rosângela Morello, Fábio José Rauen/Suelen Francez Machado, Heloísa Pedroso de Moraes Feltes, Jorge Campos, Lilian Cristine Scherer, Pascoalina Bailon de Oliveira Saleh, Raquel Salek Fiad, Marcos Baltar, Lucia Rottava, Renilson José Menegassi, Simone Bueno Borges, Vera Lúcia Lopes Cristovão, Aparecida Feola Sella, Flávia Bezerra de Menezes Hirata Vale, Gisela Collischonn/Adelaide Hercília Pescatori Silva e Juliano Desiderato Antonio.

 

Está previsto um segundo lançamento da obra durante a realização do X CELSUL, em Cascavel (PR), de 24 a 26 de outubro.

 

PPGCL


Professora Solange ministra conferência na UNEMAT

 

(10/10/2012) A professora Solange Leda Gallo ministrou a conferência “A discursividade online, a escritoralidade, e as novas fronteiras para a autoria”, no último dia 4 de outubro, na Universidade Estadual de Mato Grosso – UNEMAT, campus de Cáceres/MT. 

 

Semana Acadêmica de Letras

 

A conferência fez parte da VII Semana Acadêmica de Letras: Língua(gem) em movimento e I Encontro de Leitura Literária e Formação de Professores, que aconteceu no período de 1º a 5 de outubro, e reuniu alunos do curso de Letras, pesquisadores de diferentes programas, mestrandos, docentes e gestores da Universidade, Campus de Cáceres. 

 

A semana acadêmica de Letras da UNEMAT é um evento anual, com atividades que propiciam a discussão de aspectos relacionados ao conhecimento nas áreas de ensino, linguística, língua português e literatura, destacando-se a importância dos conhecimentos teóricos na área de letras para o bom exercício da profissão de educador. Já o I Encontro de Leitura Literária e Formação de Professores possui como foco central o aprofundamentos dos estudos relacionados à produção do conhecimento de linguagem, mais especificamente à linguagem literária ligada ao ensino.

 

PPGCL


Dissertação apresenta estudo sobre o hibridismo cultural

 

(08/10/2012) Suzana Luiz Tibúrcio defendeu a dissertação intitulada “Narradores de Morro Grande – Sangão: memória, identidade e hibridismo cultural”, nesta última sexta (5), na sala de pós-graduação 2, do campus de Tubarão da Unisul.

 

Cidade de Sangão em destaque

 

Segundo Suzana, o objetivo da pesquisa é analisar como o hibridismo pode aparecer nas falas de moradores de Sangão com ascendências diferentes, através das narrações obtidas por entrevistas.

 

“Especificamente, tencionamos: a) problematizar as concepções sobre identidade cultural, aspectos que sinalizam o hibridismo cultural; b) pensar na narrativa como meio de enunciação de identidades culturais; c) desenvolver pesquisa de campo, através da técnica da história oral, com moradores do município de Sangão-SC; d) decupar e registrar as narrativas do filme Narradores de Javé analisando as exemplificações  e metodologias utilizadas no filme acerca da construção historiográfica; e e) desenvolver análise verificando a ocorrência do hibridismo cultural nas entrevistas/narrativas com o grupo selecionado”, explica.

 

“Para dar conta dessa proposta, selecionamos na pesquisa de campo cinco moradores do bairro Morro Grande, município de Sangão – SC”, complementa.

 

De acordo com a pesquisadora, na coleta das entrevistas/narrativas foram utilizadas como aporte metodológico as orientações da história oral, bem como exemplos extraídos do filme “Narradores de Javé”.

 

“Após assistir ao filme, percebemos que ele se aproximava do contexto que se pretendia investigar, justificando, assim, sua eleição também como aporte metodológico, elucida.”

 

Em suma, a pesquisa oportunizou vez e voz a comunidade para investigar e para resgatar momentos de sua história, em especial de seu contexto cultural ensejado e que dele se enseja.

 

Suzana foi aprovada com distinção por banca composta pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá, orientadora; professor Dr. Dr. Adolfo Ramos Lamar, avaliador externo; professora Dra. Deisi Sunderlick Eloy de Farias, avaliadora interna.

 

PPGCL


Educação Intercultural é tema de seminário

 

(08/10/2012) O professor Dr. Adolfo Ramos Lamar, da Universidade Regional de Blumenau, apresentou o seminário intitulado “Educação Intercultural na Sociedade Contemporânea”, nesta última sexta (5), na sala de pós-graduação 2, do campus de Tubarão da Unisul.

 

Conhecendo um professor cubano

 

Inicialmente, Lamar, que é cubano, falou sobre sua formação acadêmica.

 

“Possuo graduação em Filosofia (1982) pela Universidad de La Habana, mestrado em Política Científica e Tecnológica (1995) pela Universidade Estadual de Campinas, doutorado em Educação (1998) pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado em Educação (2007) pela Universidade de São Paulo. Atuo como professor na Universidade Regional de Blumenau e tenho experiência na área de Educação. Integro o Grupo Educogitans da Universidade Regional de Blumenau e o Grupo Paidea da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas”, apresenta-se.

 

Na sequência, o pesquisador relatou um pouco de suas experiências no Brasil. “Buscando compreender o que significa ser brasileiro, trabalhei em diferentes regiões brasileiras, dentre elas, destacam-se as regiões nordeste, sul e sudeste”, comenta. “Essas experiências possibilitaram-me perceber o hibridismo presente na cultura brasileira”, completa.

 

Lamar utiliza seu conhecimento pessoal para refletir sobre a relação de sociabilidade e de diferença das crianças em sala de aula. “Será que estamos preparados para receber as crianças em sua alteridade?”, questiona-se.

 

Após o seminário, o professor compôs a banca avaliadora da dissertação de Suzana Luiz Tibúrcio intitulada “Narradores de Morro Grande – Sangão: memória, identidade e hibridismo cultural”.

 

PPGCL


Profa. Maria Marta abre evento na UNESC

 

(05/10/2012) A convite da Profa. Dra. Angela Cristina di Palma Back, coordenadora do Mestrado em Educação da UNESC (Criciúma), a Profa. Maria Marta abriu o II Seminário de Educação, Linguagem e Memória – SELM 2012, no dia 24 de setembro, proferindo a conferência “Linguagem e sociedade: Bakhtin e Vygotsky dialogando na contemporaneidade”.

 

Bakhtin e Vygotsky em destaque

 

Em sua fala, a professora destacou a importância dos dois pensadores que, embora contemporâneos, na Rússia, desenvolveram seu trabalho separadamente, e se encontram, hoje, reunidos na Proposta Curricular de Santa Catarina, pela junção da filosofia da Linguagem de Bakhtin com a psicologia de base histórico-cultural fundada por Vygotsky. Em ambos, é a linguagem (semiose/instrumento psicológico) que faz o vínculo entre a formação do pensamento em suas funções complexas e seu funcionamento social.

 

O evento, organizado pela linha de pesquisa “Educação, linguagem e memória”, prosseguiu até o dia 26, com atividades de divulgação das pesquisas realizadas no mestrado em Educação. A terceira edição ocorrerá em 2014.

 

PPGCL


Mestranda Anamélia apresenta trabalho em Universidade de Oxford

 

(02/10/2012) Anamélia Fontana Valentin, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, apresentou trabalho na “4th Global Conference: Fashion”, que aconteceu de 16 a 19 de setembro na Universidade de Oxford, na Inglaterra.

 

Discutindo a cópia na moda brasileira

 

O trabalho discute a questão da cópia na moda brasileira a partir das teorias de Silviano Santiago e Roberto Schwarz, tentando buscar um olhar crítico sobre o fenômeno da cópia, colocando em questão a produção brasileira e a tendência a imitar referências estrangeiras.

 

Mais do que moralizar o debate, julgando ato de copiar como algo ruim, o trabalho propôs discutir as relações de poder no contexto transnacional de trocas culturais.

 

Anamélia apresentou seu “paper” (fruto de pesquisa na disciplina de Teoria Literária ministrada pela professora Alessandra Brandão) em uma mesa de perspectiva multicultural, com a presença de pesquisadoras da moda nigeriana, indiana e sul-africana.

 

A professora Alessandra acompanhou “in loco” a apresentação da aluna, cuja maturidade e segurança no debate foi elogiada pela docente.

 

PPGCL


Professora Ramayana apresenta trabalho em Londres

 

(02/10/2012) A professora Ramayana Lira apresentou trabalho na “Film-Philosophy Conference 2012”, que ocorreu entre os dias 12 e 14 no King's College, em Londres. A conferência é organizada pelo periódico inglês Film-Philosophy, um dos mais prestigiados na área de estudos de cinema.

 

Alfred Hitchcock em destaque

 

A apresentação da professora versou sobre os duplos “queer” na obra de Alfred Hitchcock, diretor inglês homenageado no evento.

 

Promovendo uma intercessão entre os estudos de cinema, de filosofia e de teoria “queer", o trabalho de Ramayana explora o papel fundamentalmente perturbador das figuras duplicadas no filme de Hitchcock “Imagine o nosso pervertido favorito no cinema”, Norman Bates, de Psicose.

 

“Ele é um personagem duplicado, pois ele é, ao mesmo tempo, Norman, o filho, e a Sra. Bates, a sua mãe. O filme explora essa duplicidade esquizofrênica e, na minha leitura, prefiro evitar as explicações psiquiátricas apresentadas ao final da obra e explorar Psicose no que tem de fundamental - a comoção, a livre circulação do desejo. O ‘queer’, o ‘esquisito’, o ‘anormal’ mostra-se como aquilo que libera o desejo”, explica a professora. 

 

PPGCL


Professoras Alessandra e Ramayana participam de evento na Irlanda

 

(02/10/2012) As professoras Alessandra Brandão e Ramayana Lira, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, participaram da “Conferência Inaugural da Alphaville Journal of Film and Screen Media”, que aconteceu de 07 a 09 de setembro, na University College Cork, na Irlanda.

 

O cinema nos interstícios

 

A conferência teve como tema “O cinema nos interstícios” (Cinema in the interstices), assunto que foi abordado na mesa das professoras, partilhada, ainda, com pesquisadores da Irlanda, da Escócia e da Austrália. Nos trabalhos escritos especialmente para a conferência, as professoras falaram sobre o cinema brasileiro contemporâneo, objeto de suas pesquisas de pós-doutorado em andamento na Universidade de Leeds, Inglaterra.

 

Alessandra apresentou o trabalho “From here to nowhere: passages in contemporary Brazilian cinema”, em que discorre sobre o tema em quatro filmes brasileiros recentes, associando a trajetória subjetiva dos personagens a um contexto de deslocamentos e desterritorializações.

 

Em Cork, Ramayana apresentou trabalho sobre a performance no cinema brasileiro contemporâneo. Já produto direto da pesquisa de pós-doutorado na Universidade de Leeds, o “paper” discute como a performance em filmes nacionais recentes produz uma abertura para o “real” que vai além da tradicional - e já gasta - perspectiva da “representação”. A professora argumenta que a performance é uma maneira de criar novos mundo, levando a cabo o que seria uma das mais importantes tarefas da arte.

 

PPGCL


Política cinematográfica é analisada em livro

 

(01/10/2012) Alessandra Brandão, Dilma Juliano e Ramayana Lira, professoras do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem e do curso de Cinema e Audiovisual da Unisul, lançam o livro “Políticas dos Cinemas Latino-Americanos Contemporâneos”, pela Editora Unisul, em São Paulo, entre os dias 8 e 11 de outubro.

 

Professoras lançam obra durante encontro da Socine

 

O lançamento ocorre durante o encontro anual da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema - Socine, no Senac, Santo Amaro. O livro “Políticas dos Cinemas Latino-Americanos Contemporâneos” reúne em 15 capítulos, análises do panorama de produção cinematográfica, bem como promove uma crítica atualizada de filmes latino-americano recentes, tanto aqueles considerados de ficção, como os documentais. O livro compõe a Coleção Linguagens, do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem.

 

No evento, as professoras também apresentam trabalhos, resultado de pesquisas em cinema e em televisão. A professora Alessandra Brandão apresenta o trabalho intitulado “Daqui para qualquer lugar: passagens e afetos no cinema brasileiro recente”. O trabalho da professora Ramayana Lira de Sousa tem como título “Performance e realismo afetivo no cinema brasileiro contemporâneo”. “Que Rei Sou Eu? A exposição das fraturas no projeto de modernidade brasileiro, é a pesquisa a ser apresentada pela professora Dilma Juliano.

 

A Socine, considerada a maior organização de pesquisadores em cinema da América Latina, promove anualmente um encontro internacional que, através de seminários previamente propostos e aceitos, abriga um debate estético e político sobre produções nacionais e internacionais, sob as mais variadas perspectivas teóricas e críticas. Para conhecer o evento, clique aqui.

 

Na atual diretoria da Socine, a professora Alessandra Brandão ocupa o cargo de secretária e a professora Ramayana Lira compõe o Conselho Deliberativo. Nessa condição, ainda em 2011, levaram a proposta, referendada pela Reitoria, de a Unisul sediar o XVII Encontro da Socine em 2013. A proposta foi aceita, reconhecendo o curso de Cinema e Audiovisual como referência brasileira na formação de cineastas e realizadores em audiovisual.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Encerraram-se as Qualificações de Projetos de Dissertação

 

(24/09/2012) Encerraram-se as Qualificações de Projetos de Dissertação com a apresentação de cinco trabalhos, na última sexta (21), na sala de Treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Dando continuidade as pesquisas

 

Após a aprovação do projeto de dissertação, os estudantes estão habilitados a dar continuidade as suas pesquisas.

 

“A Semana de Qualificação de Projetos de Dissertação é um evento realizado anualmente com o intuito de promover um espaço onde os alunos expõem as pesquisas em desenvolvimento”, comenta Fábio José Rauen, coordenador do PPGCL. “Nesse ano foram apresentados sete trabalhos no campus da Pedra Branca e oito trabalhos no campus de Tubarão”, complementa.

 

Veja os trabalhos apresentados e aprovados no evento:

 

  

Cremilson Oliveira Ramos

“Lendo Fable 2: os videogames como espaço de negociações e produção de efeitos de sentido”

Banca:

Dra. Jussara Bittencourt de Sá (orientadora);

Dra. Deisi Farias; e

Dr. Maurício Maliska.

 

  

Elaine Miguel Spindola

“Santa Catarina nos versos e na sanfona: um estudo sobre a presença de características da cultura catarinense em obras de Pedro Raimundo”

Banca:

Dra. Jussara Bittencourt de Sá (orientadora);

Dra. Deisi Farias; e

Dr. Maurício Maliska.

  

Maria Luíza da Silva

“O lugar da resistência e da transgressão: as produções textuais de alunos em escolas organizadas por Ciclos de Formação”

Banca:

Dra. Andréia Daltoé (orientadora);

Dra. Maria Marta Furlanetto; e

Dr. Maurício Maliska.

  

Vaniele Medeiros da Luz

“A (im)possível identidade de aprendizes de Língua Inglesa: um estudo discursivo das formas de resistência em sala de aula”

Banca:

Dra. Maria Marta Furlanetto (orientadora);

Dra. Andréia Daltoé; e

Dr. Maurício Maliska.

  

Suelen Francez Machado

“Processamento inferencial de enunciados condicionais: análise com base na Teoria da Relevância”

Banca:

Dr. Fábio Rauen (orientador);

Dra. Andréia Daltoé; e

Dra. Maria Marta Furlanetto.

 

 

PPGCL


Arqueólogos localizam 13 ossadas pré-históricas

 

(19/09/2012) A equipe de arqueólogos da Unisul, coordenados pela professora Deisi Scunderlick Eloy de Farias, localizaram 13 ossadas pré-históricas no sítio arqueológico Cabeçudas, no município de Laguna. Esse é o resultado de duas semanas de escavações e a expectativa é de que novos achados sejam localizados nos próximos dias. Nesta terça (18), dois novos esqueletos surgiram das escavações.

 

Escavações em sambaqui de Laguna

 

O que chamou a atenção dos pesquisadores foi a grande quantidade de ocre recobrindo as ossadas, evidência que determina um cuidadoso preparo do corpo por estes grupos humanos, conhecidos como sambaquieiros, caracterizando um padrão de sepultamento utilizado por grupos que habitavam o litoral há cerca de cinco mil anos.

 

“Esse mineral já havia sido detectado em ossadas encontradas há algum tempo, mas o que estamos vendo nessas novas descobertas é uma quantidade muito grande”, afirma a arqueóloga Deisi Scunderlick Eloy de Farias, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Educação Patrimonial e Arqueologia (Grupep-Arqueologia) da Unisul e do projeto.

 

O sítio arqueológico Cabeçudas é conhecido e estudado desde o século 19. Com dois hectares de extensão, cerca de 300 esqueletos já foram retirados dali, constituindo-se assim na maior coleção de peças arqueológicas localizadas em um só sítio arqueológico do país. No momento, além do Grupep-Arqueologia da Unisul, também arqueólogos da USP e da Universidade Federal do Rio de Janeiro pesquisam ali. Cada uma dessas equipes está em um local diferente do sítio.

 

As escavações a cargo do Grupep-Arqueologia são exatamente no local que será impactado com a construção do pilar de uma ponte, prevista nas obras de duplicação da BR-101. De acordo com a legislação atual, toda e qualquer obra que impacte o meio ambiente precisa ser acompanhada por arqueólogos para evitar que eventuais sítios arqueológicos sejam danificados. Quando alguma evidência é localizada, a indicação é que elas sejam retiradas do local e preservadas.

 

Vale ressaltar que a pesquisa não atrapalhará o andamento da obra, pois esse procedimento estava previsto desde o início da duplicação da rodovia e contemplado no cronograma de execução.

 

Unisul hoje (adaptado)


Modelos de digitação são atualizados

 

(17/09/2012) Os modelos de digitação de trabalhos acadêmicos do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem foram atualizados nesta segunda (17). A versão 6.1 atende a NBR 14724/2012 da ABNT.

 

Versão para Word 2007

 

O PPGCL publicou nesta segunda 11 modelos de digitação de trabalhos acadêmicos elaborados pelo professor Fábio José Rauen. Os novos modelos atendem às mudanças que a ABNT introduziu em 2012 na NBR 14724.

 

“As notas de folha de rosto e do termo de aprovação passam agora a ser digitadas em Times New Roman 12, e os espaços entre os títulos equivalem ao espacejamento 1,5”, esclarece Rauen.

 

“Outra alteração importante foi a extensão dos modelos. Até então, os documentos estavam sendo publicados em extensão ‘.doc’, que atendia também as versões mais antigas do Word. Agora os modelos passaram para a extensão ‘.docx’, próprias da Versão 2007 deste editor de textos”, conclui.

 

A página que contém os modelos pode ser acessada aqui. Além dos modelos, ela conta com um documento em PDF que serve como forma dos demais modelos, com um link para o Caderno de Trabalhos Acadêmicos da Unisul e com links para normas de referenciação.

 

PPGCL


Professora Nádia ministra oficina na FURB

 

(17/09/2012) A professora Nádia Régia Maffi Neckel ministrou a oficina intitulada “Gestos de leitura da/na imagem: leitura e análise dos discursos imagéticos: proposições educativas na escola e espaços de arte” nos dias 12 e 13 de setembro na Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), em Blumenau/SC.

 

Discurso artístico em destaque

 

Segundo Nádia, as discussões realizadas na oficina estão relacionadas à cultura visual contemporânea. “Abordei as possibilidades e os procedimentos de leitura/Interpretação do Discurso Artístico e das imagens do cotidiano (mídias) com vistas as práticas educativas na Educação Básica”, comenta a professora.

 

“Discuti, ainda, a imagem (fixa/móvel) e a “Obra”/Objeto de arte da/na estética contemporânea, assim como os possíveis Gestos de Leitura (o corpo como meio de leitura e interpretação)”, finaliza.

 

O encontro foi realizado no Pólo Arte na Escola da FURB para professores das redes públicas do ensino fundamental da região de Blumenau.

 

 

Edna Mazon


Qualificações de Projetos de Dissertação iniciam-se em Tubarão

 

(14/09/2012) As Qualificações de Projetos de Dissertação iniciaram no campus de Tubarão com a apresentação de três trabalhos, na última quinta (13), na sala de Treinamento da Unisul.

 

Formando pesquisadores

 

Um curso de mestrado, em essência, deve formar pesquisadores e a elaboração do projeto de dissertação revela as capacidades e as habilidades que os estudantes estão desenvolvendo para dar conta de uma pesquisa de alto nível: a dissertação. Um passo essencial para a produção de pesquisas é a elaboração de um projeto. No Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, os projetos são avaliados por uma banca formada por três professores, incluindo o orientador como presidente.

 

Veja os trabalhos apresentados e aprovados no evento:

 

  

Anamélia Fontana Valentim

“Reflexões sobre a cópia: reprodutibilidade estética nas criações de moda, um recorte da região Sul de Santa Catarina”

Banca:

Dra. Heloisa Preis Moraes (orientadora);

Dra. Jussara Bittencourt de Sá;

Dr. Aldo Litaiff.

  

Sheyla de Souza Bitencourt

“Clarah Averbuck: a construção da subjetividade e a espetacularização do eu”

Banca:

Dra. Ramayana Lira (orientadora);

Dra. Alessandra Brandão;

Dra. Luísa Cristina Fontes.

 

  

Júlio César Alves da Luz

“Rostos severinos: a presença do homem ordinário na ficção audiovisual brasileira”

Banca:

Dra. Alessandra Brandão (orientadora;

Dra. Ramayana Lira;

Dr. César Guimarães.

 

 

Na próxima sexta (21), mais cinco projetos serão qualificados em Tubarão. Para acessar a programação, clique aqui.

 

PPGCL


Professora Solange participa de defesas de teses na Unicamp

 

(11/09/2012) A professora Dra. Solange Maria Leda Gallo participou de duas defesas de teses no Instituto de Estudos da Linguagem - IEL, da Unicamp, em Campinas - SP, nos dias 30 e 31 de agosto.

 

Avaliando teses em Análise do Discurso

 

No dia 30 de agosto, a doutoranda Silvia Regina Nunes defendeu a tese intitulada “A geometrização do dizer no discurso do infográfico”, orientada pela professora Dra. Suzy Maria Lagazzi.

 

“Nesta tese, a aluna objetivou compreender o funcionamento do infográfico nas suas formas impressa e eletrônica, através da Análise do Discurso”, explica a professora Solange.

 

No dia seguinte, 31 de agosto, Maristela Cury Sarian, doutoranda orientada pela professora Dra. Claudia Regina Castellanos Pfeiffer, defendeu a tese intitulada “A injunção ao novo e a repetição do velho: um olhar discursivo ao programa um computador por aluno (PROUCA)”.

 

“A Maristela buscou compreender, também através da Análise de Discurso, as redes de filiações e os trajetos de sentidos constituídos no Programa Um Computador por Aluno (PROUCA), do governo federal brasileiro, que, na discursividade institucional do Estado, é significado como um programa de inclusão digital”, finaliza a professora.

 

Na foto principal, um flagrante da banca avaliadora da tese de Silvia. Mais abaixo, a estudante Maristela posa para foto com as avaliadoras.

 

 

Edna Mazon


Estudantes da Pedra Branca qualificam projetos de dissertação

 

(05/09/2012) Sete trabalhos foram apresentados na semana de qualificação de projetos de dissertação, nesta última segunda (3), no Campus Pedra Branca da Unisul.

 

Estudantes da turma 2011 apresentam suas pesquisas

 

Os trabalhos apresentados representam as pesquisas em andamento dos estudantes da turma 2011 do Campus da Pedra Branca do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem.

 

“Na semana de qualificação de projetos de dissertação cada estudante tem 20 minutos para apresentação oral do projeto, seguido de arguição da comissão de qualificação”, comenta a professora Dra. Solange Maria Leda Gallo, vice-coordenadora do Programa.

 

“A qualificação de projetos de dissertação é uma etapa muito importante na formação dos futuros mestres em Ciências da Linguagem, pois é nela que o estudante declara seus propósitos e define as fronteiras de conhecimento que pretende pesquisar”, finaliza.

 

 Veja a lista dos projetos apresentados:   

 

  

Fabian Antunes Silva

“O herói sou eu: as relações entre jogos eletrônicos e o jogador”

Banca:

Dr. Fernando Vugman (orientador);

Dra. Dilma Juliano

Dr. Antonio Santos.

  

Eduardo Aníbal Blanco

“A imagem fotográfica na construção da memória de políticos no Facebook”

Banca:

Dr. Antonio Santos (orientador);

Dra. Solange Gallo;

Dra. Dilma Juliano.

  

Cynthia Hansen

“Moda e mito em desfile: a produção de moda como geradora de representações míticas”

Banca:

Dr. Aldo Litaiff (orientador);

Dr. Fernando Vugman;

Dra. Dilma Juliano.

  

Josane Fernanda Lisboa Chinkevicz

“Identidade e gênero – uma pesquisa entre jovens e educadores Projovem Urbano – Santa Catarina”

 Banca:

Dra. Dilma Juliano (orientadora);

Dr. Fernando Vugman;

Dra. Nádia Neckel.

  

Daiane Nara de Oliveira

“O universo de Zeno Wilde: uma leitura dos anos 80 a partir de “Blues Jeans”

Banca:

Dra. Dilma Juliano (orientadora);

Dr. Antonio Santos;

Dra. Nádia Neckel.

 

Alexandre Wagner da Rocha

“O funcionamento do discurso pedagógico no EVA: diferentes posições do sujeito”

Banca:

Dra. Nádia Neckel (orientadora);

Dr. Sandro Braga;

Dra. Giovanna Flores.

  

Patrícia de Oliveira Claudino

“O silenciamento da grande mídia e as outras versões possíveis nas redes sociais e blogs/sites alternativos –  projeto de alteração do novo código florestal de 1965”

Banca:

Dra. Giovanna Flores (orientadora);

Dra. Solange Gallo;

Dra. Nádia Neckel.

 

Edna Mazon


Minicurso destaca análise de interações de sala de aula

 

(04/09/2012) Interação em sala de aula foi o tema de minicurso ministrado pelo professor Dr. Fábio Rauen no III ENILL – Encontro Interdisciplinar de Língua e Literatura, intitulado “Pragmática e formação do professor: o problema da avaliação de inferências”, nesta última sexta (31). A atividade ocorreu no miniauditório do Campus Prof. Alberto Carvalho da UFS na cidade de Itabaiana, SE.

 

Teoria da Relevância em destaque

 

No minicurso, Rauen procurou demonstrar a pertinência descritiva e explanatória da Teoria da Relevância para a análise empírica de interações comunicativas de sala de aula, destacando conceitos e ferramentas metodológicas. O pesquisador valeu-se como exemplo de uma interação discente/docente no Espaço Virtual de Aprendizagem da Unisul, que fez parte do corpus coletado por Corrêa (2009).

 

“Eu usei esse exemplo no minicurso por dois motivos especiais. Primeiro porque ele pode ser facilmente extrapolado para interações orais e escritas no dia a dia da escola. Segundo porque ele permite dar uma visão panorâmica da Teoria da Relevância, sem ser um exemplo fabricado para esse fim”, explica.

 

“O minicurso destacou como as inferências exercem papel decisivo na interpretação de enunciados, desmitificando a ideia de que a comunicação ocorre somente pela codificação e decodificação de mensagens”.

 

A terceira edição do ENILL teve como objetivo debater diferentes propostas de ensino de língua e literatura para melhorar a formação do profissional de Letras e buscou fortalecer o diálogo entre a universidade e as escolas de educação básica da região.

 

“Foi uma oportunidade sem igual de apresentar o que desenvolvemos cientificamente na Unisul e de dialogar com professores e estudantes da região nordeste”, complementa Rauen.

 

As edições anteriores do ENILL já contaram com a participação da Professora Maria Marta Furlanetto (2010) e Jussara Bittencourt de Sá (2011) e estão consolidando um espaço de parceria entre a Unisul e a Universidade Federal de Sergipe.

 

 

PPGCL


Professora Heloisa retrata descoberta do mundo virtual

 

(03/09/2012) A professora Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes narra as experiências de crianças de baixa renda de Tubarão após os primeiros contatos com o computador no livro “A descoberta e a vivência do virtual – experiências infantis”, lançado pela Diretoria da Imprensa Oficial e pela Editora de Santa Catarina (DIOESC).

 

Observando as mudanças provocadas pela descoberta do computador

 

Fruto do trabalho feito para o doutorado da PUC-RS, a obra analisa os impactos provocados pelo mundo virtual em crianças de baixa renda da cidade de Tubarão. “Minha ideia era entender esse processo como um fenômeno sociológico. Diagnosticar as mudanças e entender a realidade social”, explica.

 

Heloisa observou crianças com idades entre 9 e 10 anos, que cursavam terceiras e quartas séries em escolas públicas e participavam do Projeto de Inclusão Digital oferecido pela Unisul. “Eu queria saber como elas descobriam e vivenciavam o mundo virtual. Para isso, além de acompanhá-las no projeto, também observei a realidade da sala de aula e do ambiente familiar”, esclarece.

 

Segundo a professora, o contato com o computador e com a internet influenciou diferentes momentos da vida das crianças. “Elas se mostravam encantadas enquanto descobriam as possibilidades do mundo virtual. Isso modificou a maneira como elas se comportavam em sala de aula. Essas crianças se tornaram mais participativas”, conta. Ainda de acordo com ela, a descoberta também interferiu no ambiente familiar. “As crianças trocavam experiências com os pais, que não conheciam muito bem a nova ferramenta”.

 

O trabalho foi realizado no ano de 2004, mas o lançamento só ocorreu neste ano. Durante esse tempo, a professora procurou por apoio para a publicação. Neste ano, o livro foi contemplado em edital da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - FAPESC.

 

Para o coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-RS, Juremir Machado da Silva, que orientou o trabalho e assina a introdução do livro, a obra contribui para entender um fenômeno quando ele ainda estava em fase de consolidação. “Heloisa acompanhou esse processo e construiu um belo texto, uma narrativa pulsante capaz de expressar a vida que ela viu e de nos encantar com o encanto de crianças na descoberta do aprendizado prazeroso”, destaca Juremir.

 

Heloisa Juncklaus Preis Moraes é doutora em Comunicação Social e professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e do curso de Comunicação Social da Unisul. “A descoberta e a vivência do virtual – experiências infantis” não possui caráter comercial. A obra será distribuída em bibliotecas e universidades.

 

Unisul hoje (adaptado)


Conferência aborda avaliação de inferências

 

(29/08/2012) O professor Dr. Fábio Rauen ministrou a conferência de abertura do III ENILL – Encontro Interdisciplinar de Língua e Literatura, intitulada “Pragmática e formação do professor: o problema da avaliação de inferências”, nesta última quarta (29) no Campus de Itabaiana da Universidade Federal de Sergipe.

 

O conceito de inferência em destaque

 

A conferência de Rauen destacou o paradoxo da promoção de atividades escolares que desenvolvam habilidades inferenciais e de formas tradicionais de avaliá-las. Para dar um exemplo dessa dificuldade, ele apresentou um exemplo concreto da segunda edição de 2009 da Provinha Brasil.

 

“A Provinha Brasil é um instrumento do MEC/INEP que visa avaliar o nível de alfabetização de estudantes brasileiros no 2º ano do Ensino Fundamental”, explica. “Nesta edição de 2009, a questão 20 tinha a função de dar conta do descritor ‘inferir a partir da leitura de textos’ e fez uso de uma história em quadrinhos de Mauricio de Sousa”, complementa.

 

“A Provinha Brasil consiste numa proposição de uma tarefa seguida de quatro alternativas e na dissertação de Fabiana Nazário percebeu-se que houve uma dispersão de respostas dadas à questão por dez alfabetizadoras. Isso me motivou a avaliar por que isso aconteceu”, acrescenta.

 

Rauen analisou essa dispersão com base na Teoria da Relevância e percebeu que havia razões para considerar as quatro alternativas como respostas plausíveis para a questão.

 

“Com base nesses achados, pôde-se observar a dificuldade que é o desenho de questões de alternativas objetivas em questões inferenciais”, destaca. “Quando alguém responde questões desse tipo, podem ser mobilizadas inferências mais sofisticadas e diferentes graus de força de suposições cognitivas, ou seja, podem ser encontradas explicações para a escolha de alternativas em princípio consideradas erradas pelo elaborador da questão”, argumenta.

 

O III ENILL segue até o dia 31 de agosto com diversas atividades e conta entre seus organizadores com a Professora Dra. Marileia Silva dos Reis, da UFS e ex-professora da UNISUL, e entre seus participantes os professores Antonio Pedro Gonçalves (FANESE), Darlei Possamai (FJAV) e Vinicius Valença Ribeiro (IFS), todos mestres em Ciências da Linguagem pela UNISUL atuando em instituições de Sergipe. Na sexta (31) o professor Fábio Rauen ministra minicurso.

 

 

PPGCL


Jornal Macaco Brasileiro é tema de seminário

 

(29/08/2012) Giovanna Flores, jornalista e professora do Curso de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem – PPGCL, ministra seminário em que relaciona a história da imprensa brasileira e a independência do país, nesta quinta (30), na Universidade do Vale do Sapucaí - Univás, em Pouso Alegre, Minas Gerais.

 

Discutindo sobre a impressa brasileira

 

No evento, a professora abordará uma fase específica dos períodos jornalísticos no Brasil, mas precisamente dos anos de 1821 e 1822. Dentro dessa temática, Flores debate a importância da imprensa brasileira na independência do Brasil e do jornal Macaco Brasileiro, um marco na história da imprensa.

 

Na tese intitulada “Os sentidos de nação, liberdade e independência na imprensa brasileira (1821-1822) e a fundação do discurso jornalístico brasileiro”, Giovanna investiga a participação da imprensa na independência do país. No seminário, a professora trata também das leis de censura prévia que existiam antes dessa data, e que a partir de então passaram a ser pós-publicação sem mais precisar da liberação da corte para o periódico sair para as ruas. Até então, os periódicos seguiam o padrão de Portugal, como uma forma específica de se posicionar. Mesmo sendo brasileiros, os periódicos seguiam as ideologias européias.

 

Após o surgimento da lei de censura pós-publicação, nasceu o jornal Macaco Brasileiro que se propunha a falar como brasileiro do Brasil, com ideologias próprias e locais. Trazia um discurso crítico e irreverente, usava metáforas e aproximava-se do que se chama hoje de crônica. O jornal não era inédito apenas na forma, mas na própria conjuntura e na maneira de se posicionar. Na história da imprensa, o Macaco Brasileiro era apenas mais um periódico. Contudo, de acordo com as pesquisas da professora Giovanna, percebeu-se que o jornal buscou ser diferente e ter uma identidade própria, o que o torna um marco da época.

 

Para a professora e pesquisadora, a sua participação no seminário fortalece ainda mais o curso de Comunicação Social e o PPGCL da Unisul, por ampliar as relações acadêmicas e levar para fora o que está sendo pesquisado pelos profissionais da casa. “Quando nós fazemos uma tese, não pesquisamos somente para nós, mas sim para divulgar e socializarmos o conhecimento”, enfatiza.

 

Unisul Hoje (adaptado)


UnisulVirtual sedia encontro de editores da Unisul

 

(29/08/2012) A equipe do Portal de Periódicos Unisul realizou o I Encontro de Editores de Periódicos da Unisul, na última terça (28), no Campus UnisulVirtual e com transmissão pela ferramenta de web conferência. O encontro buscava reunir os editores de periódicos da Unisul para trocar experiências e para fortalecer o relacionamento entre o grupo. Na oportunidade, foram discutidos assuntos pertinentes a gestão, a estrutura dos periódicos e a importância do Portal de Periódicos.

 

Reunião definiu aprimoramentos nos processos de produção dos periódicos

 

Sugestões e muitas demandas a fim de qualificar a produção de periódicos. Assim foi o tom do 1º Encontro de Editores de Periódicos da Unisul. Os editores reuniram-se para trocar experiências vivenciadas na edição do periódico de cada área. Todos trabalham em sintonia com o Portal de Periódicos, espaço criado para reunir as publicações da universidade e dar visibilidade à produção científica da Instituição.

 

Atualmente, a Unisul possui nove revistas editadas, sendo que duas ainda estão em fase de lançamento. Uma das mais recentes chama-se Cadernos de Naturologia e Terapia Complementar, editado pelo professor Daniel Maurício de Oliveira Rodrigues. Para Daniel, a reunião foi muito produtiva. “As dúvidas dos editores são muito parecidas. Aqui todos aprendem com a troca de experiências entre nós”, afirma.

 

Sobre o periódico que edita, Daniel reafirma a força do corpo editorial. “Temos professores da Universidade de São Paulo, da Unicamp, de Campinas, e até de Oxford, na Inglaterra, participando do periódico”, salienta o editor.

 

Uma solicitação comum entre os editores foi um maior aporte profissional nas questões operacionais. “Uma equipe de profissionais, como diagramadores e revisores textuais, que contemple todos os periódicos, seria muito interessante para todos”, afirma o editor da Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Christian Muleka Mwewa.

 

A visão de Christian é compartilhada pelo editor da Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental, Jairo Afonso Henkes. “O editor é a alma da revista. Um periódico consome bastante dedicação do editor e um suporte na parte operacional possibilitaria uma atuação maior em outras áreas, como o contato com novos autores”, ressalta Jairo.

 

A dedicação de cada editor é o motor propulsor dos periódicos da Unisul. São eles que gerenciam a maioria das etapas de produção das publicações. Entretanto, há uma pessoa que é o elo entre todos, a coordenadora do Portal de Periódicos, Tatyane Barbosa Philippe. Todos salientaram a importância dela no processo de publicação dos periódicos. “A minha experiência está voltada na utilização da ferramenta que gerencia a editoração dos periódicos, mas sabemos que a atividade vai muito além do uso de um sistema. A ideia de reunir os editores foi para que todos possam expor suas experiências e dificuldades e criarmos ações em prol de todos”, afirma Tatyane.

 

Quem esteve presente para ouvir as demandas dos editores foi o Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Mauri Luiz Heerdt. Para ele, os anseios da equipe servirão para o crescimento da pesquisa dentro da Unisul. “As demandas são comuns a todos. Fazemos uma avaliação positiva pela caminhada do Portal de Periódicos até aqui. Vamos continuar qualificando a estrutura para que a política de pesquisa seja ainda mais forte pelo Portal de Periódicos”, ressalta o Pró-reitor.

 

Também estiveram no encontro as editoras da Revista Ciência em Curso, Nádia Régia Neckel e Giovanna Benedetto Flores, a editora da Revista Linguagem em (Dis)curso, Maria Marta Furlanetto, o editor da Revista eletrônica Estratégia de Negócios, Ademar Dutra, assim como o co-editor da revista, Wlamir Gonçalves Xavier, a coordenadora do Programa de Bibliotecas, Cristiane Machado, a bibliotecária, Ana Cláudia Philippi e a bolsista de doutorado, Regina Aparecida Milléo de Paula. A editora da Revista Unisul de Fato e de Direito, Rosângela Tremel, e a secretária executiva da Revista Linguagem em (Dis)curso, Suelen Machado, participaram por web conferência.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Professor Mário Abel Bressan apresentará trabalho na Intercom

 

(28/08/2012) O professor Mário Abel Bressan, mestre em Ciências da Linguagem, apresentará trabalho sobre a série “As Brasileiras”, apresentada pela Rede Globo,  no 35º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, realizado pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação - Intercom, no próximo dia 6 de setembro, no Ceará.

 

Pesquisa em destaque

 

Bressan apresenta seu trabalho na Universidade de Fortaleza - UNIFOR. “Fiquei bastante satisfeito, porque é um dos eventos mais importantes do país em comunicação”, diz. Ele acredita que a participação no encontro, além de levar o nome da Universidade, deve refletir no trabalho que ele realiza em sala de aula. “Sem dúvida, a participação em congressos desse porte só tem a agregar valor”.

 

Professor dos cursos de Comunicação Social da Unisul de Tubarão, Mário explica que escolheu a série televisiva porque ela tem “um estilo audiovisual diferente”. Ele analisou o sentido construído no texto narrativo dos três primeiros episódios de “As Brasileiras”.

 

Além da participação no evento da Intercom, ele participou na última segunda (27) de um seminário de teledramaturgia realizado pela Globo Universidade, em referência ao centenário do escritor Jorge Amado. “Releituras de Gabriela” aborda os desafios de adaptar o texto dos livros para a televisão e as mudanças de linguagem necessárias nesse processo. O encontro aconteceu no Teatro da PUC de São Paulo.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Dissertação analisa estereótipos do Brasil na série “Os Simpsons”

 

(27/08/2012) O estudante Bruno Rodrigues Gonzalez defendeu a dissertação intitulada “Os Simpsons no Brasil: Ironizando estereótipos”, na manhã desta segunda-feira (27), no Cine Pedra Branca, bloco A, do campus Grande Florianópolis da Unisul.

 

Episódio “O feitiço de Lisa”

 

A dissertação de Bruno tem por objetivo detectar estereótipos do Brasil e dos brasileiros no episódio intitulado “O feitiço de Lisa” (Blame it on Lisa) da série televisiva "Os Simpsons". Estereótipos estes já outrora detectados e catalogados pelo professor Antonio Carlos Amâncio da Silva através de sua vasta pesquisa cinematográfica.

 

Em síntese, este episódio inicia com a família reunida em frente à televisão. Mais tarde, os pais de Lisa notam que a conta telefônica do mês está com um valor muito elevado devido a ligações realizadas para o Brasil. Depois de procurar os culpados, os pais descobrem que Lisa, a filha comportada, é quem havia feito as ligações. O motivo dos telefonemas eram algumas doações que ela havia feito a um menino órfão chamado Ronaldo. Sensibilizados com a atitude de Lisa, a família resolve viajar para o Brasil em busca do menino.

 

Já no Brasil, a família deparou-se com um orfanato rodeado de macacos; Homer, o patriarca da família, é sequestrado enquanto utilizava um táxi que não possuía licença de funcionamento; Bart é engolido por uma cobra, mas afirma não haver problema, pois está no país do carnaval; dentre outras cenas irônicas e debochadas.

 

“Esse episódio ilustra um retrato guiado por estereótipos, alguns deles já muito conhecidos pelos brasileiros, como futebol, carnaval, pobreza e violência. Nessa representação, o Brasil é visivelmente retratado de uma forma deslocada de seu contexto “real”, principalmente nos aspectos culturais e geográficos”, analisa o estudante.

 

 “Através da comparação entre o olhar dos produtores do episódio 'd’Os Simpsons' e o olhar de Antonio Carlos Amâncio, busco compreender questões como: De que forma o episódio 'd’Os Simpsons' representa o Brasil? De que forma os aspectos técnicos da obra audiovisual como sons, músicas, efeitos, cores e enquadramentos são estudados para criar, reforçar e evidenciar essa representação do Brasil? Quais as possíveis motivações para a utilização do recurso da ironia?”, indaga.

 

 “Após uma análise desse panorama e também através da pesquisa feita previamente por Amâncio, pude notar que a imagem do Brasil e dos brasileiros nas séries de televisão e nos filmes de ficção estrangeiros contemporâneos, na grande maioria das vezes, ainda é atravessada pelos estereótipos, pelo exorcismo, pelo lugar comum e pelo preconceito”, finaliza o estudante. 

 

A dissertação de Bruno foi aprovada por banca composta pelos professores Dr. Fernando Simão Vugman, orientador, Dr. Antonio Carlos Amâncio da Silva, avaliador externo, e Dr. Aldo Litaiff, avaliador interno.

 

Edna Mazon


Doutorando em Ciências da Linguagem retorna de estágio sanduíche no Canadá

 

(16/08/2012) Hans Peder Behling realizou estágio sanduíche no departamento de Antropolgia da Universidade de Montréal, na cidade de Montréal, província do Quebec, Canadá nos meses de fevereiro a julho.

 

Estágio decorre do Programa PDSE da CAPES

 

Hans foi selecionado no PPGCL para fazer parte do Programa Institucional de Bolsas de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

 

O PDSE é um programa institucional da CAPES com o objetivo de qualificar recursos humanos de alto nível por meio da concessão de cotas de bolsas de doutorado sanduíche às Instituições de Ensino Superior brasileiras (IES) que possuam curso de doutorado recomendado e reconhecido com nota igual ou superior a 3.

 

Doutorando relata a importância desta experiência para seus estudos do doutorado

 

“A cidade de Montreal, onde realizei o estágio, é bilíngüe (francês e inglês), muito agradável, organizada, segura e oferece muitas opções de moradia, transporte, alimentação, cultura e lazer. Eu e minha esposa (mestranda do PPGCL) chegamos no inverno e mesmo com todas as dificuldades do frio canadense em poucos dias conseguimos nos instalar definitivamente.”

 

“A Universidade de Montréal é realmente acolhedora: logo nos primeiros dias estabeleci contato com o co-orientador, colegas do grupo de pesquisa, funcionários de laboratórios e estudantes. A secretaria do departamento de Antropologia providenciou-me um bom local de trabalho com acesso à internet, além da documentação necessária para acessar acervos da biblioteca e dos laboratórios de modo que pude iniciar as atividades acadêmicas planejadas ainda na primeira semana.”

 

“Durante o primeiro semestre de 2012 muitos estudantes de toda a província do Quebec estiveram em greve por conta de uma decisão arbitrária do governo em aumentar as taxas escolares. A greve atrapalhou um pouco meu planos de contato com os alunos das disciplinas e seminários, mas não prejudicou minhas pesquisas junto ao co-orientador e ao grupo e pesquisa.”

 

“Meu co-orientador foi exemplar, pois mesmo com a greve estudantil (que se estendeu de fevereiro e ainda continuava em julho quando deixei Montréal) permanecia no seu escritório atendendo estudantes com dúvidas em seus respectivos projetos de pesquisa ou produzindo materiais de publicação. Mantivemos uma rotina de reuniões quinzenais, que, em resumo se organizavam da seguinte forma: (1) relatos das atividades individuais da quinzena; (2) discussões; (3) planejamento das próximas atividades (cronogramas e distribuição de tarefas) e outros encaminhamentos.”

 

“Gostaria de enfatizar a importância da relação entre as pesquisas do orientador brasileiro e do co-orientador estrangeiro. É um pré-requisito no processo seletivo de bolsas da Capes, e só hoje percebo o quanto esse vínculo é fundamental para a viabilidade e bom andamento do projeto. Durante meu estágio, fiz uma apresentação oral (em francês) num evento no CERB-UQAM (Centre d’études et de recherches sur Le Brésil) em Montréal – Canadá, e no momento estou aguardando a publicação de artigo completo (escrito com ajuda de amigos canadenses) nos anais desse mesmo evento. Além disso, participei como ouvinte de outro importante congresso canadense, a ACFAS.”

 

“Agradeço à Universidade de Montréal, à UNISUL, e à CAPES pela oportunidade, e recomendo que outros alunos do PPGCL aproveitem esta oportunidade e realizem estágios de doutorado sanduíche no exterior.”

 

Na foto principal, o estudante posa na frente da Universidade de Montréal, no Canadá. Mais abaixo, flagrante de apresentação de trabalho.

 

 

Edna Mazon


Professores recepcionam os alunos em Pedra Branca

 

(16/08/2012) Os estudantes das turmas 2012 foram acolhidos pelos docentes no campus de Pedra Branca, nesta última segunda (13). História, currículo dos cursos de mestrado e de doutorado, estrutura e funcionamento foram destacados na atividade.

 

Conhecendo o colegiado

 

Para dar início a mais um ano letivo, o PPGCL preparou uma acolhida aos novos estudantes neste primeiro dia de aula. A professora Solange Maria Leda Gallo, coordenadora adjunta, auxiliada pela secretária Edna Mazon, iniciaram as atividades com uma exposição sobre a concepção dos cursos de mestrado e de doutorado em Ciências da Linguagem.

 

Na sequência, houve uma breve apresentação sobre as pesquisas desenvolvidas pelos docentes do campus. Expuseram suas pesquisas os professores Dr. Fernando Simão Vugman, Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano, Dr. Antônio Carlos Santos, Dra. Solange Maria Leda Gallo, Dra. Nádia Regia Maffi Neckel, Dr. Sandro Braga e Giovanna Benedetto Flores. Em seguida os novos estudantes também se apresentaram.

 

Na foto principal, um fragrante da apresentação da professora Solange.

 

Edna Mazon


Livro ajuda alunos a produzir pesquisa jurídica

 

(16/08/2012) O professor Alexandre Mota, mestre em Ciências da Linguagem, lançou o livro “Metodologia da Pesquisa Jurídica”, na manhã da última terça-feira (14), na Unisul.

 

Destacando artigos científicos e monografias da área jurídica

 

Segundo Mota, o livro tem o objetivo de destacar os aspectos que envolvem a produção de monografias e de artigos científicos na área do direito.

 

A obra, escrita em uma linguagem mais próxima do aluno, traz exemplos dos tipos de pesquisas que auxiliam o aluno a utilizar os métodos mais adequados para alcançar seus objetivos com o trabalho.

 

A pesquisa requer teoria, método e objeto. Foi a partir dessa ideia que o livro começou a ser desenvolvido. “Senti necessidade de escrever sobre esse tema, porque pesquisar é complexo, e escrevi o livro de maneira simples. O método é uma forma de tornar o trabalho mais transparente e acessível”, explica Motta.

 

O professor decidiu escrever sobre esse tema ao perceber a angústia e as dúvidas dos alunos sobre o assunto.

 

“O diferencial do livro é que ele foi escrito de dentro para fora. Da sala de aula para fora”, comenta.


Este é o quinto livro publicado pelo professor e pode ser adquirido na Livraria e Papelaria Prosa e Verso, de Tubarão.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Prof. Fábio Rauen participa do Programa Ciência em Pesquisa

 

(16/08/2012) O professor Fábio José Rauen, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem foi entrevistado pelo professor Gilson da Rocha Reynaldo no Programa Ciência em Pesquisa, nesta última segunda (13), na Unisul TV. Na pauta, questões ligadas à evolução da língua portuguesa, o papel do cientista e do professor de língua portuguesa.

 

Evolução contínua

 

Entre os assuntos comentados na entrevista está a questão da evolução da língua. Para o professor Fábio Rauen, as línguas evoluem constantemente, não importando nosso empenho por frear essa evolução. Ele argumentou que a língua portuguesa é o resultado histórico da evolução do latim falado na península ibérica e que as diferenças já perceptíveis entre o português europeu e brasileiro são outros exemplos desse processo. “Por que seria o caso de agora entendermos que os diferentes falares brasileiros seriam exemplos contrários?”, questiona.

 

Provocado por Reynaldo sobre a polêmica da obra “Por uma vida melhor”, da coleção “Viver, aprender”, livro didático distribuído pelo MEC que defende formas populares de fala, Rauen endossou a perspectiva de que há uma confusão entre acerto e adequação. Essa confusão tem consequências profundas.

 

“É preciso separar nessa questão o papel do professor e o papel do cientista. Como cientista minha obrigação é, diante de um fato da língua, por exemplo, 'os pão', descrever e explicar por que essa expressão acontece. Trata-se de uma tendência que está se generalizando por marcar o plural apenas no primeiro elemento da expressão. Como professor de língua portuguesa, ao contrário, tenho a obrigação institucional de fornecer um padrão ideal de língua que, por questões que vão muito além dos fatos linguísticos, é imposta pela sociedade”, explica.

 

Linguagem e poder

 

Para Rauen, a existência de um padrão ideal de língua está intimamente relacionada com o poder e as suas formas de manutenção. Os melhores lugares sociais estão destinados às pessoas cuja fala e escrita está adequada a esse padrão de língua idealizado. Convenhamos, aqueles que obtiveram um melhor lugar social não têm o menor interesse de que isso se modifique. Ele dá um exemplo interessante.

 

“Alguém vai 'na padaria' (e não à padaria, isso mesmo, com crase porque se trata de verbo de movimento que rege a preposição 'a' e não a preposição 'em'), pede 'dois pão' (e não dois pães, uma vez que o plural de pão, que provém de pan, evoluiu do latim panes para pães, como todos obviamente já sabiam). Se essa pessoa volta com os dois pães, obviamente sua linguagem foi adequada para o fim a que ela se destina: comprar os pães. Contudo, se é o caso de dizer se essa frase está correta em um concurso, as coisas são bem diferentes”, argumenta. “A solução é muito simples: ‘compram-se dois pães’ no concurso público e, depois, ‘compra-se dois pão’ na padaria, de preferência quentinhos e crocantes”, ironiza.

 

A entrevista vai ao ar no dia 22 de agosto no canal 4 da Unisul TV.

 

PPGCL


Cem anos com Jorge Amado

 

(13/08/2012) Jorge Amado, autor de clássicos como “Dona Flor e seus dois maridos” e “Capitães da Areia”, é homenageado no dia de seu centenário. Ele completaria 100 anos na última sexta-feira (10).

 

Conhecendo o autor

 

O baiano disse certa vez que não começou a escrever para ficar famoso e sim para expressar em palavras o que sentia. Foi assim que publicou 32 obras, traduzidas para mais de 49 idiomas, de modo a ser considerado o mais internacional dos escritores do Brasil. Suas histórias ultrapassaram as páginas dos livros e ganharam incontáveis releituras no teatro, no cinema e na televisão, gravando suas personagens no imaginário brasileiro como nunca houvera feito outro escritor antes dele.

 

Nasceu em Itabuna, no sul da Bahia, na fazenda dos pais, João Amado de Faria e Eulália Leal. Mas foi em Ilhéus, para onde a família se mudou um ano depois de seu nascimento, que Jorge Amado cresceu. A cidade serviria de cenário para uma de suas mais famosas tramas, “Gabriela, cravo e canela”, escrita no ano de 1958. Aos 14, já era repórter de jornais como “Diário da Bahia” e “O Imparcial”. Aos 18, publicou seu primeiro romance: “O País do Carnaval”, de 1931.

 

Ao passar dos anos, vieram “Pedro Bala”, “Vadinho”, “Quincas Berro D’água”, “Antonio Balduíno”, “Pedro Arcanjo”, “Tieta”, “Teresa Batista”, “Dona Flor” e “Gabriela”. A lista de personagens criados pelo escritor vai longe, foram mais de três mil. Através deles – embora filhos de um autor declaradamente ateu, tradições e crenças até então pouco conhecidas da classe média brasileira vieram à tona, a exemplo do candomblé.

 

Marginais no centro do enredo

 

Gutemberg Alves Geraldes Júnior, professor do curso de Letras da Unisul e doutorando em Ciências da Linguagem, elenca três pontos que fazem com que Jorge Amado tenha uma importância singular na história da literatura brasileira. “Primeiro, pelo fato de sua genialidade. Segundo, pelo fato de ele ter tornado nossa literatura internacional e, terceiro, por revelar ao mundo as culturas africanas decorrentes do nosso processo de colonização”, analisa.

 

A respeito do último item, Geraldes, que também é baiano, explica que a forte presença do negro e de suas tradições na obra de Jorge Amado se dá justamente porque isso é muito comum na Bahia. “A música, a dança, a religião de matriz africana é muito presente em nosso dia-a-dia, sem falar que Jorge Amado foi 'Filho de Exu', um orixá muito presente em sua obra”.

 

Para a professora e coordenadora do curso de Letras da Unisul e professora do Ciências da Linguagem, Jussara Bittencourt de Sá, a literatura do artista se distancia dos heróis para colocar em cena, como protagonistas, personagens dotados de simplicidade, desprezados e condenados. “São histórias muito próximas da realidade, com as quais as pessoas naturalmente se identificam”, diz.

 

A professora destaca, também, a participação fundamental das personagens femininas nas obras do escritor. “Elas se impõem nas histórias e fogem dos padrões sociais, porque são colocadas no centro das tramas. São muitos os romances em que as mulheres protagonizam através da força, da coragem e, sobretudo, da sensualidade”, observa.

 

Musicalidade e engajamento social

 

Gutemberg Alves Geraldes Junior, por sua vez, acredita que o grande trunfo das obras de Jorge Amado está na linguagem. “Jorge Amado escreve como se estivesse escrevendo uma partitura. Ao ler 'Jubiabá', 'Tenda dos Milagres' ou 'Dona Flor e seus dois maridos', é como se estivéssemos ouvindo um samba do Dorival Caymmi. Essa musicalidade dele, a fluidez de suas palavras, talvez o tenha tornado tão popular”, argumenta.

 

O professor da Unisul também ressalta o papel social das obras de Amado. “Acredito que os temas recorrentes na obra dele, como as tradições africanas e a sensualidade das mulheres, sejam apenas um pano de fundo para o que realmente importa: a denúncia das mazelas sociais”, diz. Geraldes comenta a proximidade com outros escritores e intelectuais conhecidos pelo engajamento político. “Ele recebeu na Bahia figuras como Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, José Saramago, autores muito ligados a questões sociais”.

 

Jorge Amado foi militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e se elegeu deputado federal em 1945. Em 1961, passou a ocupar a cadeira número 23 da Academia Brasileira de Letras. Recebeu, entre outros, os prêmios Stalin da Paz (União Soviética, 1951), Pablo Neruda (Rússia, 1989), Luis de Camões (Brasil, Portugal, 1955), Jabuti (Brasil, 1959 e 1995) e Ministério da Cultura do Brasil (Brasil, 1997). Foi casado por 56 anos com a também escritora Zélia Gattai, com quem teve dois filhos e viveu até o fim da vida. O escritor morreu em 6/8/2001, prestes a completar 89 anos, na cidade de Salvador.

 

Um ano para Jorge Amado

 

As comemorações em referência ao centenário do escritor acontecem desde agosto de 2011 por todo o Brasil, quando se completaram dez anos de sua morte, e chegaram ao ápice no último dia 10. Trata-se do “Ano de Jorge Amado”.

 

A escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense levou a história dele para a avenida no último carnaval. Cecília Amado, neta do autor, adaptou “Capitães da Areia”, obra de 1937, para o cinema e a Rede Globo exibe “Gabriela, cravo e canela” na televisão. Além disso, foram feitas reimpressões e edições especiais de seus mais famosos romances.

 

Na Unisul, uma exposição da Biblioteca Universitária de Tubarão, na sexta-feira (10), destacou o acervo de Jorge Amado. Já a Cia de Teatro da Universidade prepara a apresentação de “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá”, baseada num texto infantil do escritor. A peça tem estreia prevista para 4 de outubro, no Espaço Integrado de Artes da Unisul, às 15 horas.

 

Para a diretora da Cia de Teatro da Unisul, professora Ilza Laporta, o texto impressiona pela atualidade. “Essa história foi escrita há 64 anos e trata de um amor impossível de um gato maltês por uma andorinha. O conflito entre as leis rígidas da natureza e a possibilidade do amor nos lembra as leis da sociedade humana e levanta questões como a homofobia, por exemplo”, analisa Laporta. 

 

A peça conta ainda com uma trilha sonora original. O professor Gutemberg Alves Geraldes Junior está escrevendo as letras das canções, baseadas no texto de Jorge Amado. “O desafio é muito grande, pelo tamanho da responsabilidade. Mas o prazer de reler a obra e de criar em cima dela é maior”. O professor já tem três letras prontas. “Falta terminar o trabalho e passar para a Cia de Teatro, para essa homenagem ao centenário de um dos nossos principais autores”.

 

Na foto, Jorge Amado com os cães Capitu e Pickwick, em Salvador no ano de 1973. (Foto: Zélia Gattai/Acervo Fotográfico Zélia Gattai).

 

Unisul Hoje (adaptado)


Doutoranda Márcia Scardueli participa de IX ANPED Sul

 

(13/08/2012) Márcia Cristiane Nunes Scardueli, doutoranda em Ciências da Linguagem, participou do IX Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul - ANPED Sul, que ocorreu de 29 de julho a 1º de agosto, na Universidade de Caxias do Sul – UCS.

 

Discutindo gênero, sexualidade e educação

 

No evento, Márcia apresentou o trabalho “Relações de gênero em campanha sobre a violência contra a mulher: submissão feminina mantida”, no Grupo Temático “Gênero, Sexualidade e Educação”.

 

No estudo, a estudante propôs uma análise discursiva, sob a luz dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso de linha Francesa, de um cartaz utilizado em campanha de enfrentamento à violência doméstica.

 

PPGCL


Conferência marca a primeira aula do PPGCL

 

(03/08/2012) O professor Dr. Paulo DeBlasis, da Universidade de São Paulo, ministrou a conferência intitulada “O gesto e a palavra: implicações entre linguagem e cultura material” na aula magna do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, nesta última quinta (2) em Tubarão.

 

Sambaquis em destaque

 

No evento, de modo geral, o professor DeBlasis buscou uma intersecção entre as ciências da linguagem e os estudos que ele desenvolve sobre a cultura material dos sambaquis do litoral sul catarinense.

 

Segundo o professor, o objetivo de suas pesquisas pode ser sintetizado no interesse em estudar como e por que os sambaquis foram construídos, assim como delinear as características sociais, econômicas e demográficos da gente que os construiu.

 

“Os resultados até agora obtidos alcançaram alguns avanços bastante significativos, dos quais podemos citar o desenvolvimento de uma abordagem metodológica sistemática para lidar com os grandes sambaquis do sul do Brasil, baseado no registro topográfico e cronologicamente balizado da estrutura estratigráfica do sítio como um todo, complementado com escavações amostrais em trechos escolhidos das camadas associadas à paleosuperfícies e outras estruturas”, explica.

 

De acordo com DeBlasis, outro avanço importante foi uma robusta cronologia regional, onde se percebe a ocupação contínua e sistemicamente articulada de sambaquis em todo o entorno da lagoa ao longo de, pelo menos, seis mil anos.

 

“O grande número de sambaquis ocupados simultaneamente, e por tanto tempo, aponta claramente que se está lidando com um sistema regional não apenas sedentário, mas também demograficamente bastante expressivo”, elucida.

 

Um aspecto da cultura dos sambaquis destacado pelo professor é o culto ao rito funerário.

 

“Não temos registros de como eles viviam, mas temos muitas evidências de que o rito funerário era valorizado pela cultura”, comenta.  “O ritual funerário era vetor não apenas dos processos construtivos presentes nos sambaquis de grande porte, mas também das relações sociais dos assentamentos sambaquieiros no entorno da laguna", completa. "A organização do programa funerário sambaquieiro deixa entrever, por trás de aparente igualdade social, unidades sociológicas bem definidas cuja natureza, ainda pouco clara, pode bem ser baseada em um sistema de linhagens familiares”, finaliza.

 

 

Oficina de formatação dá início às atividades das turmas 2012

 

No início da tarde de quinta, o coordenador do PPGCL, professor Fábio José Rauen, e as secretárias, Suelen Francez Machado e Layla Antunes de Oliveira, recepcionaram os alunos das turmas 2012 apresentando, brevemente, o Programa. Na sequência, o professor Fábio ministrou uma oficina de formatação e formalização de dissertações e teses.

 

Após a oficina, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer a consecução do currículo dos cursos de mestrado e de doutorado em Ciências da Linguagem.

 

Na foto principal, um fragrante da apresentação do professor Paulo. Na foto acima, um momento da fala do professor Fábio.

 

PPGCL


 

Professor Mário Bressan participa de Intercom

 

(19/07/2012) Mário Abel Bressan Júnior, professor do curso de Comunicação Social e mestre em Ciências da Linguagem, participa do VI Seminário Temático Intercom que acontece nos dias 19 e 20 de julho no Rio de Janeiro. O encontro irá estimular a troca de conhecimento entre pesquisadores e profissionais da TV Globo.

 

A mídia em destaque

 

O tema deste ano é “Esportes na Idade Mídia: Diversão, Educação e Informação”. O encontro é uma iniciativa do Globo Universidade em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

 

“Esta participação é muito importante para a minha qualificação, por poder trocar experiências com outros pesquisadores na área da comunicação e por levar o nome da Universidade, visto que foram 30 selecionados do Brasil inteiro. Certamente irá contribuir para o meu aprendizado e currículo”, explica Mário.

 

O Seminário tem como objetivo proporcionar a integração entre a academia e os profissionais da Rede Globo.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Docentes e discentes do PPGCL participam do XXVII ENANPOLL

 

(18/07/2012) O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, PPGCL, esteve representado por docentes e discentes no XXVII Encontro Nacional da Anpoll - ENANPOLL, que aconteceu entre os dias 10 e 13 de julho na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, Rio de Janeiro.

 

Discutindo questões da área de Letras e Linguística

 

O evento tem por objetivo dar continuidade às discussões acerca da inovação na produção do conhecimento em Letras e Linguística e incentivar o intercâmbio das pesquisas desenvolvidas pelos grupos de trabalho (GTs) congregados pela Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística – ANPOLL.  

 

A professora Solange Gallo, enquanto coordenadora de uma das linhas de pesquisa do GT em análise do Discurso da ANPOLL, a linha intitulada “Práticas discursivas e Movimentos na História”, provocou o debate entre os membros dessa mesa focando principalmente sobre acontecimentos discursivos. Solange apresentou as diretrizes do seu novo projeto de pesquisa “Socialização do Conhecimento” que ela está implantando na Unisul com parceiros de outras instituições, e que é um desdobramento do seu trabalho no Grupo de Pesquisa do CNPq denominado “Produção e Circulação do Conhecimento” cujo principal produto é a revista digital “Ciência em Curso” (www.cienciaemcurso.unisul.br ).

 

O professor Sandro Braga apresentou a pesquisa intitulada “Flutuação do sentido no atravessamento das materialidades significantes do texto cinético e da história em quadrinhos”. “Apresentei uma pesquisa em andamento sobre gestos de leitura em sala de aula, entendendo a leitura, de forma ampla, como uma prática para além da materialidade da escrita”, explica o pesquisador.

 

Já a professora Giovanna Flores apresentou um recorte de sua pesquisa de doutorado, cujo objetivo foi compreender a fundação e o funcionamento do discurso jornalístico no Brasil e os sentidos de nação, liberdade e independência nos anos de 1821-1822. O trabalho intitulou-se “A textualidade do macaco brasileiro na fundação do discurso jornalístico brasileiro (1821-1822)”.

 

A pesquisa apresentada pela professora Nádia Neckel teve como título “Teceduras e Tessituras do artístico na Imagem e(m) discurso: projeções sensíveis”. “Minha proposta é pensar o processo criativo/processo discursivo do artístico nas imagens em movimento de curta-metragens e documentários vinculados no campo da arte, compreendendo o acontecimento discursivo/gestos de interpretação em constante deslocamento e desestabilização, como materialidade discursiva”, explica a professora.

 

Para o professor Fábio José Rauen, que também esteve no evento enquanto coordenador do PPGCL, a participação do Programa na Reunião da ANPOLL é de suma importância. “Nessas oportunidades, podemos verificar quais são as políticas da área para melhor alinharmos os nossos cursos”, explica. “Além disso, é uma excelente oportunidade de trocar experiências com os demais coordenadores do Brasil, complementa.

 

Também participaram do evento as doutorandas em Ciências da Linguagem Regina Milléo de Paula e Carolina Bithencourt Rubin.

 

   

 

 

 

Edna Mazon


A força do não-dito

 

(17/07/2012) Patrícia de Oliveira Claudino, aluna do mestrado em Ciências da Linguagem, analisa o poder do que não é dito explicitamente com a pesquisa intitulada “A morte de Osama: o silêncio significa”.

 

Analisando imagens

 

Patrícia escolheu a foto, divulgada para o mundo inteiro, do presidente norte-americano Barak Obama, ao lado de seus principais assessores, olhando fixamente para um mesmo local – a tela de um monitor que mostrava a ação de seu Exército num país estrangeiro, o Paquistão, e que resultou na morte daquele que era considerado o terrorista mais procurado do planeta, Osama Bin Laden.

 

Essa foi a foto oficial divulgada pelos Estados Unidos sobre a morte de Bin Laden. Nenhum corpo para provar. “Nela, o corpo é inexistente; vê-se apenas o líder do governo americano e seus assessores contemplarem algo que - conforme a agência - é a imagem de Bin Laden sem vida”, ressalta Patrícia, que realizou o trabalho sob a orientação da professora Giovanna Flores.

 

Nada mais foi mostrado, observa Patrícia. “A divulgação de fotos foi controlada pelo governo norte-americano, fato que não impediu a circulação de possíveis imagens de Bin Laden morto. No ambiente virtual/internet, as mídias alternativas polemizaram o acontecimento”, acrescenta.

 

De acordo com Patrícia, a foto oficial é apenas uma das dezenas relacionadas ao assunto. O trabalho de Patrícia, segundo ela mesma, teve a proposta de compreender discursivamente os não ditos que culminaram no aceite das mídias oficiais sobre a inquestionabilidade da imagem em questão. “Propomos a análise sobre o silenciamento imposto por uma fotografia que acabou por incitar as mídias alternativas na internet a significá-la de diferentes formas”. Patrícia utiliza a palavra oficial para designar não a mídia ligada ao governo, mas para se referir à mídia não caracterizada como tal, como blogs e redes sociais da internet, ou seja, espaços que não considerados veículos jornalísticos ou de massa.

 

A pesquisadora cita Orlandi, quando afirma: “O silêncio que é feito sobre certa região dos sentidos é carregado de palavras a não serem ditas. E é por isto mesmo que elas significam. O silêncio da censura não significa ausência de informação, mas interdição”. Ao observar que, para compreender o silêncio é necessário perguntar sistematicamente o que ele cala, novamente reproduz Orlandi em sua pesquisa: “a resistência aparece exatamente onde há censura e é importante reconhecer que a censura sublinha a dimensão política do sentido”. Para ela, diferentes procedimentos de construção de sentidos trabalham o silêncio como forma de resistência.

 

“Pretendo mostrar através desta análise que mesmo assumindo critérios rigorosos de exposição de imagens, o governo norte-americano não pode silenciar as diversas manifestações sobre o ocorrido. Na internet, imagens e opiniões nas mídias alternativas polemizaram o acontecimento”, continua a pesquisadora. “O silenciamento imposto por uma fotografia acabou por incitar as mídias alternativas na internet a significá-la de diferentes formas”, salienta.

 

A pesquisa “A morte de Osama: o silêncio significa” foi apresentada durante o I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia. Para conhecer os trabalhos apresentados no Seminário, clique aqui.

 

Na foto principal, tem-se a foto oficial divulgada pelos Estados Unidos. Mais abaixo, uma das muitas fotos que apareceram na internet.

 

 

Unisul Hoje (adaptado)


Uma nova Idade Média?

 

(12/07/2012) Estamos vivendo uma nova idade média? Pelo menos esse foi o título de um dos Grupos de Trabalho (GT), coordenado pelas professoras Heloisa Juncklaus Preis de Moraes, Deisi Scunderlick Eloy de Farias e Jussara Bittencourt de Sá, do I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia que aconteceu no último mês no campus da Pedra Branca da Unisul.

 

Instigando os alunos

 

As professoras instigaram os alunos com metáfora e estendem estudos dos livros aos videogames e as histórias em quadrinho.

 

O GT 'Nov(i)dademedia' da Cultura Digital: linguagem, imaginário e migrações reuniu pesquisas de alunos de cursos de graduação e de pós-graduação que, de alguma forma, estavam relacionadas ao imaginário social e ao midiático, assim como aos legados da cultura material e imaterial dos antepassados. Mudanças do telejornalismo a partir da TV Digital, a narrativa dos videogames, blogs de moda, Harry Potter, Lima Barreto e utilização de ferramentas midiáticas pelas igrejas cristãs, foram alguns dos temas.

 

Jussara explica que a ideia era justamente problematizar, já a partir da provocação do título, as manifestações culturais e o lugar dos artistas e pesquisadores no contexto das mídias, diante da interatividade e multiciplicidade de informações/contatos/espetáculos.

 

“Observamos desde a ambiguidade que o título sugere - estaríamos em uma nova idade média/a novidade da mídia. Assim podemos sugerir a metáfora da Idade Média, observando a mídia como representante de um tempo de cerceamento e demarcadora de limites para a criatividade pelo poder de colocar em cena o que julga ser apropriado/mediatizado/espetacularizado – idade média”, explica. “A mídia como novidade, na medida em que promove e possibilita a disseminação das manifestações culturais, ultrapassando fronteiras, mas também evidenciando os valores locais e regionais, ou seja, mesmo atingindo um espaço global, ainda permitiria que as identidades culturais locais venham à cena”, completa.

 

A professora Jussara, assim como o título do GT, tem uma trajetória bastante criativa. Graduada em Letras, ela passou a investigar os textos verbais. Sua especialização em Literatura, com foco nas letras de músicas (enquanto poemas) direcionou-a a um percurso também do não-verbal. É dessa fase seu livro sobre Cazuza. O mestrado em Literatura instigou-a a investigar o audiovisual.

 

“O doutorado em Letras/Teoria Literária deu-me aporte para o trânsito, além da arte literária, musical e teatral, também para as novas manifestações artísticas, como os videogames (enquanto narrativas), as histórias em quadrinhos, os programas televisivos”, completa a professora.

 

Integrante do Grupo de Pesquisa “Estética e Processos Culturais”, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e aos cursos de Letras, Comunicação Social e História, Jussara considera relevante, como professora e pesquisadora, analisar, tanto as manifestações culturais, as artes canônicas, quanto as modernas e as pós-modernas, como a cultura digital.

 

“Penso, conforme Oswald de Andrade no Manifesto Pau Brasil, ‘nenhuma fórmula para a contemporânea expressão do mundo. Ver com olhos livres’. Portanto, se em 1989, quando ousei estudar Cazuza, um artista ainda não canônico e que trazia consigo a irreverência, a ironia, a doença denominada na época de ‘peste’, tive que passar pelas reticências colocadas em minha pesquisa pela própria academia, por que não ousaria também estudar histórias em quadrinho, videogames, cultura digital, redes sociais? Ao mesmo tempo em que estudo obras de artistas canônicos como Machado de Assis, Fernando Pessoa, Alexandre Dumas, Aldous Huxley, Chico Buarque, Caetano, etc., também direciono pesquisa para as narrativas gamicas, HQs, sem perder o foco acadêmico-científico.

 

Para acessar o caderno de resumos do evento, clique aqui.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Ensaio discute escrita de entremeio

 

(09/07/2012) A doutoranda Clésia da Silva Mendes Zapelini apresentou o ensaio intitulado “Escrita de entremeio: os possíveis efeitos de sentido e as condições de produção da materialidade significante no contexto da educação infantil”, na tarde da última sexta (6), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Educação infantil em destaque

 

“Na minha trajetória profissional, tenho observado que o trabalho com a linguagem escrita na Educação Infantil privilegia constantemente a codificação e a decodificação da palavra escrita, ou do registro gráfico da palavra, muitas vezes, sem observar e refletir sobre o sentido que a criança dá para esses registros”, comenta. “O sentido, na maioria das vezes, é dado pelo professor, a partir de suas percepções de mundo, por isso a convicção de que a interpretação que a criança irá fazer será a mesma proposta pelo professor para aquela materialidade significante apresentada”, explica.

 

De acordo com Clésia, as crianças em seus primeiros registros gráficos atribuem múltiplos efeitos de sentido para uma mesma materialidade. “À medida que elas vão projetando os registros sobre a folha de papel, instaura-se a condição da linguagem enquanto incompletude, uma vez que nem o sujeito e nem o sentido são completos”, elucida. “Esses registros gráficos apresentados pelas crianças nas produções, que não dominam o código linguístico ainda, funcionam sob o modo do entremeio, da relação, da falta, do movimento”, completa.

 

A pesquisadora propõe o termo ‘escrita de entremeio’ para denominar a materialidade significante produzida pelas crianças nesse contexto, que, por conseguinte, permeia o ambiente da escola constituindo-se como materialidade discursiva. “Estamos considerando que entre os registros gráficos produzidos pelas crianças e o domínio dos códigos linguísticos há um espaço/tempo que potencializa múltiplos efeitos de sentidos”, comenta.

 

Nessa perspectiva, segundo Clésia, o estudo em pauta apresenta o seguinte questionamento da pesquisa: quais os efeitos de sentido e as condições de produção das materialidades significantes - escritas de entremeio - produzidas em sala de aula no contexto da Educação Infantil?

 

“O corpus de análise da pesquisa consistirá de registros gráficos (escrita de entremeio) das crianças coletados com base em observações registradas em caderno de bordo, registros fílmicos e fotográficos, a partir do envolvimento com as materialidades significantes em uma turma de crianças que frequentam o III Infantil (4 e 5 anos), de uma escola da rede particular do município de Tubarão – SC”, esclarece. “A observação acontecerá durante os anos 2012 e 2013 para que possamos acompanhar a mesma turma durante esses dois anos. A observação constará de cinco dias consecutivos no mês de abril dos anos 2012 e 2013 e cinco dias no mês de outubro dos respectivos anos”, finaliza.

 

O trabalho foi avaliado por banca compostas pelos professores Dr. Sandro Braga, orientador; Dr. Fábio José Rauen, avaliador; e Dra. Maria Marta Furlanetto, avaliadora. Após a arguição, deu-se início a discussão com a plateia. Essa apresentação encerrou um sequência de 12 apresentações da disciplina Seminários Avançados do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem.

 

PPGCL


Interpretação de hipertextos em foco

 

(09/07/2012) A doutoranda Cláudia Cristiane Levandoski Martins apresentou o ensaio intitulado “Relevância e interpretação de hipertextos”, na manhã da última sexta (06), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Hiperlinks enquanto estímulos ostensivos

 

Os hiperlinks são ferramentas que viabilizam o hipertexto.

 

“Por meio de um clique sobre uma palavra ou figura que contém um hiperlink, o leitor de um hipertexto pode ter acesso a outro hipertexto e assim sucessivamente num enredamento supostamente infinito”, comenta. “Pode-se assumir, no contexto da Teoria da Relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995), que os hiperlinks são estímulos ostensivos, tal como quaisquer enunciados linguísticos do hipertexto, ou seja, são ofertas de comunicação que precisam vir com garantia de pertinência”, explica.

 

Se isso é correto, conforme a estudante, então há links com vários graus de relevância em se considerando propósitos específicos de leitura de um verbete: links fortemente pertinentes, links fracamente pertinentes, links impertinentes e, provavelmente, links quebrados (aqueles que redundam em páginas expiradas ou em construção).

 

“A navegação por textos pertinentes conectados, obviamente, maximiza a relevância; a navegação por textos fracamente pertinentes ou mesmo por textos impertinentes aumenta o custo de processa-mento, diminuindo ou mesmo inviabilizando a relevância; a navegação por links que-brados implica frustração e quebra de confiabilidade na qualidade da informação”, comenta. “Logo, sempre que o leitor está diante de uma pesquisa em um verbete, ele está na contingência de navegar por hipertextos que o afastam de seus propósitos iniciais, aumentando o custo de processamento e diminuindo a relevância”, completa.

 

Diante disso, Cláudia questiona se os estudantes universitários têm competência para monitorar esses cotejos de custos e benefícios.

 

“Uma possibilidade de verificar essa questão é a de manipular a relevância dos hipertextos indexados e avaliar os efeitos dessa manipulação na tarefa de responder um questionário de interpretação”, comenta.

 

Considerando esse cenário, de acordo com Cláudia, o objetivo dessa pesquisa é o de analisar, com base no aparato descritivo e exploratório da Teoria da Relevância, os efeitos de manipulação da relevância das proposições acessadas por hiperlinks em respostas de um questionário de interpretação aplicado a estudantes universitários de Tubarão.

 

“Em outras palavras, essa pesquisa pretende responder o seguinte problema: Quais são os efeitos da manipulação da relevância das proposições acessadas por hiperlinks em respostas de um questionário de interpretação aplicado a estudantes universitários de Tubarão?”, finaliza.

 

O trabalho foi avaliado por banca composta pelos professores Dr. Fábio José Rauen, orientador; Dra. Maria Marta Furlanetto, avaliadora; Dra. Giovanna Flores, avaliadora.

 

PPGCL


O ensino fundamental de nove anos será tema de tese

 

(09/07/2012) A doutoranda Maria Sirlene Pereira Schlickmann apresentou o ensaio intitulado “O ensino fundamental de nove anos e os desdobramentos desse acontecimento discursivo em instituições”, na última quinta (5), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Discutindo questões pedagógicas

 

Segundo Sirlene, a pesquisa tem como objetivo geral analisar histórica e politicamente os discursos presentes na organização do cotidiano de instituições educacionais de três municípios da região da Região Sul do Estado de Santa Catarina, a partir do processo de implantação e implementação do Ensino Fundamental de nove anos (Lei nº. 11.274/2006), por meio dos documentos oficiais, a realidade das escolas públicas desses municípios e os desdobramentos desse acontecimento discursivo, no que tange as dimensões pedagógicas, do cotidiano das respectivas instituições.

 

“Serão escolhidos três municípios da região Sul do Estado de Santa Catarina para realização da pesquisa: um de pequeno porte, um de médio e um de grande porte (classificação do IBGE)”, explica. “Reitero, aqui, a importância de pensar, entre outras coisas, o discurso pedagógico que perpassa as propostas pedagógicas, os currículos e infraestrutura, incluindo o espaço físico, bem como todo o processo de formação de professores das instituições pesquisadas. Ressalto que essas questões serão tomadas na presente pesquisa como materialidade significante”, completa.

 

De acordo com a pesquisadora, pretende-se, através desta pesquisa, interpretar e compreender, histórica e ideologicamente, a discursividade materializada nos documentos oficiais emanados do MEC, Conselho Estadual e Municipal de Educação, bem como os desdobramentos da política, orientações, resoluções e como estes acontecimentos discursivos têm impactado o cotidiano de instituições educacionais pertencentes às redes públicas de ensino da região Sul de Santa Catarina, com a implantação do Ensino.

 

O trabalho de Sirlene foi avaliado por banca composta pelos professores. Maria Marta Furlanetto, orientadora; Dr. Sandro Braga, avaliador; e Dra. Giovanna Flores, avaliadora. Após a arguição, a plateia teve a oportunidade de discutir sobre o trabalho.

 

PPGCL


Dissertação analisa obras que tratam de Anita Garibaldi

 

(02/07/2012) Tatiana Czornabay Manica defendeu a dissertação intitulada “Anita Garibaldi, persona/personagem, mulher-heroína: estudo sobre sua representação nas obras de Rau, Zumblick, Garibaldi e Markun”, na manhã da última sexta (29), na sala de Treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Analisando a representação da persona/personagem Anita Garibaldi

 

Segundo Tatiana, a dissertação tem o objetivo de analisar a representação da persona/personagem Anita Garibaldi nas narrativas: “Anita Garibaldi, o perfil de uma heroína”, de Wolfgang Ludwig Rau (1975); “Aninha do Bentão”, de Walter Zumblick (1980); “Anita Garibaldi, a mulher do general”, de Annita Garibaldi (1989); e “Anita Garibaldi, a heroína brasileira”, de Paulo Markun (1999).

 

“As obras foram comparadas e analisadas em dois momentos, a partir de duas abordagens: da macroanálise e microanálise, verificando sua totalidade, como são narrados o enredo, o tempo, o espaço e a descrição da personagem”, explica. “A metodologia utilizada consiste em um estudo de caso com análise qualitativa descritiva, realizada por meio da técnica de análise de conteúdo”, complementa.

 

De acordo com a mestranda, os fatos foram divididos em quatro categorias para a realização da microanálise.

 

“As considerações finais expõem que, diante das significações encontradas na personagem Anita Garibaldi, sua personalidade apresenta facetas desconhecidas e dúvidas que merecem pesquisa e representação autêntica”, explica. “Escrever sobre a presença da mulher na história e nos fatos que marcaram a humanidade não é tarefa simples, pois a complexidade começa no ato de gerar uma nova vida e que certamente acompanhará e terá forte influência na construção da identidade dessa geração”, completa.

 

A dissertação de Tatiana foi aprovada por banca composta pelas professoras Dra. Jussara Bittencourt de Sá, orientadora; Dra. Mariléia da Silva Daltoé, avaliadora externa; Heloisa Juncklaus Preis Moraes, avaliadora interna.

 

PPGCL


Leitura no Ensino Fundamental é tema de seminário

 

(02/07/2012) A professora Dra. Mariléia da Silva Reis, da Universidade Federal de Sergipe, ministrou o seminário “Leitura no Ensino Fundamental: Observatório da Educação e PIBID de Letras da UFS”, na manhã da última sexta (29), na Sala de Treinamento do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Apresentando pesquisas

 

No evento, de modo geral, a professora Mariléia apresentou as pesquisas que desenvolve na Universidade Federal de Sergipe com alunos vinculados ao Observatório da Educação e ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID.

 

“No Departamento de Letras de Itabaiana, da Universidade Federal de Sergipe, abordo estudos sobre o ensino da leitura nas séries iniciais e finais do Ensino Fundamental. Para as séries finais, coordeno o projeto ‘Leitura e escrita: aspectos globais do texto’, vinculado ao PIBID”, comenta.

 

“Contemplando as séries iniciais do Ensino Fundamental, atuo como professora pesquisadora do projeto ‘Ler+Sergipe: leitura para o letramento e cidadania’, do Programa Observatório de Educação, e com bolsas para os acadêmicos de Letras, sendo 33 ao todo: a) PIBID: 20 graduandos e 4 professoras supervisoras da rede pública; b) Observatório da Educação: 2 mestrandas, 5 graduandas e 2 professoras supervisoras da rede pública”, completa.

 

Mariléia possui graduação em Letras e especialização em Linguística Aplicada pela UNISUL. Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado em Linguística pela UFSC. A professora atuou no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem de 2000 a 2010 na linha de Textualidade e Práticas discursivas. Tem experiência na área de linguística aplicada ao ensino de português, nos seus aspectos funcionais, cognitivos e sociais. Nos aspectos sociais, toma como base a área de sociolinguística aplicada, com ênfase nos condicionamentos de natureza sócio-estilística da variação linguística; nos aspectos cognitivo-sociais, aborda a aprendizagem da leitura com e para o letramento, com ênfase na variação linguística da criança alfabetizanda.

 

Após o seminário, Mariléia participou da banca de mestrado de Tatiana Czornabay Manica, intitulada “Anita Garibaldi, persona/personagem, mulher-heroína: estudo sobre sua representação nas obras de Rau, Zumblick, Garibaldi e Markun”.

 

PPGCL


A implantação da TV digital será tema de tese

 

(02/07/2012) “Impactos sobre identidades culturais, a partir de mudanças no telejornalismo brasileiro com a implantação da TV digital” foi o título do ensaio que o doutorando Fábio Bitencourt Cadorin apresentou na disciplina de Seminários Avançados do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem, na última quinta (28), na sala de pós-graduação 5 do campus de Tubarão da Unisul.

 

Impactos sobre identidades culturais

 

Segundo Cadorin, a pesquisa tem como objetivo identificar possíveis impactos sobre identidades culturais, a partir de mudanças no telejornalismo brasileiro com a implantação da TV digital, em canal aberto.

 

“Identificar possíveis impactos sobre identidades culturais, a partir de mudanças no telejornalismo brasileiro com a implantação da TV digital em canal aberto, é um exercício um tanto audacioso de previsão”, comenta Cadorin.

 

De acordo com o pesquisador, a televisão é apenas parte do processo de migração para o digital. “Quando se fala em televisão digital, as mudanças vão muito além da veiculação de som e imagem em alta definição. Pressupõem também multiprogramação, mobilidade e, principalmente, interatividade”, explica. “É sobre a característica da interatividade, sobre a tendência de uma participação mais ativa do telespectador e seus impactos no âmbito das identidades culturais, que pretendo direcionar essa pesquisa”, completa.

 

Conforme o doutorando, não se pretende, a princípio, entrar no aspecto técnico que irá determinar diferentes recursos de interatividade. “Esse estudo leva em conta que, em comparação com a TV analógica, a TV digital vai ampliar significativamente as opções de participação do telespectador, seja na intervenção direta nos programas, como em uma votação; pelo acesso a informações e serviços paralelos à programação principal; pela possibilidade de enviar conteúdo por meios digitais”, elucida. “Considera-se, também, que as emissoras poderão ter informações mais precisas sobre as escolhas do telespectador, a partir dos dispositivos tecnológicos que os meios digitais oferecem”, complementa.

 

Esse estudo dá sequência às investigações de Cadorin no Mestrado. “A minha dissertação abordou identidade cultural e telejornalismo local. Agora, amplia-se a abrangência da pesquisa. Televisão, telejornalismo e identidade cultural seguem como pilares. Entra como componente novo a convergência para a tecnologia digital e os impactos sociais que ela tende a promover”, finaliza.

 

A pesquisa foi avaliada por banca composta pelos professores Dra. Jussara Bittencourt de Sá, orientadora; Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes, avaliadora; e Dr. Aldo Litaiff, avaliador. Após a arguição da banca, o debate seguiu com sugestões e com questionamentos da plateia.

 

PPGCL


Mesa de encerramento discute a Metáfora no Discurso e na Psicanálise

 

(28/06/2012) O I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia encerrou, nesta quarta-feira (27), com a mesa redonda “A metáfora no discurso e na psicanálise”, que reuniu Andréia Daltoé e Maurício Maliska com a mediação de Maria Marta Furlanetto, todos professores da Unisul.

 

A metáfora vista sob diferentes perspectivas teóricas

 

Enquanto Andréia Daltoé discorreu sobre as metáforas presentes no discurso do ex-presidente Lula, Maliska baseou-se em Freud e Lacan para estabelecer como a metáfora é vista sob o olhar da psicanálise. Já Marta, a partir das apresentações dos colegas, trouxe à cena algumas questões que podem impulsionar pesquisas futuras.

 

Obama e Bin Laden em pesquisas na Unisul

 

Osama Bin Laden e Barak Obama foram citados em apresentações no I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia. O evento, que ocorre desde segunda-feira, reúniu na Pedra Branca pesquisadores de instituições dos Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Osama Bin Laden foi analisado a partir da foto oficial divulgada por uma agência de notícias norte-americana justamente para mostrar ao mundo que ele estava morto. Contudo, a foto do ex-líder da Al-Qaeda, a rede de terrorismo mais temida na época, só mostra o rosto. “Nela, o corpo é inexistente; vê-se apenas o líder do governo americano e seus assessores contemplarem algo que, conforme a agência, é a imagem de Bin Laden sem vida”, ressalta Patrícia de Oliveira, da Unisul, que apresentou a pesquisa.

 

“Pretendo mostrar através desta análise que mesmo assumindo critérios rigorosos de exposição de imagens, o governo norte-americano não pode silenciar as diversas manifestações sobre o ocorrido. Na internet, imagens e opiniões nas mídias alternativas polemizaram o acontecimento”, continua a pesquisadora. Ela salienta que, ao buscar imagens em sites sobre a morte de Bin Laden, a foto oficial é apenas uma das dezenas relacionadas ao assunto. Ou seja, “o silenciamento imposto por uma fotografia acabou por incitar as mídias alternativas na internet a significá-la de diferentes formas”.

 

O outro personagem, Barack Hussein Obama, é analisado pela sua voz. Tiago Costa Pereira, da UFSC, apresentou pesquisa sobre o atual presidente norte-americano, “A voz de/em Obama e a constituição de uma nova imagem de presidente”, onde procura demonstrar que a imagem de antagonismo ao seu antecessor ocorre, também, pela voz.

 

A partir de registros acústicos da campanha de Obama, Tiago propõe a voz “como espaço de constituição deste novo sujeito, desta nova forma de se apropriar da tradicional cena política americana, desta imagem de si”. E conclui: “Obama parece por em movimento, através de uma sonoridade vocal, um povo que estava à escuta e à espera de uma transformação”.

 

No site do evento já estão disponíveis os resumos das 83 pesquisas apresentadas, mostrando toda a diversidade de temas e multidisciplinaridade dos trabalhos abordados dentro da perspectiva da análise do discurso.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Seminário discute de mitos a novas mídias

 

(27/06/2012) Os debates do segundo dia do I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia foram centralizados por duas mesas que discutiram de mitos a novas mídias, na última terça (26), no campus da Pedra Branca da Unisul.

 

Mesas em destaque

 

Perceber e ler a contemporaneidade através de seus mitos e signos foi o tema da mesa redonda “Cultura e linguagem: perspectivas da atualidade”, na tarde desta terça-feira, e que reuniu os professores e pesquisadores Antônio Carlos Gonçalves do Santos, Aldo Litaiff e Fernando Simão Vugman, com mediação da professora Dilma Juliano, todos da Unisul.

 

O antropólogo Aldo Litaiff falou de suas pesquisas com os índios guarani e dos seus mitos, conservados até hoje por estes indígenas, com a função de passar oralmente, de geração a geração, práticas sociais e valores incorporados pelo grupo sob a forma de hábitos e crenças. E que podem modificar-se para adaptar-se a novos contextos, mas sem perder sua estrutura básica – as unidades mínimas de Lévi-Strauss. Segundo Litaiff, essas unidades mostram o caminho enquanto as metáforas utilizadas de acordo com o contexto evidenciam o movimento, a evolução do mito.

 

Fernando Vugman, da área de Letras e de Cinema, por sua vez, lembrou Roland Barthes ao ressaltar que mitos estão espalhados por toda parte, mesmo em sociedades complexas e urbanas. Ele estuda, particularmente, a mitologia que forjou a nação norte-americana e que, na sua essência, permanece nos mitos de hoje. Inicialmente era o branco colonizador, o herói, que depois se adequou a nascente sociedade industrial e urbana e continuou, perpetuando-se, especialmente, pelo cinema de Hollywood.

 

O outro debatedor, Antônio Carlos Gonçalves dos Santos, também da área de Letras, destacou outra representação cultural, a fotografia, que igualmente permite ao pesquisador decifrar a contemporaneidade através de seus registros. Mesmo que se discuta até que ponto ela pode ser vista como uma realidade absoluta ou já de um reflexo da realidade.

 

“Todas essas tentativas de leituras da contemporaneidade são registros estáticos que permitem ao pesquisador ler a contemporaneidade”, sintetizou a professora Dilma sobre a mesa redonda que reuniu alguns dos mais conceituados nomes da área de Humanas da Unisul.
 

Socialização

 

Outra mesa redonda do segundo dia do seminário girou sobre o tema “Mídias e Socialização do Conhecimento”, mediada pela professora Giovanna Benedetto Flores.

 

Silmara Cristina Dela Silva, da área de Linguística da Universidade Federal Fluminense (UFF), trouxe ao debate os espaços que a mídia disponibiliza aos seus leitores, na mídia impressa e na digital. Se nos jornais e nas revistas impressas o que é publicado nesses espaços passa pelo crivo dos editores da publicação, os sites só permitem algum tipo de comentário. Contudo, é no facebook que esse espaço é totalmente liberado, sem qualquer censura.

 

Nessa linha de discussão sobre um maior acesso à informação disponibilizada pelas novas tecnologias, a professora Solange Gallo, coordenadora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul, mostrou o projeto da revista digital Ciência em Curso, uma proposta do PPGCL como uma prática de divulgação científica em que o próprio pesquisador é o autor, sem mediação de um repórter. Outra faceta do projeto é ressaltar sempre o processo, as contradições e todas as formas de conhecimento, não apenas o científico.

 

Nos debates que se seguiram, uma palavra muito utilizada foi “contradição”.

 

“No facebook se pode dizer tudo, mas a questão é que nem tudo é visível”, ressaltou a pesquisadora Silmara, lembrando que apenas alguns comentários aparecem de início. “Para se ter acesso a todos, é preciso dar alguns cliques. No caso da revista digital Ciência em Curso, a proposta de socialização se restringe, pelo menos até agora, a esferas bem limitadas”, completa.

 

O I Seminário Discurso, Cultura e Mídia continua nesta quarta-feira com sessão de pôsteres e apresentação de pesquisas nos grupos de trabalho. O término do evento será com a mesa redonda “A metáfora no Discurso e na Psicanálise”, a partir das 17h.

 

Na foto principal, tem-se Antonio Carlos, Dilma, Fernando e Aldo. Mais abaixo, tem-se Solange, Silmara e Giovanna.

 

 

Unisul Hoje (adaptado)


Começa Seminário Discurso, Cultura e Mídia

 

(26/06/2012) Mais de 100 participantes e 83 trabalhos apresentados, além de 30 na seção de pôsteres. Com estes números, começou nesta segunda (25) o 1º Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia e a 1ª Jornada de Pesquisas em Curso. No primeiro dia do evento, pesquisas mostram abrangência e interdisciplinaridade.

 

Conferência de abertura

 

Na abertura oficial dos eventos, a professora Solange Gallo, vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, salientou esses números, ressaltando também a abrangência dos participantes, professores e alunos dos Estados do Rio Grande do Sul, do Paraná, de São Paulo e do Rio de Janeiro, além de diversas universidades de Santa Catarina.

 

Divididos em grupos de trabalho, os participantes apresentaram pesquisas das áreas da literatura, jornalismo, cinema, propaganda, moda, educação, antropologia, arqueologia e história, sempre perpassados sob o olhar da análise do discurso. Falando desde videogames e cultura digital a vestígios materiais de séculos atrás.

 

Duas mesas redondas também fizeram parte da programação. Uma delas teve como tema “Inflexões materiais na produção discursiva”, com mediação de Jussara Bittencourt de Sá. Pedro de Souza, da UFSC, para falar sobre materialidade e discurso, analisou a substituição de Nara Leão por Maria Bethânia no espetáculo “Opinião”, nos anos 1960, contrapondo esse fato à gravação de um samba em ritmo de funk pela cantora Elza Soares. Já Sandro Braga, da Unisul, partiu da análise de uma mesma história, apresentada na forma de história em quadrinho e de filme.

 

Fechando a programação do dia, a mesa redonda “Imagem em Discurso” reuniu Suzy Lagazzi, da Universidade Estadual de Campinas, e Ismara Tasso, da Universidade Estadual de Maringá, sob a mediação de Nádia Neckel.

 

Na foto, tem-se Solange Gallo, coordenadora adjunta do PPGCL; Luciano Bittencourt, coordenador de uma; Hércules Nunes de Araújo, diretor do campus; e as professoras Nádia Neckel e Giovanna Flores, organizadoras do evento.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Pedra Branca sedia encontro de pesquisadores

 

(25/06/2012) I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia e 1ª Jornada de Pesquisas em Curso reúne público multidisciplinar a partir desta segunda (25), no campus da Pedra Branca da Unisul.

 

Encontro multidisciplinar

 

No encontro, tem-se pesquisadores das áreas de Comunicação, Cinema, Publicidade, Jornalismo, Literatura, Educação e Antropologia.

 

O evento irá até quarta-feira e conta com a participação de pesquisadores e estudantes de diversas universidades do sul e do sudeste do país, especialmente das instituições que possuem projetos de pesquisa integrados, como a Unicamp, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Federal Fluminense (UFF), Univille, UFSC e Unisul.

 

O seminário conta com o apoio da FAPESC e as inscrições (gratuitas) para ouvintes podem ser realizadas até o início do evento.

 

Para acessar a programação, clique aqui.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Ensaio analisa as artes cênicas e a incorporação de novas mídias e tecnologias

 

(25/06/2012) O estudante Leonardo Amorim Roat apresentou o ensaio “Profanações: jogo, autoria e experiência nas novas formas de composição cênica contemporânea” nesta última terça-feira (19), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Arte cênica e elementos hipermidiáticos

 

Segundo o estudante, o objetivo da pesquisa é apresentar e explorar o conceito de jogo como condição de autoria nas novas formas poéticas de composições cênicas contemporâneas produzidas com a utilização de elementos hipermidiáticos, no âmbito de um possível resgate da experiência do sujeito contemporâneo através das artes.

 

“Apresento, aqui, algumas considerações sobre as artes cênicas na contemporaneidade, especificamente as ligadas às novas formas poéticas de composição estética, advindas da incorporação dos elementos audiovisuais e hipermidiáticos”, explica.

 

De acordo com o estudante, ele pretende analisar o quê, dentro das novas preposições artísticas da estética cênica contemporânea, possibilita o surgimento de novas escrituras e formas narrativas.

 

“Busco compreender como o jogo pode estabelecer-se como condição de autoria de novas possibilidades de construções narrativas, onde as relações das posições sujeito entre artistas e público atuam como vetor constitutivo de produção de sentido, e possam ser um espaço possível do resgate das experiências do sujeito contemporâneo” comenta.

 

A comissão avaliadora foi composta pelos professores Dr. Fernando Simão Vugman (orientador), Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano e Dra. Nádia Régia Maffi Neckel.

 

Edna Mazon


Análise do Discurso e mídias sociais

 

(25/06/2012) O estudante Deivi Eduardo Oliari apresentou o ensaio “Análise do Discurso publicitário na internet web 2.0: sujeitos divididos entre o público e o privado” para docentes e discentes do PPGCL, na última segunda (18), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

O discurso publicitário na rede social Facebook

 

Deivi propõe analisar a internet enquanto espaço de produção de sentidos e acontecimentos ligados ao discurso publicitário, tomando a Análise do Discurso como base teórica e analítica.

 

“O que me levou a esse estudo foi meu interesse em compreender o funcionamento das mídias/redes sociais e as transformações que elas produzem na esfera cultural-histórico-social, analisando especificamente o processo de significação no discurso publicitário funcionando nesse ambiente ‘digital’”, explica o estudante.

 

Segundo o estudante, é possível identificar nas mídias sociais, especificamente no Facebook, uma indistinção entre pessoa física/pessoa jurídica, ou entre espaço público/espaço privado.

 

“Parti da percepção de uma indistinção de interlocutores - pessoa jurídica - e interlocutores - pessoa física. Nas mídias sociais, particularmente no Facebook, os interlocutores são todos ‘amigos’. Percebe-se, aí, uma imbricação da memória metálica (da máquina) com a memória discursiva (dos sujeitos)”, analisa.

 

“Através da Análise do Discurso, pude formular algumas questões não possíveis para as teorias de comunicação. Sendo um profissional da área da comunicação, encaro como um grande desafio o aprofundamento nesse campo, pois acredito que devemos sempre buscar respostas com outras vertentes do saber, que mobilizem novas perguntas, apesar de que as Teorias da Comunicação tem também os seus próprios desafios”, completa.

 

Participaram do seminário: docentes, colaboradora e alunos do Programa. A comissão avaliadora foi composta pelas professoras Dra. Solange Maria Leda Gallo (orientadora), Dra. Andréia da Silva Daltoé e Dra. Nádia Régia Maffi Neckel.

 

Edna Mazon


Professora e mestrandas do PPGCL participam do CIELLI

 

(25/06/2012) A professora Dra. Maria Marta Furlanetto e as mestrandas Vaniele Medeiros da Luz e Eliana Gato Martins participaram do II Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários - CIELLI, realizado de 13 a 15 de junho na Universidade Estadual de Maringá.

 

Comunicações em destaque

 

A professora Maria Marta apresentou a comunicação intitulada “Autoria e interação: sujeito da ciência, sujeito acadêmico e ensino”; Vaniele tematizou a “Formação de leitores: uma proposta com outdoors”; e Eliana, em coautoria com Miriam Maia, refletiu sobre “O jogo discursivo na leitura de anúncios publicitários televisivos”.

 

O evento contou com a participação de Roger Chartier, pesquisador francês e historiador da cultura e dos livros, que tratou, em sua conferência, do tema “Literatura e cultura escrita: estabilidade das obras, mobilidade dos textos, pluralidade das leituras”; e de Carlos Reis, pesquisador português da área de Literatura, que discutiu sobre “Estudos narrativos: estado da questão e a questão da personagem”.

 

O evento reuniu mais de mil pesquisadores, entre professores, pós-graduandos, graduandos e convidados estrangeiros, para sessões de conferências, simpósios, mesas-redondas, minicursos e sessões especiais de comunicação.

 

PPGCL


Discurso Policial em questão

 

(20/06/2012) Márcia Cristiane Nunes Scardueli, doutoranda do PPGCL e policial civil em Araranguá, proferiu palestra sobre o discurso policial para mestrando/as e doutorando/as do Programa de Pós-Graduação em Letras/Inglês da Universidade Federal de Santa Catarina, no dia 4 de junho em Florianópolis. 

 

Discutindo o processo de produção de coleta de depoimentos

 

O convite foi iniciativa dos Professores Doutores Débora Carvalho Figueiredo e Malcolm Coulthard que ministram na UFSC a disciplina de Linguística Forense. A intenção era discutir o processo de produção de coleta de depoimentos durante a realização do inquérito policial, sob o olhar e a narrativa de um membro da Polícia Judiciária. 

 

Márcia estuda o discurso policial em suas pesquisas desde sua especialização. No curso de mestrado, realizado no PPGCL, investigou a representação da 19ª Região Policial sobre essa delegacia especializada. Atualmente, como bolsista do FUMDES, está desenvolvendo pesquisa sobre o discurso e a produção de sentidos referente à aplicação da “Lei Maria da Penha”, entre as instituições envolvidas no cenário jurídico da violência doméstica contra a mulher, na Comarca de Araranguá (Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário). 

 

Para a Doutoranda, além de ter sido uma interessante oportunidade acadêmica, o convite para uma fala pontual na UFSC permitiu aproximar a polícia do meio acadêmico, o que é importante para demonstrar a qualificação do efetivo dessa instituição policial e contribuir para o fortalecimento da imagem da Polícia Civil perante a sociedade.

 

Na foto abaixo, Márcia posa com a professora Débora Figueiredo (à direita) e com o professor Malcolm Coulthard.

 

 

PPGCL


O discurso do amor é tema de pesquisa

 

(20/06/2012) Andréa Volpato Wronski apresentou o ensaio “Bem-me-quer, malmequer: as subjetivações de si presentes no discurso do amor”, nesta última sexta-feira (15), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Falando do amor

 

Segundo a estudante, o objetivo da pesquisa é problematizar, com base na Análise do Discurso de linha francesa, o discurso do amor e os modos de subjetivação de si mesmo presentes nesta prática discursiva. Para tanto, Andréa pretende analisar alguns recortes de materialidades que circunscrevem e põem em circulação o discurso do amor, seus efeitos de sentido e as possibilidades de subjetivações que deles emergem

 

“O amor tão eternizado na literatura, na arte, no cinema, no nosso imaginário, mais uma vez tenta ser capturado pelos olhos da ciência. Falar de amor numa perspectiva científica é uma tarefa que se inscreve num território melindroso”, comenta a estudante.

 

“Nesse sentido, trarei a questão dos dizeres do e sobre o amor atrelada às possibilidades de circulação desses enunciados que constituem-se em discurso e que, por isso mesmo, marcam a posição do sujeito no ato de enunciar”, completa.

 

De acordo com a pesquisadora, o ensaio apresenta como indagação norteadora: quais as semelhanças e dessimilitudes presentes no discurso do amor quando se percorre diferentes recortes históricos em diferentes lugares de produção?

 

“O corpus de análise será constituído de textos escritos que falam de e sobre o amor, direta ou indiretamente, por meio da literatura, de cartas e narrativas acerca de si mesmo no site de relacionamento denominado Par Perfeito”, explica.

 

Compôs a comissão avaliadora os professores Dr. Sandro Braga (orientador), Dra. Jussara Bittencourt de Sá e Dr. Maurício Eugênio Maliska. Após a arguição dos avaliadores, os demais professores e doutorandos presentes fizeram alguns comentários sobre a pesquisa.

 

PPGCL


Lima Barreto é discutido em ensaio

 

(20/06/2012) Marília Köenig apresentou o ensaio “Pré ou pós-moderno? A ética da estética em Lima Barreto” para docentes e discentes do PPGCL, nesta última quinta-feira (14), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Pré ou pós-moderno?

 

O ensaio da estudante pretende perceber como a ética da estética própria à obra de Lima Barreto o conecta ao que se entende por pós-modernidade.

 

“A pesquisa se justifica por abordar uma questão que reafirma o pioneirismo de Lima Barreto como cientista do social, muito antes da eclosão das Ciências sociais e da Teoria crítica”, comenta.

 

“Essa questão já havia me chamado a atenção em minha dissertação de mestrado que teve as teorias do Jornalismo como foco do pioneirismo de Lima Barreto”, completa.

 

Segundo Marília, serão abordadas em sua pesquisa, primeiramente, questões relativas ao estilo impresso na ética do literato carioca, o que, por hipótese, caracterizam-no como escritor do pós-moderno/narrador do vivido.

 

Compôs a comissão avaliadora os professores Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes (orientadora), Dra. Jussara Bittencourt de Sá e Dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias.

 

PPGCL


Ensaio analisa o corpo na contemporaneidade

 

(13/06/2012) Carolina Bithencourt Rubin apresentou o ensaio “A pele que habito: o corpo in suspenso na contemporaneidade” para docentes e discentes do PPGCL, nesta última terça-feira (12), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

O corpo textualizado no filme “A pele que habito”

 

O ensaio da estudante propõe investigar o corpo in suspenso na contemporaneidade pelo viés da Análise do Discurso de linha francesa.

 

“Como a pesquisa encontra-se ainda em fase inicial tomei como fragmento provisório para análise do corpus o corpo in-suspenso na contemporaneidade do filme “A pele que habito” de Pedro Almadovar (2011) a fim de pensar o recorte do trabalho: deslizamento de sujeitos e sentidos na corporeidade contemporânea”, explica a estudante.

 

Segunda Carolina, a pesquisa objetiva compreender os efeitos de sentido do/no corpo (in)suspenso da/na contemporaneidade por meio dos modos de individuação que produzem “modelos corporais imaginários” em detrimento do (re)construir do corpo “real”. Discursivamente, uma incessante busca do real do corpo.

 

“Para atingir o objetivo da pesquisa serão mobilizadas algumas noções discursivas, tais como condições de produção e produção de sentidos, sujeito e sentido, formação discursiva, formação imaginária e formação ideológica, posição sujeito, heterogeneidade discursiva, efeito autor e leitor, tipologias discursivas e materialidade significante”, analisa.

 

“Pretendo reconhecer os modos de funcionamento dos discursos que sustentam um imaginário corporal contemporâneo”, completa a pesquisadora.

 

A apresentação faz parte dos Seminários Avançados do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem. Após a apresentação, o ensaio foi debatido, ainda, por docentes e discentes do Programa.

 

Compuseram a comissão avaliadora os professores Dr. Antonio Carlos Gonçalves dos Santos (orientador), Dra. Nádia Régia Maffi Neckel, Dra. Solange Maria Leda Gallo e Dra. Nadja de Carvalho Lamas.

 

Edna Mazon


Discurso de divulgação cultural é tema de ensaio

 

(13/06/2012) O estudante Claudinei Zunino apresentou o ensaio “Discurso de divulgação cultural: análise da obra de Vinicius de Moraes” para docentes e discentes do PPGCL, na última segunda (11), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Aproximação entre o discurso de divulgação cultural

e o discurso de divulgação científica

 

Para o desenvolvimento da tese, Claudinei pretende construir conceitos teóricos baseados na Análise de Discurso em contato com os conceitos da Divulgação Científica.

 

“Tomarei como objeto de trabalho a textualidade que se inscreve enquanto divulgação cultural, tendo como exemplar de cultura a obra de Vinicius de Moraes e o movimento da Bossa Nova. Para tanto, colocarei o discurso de divulgação cultural em contraponto com o discurso de divulgação científica”, explica o estudante.

 

“Analisarei músicas e letras de Vinicius de Moraes publicadas que constituirão o corpus do trabalho considerando as instâncias discursivas de circulação dessa materialidade. Partirei, assim, de um objeto específico para analisarmos os efeitos de sentido que o constituem em objeto cultural, para refletir sobre o que é o discurso de divulgação cultural”, analisa.

 

Segundo o estudante, sua prática de leitura está inscrita no discurso pedagógico, materializada nas aulas de Língua Portuguesa, mais especificamente, nas aulas de Literatura que ele ministra.

 

“O que sempre me chamou atenção é o fato de que modos de circulação diversos parecem ser constituintes de sujeitos autores diferentes e de sujeitos leitores diferentes, sendo esse o efeito do discurso de divulgação cultural que me interessa investigar”, conclui o estudante.

 

Participaram do seminário: docentes, colaboradora e alunos do Programa. A comissão avaliadora foi composta pelos professores Dra. Solange Maria Leda Gallo (orientadora), Dr. Sandro Braga e Dr. Fernando Simão Vugman.

 

Edna Mazon


Cultura e mídia reúnem pesquisadores na Pedra Branca

 

(12/06/2012) O Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem – PPGCL organiza o 1º Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia e a 1ª Jornada de Pesquisas em Curso que reunirá pesquisadores do Sul e do Sudeste entre os dias 25 e 27 de junho de 2012 nas dependências do Campus da Pedra Branca da Unisul.

 

As inscrições para submissão de trabalhos foram prorrogadas

 

Os interessados em apresentar trabalho (comunicação oral ou pôster) devem enviar um resumo de 250 a 300 palavras até o dia 18 de junho. Para mais informações, clique aqui.

 

“No escopo das pesquisas discutidas durante o evento, temos a intenção de buscar dispositivos contemporâneos de análise a respeito dos processos de formulação e circulação do conhecimento nas áreas envolvidas”, comenta a professora Nádia Régia Maffi Neckel.

 

“Queremos reunir um grupo multidisciplinar que busque a pesquisa e a inovação dos objetos culturas e mídias, partindo de um enfoque discursivo”, complementa.

 

A Unisul, por meio do PPGCL, tem desenvolvido pesquisas integradas e interinstitucionais na área da Análise do Discurso, da Linguística, da Cultura, das Mídias e das Redes de informação. Esse evento irá discutir não apenas um percurso das pesquisas já realizadas, mas também, a possibilidade de novas redes de pesquisas em Discurso, Cultura e Mídia em sua relação de reciprocidade.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Novos estudantes são selecionados para o PPGCL

 

(12/06/2012) Exame Escrito, exame de proficiência em língua estrangeira e entrevistas marcaram a seleção dos candidatos aos cursos de mestrado e de doutorado em Ciências da Linguagem no Campus da Pedra Branca nos últimos dias 4 e 5 de junho.

 

Compreendendo o processo seletivo

 

A média dos candidatos aos cursos de mestrado e de doutorado é formada por duas avaliações. A primeira provém da análise do exame escrito a partir de um conjunto de leituras estabelecidas em edital. A segunda provém da análise do currículo, do anteprojeto de pesquisa e do desempenho do candidato em entrevista individual perante banca de docentes da linha a que ele se candidatou.

 

Além dessas etapas, os candidatos aproveitam o processo seletivo para realizar o exame de proficiência em língua estrangeira moderna (inglês, espanhol ou francês). No curso de mestrado, o estudante deve comprovar proficiência em uma língua estrangeira; no curso de doutorado, deve comprovar proficiência em duas línguas.

 

“A avaliação dos exames escritos e de proficiência é cega, isto é, os docentes do Programa não tinham acesso ao nome do candidato na folha de teste”, comenta o professor Fábio José Rauen, coordenador do Programa.

 

A divulgação da lista de aprovados foi feita na última segunda (11), através de Edital específico no sítio do Programa. As aulas iniciam-se no dia 2 de agosto em Tubarão e no dia 6 de agosto em Pedra Branca.

 

Na foto principal, um flagrante da seleção de alunos para o mestrado. Mais abaixo, candidatos do doutorado em um momento do exame escrito.

 

 

PPGCL


Doutorando do PPGCL participa de Congresso Mundial de Folclore na Suécia

 

(12/06/2012) Thiago Silva de Amorim Jesus, doutorando em Ciências da Linguagem, coordenador do Núcleo de Folclore da UFPel - NUFOLK e docente do Curso de Dança da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), foi indicado para integrar uma delegação de 5 brasileiros que representarão o Brasil no 3º Congresso Mundial de Folclore para a Juventude - IOV. 

 

Thiago Amorim comporá delegação brasileira em Congresso  

 

A indicação de Amorim foi feita pela Secretaria Executiva Regional da Organização Internacional de Folclore e Arte Popular - IOV da América do Sul, através de sua presidente Terezinha Pasqualini Miquilin.

 

“Os integrantes desta delegação foram escolhidos pela Presidência da IOV Brasil tomando por base o interesse com as temáticas da juventude, o envolvimento com a causa do folclore e das artes populares e as possibilidades de multiplicação dos conhecimentos oriundos com a participação no referido evento em seus respectivos locais de atuação, no retorno ao Brasil”, explicou a presidente.

 

O evento acontecerá no Billströmska Folk High School - Island Tjörn (imagem acima), cidade de Estocolmo, capital da Suécia, de 24 a 30 de junho de 2012. A delegação contará, ainda, com a presença dos seguintes artistas e pesquisadores brasileiros: Paulo Roberto Staudt (RS), Daniela Santos (DF), Rafael Costa (SP) e Gabriel Souza (MG).

 

Amorim considera que tal indicação é fruto, além de sua trajetória artística e científica, de mais de 15 anos na área do folclore, do trabalho que vem sendo desenvolvido junto à Abambaé Companhia de Danças Brasileiras, desde 2005, e, a partir de 2010, na coordenação do Núcleo de Folclore da UFPel.

 

Maiores informações sobre o evento podem ser acessadas na página do congresso no Facebook, através do seguinte link: IOV World Youth Congress 2012.

 

PPGCL


Pontos de Cultura são temas de ensaio

 

(30/05/2012) A estudante Marília Crispi de Moraes apresentou o ensaio “Os Pontos de Cultura e a promoção de políticas públicas em favor da diversidade cultural” para docentes e discentes do PPGCL, nesta terça-feira (29), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Mapeamento e identificação das ações desenvolvidas por Pontos de Cultura catarinenses

 

Partindo da hipótese de que os Pontos de Cultura (PCs) constituem-se como núcleos de enfrentamento à homogeneização cultural e de promoção à diversidade, a pesquisa de Marília pretende mapear e identificar as ações desenvolvidas por Pontos de Cultura catarinenses, selecionados no Edital de 2009, e analisar os mecanismos adotados por esses grupos para articular essas ações com os campos da Educação e da Comunicação, ambos relacionados como prioritários para a Cultura.

 

Segundo a estudante, a diversidade cultural de um país com as dimensões geográficas do Brasil, atravessado por diferentes mesclas étnicas, oferece vasto campo à reflexão.

 

“Tanta heterogeneidade já foi considerada um problema e deu origem a tentativas de uma unificação identitária colonialista. A tendência atual é encarar tamanha diversidade como uma riqueza a ser conservada”, analisa a estudante.

 

“Nesse contexto, o programa Pontos de Cultura, estabelecido pelo Ministério da Cultura em 2004, parece ir além de uma proposta de governo e alcança a dimensão de programa de Estado, isto é, de uma ação continuada e suprapartidária. Mais que um programa temporário, o Ponto de Cultura é um conceito que vem promovendo uma silenciosa, porém consistente forma de enfrentamento à homogeneização cultural decorrente da globalização”, explica.

 

Quanto à metodologia adotada, a estudante destaca a fase de pesquisa bibliográfica e documental que ocorre paralelamente ao levantamento de fontes e contatos (coordenadores dos Pontos de Cultura de Santa Catarina) e a primeira fase de entrevistas semidirigidas com esses representantes dos PCs que precisa ser realizada ainda no segundo semestre de 2012 e início de 2013, já que, ao fim do convênio com o Governo Federal, em dezembro de 2012, não se pode ter certeza absoluta de continuidade de todos os grupos, caso se verifiquem algumas situações de extrema de dependência financeira dos recursos federais.

 

“Uma segunda fase de entrevistas semidirigidas será necessária, após a conclusão do convênio, justamente para se verificar como se comportam os PCs com a retirada do aporte financeiro governamental e com o redesenho do programa (ainda em andamento)”, esclarece a pesquisadora. “Parte da etapa exploratória, entretanto, já foi executada com o levantamento dos PCs e suas localizações, fontes bibliográficas e documentais. Obviamente, ao longo da pesquisa, outras fontes vão sendo suscitadas e poderão juntar-se ao conjunto já elencado”, completa.

 

A apresentação faz parte dos Seminários Avançados do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem. Compuseram a comissão avaliadora os professores Dr. Fernando Simão Vugman (orientador), Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano e Dra. Giovanna Benedetto Flores. O ensaio foi debatido, ainda, por docentes e discentes do Programa.

 

Edna Mazon


Iniciam-se as apresentações dos Seminários Avançados

 

(30/05/2012) A doutoranda Sílvia Régia Chaves de Freitas Simões iniciou na última segunda (28) uma sequência de doze apresentações que compõem os Seminários Avançados do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem. Seu trabalho foi apresentado no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Abordando a relação dos ciganos com a pós-modernidade não-cigana

 

Sílvia apresentou o trabalho intitulado “Ciganos x pós-modernidade: questões emergidas na relação dos ciganos com a pós-modernidade não-cigana”. A pesquisa da estudante tem o objetivo de analisar os possíveis efeitos da pós-modernidade sobre a “identidade cigana” de ciganos brasileiros.

 

De acordo com a estudante, os ciganos constituem-se em uma minoria étnica que preserva, por um lado, certa identidade e especificidade cultural e, por outro, se articula com as distintas sociedades, sendo permanentemente desafiados por questões sociais, políticas, econômicas, culturais, ambientais e religiosas, próprias das dinâmicas históricas das sociedades. Essa relação pressupõe, segundo ela, um campo permanente de lutas.

 

“O estudo parte do pressuposto que a 'identidade cigana' vem sendo continuamente atravessada e alterada por elementos constituintes das sociedades pós-modernas”, explica a pesquisadora. “Nesse sentido, pretendo, num primeiro momento, utilizar três abordagens: primeiro, nomadismo/território; segundo, espiritualidade/ritos e mitos; e terceiro, jovens/mídias, usando como base uma série de reportagens sobre ciganos, elaboradas pela Rádio Senado em 2011”, completa.

 

O seminário avançado, que é apresentado oralmente pelos estudantes, é uma etapa obrigatória para a formação dos futuros doutores em Ciências da Linguagem. No Seminário, o estudante apresenta um “ensaio” do seu projeto de tese, que é avaliado por uma comissão composta por três docentes, dois na qualidade de argüidores, e o orientador, que preside a comissão.

 

Participaram do seminário: docentes, colaboradora e alunos do Programa. A comissão foi composta pelos professores Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano (orientadora), Dr. Aldo Litaiff e Dr. Fernando Simão Vugman.

 

Edna Mazon


Editora lança site com vendas on-line

 

(22/05/2012) A Editora Unisul lançou seu novo site para acompanhar a dinamicidade das vendas on-line. Mais ágil e completo, oferece ao público em geral a possibilidade de adquirir os títulos assim que lançados, orienta como publicar um livro pela Editora, tem a programação dos futuros lançamentos, além de divulgar notícias e promoções.

 

Um portfólio variado

 

Estão disponíveis obras sobre literatura, saúde, educação, ciência, história e geografia. Também existem crônicas, revistas científicas, livros de poesia, biografias entre outros. Também vale ressaltar que a Editora dispõe de atendimento on-line, ou diretamente nas suas sedes, nos campi da Grande Florianópolis e Tubarão.

 

Além dos eventos de lançamento, a Editora Unisul monta stands em diversas feiras e seminários. “Com o aumento da demanda, chegamos no público com ações estratégicas que divulgam a Editora e suas atividades”, comenta a secretaria executiva da Editora Alessandra Turnes.

 

Entre os parceiros da Editora Unisul estão empresas interessadas em registrar a cultura catarinense e o conhecimento científico. Prefeituras e o Governo do Estado também investiram em publicações. Também contribuem a Tractebel Energia, a Ferrovia Tereza Cristina, Fapesc, Capes, Acaert, Sinapro, ABAP, Adjori, a Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Comunicação, entre outros.

 

Duas obras serão lançadas nos próximos meses. Do curso de Direito, a revista de Fato e de Direito n°4, foi citada como fundamentação de sentença judicial na 6° Vara de Uberlândia. Do publicitário, jornalista e professor da Unisul, Eloy Simões, tem publicação prevista para o mês de junho o livro Bordões, Slogans & Conceitos na Publicidade Brasileira.

 

Para mais informações ligue: Florianópolis, (48) 3279-1088 ou Tubarão, (48) 3621-3110. Compras on-line.

 

Unisul Hoje (adaptado)


IV SIMFOP encerra discutindo “Ciência, Conhecimento e Criatividade”

 

(14/05/2012) O professor Dr. Jorge Campos da Costa, PUCRS, ministrou a conferência “Ciência, Conhecimento e Criatividade”, na noite da última sexta (11), no Salão Nobre do Campus de Tubarão da Unisul. A atividade encerrou o IV Simpósio sobre Formação de Professores – IV SIMFOP.

 

Pensamento divergente

 

Pensar criativamente implica repensar a forma como as pessoas leem o mundo. De uma maneira geral, queremos dar respostas a perguntas que nos levam a pensamentos convergentes. Esses pensamentos, num primeiro momento, são confortantes, pois são pensamentos que se conformam com o que estamos acostumados. Pensar criativamente é fazer perguntas inusitadas, é opor-se a mesmice, é negar-se ao comodismo de um mundo estável. Não há criatividade quando buscamos os bons conselhos ou queremos a harmonia do mundo. Um mundo caótico em constante mutação é o espaço por onde o pensamento criativo é mais requisitado. É por linhas similares a essas que Jorge Campos da Costa desenvolveu a conferência “Ciência, Conhecimento e Criatividade”.

 

De Steve Jobs a Richard Dawkins; de Leonard Mlodinow a Gary Marcus, a conferência pôs em evidência várias abordagens divergentes da realidade.

 

“Meu papel é pensar o futuro”, diz o conferencista.

 

Um dos temas destacados pelo autor foi o das novas formas de leitura que são impulsionadas pela internet. Não se trata apenas de mudança de suporte, do livro para o e-book, por exemplo, mas de novas formas de produção e de circulação de conhecimento, o d-book (um livro produzido e formatado para o universo digital). O próprio conceito de ler e de redigir, de estudar e de disseminar conhecimento passa por profundas modificações, argumenta.

 

“Jorge Campos apresentou um conjunto de exemplos que demonstram o papel revolucionário da ciência e da tecnologia na vida e no futuro das pessoas”, comenta o professor Fábio José Rauen, que fez seu pós-doutorado sob a supervisão do pesquisador. “Isso tem impactos relevantes nos conceitos de ensinar e de aprender, que não podem ser descuidados na formação de novos educadores”, complementa.

 

Jorge Campos é graduado em Letras, mestre e doutor em Letras/Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, com pós-doutorado no MIT e UMBC, EUA. Sua linha de pesquisa está nas interfaces da linguística com a filosofia, a lógica e a cognição, especialmente em termos de semântica e de pragmática. Seus principais tópicos de estudo são o nome próprio, conetivos, quantificadores e operadores modais. Dedica-se, também, à cultura e à editoração, tendo sido Presidente do Conselho de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul em 2005, ocupando, o cargo de Editor-Chefe da Editora da PUCRS até o presente momento, 2012.

 

Durante o dia de sexta, Jorge Campos participou das bancas de qualificação de projeto de tese de Liamara Tansini Camargo e de Marleide Coan Cardoso, junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem.

 

PPGCL


Tese discutirá os registros de representação semiótica em matemática

 

(14/05/2012) A professora doutoranda Marleide Coan Cardoso defendeu o projeto de tese “Língua natural e processos de tratamentos e conversões de registros de representação semiótica em matemática” na tarde da última sexta (11), na sala de Pós-Graduação 2 do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Pesquisa emerge de inquietações da pesquisadora enquanto docente

 

Segundo Marleide, esse projeto de tese emerge de suas inúmeras inquietações na disciplina de Matemática em diferentes níveis de ensino, desde as séries finais da educação básica até a pós-graduação lato sensu.

 

“Em especial, destacam-se aqui a dificuldade de os alunos aprenderem e se apropriarem de conceitos de objetos matemáticos, mesmo após a apresentação do conteúdo e a extensiva consideração de exemplos”, comenta.

 

De acordo com a doutoranda, a pesquisa de interface entre os estudos da linguagem e os da matemática quer delimitar o olhar para um aspecto aparentemente banal: o principal instrumento de ensino dos objetos matemáticos e de seus registros de representação é a Língua Natural, cuja lógica diverge muitas das vezes daquela que dá sustentação à Matemática como ciência formal.

 

“Enquanto a matemática se sustenta em sistemas lógicos formais, demonstrativos e monossêmicos, a língua natural se sustenta em sistemas lógicos não necessariamente demonstrativos próprios que lhe dão seu aspecto polissêmico característico. Enquanto a língua natural expressa a lógica própria do senso comum que os seres humanos espontaneamente desenvolveram, a matemática exprime uma lógica sistêmica que gera conclusões que, no mais das vezes, terminam em paradoxos evidentes com as crenças de senso comum”, explica.

 

“Ensinar matemática implica ensinar a lógica demonstrativa que lhe dá sustentação. Todavia, não se pode ensinar matemática exclusivamente com a linguagem matemática; é preciso explicar essa lógica com os recursos da língua natural”, completa.

 

O trabalho de Marleide foi aprovado por banca composta pelo professor Dr. Fábio José Rauen, UNISUL, orientador; pelo professor Dr. Jorge Campos da Costa, PUCRS, avaliador externo; pelo professor Dr. Gilberto Keller de Andrade, PUCRS, avaliador externo. Além disso, a professora Dra. Diva Marília Flemming, UNISUL, também avaliou o projeto e enviou um parecer por escrito que foi lido pelo professor Rauen.

 

PPGCL


Relatório psicológico será objeto de tese

 

(14/05/2012) A doutoranda Liamara Tansini Camargo defendeu o projeto de tese intitulado “Interpretação de relatórios psicológicos em processos de reavaliação de aplicação de medidas socioeducativas: análise com base na Teoria da Relevância”, na manhã da última sexta (11), na sala de Pós-Graduação 2 do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Construindo interfaces

 

O projeto de tese de Liamara lança-se no desafio de construir um saber interdisciplinar entre os campos da linguagem, da psicologia e do direito.

 

“Meu intuito é o de ampliar as possibilidades de compreensão acerca dos processos cognitivos da comunicação humana por meio da escrita. Eu busco, em meu trabalho, explicitar a compatibilidade teórica entre essas diferentes áreas do conhecimento para o estudo da interação comunicativa nos processos judiciais”, explica.

 

Segundo a estudante, na tese, pretende-se propor uma discussão teórica que permita descrever e explicar como as inferências geradas no processo de interpretação de relatórios psicológicos aplicados a fins jurídicos são parte essencial da tomada de decisão judicial.

 

“Por meio de uma análise lógica não trivial dessa categoria de documento técnico desejo observar como se estabelece a comunicação na tríade juiz/psicólogo/adolescente), do ponto de vista de psicólogos e de juízes de direito, com base em teorias da linguagem que versam sobre cognição”, elucida.

 

De acordo com a doutoranda, pretende-se com os resultados gerar contribuições no sentido de compreender como os psicólogos, por hipótese, redigem seus documentos técnicos e interpretam as requisições judiciais. “Mais ainda, a pesquisa pretende refletir sobre como se estabelece a comunicação entre o psicólogo e o magistrado por meio do relatório, com base em um método lógico-pragmático que permita descrever e explicar as diferentes formas dos processos comunicacionais”, conclui.

 

O trabalho de Liamara foi aprovado por banca composta pelo professor Dr. Fábio José Rauen, UNISUL, orientador; pelo professor Dr. Jorge Campos da Costa, PUCRS, avaliador externo; pela professora Dra. Aline Aver Vanin, UFRGS, avaliadora externa. Além disso, o professor Dr. Ricardo Wainer, PUCRS, também avaliou o projeto e enviou um parecer por escrito que foi lido pelo professor Rauen.

 

PPGCL


Conferência discute a racionalidade das emoções

 

(14/05/2012) A professora Dra. Aline Aver Vanin, UFRGS, ministrou a conferência intitulada “A racionalidade das emoções: a construção de conceitos na perspectiva de interfaces”, na última sexta (11), na sala de Pós-Graduação 2 do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Emoção e corporeidade

 

Inicialmente, a professora fez um apanhado das concepções de mente e corpo na história.

 

“Falar sobre as nossas próprias emoções é uma tarefa muito complexa. Muitas vezes, dar nome a certos sentimentos vai além do léxico disponível, e o esforço para explicá-los com exatidão pode trazer resultados apenas vagos para quem os ouve”, explica.

 

Segundo Aline, são conceitos de emoção: experienciais; construídos social e culturalmente; “convencionais” e figurados; construídos dinamicamente conforme a interação; não-arbitrários; lexicais e ad hoc.

 

“O significado dos conceitos de emoção nunca está pronto, uma vez que à medida que o texto é explorado, o significado do conceito ad hoc vai tomando forma”, explica. “Segundo a perspectiva do conceito ad hoc, um significado linguístico de uma palavra é modulado conforme a situação, o contexto”, complementa.

 

De acordo com a pesquisadora, as emoções são vistas como um objeto complexo. “Não se pode mais pensar nas emoções como aspectos que distorcem a racionalidade, mas como partes fundamentais dela”, elucida. “Estando em uma amálgama indissociável, mente-corpo/razão-emoção são vistos como aspectos humanos que ocorrem num continuum”, conclui.

 

Aline é graduada em Letras (2004) pela Universidade de Caxias do Sul, especialista em Estudos Avançados da Língua Inglesa (2005), mestre (2008) e doutora (2012) em Linguística Aplicada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Seus interesses de pesquisa incluem pragmática, semântica, construção de interfaces metateóricas, linguística textual, linguística cognitiva, processos cognitivos de conceitualização, em especial os relacionados a emoções.

 

Após a conferência, Aline participou da banca do projeto de tese de Liamara Tansini Camargo.

 

PPGCL


Professora Marta ministra conferência no IV SIMFOP

 

(14/05/2012) A professora Dra. Maria Marta Furlanetto ministrou a conferência intitulada “A ciência, o sujeito acadêmico e a aprendizagem: desenvolvendo a autoria” no IV SIMFOP, na noite da última quinta (10), na Sala de Pós-Graduação 8 do campus de Tubarão da Unisul.

 

Discutindo a autonomização discente

 

A professora destacou que, a par da interiorização de saberes na academia, é crucial abrir espaço para impulsionar os estudantes no sentido de sua autonomização (iniciativa, crítica e atitudes em sua formação). Apresentou uma proposta com fundamento discursivo, perspectivando a teoria-na-prática, para direcionar para esse tipo de realização, com foco na autoria.

 

Concebendo a materialidade do discurso em formulações textuais que, a partir de uma matriz de sentido, podem oportunizar o exercício da criatividade (incluindo a produção científica), mostrou as relações entre as exigências do discurso científico, do discurso acadêmico e do discurso pedagógico, e a possibilidade de direcionamento para a singularidade, como tarefa interativa na academia.

 

“A questão é perspectivar a aprendizagem deslocando-a, aos poucos, do processo parafrástico estrito, ou da simples repetição daquilo que já está disponível (a partir das matrizes) para o processo paulatino de busca de uma identidade autoral, equilibrando a ‘ordem do discurso’ (o que está registrado e ordenado, servindo de modelo) e a textualização (a produção em situação específica, tempo e circunstâncias históricas e sociais)”, explica.

 

Após a sessão, que contou com professores, alunos e ex-alunos, abriu-se um debate bastante estimulante, verificando-se que o tema, na academia, levanta ainda questões teóricas e práticas.

 

PPGCL


Discutindo a importância do currículo

 

(14/05/2012) A professora Dra. Gladys Mary Ghizoni Teive, UNESC, discutiu a importância do currículo na formação das escolas no Brasil e em Santa Catarina, na noite desta quinta (10), no Auditório do Espaço Integrado de Artes. A atividade compõe o IV SIMFOP.

 

Currículo, Conhecimento e Cultura

 

Para a doutora Gladys, currículo é um conjunto de práticas em que significados são construídos, disputados, rejeitados, compartilhados, como um campo de luta em torno da significação e da identidade. “Nessa perspectiva, currículo é recorte e seleção cultural. Desde as políticas curriculares até o micro texto curricular posto em ação nas salas de aula, currículo é sempre seleção da cultura, compreendida como um conjunto de práticas sociais por meio das quais se produzem e compartilham significados num grupo, ou seja, como um conjunto de práticas significantes”.

 

A doutora fez os seguintes questionamentos aos participantes: “Que significados têm sido selecionados das práticas sociais para fazer parte de nossos currículos? O que os significados legitimados pelos currículos desejam produzir nas crianças e jovens? O que ele quer produzir ou reproduzir como prática cultural? Será que as crianças e jovens da Rede Escolar se reconhecem nelas?”

 

Segundo Gladys, a escola é uma instituição inventada para controlar a sociedade. “Os currículos são elaborados para que as crianças sejam exatamente como queremos. Quem são as crianças do século 21? Quem nós queremos que elas se tornem?”, questionou.

 

Por fim, a professora destacou a importância do currículo para modificar as pessoas. “Todo currículo quer modificar alguma coisa em alguém”, disse. Ela também afirmou que o currículo foi inventado para produzir algum tipo de indivíduo. “A escola existe para produzir as novas gerações”, finalizou.

 

Unisul Hoje (adaptado)


29 comunicações do PPGCL são apresentadas no IV SIMFOP

 

(14/05/2012) 29 trabalhos de professores, mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem – PPGCL foram apresentados na modalidade de Comunicação Oral no IV Simpósio de Formação de Professores – SIMFOP, nas últimas quarta (9) e quinta (10), no Campus de Tubarão da Unisul.

 

Abordando ensino-aprendizagem

 

“Os trabalhos, de uma maneira geral, tratam do contexto de ensino-aprendizagem”, comenta o professor Fábio Rauen.

 

Na foto, tem-se um flagrante da apresentação da doutoranda Silvana Colares Lúcio de Souza.

 

Conheça os trabalhos:

 

Educação emocional na escola: explorando possibilidades na relação professor-aluno

Rosa Cristina Ferreira de Souza

 

Os registros de representação semiótica: uma proposta de aplicação no estudo das integrais definidas

Bazilicio Manoel de Andrade Filho

 

Teoria da Relevância e ensino da matemática: algumas considerações

Bazilicio Manoel de Andrade Filho

Marleide Coan Cardoso

Fábio José Rauen

 

Os objetos de ensino do cálculo diferencial e integral: exemplificando a economia e esforço de processamentos

Marleide Coan Cardoso

Fabio José Rauen

Bazilicio Manoel de Andrade

 

Dos blocos aos números: as operações lógicas e o desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático da criança.

Fernanda Medeiros Alves Besouchet Martins

 

A cópia na moda: imaginário social e espetáculo

Anamélia Fontana Valentim

 

A história de Lily Braun: um olhar estético

Aurélia Regina de Souza Honorato

 

Rede social mirim: Mundo do Sítio como uma tecnologia de sedução ao Imaginário Infantil

Heloisa Juncklaus Preis Moraes

 

Arte e Literatura: maneiras diferentes de ler e ver

Elaine Miguel Spindola

 

Imaginário Infantil e Cultura: o discurso de cidadania no desenho animado Doki

Leidiane Coelho Jorge

 

Lima, Machado e Giudice: um diálogo em torno da (er)sacralização do artista

Marília Köenig

 

A formação docente e as práticas de escrita

Edinéia Aparecida Chaves de Oliveira

 

Análise do Discurso e letramento: relação possível para pensar as práticas de ensino

Cristiane Gonçalves Dagostim

 

O conceito psicanalítico de inconsciente na obra Alice no País das Maravilhas

Maurício Eugênio Maliska

Renata Corbetta Tavares

 

Educação e punição: a produção de sentidos sobre a redução da maioridade penal a partir da análise dos discursos de estudantes dos cursos de Direito e Psicologia

Rosa Cristina Ferreira de Souza

 

A escrita e sua relação com a construção da subjetividade infantil

Adriana de Oliveira Limas Cardozo

 

Circulação do discurso pedagógico na internet a partir do projeto “Cambira: entre o dito e o não dito”

Sandro Braga

Sueli Regina de Oliveira

 

Propaganda impressa: prática de leitura na perspectiva discursiva

Eliana Gato Martins

Sandro Braga

 

O “amarelado” do quarado e alvejado

Sandra Vieira

 

Análise da estrutura da notícia jornalística como signo e sua relação indicial/icônica com o real

João Paulo Dagoberto de Luca Júnior

 

Os chistes e as tirinhas da Mafalda

Mauricio Eugênio Maliska

Silvana Colares Lúcio de Souza

 

O efeito cômico pretendido em uma cena improvável de Improvável – um espetáculo provavelmente bom: análise com base na Teoria da Relevância

Layla Antunes de Oliveira

Fábio José Rauen

 

Interpretação textual de filme publicitário: estudo de caso com estudantes da 8ª série do ensino fundamental com base na teoria da relevância

Suelen Francez Machado

Fábio José Rauen

 

A sala de aula como ambiente de embate cultural: percepções sobre o preconceito Linguístico

Cremilson Oliveira Ramos

Marlise de Medeiros Nunes de Piere

 

Preconceito Lingüístico nas escolas

Sheyla de Souza Bitencourt

 

Formação de leitores: uma proposta com outdoors

Vaniele Medeiros da Luz

 

Leitura e formação policial: considerações preliminares

Márcia Cristiane Nunes Scardueli

 

Gêneros e escola: algumas possibilidades

Maria Luíza da Silva

 

Acontecimento e efeitos de sentido: as materialidades significantes para as crianças

Clésia da Silva Mendes Zapelini

 

PPGCL


Pesquisa em Estudos Culturais e Educação é tema de mesa

 

(14/05/2012) A professora Dra. Dilma Beatriz Rocha Juliano coordenou a mesa redonda “Pesquisa em Estudos Culturais e Educação”, que foi composta também por mestrandas e por doutorandas do PPGCL, no dia 10 de maio, na Sala de Pós-graduação 3, do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Estudos Culturais em destaque

 

Ao iniciar os trabalhos, a professora Dilma apresentou, em linhas gerais, os princípios políticos em torno dos quais se organizam os debates e as pesquisas em Estudos Culturais - EC, desde a Inglaterra dos anos 60, do século XX.

 

Ainda a título de introdução à mesa-redonda, a professora apresentou as proposições teórico-práticas e as concepções de cultura com as quais lidam os EC.

 

Salientando que os Estudos Culturais valem-se de uma gama complexa e extensa de campos teóricos para aproximar suas pesquisas das mais variadas formas de cultura, foi afirmado o caráter transdisciplinar dos EC, incluindo-se a Educação também como área importante de pesquisa e intervenção política.

 

A mesa foi composta também pelas seguintes pesquisadoras que direcionaram o debate para campo das pesquisas em Educação:

 

Me. Silvia Régia Chaves de Freitas Simões – Os ciganos e o ensino formal

 

Me. Suzanne Mendes Valentini – A música e a estética da linguagem sem fronteiras

 

Mestranda Alinne Perrone Auzier de Andrade – As mídias e a educação infantil

 

Mestranda Josane Fernanda Lisboa Chimkevicz – A formação de educadores do Pró-Jovem

 

Mestranda Daiane Nara de Oliveira Nogara – Uma abordagem da dramaturgia no ensino médio

 

Mestranda Fernanda Medeiros Alves Besouchet Martins – O ensino da matemática como linguagem cultural

 

PPGCL


Mídia e conhecimento em destaque no IV SIMFOP

 

(14/05/2012) A professora Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes coordenou a mesa redonda intitulada “Mídia e Conhecimento: perspectivas sobre a formação do Imaginário Social”, na última quinta (10), na Sala de Pós-graduação 4, do Campus de Tubarão da Unisul. A atividade compôs o IV SIMFOP.

 

Discutindo os discursos midiáticos

 

A mesa fez uma discussão sobre os discursos midiáticos enquanto manifestação simbólica e formadora da noção de realidade, tendo como inter-relação o papel da Ciência e da Educação.

 

A partir da noção de Imaginário Social enquanto propulsor da socialidade contemporânea, foram tratados de conceitos como Imagem, Habitus, Mediações, Espetáculo, Linguagem, entre outros.

 

Coordenada pela professora Heloisa e tendo como participantes os seus orientandos, a mesa trouxe discussões interdisciplinares envolvendo as áreas de Literatura, Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Desenho Animado e Moda com o intuito de promover uma reflexão sobre a mídia como formadora da ética e da estética pós-moderna. Além disso, propôs problematizar a contribuição das mídias na integração das sociedades e sua possível atuação no contexto educacional, já que a ambiência social, cada vez mais, tem exigido este entrelaçamento.

 

Após a mesa, a professora Heloisa apresentou comunicação oral intitulada “Rede social mirim: Mundo do Sítio como uma tecnologia de sedução ao Imaginário Infantil”. O trabalho fez uma discussão sobre a linguagem do ambiente virtual, em especial o referido objeto como ferramenta de atualização ao universo imagético proposto por Monteiro Lobato.

 

“Através de um espaço interativo e colorido, coloca-se como possibilidade de discussão da Literatura clássica brasileira no ambiente escolar. Analisando o referido objeto pela perspectiva teórica do Imaginário Social, neste caso o infantil, proposto por Michel Maffesoli, discute-se como novas perspectivas de linguagem configuram-se na estética pós-moderna”, explica.

 

PPGCL


Mesa discute Identidades e Migrações

 

(14/05/2012) A mesa redonda “Representações, Migrações e Cultura Digital”, coordenada pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá, reuniu mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e do Grupo de Pesquisa “Linguagem, Estética e Processos Culturais”, na tarde da última quinta (10), na sala de Pós-Graduação 5 do Campus de Tubarão da Unisul. A atividade integrou o IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP.

 

Falando sobre as culturas digitais

 

Antes das apresentações, a professora Jussara falou sobre os objetivos da mesa. Segundo ela, a ideia é mostrar como as culturas digitais inserem-se nas manifestações culturais investigadas. “Nosso objetivo é entender o que é cultura digital e avaliar o impacto dela sobre as manifestações culturais”.

 

O doutorando Fábio Bittencourt Cadorin trouxe à tona as questões que envolvem a implantação da TV Digital no Brasil. Ele estuda os possíveis impactos dessa nova tecnologia sobre as identidades culturais. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Meta Pesquisas de Opinião em 2011, a televisão está presente na vida de 96,6% dos brasileiros. Para Cadorin, esse fato justifica seus estudos. Uma das hipóteses sugeridas por ele no trabalho é a de que, com a televisão digital, as pessoas vão ter mais poder de influência sobre a programação das emissoras.

 

Outro trabalho apresentado, que também está em andamento, foi o do doutorando Gutemberg Alves Geraldes Júnior. Ele estuda a possível participação do leitor como agente criativo na poesia de Paulo Leminski. O pesquisador defende que, quando lê, o leitor também se torna poeta. “O leitor passa por um processo criativo comparável ao processo do autor da poesia, de forma que há tanta poesia no emissor quanto no receptor”, argumentou. A ideia de Geraldes é perceber de que maneira essa participação se constroi.

 

Também foram apresentadas as pesquisas “Representações e migrações digitais da nação Rubro-Negra”, de Cláudia Formentim, “Videogames: um entrelugar de embates culturais”, de Cremilson Ramos, “Migrações poéticas: a antropofagia no rock”, de Suzana Tibúrcio e “Representações da arte em quadrinhos: um estudo sobre a estética de Mafalda”, de Silvana Souza.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Oficina trabalha a noção de variáveis

 

(10/05/2012) O professor Dr. Fábio José Rauen ministrou a Oficina “Pesquisa científica: discutindo a questão das variáveis” nesta última quinta (10) na Sala de Pós-Graduação 1 do Campus de Tubarão, da Unisul. A oficina integra as atividades do IV SIMFOP – Simpósio sobre Formação de Professores.

 

A importância das variáveis

 

Segundo Rauen, por variáveis definem-se quaisquer eventos, situações, comportamentos ou características individuais que assumem pelo menos dois valores discriminativos sejam eles qualitativos ou quantitativos.

 

Para o autor, tanto a quantidade de variáveis como suas relações permitem classificar os diversos tipos de pesquisas quantitativas e avaliar a pertinência de se adotar ou não uma hipótese na elaboração de pesquisas.

 

“Um pesquisador, por exemplo, pode-se ter interesse em descrever pelo menos uma variável quantitativa. Se esse é o caso, ele está diante de uma pesquisa descritiva e a adoção de uma hipótese depende de ele antever resultados do levantamento dessas características”, argumenta.

 

“Por outro lado, o pesquisador pode estar interessado na verificação de uma associação entre pelo menos duas variáveis quantitativas. Isso configura uma pesquisa correlacional. Ou ainda, o pesquisador pode estar interessado na percepção de uma conexão de causalidade pós-factual ou pré-factual, isto é antes ou depois dos fatos, entre pelo menos duas variáveis. No primeiro caso, temos as pesquisas ex-post-facto e, no segundo caso, as pesquisas experimentais”, esclarece.

 

Vários contextos de pesquisa

 

Rauen não se limitou a classificar as pesquisas, mas a apresentar as principais variáveis que compõem uma investigação científica.

 

“Estou defendendo o argumento de que há três contextos de pesquisa quando se consideram as diversas variáveis espúrias e as possibilidades de convertê-las em variáveis de controle ou de teste. Há um contexto mais interno, que eu estou chamando de experimental ou laboratorial, onde estão as variáveis independentes, moderadoras e dependentes. Em volta desse contexto experimental há um contexto causal, ainda intrínseco, onde podem ser acrescentadas as variáveis antecedentes, componentes e intervenientes. Por fim, mais externamente, há um contexto ampliado, onde podem ser pensadas variáveis extrínsecas, de supressão e de distorção”, diz o pesquisador.

 

Fábio José Rauen é docente e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul. Pós-doutor em Letras, é autor de três livros de metodologia científica e da pesquisa: “Elementos de iniciação à pesquisa”, de 1999; “Roteiros de investigação científica”, de 2002; e “Roteiros de pesquisa”, de 2006. Em breve, o pesquisador estará lançando o livro “Roteiros de iniciação à pesquisa: epistemologia, metodologia científica, produção acadêmica e técnica” pela Editora da Unisul.

 

O SIMFOP segue até sexta-feira (11) com diversas atividades acadêmicas.

 

PPGCL


Turma da Mônica e Menino Maluquinho em destaque

 

(14/05/2012) O professor Dr. Sandro Braga, PPGCL, participou da mesa redonda “Turma da Mônica e Menino Maluquinho: reflexão sobre gênero, infância e cinema”, na última quarta (9), no Salão Nobre do Campus de Tubarão da Unisul. A mesa, que integra o IV SIMFOP, foi composta também pelas professoras Me. Rosânia Maria Silvano Bittencourt, UNESC, e Dra. Tânia Mara Cruz, PPGE.

 

Propondo interface

 

A mesa propôs uma interface entre pesquisas desenvolvidas no contexto de sala de aula a partir da experiência discussões de temáticas de gênero tendo como ponto de partida a experiência da assistência fílmica.

 

O professor Sandro Braga apresentou uma análise discursiva da narrativa de desenho animado da Turma da Mônica (Mauricio de Souza), apontando os efeitos de sentido evocados dos discursos acerca dos temas abordados nesse texto.

 

“A importância desse tipo de pesquisa consiste na reflexão das práticas de leitura no contexto escolar, uma vez que pensar na formação de leitores é pensar como o próprio sujeito é constituído na sociedade em que atua”, comenta. “E ainda evidenciar a opacidade da linguagem apontando como os sentidos circulam em uma sociedade, marcados sempre por filiações históricas”, complementa.

 

A professora Tânia Mara Cruz falou acerca da pesquisa desenvolvida em parceria pelos Programas de Mestrado em Educação e Pós-Graduação em Ciências da Linguagem. Além disso, explanou sobre o projeto que está levando o texto audiovisual para sala de aula de alunos do ensino fundamental com o objetivo de fomentar a reflexão sobre o comportamento de meninos e meninas no processo de formação da cidadania.

 

A professora Rosânia Silvano Bittencourt apresentou uma pesquisa resultante de sua dissertação de mestrado que busca mostrar a importância de a escola promover a discussão de temas tabus relacionados à sexualidade humana.

 

PPGCL


SIMFOP 2012: doutores pedem mudança na educação

 

(10/05/2012) Os professores doutores em educação Celso dos Santos Vasconcellos e José Eustáquio Romão destacaram a necessidade de mudança no modelo de ensino adotado nas escolas e pediram ânimo aos professores, na noite desta terça-feira (8), no IV SIMFOP.

 

A substituição do modelo atual de ensino por uma prática mais humana

 

No auditório do Espaço Integrado da Unisul, Celso Vasconcellos trouxe as discussões levantadas em seu último livro “Currículo: a atividade humana como princípio educativo”, que dá nome a palestra. Doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP) e diretor do Liberdad - Centro de Pesquisa, Formação e Assessoria Pedagógica, sediado também na capital paulista, Vasconcellos iniciou sua fala definindo-se como “um homem esperançoso”, porque, afinal de contas, acredita que é possível mudar a educação.

 

Para isso, o palestrante defendeu a necessidade de deixar o senso comum. “Muitas vezes, o professor trabalha sem fundamento e repete um modelo de educação que existe desde que ele frequentava a escola, sem fazer nenhuma reflexão. Faz mecanicamente o que sempre foi feito”, observou. De acordo com o especialista, essa mudança de percepção do educador é fundamental para melhorar a qualidade do ensino.

 

Vasconcellos também não poupou críticas à formação do professor. Na visão dele, é preciso desfazer uma ideia que acompanha a maioria dos pretensos educadores: a de que eles já sabem tudo sobre a prática. “Isso acontece porque eles já passaram muito tempo no ambiente de sala de aula, mas do outro lado, como alunos. Essa experiência anterior provoca uma falsa impressão de que não precisam aprender como se dá aula, porque já sabem, porque já viram alguém fazer isso a vida toda. Mas não é bem assim”. De acordo com o doutor, é preciso derrubar esse preconceito para que os acadêmicos aprendam, de fato, a serem professores.

 

Pela segunda vez em Tubarão – a primeira visita foi em 2007, também em palestra na Unisul -, Celso Vasconcellos repetiu o que tem feito em conferências por todo o país: pediu aos professores que resgatem o motivo maior da opção pelo magistério, o de educar. Ele ressaltou a importância de uma prática de ensino mais humana, em detrimento da educação feita a partir de um currículo meramente mecânico – vigente na maioria das salas de aula. “A sala de aula deve ser um lugar de aprendizado, e não de classificação. Tentam fazer-nos acreditar que esse modelo de educação que está aí é o único possível. Mas não é”.

 

José Eustáquio Romão destacou os métodos de Paulo Freire

 

O educador Paulo Freire é reconhecido mundialmente como um dos mais notáveis pensadores da educação. Não há como falar em escola diferente sem mencionar seu nome. Por isso, o professor José Eustáquio Romão, doutor em História e em Administração Educacional pela USP, e um dos fundadores do Instituto Paulo Freire, veio ao SIMFOP 2012. Sua missão era reforçar a importância de Freire, destacando os pontos fundamentais de sua teoria. A conferência foi realizada na sala de pós-graduação 8, bloco sede da Unisul campus Tubarão, também na noite da última terça-feira (8).

 

Romão falou, entre outras coisas, sobre a teoria da “Inversão Freiriana”, segundo a qual a leitura de mundo precede a leitura da palavra. “A escola tem se dedicado a desenvolver a ciência. Quem desenvolve a consciência é a leitura do mundo, e é através dela que o aluno vai aprender”, argumentou. Ele defendeu, ainda, a importância do diálogo dentro da sala de aula. “Nós precisamos perceber o conhecimento que os alunos têm”, disse.

 

Amigo íntimo de Paulo Freire, José Eustáquio Romão contou algumas boas histórias durante sua fala. Entre elas, a da famosa experiência de Freire com camponeses no Rio Grande do Norte, ocorrida nos anos 60. Na ocasião, o educador alfabetizou, com sua equipe, 300 cortadores de cana em 45 dias, sem utilizar cartilha e em apenas 40 horas de aula. Foi ali que nasceu o Método Paulo Freire, proposta para alfabetização de adultos.

 

À época, a experiência chamou a atenção do presidente João Goulart, que aprovou a aplicação do método no Brasil e providenciou a criação de 20 mil Círculos de Cultura – na visão de Freire, os círculos deveriam substituir as escolas - por todo o país, a fim de executar o Plano Nacional de Alfabetização. Em 1964, entretanto, o golpe militar conteve a iniciativa.

 

A ideia básica de Freire, explorada por Romão durante a conferência, é de que é necessário “descolonizar as mentes”. Para ele, só dessa forma é possível conseguir a libertação e provocar uma mudança significativa no ensino brasileiro. “Precisamos ouvir o que o oprimido tem a nos dizer, porque, quando o oprimido se liberta, liberta também o opressor”, disse, em referência a um dos mais famosos livros de Paulo Freire, “Pedagogia do oprimido”, traduzido em 53 idiomas.

 

Romão destacou, dentro dessa mesma ideia, a necessidade de explorar outros conhecimentos e outras culturas. “Por que a educação está ruim? Porque estamos fazendo uma revolução paradigmática. Temos que ler outros autores, temos que ler autores indianos, autores africanos, autores brasileiros!”. Por fim, defendeu a utilização das ideias de Paulo Freire na prática das escolas. “O método de Freire faz sucesso onde foi posto em prática. Há experiências muito positivas. Temos que abandonar a cartilha neoliberal dos Estados Unidos e promover um ensino diferente. Essa revolução pode ser feita nas salas de aula, da porta pra dentro. Só depende de nós, professores”, finalizou.

 

Unisul Hoje (adaptado)


IV SIMFOP promove debates sobre alfabetização

 

(09/05/2012) As professoras Maria Sirlene Pereira Schlickmann, Rosicler Schafaschek e Leonete Luzia Schmidt participaram da mesa redonda intitulada “As classes de alfabetização no currículo de nove anos: determinantes legais e a prática cotidiana da escola”, na tarde da última terça (8), no Salão Nobre do campus de Tubarão da Unisul.

 

Discutindo o novo modelo de alfabetização imposto pelo currículo de nove anos

 

Na tarde desta terça-feira (8), as atividades do SIMFOP foram marcadas por discussões a respeito do processo de ensino e aprendizagem das crianças de seis anos, integrantes do ensino fundamental a partir da lei 11.274/2006.

 

No evento, as professoras Maria Sirlene Pereira Schlickmann e Rosicler Schafaschek falaram sobre os desafios dos educadores nesse novo modelo de escola, em que o ensino fundamental passa a ser de nove anos.

 

Na oportunidade, as professoras expuseram suas experiências sobre o tema, adquiridas a partir de suas pesquisas. A atividade foi coordenada pela professora doutora Leonete Luzia Schmidt, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisul.

 

Integrou o debate os trabalhos “A prática pedagógica com as crianças de seis anos no ciclo de alfabetização: entre limites e desafios” de Maria Sirlene Schlickmann, “O processo de ensino e aprendizagem nas turmas do ciclo de alfabetização” de Rosicler Schafaschek e “Alfabetização com letramento: a formação inicial e continuada e trabalho docente nas escolas da rede pública da região sul de Santa Catarina” de Leonete Luzia Schmidt.

 

Maria Sirlene Schlickmann destacou a necessidade de discutir o currículo dessa nova classe, desafio que gera muitas dúvidas nas escolas. Segundo ela, em muitos casos, as instituições de ensino têm utilizado o mesmo modelo pedagógico da antiga primeira série. Ela defendeu a necessidade de refletir sobre a melhor maneira de alfabetizar as crianças de seis anos.

 

Paralelamente a essa discussão, outra mesa redonda foi realizada na Sala de Pós-Graduação 4, no Bloco Sede da Unisul campus Tubarão. O tema discutido foi “A especificidade da docência na educação infantil”. Participaram do debate as professoras Rosa Batista e Luciane Pandini Simiano. A coordenação ficou a cargo da professora mestre Mariléia Mendes Goulart, coordenadora do curso de Pedagogia da Unisul.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Conferência de Abertura do SIMFOP discute trabalho, ciência e cultura

 

(08/05/2012) A professora Dra. Célia Regina Vandramini, UFSC, ministrou a conferência de abertura do IV Simpósio sobre Formação de Professores intitulada “Trabalho, ciência e cultura na escola”, nesta última segunda (7), no Espaço Integrado de Artes do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Acadêmicos e profissionais da educação na abertura do IV SIMFOP

 

A conferência de abertura do IV SIMFOP contou com a participação expressiva de acadêmicos e de profissionais da educação.

 

Segundo Célia Regina, pensar sobre a escola é pensar em três elementos fundamentais: trabalho, ciência e cultura. “Trabalho, ciência e cultura são os pilares que considero fundamentais na formação de um indivíduo”, comenta.

 

Ao longo da palestra, a professora afirmou que uma escola que sobrevive e que perdura é uma escola atual. “Mas o que é ser atual? O que é preciso ensinar e o que preciso aprender na atualidade? Que técnicas devem-se desenvolver e pensar para o meio em que se vive? Essas questões devem ser pensadas por nós educadores”, enfatiza.

 

De acordo com Célia, o conhecimento está aparentemente disponível para todos. “Contudo, sabemos que isso não é real. Assim como a cultura e a ciência também não estão disponíveis para todos. Elas são privatizadas e poucas pessoas acessam-nas”, problematiza.

 

O reitor em exercício, Sebastião Salésio Herdt, abriu o evento e enfatizou a importância que o simpósio tem para a Universidade. “A discussão e a programação do seminário tem seu valor na própria formação docente. A partir do momento em que a Unisul busca incentivar e coordenar este debate, ela enriquece a sua condição de formadora do licenciado”.

 

A diretora do campus Tubarão, Milene Pacheco Kindermann, que também participou da abertura do evento, completou a fala de Herdt ao citar os temas presentes no evento. “Educação infantil, alfabetização ambiental, espaços de aprendizagem, educação exclusiva, saúde, metodologias de estética e de linguagens, políticas públicas de remuneração e financiamento da educação brasileira e os problemas de sua efetivação são temas que estarão nos debates do evento”.

 

O SIMFOP segue até sexta-feira (11) nas dependências do bloco sede do campus de Tubarão da Unisul. Este ano, o seminário tem como tema “Currículo, Escola e Conhecimento”.

 

 

Unisul Hoje (adaptado)


Doutoranda do PPGCL publica artigo científico

 

(07/05/2012) Márcia Cristiane Nunes Scardueli, doutoranda em Ciências da Linguagem e policial civil, e Maria Aparecida Casagrande, policial civil, publicaram um artigo na Revista Impulso, da Universidade Metodista de Piracicaba, em São Paulo.

 

Abordando a temática da filosofia de Polícia Comunitária

 

O artigo elaborado pelas policiais abordou a temática da filosofia de Polícia Comunitária e, de forma especial, as facilidades e as dificuldades enfrentadas pelo Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) do município de Jacinto Machado (extremo sul catarinense), para sua implantação.

 

As policiais submeteram o artigo para análise e para seleção da revista em outubro de 2011 e tiveram o aceite para publicação em fevereiro, mas a edição da revista só foi efetivada agora no mês de abril.

 

Maria Aparecida é responsável pela Delegacia de Polícia Civil-DPMU de Ermo e Márcia atua na Delegacia da Mulher de Araranguá. Atualmente, ambas ministram aulas na ACADEPOL, no curso de Formação Policial.

 

No Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, Márcia defendeu em 2006 a dissertação intitulada “A representação da Delegacia da Mulher para policiais civis da 19ª Região Policial Catarinense”. No doutorado, Márcia vem realizando pesquisas relacionadas à Delegacia da Mulher.

 

Para conhecer o artigo, clique aqui.

 

PPGCL

IV SIMFOP está com inscrições abertas

 

(27/04/2012) O IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP está com inscrições abertas para comunicação oral e pôster até 30 de abril e para ouvinte até 07 de maio. O evento acontecerá entre os dias 07 e 11 de maio no campus de Tubarão da Unisul.

 

A ideia do Simpósio é contribuir para a formação de professores

 

O SIMFOP integra os Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ciências da Linguagem da Unisul. Segundo a professora Márcia Neu, uma das organizadoras do evento e coordenadora da UnA Humanidades e Artes, o evento reafirma a preocupação da Universidade com a formação dos educadores. “É importante pensar na formação permanente, uma vez que o professor nunca está pronto”, observa.

 

Ainda de acordo com Márcia, a ideia das atividades é contribuir para a formação dos docentes da região. “O nosso público-alvo são professores, educadores e estudantes, mas toda a comunidade pode participar”, ressalta. A comunidade externa pode assistir às palestras sem necessariamente efetuar inscrição. No entanto, neste caso, os participantes não recebem certificado.

 

Os professores do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisul, também organizadores do SIMFOP, Leonete Luzia Schmidt e André Boccasius Siqueira, destacam a importância da interação com os professores da educação básica. “Este é um dos nossos principais objetivos: promover a relação entre a Universidade e a educação básica”, diz Leonete. Já Siqueira ressalta que o SIMFOP é um novo espaço de reflexão para esses professores. “A ideia é mostrar quais são os novos conhecimentos e discussões da área”, afirma.

 

As atividades do SIMFOP contam com a participação de mestres e de doutores de diferentes universidades - além da Unisul -, como das Universidades Federais de Santa Catarina (UFSC), do Paraná (UFPR), do Rio Grande do Sul (UFRGS), da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISSINOS), Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) e Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). A programação completa pode ser conferida aqui.

 

O evento conta com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC). No ano passado, o Simpósio registrou mais de 500 inscrições. “É um prazer para a Unisul organizar e sediar esse evento de sucesso, que tem se consolidado a cada ano”, afirma Márcia.

 

Posteriormente, a organização pretende publicar um livro com o material das palestras e das atividades da comunicação oral.

 

Unisul Hoje (adaptado)


UnA da Educação prepara as certificações

 

(27/04/2012) Os professores da Unidade de Articulação Acadêmica (UnA) da Educação, Humanidade e Artes reuniram-se, na última quarta (25), para debater as certificações dos cursos de graduação que serão ofertadas no campus de Tubarão.

 

Seminário de Socialização da Certificação dos Processos Pedagógicos

 

No Seminário, cada coordenador apresentou as propostas das certificações que irão compor os futuros cursos de licenciatura.

 

Segundo a professora Márcia Fernandes Rosa Neu, coordenadora da UnA, o encontro teve o propósito de reconhecer as competências para, então, compor as certificações complementares.

 

No evento, estabeleceu-se uma agenda de trabalho que irá até 20 de maio, quando os projetos pedagógicos serão entregues à Pró-reitoria de Ensino. As certificações serão ofertadas em 2013.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Estudantes do PPGCL apresentarão trabalhos no Canadá

 

(26/04/2012) Hans Peder Behling, doutorando em Ciências da Linguagem e bolsista do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior – PDSE/CAPES, em estágio na Université de Montréal de fevereiro a julho de 2012; e Cynthia Hansen, mestranda em Ciências da Linguagem e bolsista CAPES/PROSUP, participarão do seminário “Le Brésil sous la loupe de jeunes chercheurs”, que será realizado nos dias 3 e 4 de maio na UQÀM – Université du Québec à Montréal no Canadá.

 

Estudos brasileiros em destaque

 

Organizado pelo Centro de Estudos e Pesquisas sobre o Brasil - CERB da UQÀM, o seminário tem por objetivo apresentar pesquisas de brasileiros (ou de estrangeiros sobre o Brasil) nas mais diversas áreas do conhecimento: artes e humanidades, ciências sociais, políticas e legislação, tecnologia e comunicações, etc.

 

Hans apresentará o trabalho intitulado “Repatriement d’objets guarani au Brèsil”, parte de seu projeto de doutorado qualificado no PPGCL. Cynthia apresentará o trabalho “Ronaldo Fraga: un regard sur la culture à travers la mode”.

 

Mais de vinte trabalhos serão apresentados por jovens pesquisadores. As apresentações serão seguidas por um período de perguntas. O idioma oficial do evento é o francês.

 

PPGCL


Prof. Sandro apresenta comunicação oral no 5º Seminário de Literatura

 

(26/04/2012) O professor Dr. Sandro Braga, PPGCL, apresentou a comunicação oral “Leitura fílmica: uma análise discursiva dos efeitos de sentido de temas abordados em filmes da Turma da Mônica” no 5º Seminário de Literatura Infantil e Juvenil que ocorreu entre os dias 11 e 13 de abril nas dependências da Universidade Federal de Santa Catarina.

 

Leitura em sala de aula é destaque

 

Segundo o professor, foi apresentada uma pesquisa em andamento sobre leitura em sala de aula.

 

“Entendemos a leitura, de forma ampla, como uma prática para além da materialidade da escrita. Para isso, propomos pensarmos nos processos de leitura de imagens em movimento. Investimos na perspectiva de que ler não é apenas decodificar palavras. Assim, ler é interagir. Para isso, é necessário saber ler o mundo, interpretá-lo e por fim reescrevê-lo”, explica.

 

A partir do exposto, de acordo com o professor, a pesquisa justifica-se pela necessidade da formação de leitores críticos, capazes de percorrer as tramas discursivas que levam um texto a produzir sentido. E mais, leitores que compreendam os caminhos que levam a um sentido dentro das possibilidades semânticas que um texto pode abarcar.

 

“Nossa compreensão de texto também é açambarcada em sua amplitude, assim o compreendemos não apenas no registro da linguagem verbal, mas como produto de registros múltiplos”, comenta. “Levando em consideração a ampliação da concepção de texto e de leitura, propôs-se a leitura de filmes da Turma da Mônica como instrumentalização para outros processos de leitura do mundo atual que é permeado de imagem e som”.

 

Assim, conforme o professor, a pesquisa, que se enquadra na linha teórica da Análise de Discurso (AD) de vertente francesa, teve o objetivo de analisar a partir de narrativas fílmicas da Turma da Mônica os discursos e os efeitos de sentido acerca dos temas abordados no texto cinético.

 

PPGCL


5º Seminário de Literatura é destaque

 

(26/04/2012) O 5º Seminário de Literatura Infantil e Juvenil – SLIJ, organizado pela UFSC em parceria com a UNISUL, ocorreu entre os dias 11 e 13 de abril nas dependências da UFSC.

 

Contextualizando o Seminário

 

O 5º SLIJ tem periodicidade bianual e reúne estudantes, professores e pesquisadores nas áreas de Educação, Psicologia, Biblioteconomia, Letras, interessados em debater sobre literatura infantil e juvenil e formação de leitores.

 

O evento é um projeto dos membros do Núcleo de Pesquisas e Ensino em Língua Portuguesa e Alfabetização (NEPALP), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação, do Centro de Ciências da Educação (CED) da UFSC.

 

Esta edição do seminário foi organizada em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), com o Núcleo de Estudos Negros (NEN), com o Programa de Educação Tutorial – Pedagogia (PET/UFSC) e com o Grupo de Pesquisa Escolarização, Práticas Docentes e Conhecimentos Pedagógicos.

 

Com 315 inscritos, o evento contou com a participação e com a apresentação de trabalhos provenientes de diversos estados brasileiros (MT, RS, RJ, SP, GO e SC). A Coordenadora Geral do 5º SLIJ, Profa. Dra. Eliane Debus (UFSC), recepcionou professores e pesquisadores que são referência nos estudos de literatura infantil e juvenil, reforçando o tom de responsabilidade e seriedade acadêmicas que a área e o tema de trabalho exigem.

 

No 5º SLIJ, como em versões anteriores, o ponto alto do evento foram os debates nas sessões de comunicação e nas plenárias reunidas para as mesas redondas, quando os participantes discutiram suas práticas e expuseram os referencias teóricos que pautam suas pesquisas.

 

O tema da diversidade, em especial a étnico-racial, direcionou algumas sessões de trabalho para o debate da Lei 10.639, que estabeleceu as diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais. Polêmicas educacionais e literárias tomaram os livros infantis e juvenis como artefatos culturais disponíveis para o cumprimento da referida lei, no que se refere à inadiável discussão da diversidade cultural.

 

Representação da UNISUL

 

As professoras Dra. Dilma Juliano e Me. Chirley Domingues, compondo a organização técnica e científica do evento, representaram a UNISUL, dando continuidade a uma parceria que vem desde os primeiros encontros da área. Examinar, compreender, refletir sobre e fazer a crítica da literatura infantil e juvenil é preocupação, sobretudo, estética e, nesse, sentido, a participação das professoras marca o lugar da pesquisa que as aproxima e às instituições em eventos dessa complexidade e importância social.

 

Contribuindo com a organização do evento, a UNISUL disponibilizou uma equipe de motoristas, técnicos em audiovisual e intérpretes de Libras.

 

PPGCL


Fragmentos do ethos do Colégio Dehon são objeto de dissertação

 

(13/04/2012) A professora Erly Perini Popoaski defendeu a dissertação intitulada “Escola vivida – fragmentos do ethos do Colégio Dehon: uma análise discursiva em depoimentos de alunos, professores e dirigentes”, na manhã desta sexta (13), na sala de treinamento da Unisul.

 

Dissertação destaca depoimentos sobre o Colégio Dehon

 

A dissertação de Erly, que atuou na gestão do Colégio Dehon durante aproximadamente 15 anos, constituiu-se numa análise discursiva a partir dos depoimentos de alunos, professores e dirigentes do Colégio Dehon, recortados do livro: “Memória Pedagógica do Colégio Dehon” (2008).

 

“A partir do referencial teórico da Análise do Discurso (Pêcheux e Orlandi) e da noção de ethos (Maingueneau), procurei problematizar os dizeres identificando processos e sentidos que os constituíram e os constituem”, comenta. “Assim, o estudo procurou compreender como os sujeitos e os sentidos se mostram [ethos] no espaço discursivo dos depoimentos”, completa.

 

Segundo Erly, ao recorrer ao termo ethos, procurou-se evidenciar a noção de corpo enunciante e cenografia (Maingueneau) que se apresentam na enunciação, ampliando para a compreensão da escola como organização cultural (Morgan).

 

“Esses cruzamentos permitiram pôr em evidência uma ação conjunta desse estabelecimento escolar sobre seus professores, alunos e dirigentes, articulada através de maneiras de conceber, de pensar, organizar e realizar a educação e a prática escolar”, explica.

 

De acordo com a pesquisadora, pôde-se constatar que a escola possui crenças, valores e significados compartilhados, fragmentados ou integrados, que se manifestam na linguagem e nos sentidos.

 

“Percebeu-se a presença de um ethos humanista que ultrapassa o tempo e a história e se faz presença na concepção de educação, na missão, nos objetivos, nas relações interpessoais, nos projetos interdisciplinares, no espaço físico e nos símbolos que fazem a maneira de ser do Colégio Dehon – ou seja, sua identificação histórica”, conclui.

 

A dissertação de Erly foi aprovada por banca formada pela professora Dra. Maria Marta Furlanetto, UNISUL, orientadora; pelo professor Dr. João Carlos Cattelan, UNIOESTE, avaliador externo; pela professora Dra. Albertina Felisbino, UNISUL, avaliadora interna; e pelo professor Dr. Sandro Braga, UNISUL, avaliador interno.

 

 

PPGCL


O discurso ordinário é tema de conferência

 

(13/04/2012) O professor Dr. João Carlos Cattelan, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, ministrou a conferência intitulada “O Discurso Ordinário: um estudo (do) trivial”, na manhã desta sexta (13), na sala de treinamento do Campus de Tubarão da Unisul.

 

Pesquisando as práticas de linguagem

 

Segundo Cattelan, “onde há práticas de linguagem, há algo de interesse para o linguista”. Esta foi a justificativa principal do autor para trabalhar o discurso ordinário ou trivial na academia. “Pretendo com isso desmontar o poder implícito na linguagem”.

 

Para o autor, por discurso ordinário, entende-se alguma manifestação da linguagem que pertence à ordem discursiva, contribui para ratificá-la, atende ao seu jogo, acontece em interações triviais e caracteriza-se por ser pouco memorizável. “Sua natureza permite que a análise revele o imaginário que ancora esses dizeres, como esse imaginário contribui para ratificar crenças e a quem interessa isso”.

 

Cattelan usa como corpus expressões do cotidiano que revelam camadas discursivas mais profundas. Para ilustrar, entre outros casos, ele citou a tatuagem “Só Deus pode me julgar” nas costas de um recém preso veiculada numa notícia televisiva. De acordo com o pesquisador, essa frase ratifica uma ordem discursiva religiosa; é trivial e efêmera (provavelmente sairá de nossa memória tão logo a câmera focasse outra imagem); contribui para reforçar uma ideia instituída. “Sua enunciação não produz uma nova memória; mas ratifica. Não origina outros enunciados; mas se alimenta deles”.

 

Na mesma manhã, o professor participou da defesa pública de dissertação de Erly Perini Popoaski.

 

PPGCL


Docentes e discentes do PPGCL participam de evento sobre Análise do Discurso

 

(11/04/2012) O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, PPGCL, esteve representado por vários docentes e discentes na 2ª Jornada Internacional de Estudos do Discurso – JIED e no 1º Encontro Internacional da Imagem em Discurso – EIID, que aconteceu entre os dias 28 e 30 de março na Universidade Estadual de Maringá, no Paraná.

 

O discurso em suas diferentes materialidades foi objeto de discussão

 

No evento, houve simpósios, mesas-redondas e comunicações com a participação de pesquisadores de instituições brasileiras e duas conferências com pesquisadores franceses. Nessas atividades, o discurso em suas diferentes materialidades foi objeto de discussão.

 

O PPGCL foi representado por docentes e discentes da linha de Texto e Discurso. A Profa. Solange Gallo participou da primeira mesa redonda do evento, debatendo o tema “Discurso e novas tecnologias da informação”. A Profa. Nádia Neckel participou da mesa-redonda que encerrou o evento, cuja temática foi “Superfícies de inscrição: enunciado, arte e sentido”.  

 

Já as professoras Andréa Daltoé e Giovanna Flores participaram dos simpósios “Discurso, política e mídia”; e o professor Sandro Braga coordenou o GT “Discurso, identidade e subjetivação”.

 

O evento contou, ainda, com a presença dos doutorandos Andréa Volpato Wronski, Claudinei Zunino, Clésia da Silva Mendes Zapelini, Helena Iracy Cerquiz Santos Neto, Maria Sirlene Pereira Schlickmann, Marilene Teresinha Stroka, Patricia da Silva Meneghel, Regina Aparecida Miléo de Paula e Sueli Regina de Oliveira com apresentação de comunicações nos simpósios.

 

“O evento trouxe o discurso como objeto de discussão em suas diferentes materialidades, permitindo a integração e a socialização de estudos realizados por pesquisadores nacionais e internacionais, além de possibilitar o estreitamento de relações interinstitucionais que podem fazer nascer novos eventos e parcerias”, comenta a professora Andréia Daltoé.

 

A 2ª Jornada Internacional de Estudos do Discurso – 2ª JIED teve por objetivo sedimentar os estudos do discurso na pluralidade de olhares de pesquisadores nacionais e internacionais. Com essa mesma finalidade foi realizado, juntamente com a 2ª JIED, o 1º Encontro Internacional da Imagem em Discurso - EIID, com enfoque na imagem em sua complexidade constitutiva.

 

PPGCL


Tese analisará o sujeito no ensino a distância

 

(10/04/2012) Patrícia da Silva Meneghel defendeu o projeto de tese intitulado “O sujeito que se constrói no ensino a distância: uma reflexão discursiva acerca das singularidades designáveis na estrutura e no acontecimento”, na tarde da quarta-feira (4), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Reflexão filosófica/discursiva

 

A pesquisa de Patrícia tem o objetivo de analisar o sujeito que se constrói no ensino a distância, por meio de uma reflexão filosófico-discursiva sobre as singularidades designáveis na estrutura e no acontecimento.

 

“Nesta pesquisa pautaremos nossa análise utilizando como corpus materialidades do contexto da graduação totalmente a distância, das disciplinas a distância (DAD) de cursos presenciais, e, ainda, trabalharemos no limiar comparativo entre essas duas formas administrativas de ações do ensino a distância, refletindo acerca do sujeito que se constitui em um e/ou outro modo na relação de ensino-aprendizagem”, explica a estudante.

 

Segundo a estudante, a singularidade não será o ponto de partida para a pesquisa, mas ela deve permear toda a análise e a reflexão acerca da estrutura e do acontecimento que marca o ensino a distância e atravessa os sujeitos no contexto enunciativo, no ato de ensinar e aprender e, ainda, no aprender e ensinar, visto que o ensino a distância, tal como se caracteriza no contemporâneo, é permeado por novas práticas pedagógicas.

 

O projeto de tese de Patrícia foi aprovado por banca formada pelos professores Sandro Braga, UNISUL, orientador; Pedro de Souza, UFSC, avaliador; e Maria Marta Furlanetto, UNISUL, avaliadora.

 

Edna Mazon


Dissertação analisa o processo de autoria em trabalhos de conclusão de curso

 

(10/04/2012) A estudante Juliana Melek Bublitz defendeu a dissertação intitulada “O processo de autoria e a constituição da identidade em trabalhos de conclusão de curso de alunos de administração – uma análise discursiva”, na última quarta (4), no Cine Pedra Branca, Bloco A, do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Avaliando trabalhos de conclusão de curso

 

De acordo com a estudante, a pesquisa buscou analisar, com base na Análise do Discurso de Linha Francesa, trabalhos de conclusão de curso (TCC) de alunos de um curso de graduação em Administração com o objetivo de compreender o processo de autoria em suas relações com a identidade da profissão de administrador.

 

“Utilizei como corpus Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) de alunos do Curso de Administração (1º semestre de 2011) de uma Universidade de Florianópolis, totalizando seis TCCs, orientados por três professores (dois trabalhos por orientador)”, explica. “A delimitação do corpus foi estabelecida para verificar a possibilidade de encontrar marcas da posição-sujeito-administrador nos textos, no processo de autoria”, completa.

 

Segundo a estudante, a escolha do tema foi impulsionada pelo fato de ser formada em Letras.

 

“Por ser formada em Letras, embora não atue com professora, tenho a tendência de relacionar os estudos que tenham proximidade com essa área”, comenta. “Assim, despertou-me a curiosidade em trabalhar com uma área que não fosse tão específica e, após pensar em várias alternativas, optei pelo curso de Administração”, complementa.

 

A dissertação de Juliana foi aprovada por banca formada pela professora Dra. Maria Marta Furlanetto, orientadora; pela professora Dra. Maria Ester Wollstein Moritz, UFSC, avaliadora externa; e pela professora Dra. Solange Maria Leda Gallo, UNISUL, avaliadora interna.

 

Edna Mazon


Viagem de estudos analisa legados culturais de Orleans 

 

(09/04/2012) A professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá e os alunos da disciplina “Migrações: linguagem e identidade cultural” foram conhecer o Museu ao Ar Livre de Orleans, na última quinta (29). Essa disciplina, assim como o projeto “Identidades e Migrações”, caracteriza-se por pesquisar, estudar e analisar in loco os legados culturais da região sul do Estado de Santa Catarina.

 

Estudos sobre manifestações culturais

 

O projeto e a disciplina consistem em estudos sobre manifestações culturais orais, escritas, visuais, áudio visuais e midiáticas, produzidas em diferentes tempos.

 

“Nosso objetivo é detectar e analisar manifestações culturais como constructo da identidade e dos movimentos migratórios; e mais especificamente, evidenciar as manifestações culturais como registro da história e memórias, avaliar os vestígios das etnias e suas imigrações, e promover reflexões sobre as identidades que se depreendem a partir dos registros”, explica Jussara.

 

No que se refere à visita ao Museu ao Ar Livre de Orleans, a pesquisadora considera que todos ficaram satisfeitos com a pesquisa in loco.

 

“Fomos muito bem recepcionados pela reitoria e assessorados pelos professores da UNIBAVE e colaboradores do Museu ao Ar Livre e do Arquivo Histórico. Constatamos que essas instituições possuem um rico acervo da história e da cultura dos imigrantes e dos autóctones do Sul de Santa Catarina. O contato com esse material foi extremamente importante para os objetivos da disciplina e do Projeto de Pesquisa”, comenta.

 

O museu é uma instituição permanente, aberta ao público, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento, que adquire e conserva pesquisa, expõe e divulga as evidências materiais e os bens representativos do homem e da natureza, com a finalidade de promover o conhecimento, a educação e o lazer.

 

PPGCL


Reitor do UNIBAVE recebe doutorandos e mestrandos do PPGCL

 

(09/04/2012) Na tarde da quinta-feira (29), um grupo de doutorandos e de mestrandos em Ciências da Linguagem visitou o Centro Universitário Barriga Verde – UNIBAVE, acompanhados da professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá. Em Orleans, o grupo foi recepcionado pelo professor Me. Celso de Oliveira Souza, Reitor, e pelo professor Me. Alcionê Damásio Cardoso, Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão.

 

Conhecendo o Patrimônio Cultural do UNIBAVE

 

O objetivo da visita foi conhecer o Patrimônio Cultural do UNIBAVE, uma vez que a disciplina dos estudantes é Identidade e Migração.

 

Participaram do evento os estudantes: Alcionê Damásio Cardoso, Cremilson Oliveira Ramos, Marlene Rodrigues Brandolt, Reginaldo Paulo Giassi, e Silvana Colares Lúcio de Souza.

 

A UNIBAVE desenvolveu importantes projetos culturais como o Museu ao Ar Livre, único do gênero na América Latina, as Esculturas do Paredão e criou uma Biblioteca Comunitária. No setor educacional, o centro possui diversos cursos de bacharelado e licenciatura.

 

UNIVABE (adaptado)


Vida e movimento na arte é tema de projeto de tese

 

(04/04/2012) Alexandra Filomena Espindola apresentou o projeto intitulado “Gonzaga Duque: vida e movimento”, na terça-feira (27), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul, como sequência das qualificações de projetos de tese do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem.

 

A vida e o movimento em arte na concepção de Gonzaga Duque

 

Alexandra pretende compreender como Gonzaga Duque (crítico do final do século XIX e início do XX) concebe a vida e o movimento na arte. Estudando os escritos de Gonzaga Duque há sete anos, a doutoranda explica que este crítico não define vida nem movimento, mas que estas são palavras recorrentes nas críticas de arte desse autor.

 

“Proponho analisar como a vida e o movimento apresentam-se na arte a partir do olhar de Gonzaga Duque. Para isso, tenho de resgatar a noção de vida e de movimento na arte desenvolvida na dissertação de mestrado com o intuito de aprofundar essas noções para que eu possa torná-las mais amplas e densas”, esclarece a estudante.

 

De acordo com Alexandra, as noções de vida e movimento na arte, em Gonzaga Duque, partem da concepção do realismo do final do século. “Para a tese, essas noções serão levadas para o século XX com o intuito de entender como elas se confrontam, se negam ou ressoam uma na outra”, comenta.

 

O projeto de tese de Alexandra foi aprovado por banca formada por Antonio Carlos Santos, orientador; Alessandra Soares Brandão e Ramayana Lira de Sousa, avaliadoras do PPGCL.

 

Edna Mazon


Projeto de tese analisa o discurso radiofônico no “apagão” de Florianópolis

 

(04/04/2012) A doutoranda Helena Iracy Cerquiz Santos Neto defendeu o projeto de tese intitulado “A fragilidade do urbano e a questão da memória no rádio: a Rádio CBN/Diário e o 'apagão' na parte insular de Florianópolis em 2003”, na segunda (26), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

O “apagão” em Florianópolis no ano 2003 motivou a pesquisa

 

O acidente aconteceu em uma das galerias da Ponte Colombo Salles, que liga Florianópolis ao Continente, quando técnicos das Centrais Elétricas de Santa Catarina – CELESC, ao fazerem a manutenção da rede elétrica, foram surpreendidos pela explosão de pequeno fogareiro a gás que estava sendo usado para iluminar a obra. Em virtude disso, a Ilha ficou às escuras por cerca de três dias, 29, 30 e 31 de outubro de 2003.

 

“Para realizar esta pesquisa, proponho-me a tomar o caso “apagão” em Florianópolis como exemplar para, a partir dele, construir uma análise discursiva abrangente, uma vez que se trata de um acontecimento social que passou a ser tomado como um grande acontecimento jornalístico a partir da cobertura radiofônica que recebeu”, explica Helena.

 

 “O rádio, fazendo parte do rol dos meios de comunicação de massa, como o jornal e a televisão, funciona em geral como um mediador – o que não foi diferente no ‘apagão’, onde os cidadãos atingidos pela falta de luz utilizavam o rádio a pilha para se atualizarem sobre o acontecimento”, comenta a estudante.

 

 “O gesto de análise permitirá estudar o meio ‘rádio’ em sua relação com as noções de urbano e de cidadão contemporâneo próprios da cultura da convergência e uma situação de um acontecimento social inusitado”, finaliza.

 

O trabalho foi aprovado por banca composta pelos professores Solange Maria Leda Gallo, orientadora; Giovanna Benedetto Flores; e Andréia da Silva Daltoé. Também participou das discussões o professor do curso de Jornalismo da Unisul, Luciano Bitencourt.

 

Edna Mazon


Tese discutirá relação entre as linguagens verbal e não verbal imagética

 

(27/03/2012) Cristiane Gonçalves Dagostim defendeu o projeto de tese intitulado “A relação entre linguagem verbal e linguagem não verbal imagética: funcionamento e efeitos de sentido nas práticas de alfabetização e letramento”, na tarde da última sexta (23), na sala de treinamento do campus de Tubarão da Unisul.

 

Pesquisa analisa práticas de alfabetização e de letramento

 

O trabalho de Cristiane está vinculado ao projeto “Alfabetização com letramento: a formação inicial e continuada e trabalho docente nas escolas da rede pública da região sul de Santa Catarina” do Observatório da Educação - CAPES/INEP.

 

“Esse projeto maior, proposto pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisul, tem o objeto de compreender os processos de alfabetização com letramento no âmbito da formação inicial e continuada e do trabalho docente nas redes de ensino estadual e municipal da região sul de Santa Catarina, microrregião da AMUREL”, explica.

 

Em consonância com essa proposta, o projeto de tese de Cristiane tem o objeto de compreender como ocorre a inserção da linguagem não verbal imagética nas práticas de sala de aula com vistas ao desenvolvimento da oralidade e da escrita no processo de alfabetização-letramento.

 

“Esse estudo, justifica-se pelo fato de haver poucas pesquisas relacionadas ao uso de textos não verbais imagéticos como auxiliares no processo de alfabetização-letramento; pela dificuldade que o aluno encontra ao interpretar a partir da linguagem não verbal, porque cria uma realidade com base em suas experiências (subjetividade e fatores sócio-históricos e culturais); e porque poderá auxiliar em práticas de ensino que tomem o letramento imagético como uma via para alfabetização e letramento”, argumenta.

 

O projeto de tese de Cristiane foi aprovado por banca formada pelas professoras Maria Marta Furlanetto, PPGCL, orientadora; Leonete Schmidt, PPGE, coorientadora; Heloisa Juncklaus Preis Moraes e Andréia da Silva Daltoé, avaliadoras do PPGCL.

 

Na foto principal, tem-se a apresentação da estudante. Mais abaixo, a banca avaliadora.

 

 

PPGCL


Memória discursiva é tema de projeto de tese

 

(20/03/2012) Marilene Teresinha Stroka apresentou o projeto intitulado “Memória em movimento: do esquecimento à lembrança”, nesta segunda-feira (19), no Cine Pedra Branca do Campus da Grande Florianópolis da Unisul, como sequência das qualificações de projetos de tese do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem.

 

A memória discursiva do imigrante da região Norte de Santa Catarina

 

Marilene busca analisar como os discursos produzem-se e fixam-se como memória e como esquecimento para os imigrantes alemães que colonizaram o planalto norte de Santa Catarina na região da Estrada Dona Francisca, por meio da teoria da Análise do Discurso.

 

“Proponho com esta pesquisa demonstrar como a memória do sujeito imigrante transita nas várias formações discursivas, e como os sentidos podem estabilizar ou re-significar na construção dessa nova nação enquanto lugar simbólico, que não é o Brasil, pois esse sujeito não se identifica plenamente com a memória de nação brasileira, uma vez que não se trata exatamente de ‘nação’ alemã porque esse sujeito está determinado por um tempo histórico e por um espaço social que já não é realidade ‘lá’”, explica a estudante.

 

Segundo Marilene, o estudo está ligado a sua origem familiar. “Minha relação com este estudo está marcada pela ligação de origem familiar com os imigrantes que vieram para o Brasil no final do século XIX, e com as minhas próprias memórias que se apresentam marcadas no cotidiano, como no cultivo de jardins, hábitos alimentares e marcas da memória que se cunham no esquecimento pela naturalização”, comenta.

 

O projeto de tese de Marilene foi aprovado por banca formada pelas professoras Solange Maria Leda Gallo, orientadora; Dilma Beatriz Rocha Juliano e Nádia Régia Maffi Neckel, avaliadoras do PPGCL.

 

Edna Mazon


Projeto de tese aborda a emoção como acontecimento discursivo

 

(19/03/2012) A estudante Rosa Cristina Ferreira de Souza apresentou o projeto de tese intitulado “A emoção como acontecimento discursivo: efeitos de sentido produzidos pelo discurso de professores de educação infantil sobre emoções manifestadas por crianças”, nesta última sexta (16), na sala de treinamento do bloco sede da Unisul.

 

Discurso do professor frente a manifestações de emoções por crianças

 

A pesquisa de Rosa busca responder que efeitos de sentido são produzidos no (pelo) discurso do professor frente a manifestações de emoções por crianças.

 

Para responder essa pergunta, segundo a doutoranda, objetivo geral da pesquisa será o de analisar os efeitos de sentido produzidos no e pelo discurso do professor frente a manifestações de emoções por crianças e, mais especificamente, identificar os efeitos de sentido que emergem no discurso do professor, analisar a posição-sujeito do professor e analisar as condições de produção do discurso do professor.

 

Segundo a estudante, o corpus da pesquisa será desenvolvido a partir de dados obtidos diretamente no ambiente escolar, a partir do emprego da técnica de observação participante, e a utilização de anotações e gravações em áudio e vídeo, além de entrevista semiestruturada com os professores.

 

“A técnica de entrevista será utilizada com três professores habilitados, que atuem, respectivamente, nas turmas I, II e III da Educação Infantil”, esclarece a autora.

 

De acordo com a professora Maria Marta Furlanetto, orientadora, a proposta de Rosa é bastante desafiadora. “Embora haja pesquisadores que se dedicam ao estudo das emoções (na semiolinguística, por exemplo), não conhecemos trabalhos com esse foco na Análise de Discurso inspirada por Pêcheux, que é a perspectiva teórica dessa proposta”, comenta.

 

O projeto de tese de Rosa foi aprovado por banca formada pela professora Maria Marta Furlanetto, orientadora; pelo professor Sandro Braga; e pelo professor Maurício Eugênio Maliska.

 

PPGCL


A nação na arena é tema de projeto de tese

 

(19/03/2012) A estudante Cláudia Nandi Formentin defendeu o projeto de tese intitulado “A nação na arena: construção da nação rubro-negra a partir de manifestações culturais”, na última sexta (16), na sala de treinamento do bloco sede da Unisul.

 

Clube de Regatas Flamengo é objeto de tese

 

A hipótese da pesquisa, segundo a estudante, é a de que pode haver similitudes na representação do imaginário de nação e do Clube de Regatas Flamengo. Para isso, Cláudia pretende avaliar essas intersecções em discursos da mídia, canções e blogs.

 

“Para atingir o objetivo proposto, serão selecionados diferentes materiais publicados sobre o Clube de Regatas Flamengo como objeto para a construção da análise: canções, material de veículo impresso e televisivo bem como textos publicados em blog”, explica a estudante.

 

“Pretende-se com o desenvolvimento deste estudo evidenciar a importância do papel da linguagem e da cultura para construção do imaginário da identidade nacional, em especial, a da ‘nação rubro-negra’”, completa.

 

O trabalho foi aprovado por banca formada pelos professores Jussara Bittencourt de Sá, orientadora; Heloisa Juncklaus Preis Moraes; e Sandro Braga.

 

PPGCL


Projeto de tese discute o discurso feminista

 

(19/03/2012) A doutoranda Adriana de Oliveira Limas Cardozo defendeu o projeto de tese intitulado “O discurso feminista e sua relação com a concepção de feminino na Psicanálise”, nesta última quinta (15), na sala de treinamento do bloco sede da Unisul.

 

Inquietações de pacientes diante da sexualidade motivaram a pesquisa

 

Segundo Adriana, que é psicanalista e docente da Unisul, o interesse pelo tema surgiu de sua experiência clínica, quando da escuta de pacientes que marcam suas inquietações diante da sexualidade, o que se reflete diretamente na relação estabelecida com seus parceiros.

 

“Esta pesquisa pretende analisar, com base na Análise do Discurso de linha francesa e na Psicanálise, o discurso feminista e suas relações com a concepção de feminino na Psicanálise”, explica a estudante.

 

“Busco, através da articulação proposta, identificar os indícios de negação da castração no feminino, através das manifestações discursivas inseridas no movimento criado pelas mulheres, partindo-se da premissa de que esta é uma condição inconsciente que se mostra na linguagem, e que, portanto compõe uma formação discursiva onde se evidencia o feminino como uma posição subjetiva constituída pela diferença”, complementa.

 

De acordo com a estudante, a hipótese da pesquisa refere-se à possibilidade do discurso feminista ser uma reação de negação à castração e à posição feminina, segundo a concepção psicanalítica referente a uma das possibilidades de saída para as mulheres frente à castração.

 

O trabalho foi aprovado por banca composta pelos professores Maurício Eugênio Maliska, orientador; Carlos Augusto Remor, avaliador externo; e Andréia da Silva Daltoé, avaliadora interna.

 

PPGCL 


PPGCL tem primeira qualificação de projeto de tese presencial

 

(19/03/2012) A estudante Regina Aparecida Milléo de Paula apresentou o projeto de tese intitulado “O processo de constituição da função autor na EAD”, nesta última quarta (14), no Cine pedra Branca, Bloco A, do Campus da Grande Florianópolis da Unisul. Essa apresentação deu início às qualificações presenciais de projeto de tese.

 

Projeto visa compreender as possibilidades de textualização do sujeito-autor na posição de aluno da EAD

 

A pesquisa de Regina tem por objetivo compreender as possibilidades de textualização do sujeito enquanto autor na posição de aluno da Educação à Distância (EAD), no Ambiente Virtual de Aprendizagem do Portal (AVA), a partir da base teórico-analítica da Análise do Discurso (AD).

 

“Ao desenvolver este estudo pretendo refletir sobre experiências vividas em um curso oferecido nesta modalidade: corretora de redações; revisora de material didático; professora conteudista; assistente; titular; coordenadora acadêmica e coordenadora de avaliação”, comenta Regina.

 

Segundo a estudante, em linhas gerais, sabe-se que a EAD é uma forma de educação em que os alunos e o professor não se encontram, continuadamente, um na presença do outro. “A ausência física denota que a maior parte da comunicação professor-aluno se realiza por meio de uma tecnologia. No caso do curso em questão essa tecnologia/ferramenta usada é a webtutoria, um dos métodos de ensino e forma de interação que não está isento de limitações”, comenta.

 

O projeto de tese de Regina foi aprovado por banca formada pelas professoras Solange Maria Leda Gallo, orientadora; pela professora Dulce Márcia Cruz, UFSC, avaliadora externa; e pela professora Nádia Régia Maffi Neckel, UNISUL, avaliadora interna.

 

Na foto principal, um flagrante da apresentação. Mais abaixo, a banca avaliadora.

 

 

Edna Mazon 


Professor Fernando participa de programa de TV

 

(19/03/2012) O professor Fernando Vugman participou do programa CurtaDoc no SESCTV, no último dia 13 de março. Na ocasião, o professor falou a respeito de documentários sobre os poetas Mário Quintana e Cruz e Sousa.

 

Um espaço para a difusão de curta-metragem

 

O CurtaDoc é um programa de TV realizado pelo SESCTV desde 2009 e disponível também na internet a partir de 2011. Seu objetivo é abrir mais um espaço para a difusão de curta-metragem e promover o debate sobre o próprio fazer documentários.

 

Em cada episódio do programa, além da exibição dos filmes de curta-metragem, é sempre incluída uma entrevista com um especialista em cinema para que comente sobre os filmes exibidos.

 

Neste episódio da segunda temporada do CurtaDoc no SESCTV foram exibidos documentários sobre os poetas Mário Quintana e Cruz e Sousa. O primeiro foi lembrado por crianças em “Pequenos Tormentos da Vida” (2006), de Gustavo Spolidoro, enquanto o segundo recebeu uma homenagem poética em Cruz e Sousa – a volta de um desterrado (2007), de Cláudia Cárdenas e Rafael Schlichting.

 

O convidado especial que comentou esses filmes foi o professor Fernando Vugman, escritor, editor da revista Crítica Cultural, professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e dos cursos de Cinema e realização audiovisual e de Letras, da UNISUL.

 

PPGCL


Seminário de Literatura será realizado em abril

 

(12/03/2012) O 5º Seminário de Literatura Infantil e Juvenil de Santa Catarina – SLIJSC ocorre nos dias 11, 12 e 13 de abril na Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Trindade, Florianópolis. O PPGCL é parceiro na organização do evento.

 

O evento pretende congregar pesquisadores de diversas regiões do Brasil

 

O Seminário pretende congregar pesquisadores brasileiros num ambiente de discussões e troca de experiências; possibilitar a divulgação de estudos teóricos e aplicados que possam contribuir para releituras de diferentes enfoques e abordagens e também aproximar o professor-leitor de escritores e de suas produções literárias para ampliação de conhecimentos sobre a literatura infantil e juvenil.

 

São eixos temáticos do evento: Literatura infantil e juvenil e a temática africana e a afro-brasileira; Literatura infantil e juvenil e a temática indígena; Literatura infantil e juvenil e inclusão social; Literatura infantil e juvenil e escola; e Letramento literário e novas tecnologias.

 

Na programação estão previstas palestras, mesas-redondas, minicursos e apresentação de pôsteres.

 

A representante do PPGCL no evento, professora Dilma Beatriz Juliano, afirma que a expectativa do público é grande e que a cada ano o evento torna-se mais importante.

 

 “O Seminário já está compondo o calendário de eventos para professores e pesquisadores de literatura infantil e juvenil, do sul do Brasil. Considerado um espaço privilegiado de trocas e atualizações tão necessário ao cotidiano educacional, o evento vem atraindo um número crescente de pessoas. Cada ressaltar que, apesar do enfoque educacional, os debates promovidos expandem o universo escolar e agregam apaixonados pela literatura e pesquisadores da estética das narrativas destinadas a crianças e adolescentes”, comenta.

 

Para informações sobre normas para submissão de trabalhos e inscrições clique aqui.

 

Edna Mazon


Ciências da Linguagem abre processo seletivo 2012

 

(05/03/2012) Os cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências da Linguagem da Unisul estão com inscrições abertas para a seleção 2012. Os candidatos podem se inscrever até o dia 30 de março. O estudante ainda pode optar por realizar o curso no campus de Tubarão ou no campus da Grande Florianópolis.

 

Discutindo as múltiplas linguagens

 

O curso de mestrado é direcionado para todos os candidatos portadores de diploma de ensino superior em caráter pleno reconhecido no Brasil. Já para o curso de doutorado, os candidatos devem portar o diploma de curso de mestrado reconhecido no Brasil. Ambos os cursos são para qualquer área do conhecimento, só é necessário que os candidatos considerem relevante o aprofundamento de questões ligadas às múltiplas linguagens.

 

Para os aprovados no mestrado e no doutorado, as aulas ocorrerão no campus da Grande Florianópolis nas segundas e terças-feiras, nos turnos matutino e vespertino e no campus de Tubarão nas quintas-feiras, nos turnos vespertino e noturno, e nas sextas-feiras, nos turnos matutino e vespertino.

 

O processo seletivo de ambos os cursos passará por duas etapas. A primeira é a avaliação do conhecimento do candidato, através de exame escrito, e a segunda é a classificação dos candidatos aprovados em cada linha de pesquisa.

 

Unisul Hoje (adaptado)


PPGCL tem projeto aprovado na FAPESC

 

(05/03/2012) O PPGCL teve projeto aprovado no Edital Pró-eventos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - FAPESC para realização do I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia, em Pedra Branca.

 

I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia

 

O I Seminário Nacional Discurso, Cultura e Mídia será realizado nos dias 25 e 26 de junho no campus da Pedra Branca. A programação será divulgada em breve.

 

O evento será promovido pelo PPGCL, pelo Núcleo de Pesquisa Discurso Cultura e Mídia, pelo Curso de Comunicação Social Jornalismo e Propaganda, pelo Curso de Cinema e Realização Audiovisual e pela Revista Ciência em Curso.

 

O seminário pretende congregar pesquisadores do Sul e do Sudeste do País que estejam discutindo em suas pesquisas a imbricação do discurso, da cultura e artes e das mídias e justifica-se, principalmente, pelo compromisso da Unisul em consolidar a pesquisa científica como parte integrante e indissociável do processo de ensino e aprendizagem.

 

“Os estudos sob perspectivas textuais e discursivas que contemplam os processos de constituição, de formulação e de circulação dos sentidos na produção cultural e na mídia, nos diversos meios (jornais, revistas, internet, rádio TV, cinema, celular) são uma constante tanto no PPGCL, quanto nos cursos de graduação da Unisul. Analisar nestes meios as diferentes discursividades, assim como pesquisas realizadas nessas áreas, é o principal intento desse evento”, comenta a professora Nádia Neckel, coordenadora do projeto.

 

A chamada pública 01/2011, à qual o projeto foi submetido, teve por objetivo apoiar a realização de eventos que contribuam para o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estado de Santa Catarina.

 

Edna Mazon


Professora Solange participa de Simpósio na Unicamp

 

(27/02/2012) A professora Dra. Solange Maria Leda Gallo participou do III Simpósio Nacional e do I Internacional “Discurso, Identidade e Sociedade” que ocorreu entre os dias 14 e 16 de fevereiro na Unicamp, em Campinas/SP.

 

Professora compôs mesa intitulada “Lugares de memória, discurso e ensino”

 

O III Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade é uma iniciativa do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Unicamp (IEL/DLA) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês da USP (DLM/FFLCH). A temática geral deste III Simpósio foi “Dilemas e Desafios na Contemporaneidade”.

 

Desde a primeira edição, a grande relevância do evento deve-se à sua natureza multi e transdisciplinar. Nesse sentido, o objetivo principal do simpósio foi reunir pesquisadores de diversas áreas do conhecimento nas Ciências Humanas e Sociais, a fim de partilharem leituras e reflexões acerca da problemática focalizada pelo simpósio: discurso, identidade e sociedade.

 

Professora Solange participou da palestra conjugada intitulada “Lugares de memória, discurso e ensino” juntamente com as professoras Ana Luiza Bustamante Smolka e Maria Bernadete Fernandes de Oliveira.

 

Edna Mazon


Universidade de Montréal recebe doutorando em Ciências da Linguagem

 

(14/02/2012) Hans Peder Behling embarca neste dia 14 de fevereiro para o Canadá para estágio sanduíche na Universidade de Montréal a ser realizado até julho de 2012.

 

Estágio decorre do Programa PDSE da CAPES

 

Hans foi selecionado no PPGCL para fazer parte do Programa Institucional de Bolsas de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

 

O PDSE é um programa institucional da CAPES com o objetivo de qualificar recursos humanos de alto nível por meio da concessão de cotas de bolsas de doutorado sanduíche às Instituições de Ensino Superior brasileiras (IES) que possuam curso de doutorado recomendado e reconhecido com nota igual ou superior a 3.

 

Dentre os objetivos do Programa destaca-se: ampliar o nível de colaboração e de publicações conjuntas entre pesquisadores que atuam no Brasil e no exterior; ampliar o acesso de pesquisadores brasileiros a centros internacionais de excelência, e; dar maior visibilidade internacional à produção científica, tecnológica e cultural brasileira.

 

“O projeto de tese de Hans Peder Behling intitulado ‘Cibermito: repatriação e socialização de acervos museológicos e etnografias às comunidades de origem’ se desenvolveu e mantém uma estreita ligação com a noção de repatriação (devolução e retorno de patrimônio da cultura material e imaterial aos locais e povos de origem), um conceito canadense que surgiu na década de 80 do século XX e depois virou tendência internacional, o que justifica a importância do estágio sanduíche na Universidade de Montreal no Canadá”, explica o professor Aldo Litaiff, orientador do estudante no PPGCL.

 

O coorientador canadense, professor Robert Crépeau, visita o Brasil e o Estado de Santa Catarina constantemente para desenvolvimento de suas pesquisas com os índios Kaingang. “Mantenho com ele um ótimo relacionamento técnico-científico desde que foi meu orientador na tese intitulada ‘Les Fils du Soleil: mythe et pratique des Índiens Mbya-guarani du littoral du Brésil’ no doutorado concluído no ano de 2000 na mesma universidade canadense”, complementa o professor Litaiff.

 

Os estudos de doutoramento têm um significado decisivo abrindo muitas possibilidades para os acadêmicos como pesquisadores e contribuindo com a troca de saberes.  Hans é o primeiro doutorando em Ciências da Linguagem da UNISUL a expandir seus estudos em uma Universidade do exterior.

 

Na foto, os professores Aldo Litaiff e Fernando Vugman posam com o estudante pouco antes do embarque.

 

Edna Mazon


Ciências da Linguagem abre inscrições

 

(14/02/2012) Pós-Graduação em Ciências da Linguagem abre inscrições para cursos de especialização, mestrado e doutorado. Os cursos estão programados para serem realizados a partir de 2012.

 

Especialização em Ciências da Linguagem: estudos textuais e discursivos

 

O curso de especialização em Ciências da Linguagem com ênfase nos estudos textuais e discursivos pretende ser uma primeira aproximação aos estudos pós-graduados realizados pelo Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Unisul. O curso visa compreender a linguagem como expressão das relações humanas, para que as perspectivas epistemológicas deste campo do saber sejam problematizadas a partir das práticas profissionais nesta área.

 

Coordenado pela Professora Andréia Daltoé, o curso apresenta as seguintes disciplinas: Análise do Discurso; Semântica; Linguística de texto; Gêneros Textuais; Imagem, texto e discurso; Pragmática; Linguística Aplicada e Metodologia da Pesquisa.

 

As inscrições podem ser feitas presencialmente até o dia 17 de fevereiro e on-line até o dia 27 do mesmo mês. O critério de seleção para o curso será a análise da documentação exigida na inscrição. O curso é destinado a alunos graduados em Letras, Pedagogia e Comunicação Social.

 

O início das aulas está previsto para março de 2012 com encontros quinzenais às sextas-feiras, das 19h às 22h30, e aos sábados, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Mais informações sobre a documentação necessária e matrícula, através do e-mail posgraduacaosul@unisul.br ou na página da Unisul.

 

Mestrado e Doutorado em Ciências da Linguagem

 

Os editais para o processo seletivo dos cursos de mestrado e de doutorado em Ciências da Linguagem já estão disponíveis na página do Programa e as inscrições poderão ser feitas de 1º a 30 de março. A homologação das inscrições será publicada, em edital específico, no dia 18 de maio. O exame escrito e o exame de proficiência serão realizados no dia 4 de junho no campus da Pedra Branca. A entrevista será feita nos dias 5 e 6 de junho com banca formada por docentes do Programa. A lista final dos aprovados será publicada no dia 12 de junho e o período de matrícula será entre os dias 18 e 22 de junho. Para mais informações sobre o processo seletivo, acesse www.unisul.br/linguagem.

 

Unisul Hoje (adaptado)


Professora Ramayana participa da Mostra de Cinema de Tiradentes

 

(14/02/2012) A professora Dra. Ramayana Lira de Sousa participou da 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes que ocorreu entre os dias 20 e 28 de janeiro em Tiradentes, Minas Gerais.

 

Professora compõe Júri da Crítica

 

A Mostra de Cinema de Tiradentes celebrou sua trajetória de 15 anos com a apresentação de 116 filmes – sendo 31 longas, um média e 84 curtas – e a realização de 19 encontros com a crítica, o diretor e o público, além de sete debates temáticos, trazendo uma vez mais um grande evento e público para a pequena cidade de Tiradentes.

 

Na Mostra de Cinema de Tiradentes, um dos mais importantes festivais de cinema do Brasil, a professora Ramayana Lira compôs o Júri da Crítica que é responsável por escolher os melhores filmes de longa e curta metragem.

 

“Foi uma enorme honra participar desse evento, principalmente quando pensamos que o enfoque na Mostra, o novíssimo cinema brasileiro, é, hoje, meu objeto de pesquisa”, comenta a professora.

 

O Júri da Crítica foi composto pelos críticos e pesquisadores Cezar Migliorin (UFF-RJ), Ruben Caixeta (UFMG-MG), Ramayana Lima (UNISUL-SC), Andrea Ormond (Crítica, SP) e José Carlos Avellar (Crítico, RJ).

 

Para conhecer melhor o evento, clique aqui.

 

PPGCL


MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061