PORTAL UNISUL     BIBLIOTECA    ACERVO     BASE DE DADOS      DISSERTAÇÕES     TESES     PORTAL DE PERIÓDICOS     MINHA UNISUL     FALE CONOSCO

Página Inicial > Notícias > Notícias de 2008

 

Notícias

Página Principal

Notícias do Front

PPGCL na TV

Notícias de 2018

Notícias de 2017

Notícias de 2016

Notícias de 2015

Notícias de 2014

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Notícias de 2006

Notícias de 2005

Notícias de 2004

 

 

Notícias

2008


Doutorado é aprovado pela Capes

 

(19/12/2008) Projeto de Doutorado em Ciências da Linguagem é aprovado pela CAPES com nota "4". Programa aguarda homologação pelo Conselho Nacional de Educação para iniciar o curso em meados de 2009.

 

O ano de 2008 se encerra com a excelente notícia da aprovação do Projeto de Curso de Doutorado em Ciências da Linguagem da Unisul. O projeto foi avaliado com nota "4" pela Fundação de Capacitação de Pessoal de Ensino Superior - CAPES, em dezembro. O próximo passo é a homologação do CNE.

 

O projeto de doutorado foi organizado  pelo colegiado do curso de mestrado em Ciências da Linguagem a partir de 2007. Em março de 2008, foi protocolado junto à Capes, para avaliação. Em seguida, foi aprovado pela área de Letras/Lingüística e encaminhado para o Conselho Técnico Consultivo daquela Fundação, que deliberou por uma diligência documental e, em seguida, por uma avaliação in loco.

 

No início do mês de dezembro, o curso recebeu a visita das professoras Diana Barros da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Célia Telles da Universidade Federal da Bahia, que avaliaram e aprovaram as condições da Universidade para a oferta do curso de doutorado.

 

"Nosso próximo passo, depois da homologação do Conselho Nacional da Educação, é organizar a seleção da primeira turma de doutorandos" explica o professor Fábio José Rauen, coordenador do Programa. "O curso ofertará vagas tanto em Tubarão, como em Palhoça, na Pedra Branca", antecipa.

 

O Doutorado em Ciências da Linguagem é o primeiro curso desse nível de ensino na Universidade do Sul de Santa Catarina e um grande passo para a consolidação da qualidade acadêmica da Unisul.

 

PPGCL

 

Capes aprova e recomenda doutorado Ciências da Linguagem

 

Conselho Técnico Científico da Capes aprova 29 novos cursos de pós-graduação para o Brasil .

 

O Conselho Técnico Científico da Educação Superior (CTC) aprovou 29 cursos de pós-graduação para o país, entre os quais o primeiro curso de doutorado da Unisul, o de Ciências da Linguagem. Foi na última reunião de 2008, dias 9 e 10 de dezembro, a 106ª vez que o conselho se reúne. O conselho é da Capes, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, órgão do Ministério da Educação.

 

Dos 29 novos cursos de pós, sete são de doutorado.

 

As áreas aprovadas e recomendadas pela Capes variam de doutorado em Ciências da Linguagem a um novo curso de mestrado em Engenharia de Defesa. Foram avaliados 97 pedidos de novos cursos.

 

A regionalização do conhecimento foi um dos fatores mais discutidos na recomendação dos novos cursos. Criar centros de conhecimento e de produção de recursos humanos não apenas nos grandes centros urbanos, mas fomentar uma equidade entre a produção de conhecimento científico nas diferentes regiões do país. Uma preocupação central também foi o cuidado para que a criação de novos cursos não estimule a fragmentação da pós-graduação.

 

O APCN é a Avaliação de Pedidos de Cursos Novos que são encaminhados à Capes por Instituições de Ensino Superior (IES) de todo o Brasil. Comissões de área formada por especialistas avaliam as propostas e submetem ao CTC. Elas produzem um diagnóstico das propostas de curso com parâmetros como o apoio institucional e infra-estrutura, assim como a dimensão e regime de trabalho do corpo docente. As avaliações são encaminhadas para que um dos conselheiros relate ao CTC e determine conjuntamente com o Conselho uma menção para o curso. As notas variam de 1 a 7 e é necessário ao menos uma nota 3 para ser um curso recomendado. Os cursos com nota 6 e 7 são considerados cursos de excelência.

 

O curso de Ciências da Linguagem, doutorado oferecido pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), foi recomendado com nota 4. A Unisul tem também três outros cursos de mestrado aprovados e recomendados pela Capes. O mestrado em Ciências da Linguagem, o mestrado em Educação e o mestrado em Administração.

 

Portal Unisul (12/01/2009)


Livro sobre Teoria da Relevância é lançado pela EDIPUCRS

 

(19/12/2008) Jorge Campos da Costa (PUCRS) e Fábio José Rauen (UNISUL) lançaram  pela Editora da PUCRS, em formato eletrônico, a coletânea "Tópicos em Teoria da Relevância"  com 8 textos de autores brasileiros sobre o tema.

 

Segundo os organizadores, a Teoria da Relevância (TR) pode ser identificada como um dos programas de pesquisa sobre a interface comunicação/cognição mais influentes das últimas décadas, porque busca uma abordagem inferencial centrada na cognição humana, como alternativa aos rígidos modelos de códigos anteriores.

 

"A teoria se fundamentada em dois princípios: o Princípio Cognitivo da Relevância e o Princípio Comunicativo da Relevância, e se desenvolve por meio das noções de intenção informativa e comunicativa dirigidas pela noção de relevância, enquanto relação custo-benefício", explica Jorge Campos. "A obra é uma tentativa em duas direções: mostrar o enorme potencial de aplicação da TR e, paralelamente, de trazer à tona algumas de suas dificuldades e desafios para os próximos anos", completa.

 

"Nas origens desse trabalho, há algumas edições do Celsul (1997, 2006 e 2008) e especialmente a colaboração dos programas de investigação dos cursos de Letras da PUCRS e da UNISUL", relata Fábio José Rauen.

 

Além de textos dos organizadores, o livro conta com contribuições de Ana Ibaños (PUCRS), Jane Rita Caetano da Silveira (PUCRS), Fábio Alves (UFMG), José Luiz Vila Real Gonçalves (UFOP), Cristina Lopes Perna (PUCRS) e Heloísa Pedroso de Moraes Feltes (UCS).

 

Você pode ter acesso ao livro pelo sítio da Editora da PUCRS, na opção "Livros Eletrônicos", ou clicando aqui.

 

PPGCL


Charlene Miranda é premiada em Concurso Literário

 

(15/12/2008) Charlene Silveira Miranda, estagiária do Mestrado em Ciências da Linguagem, recebeu o prêmio de Menção Honrosa com o poema “A Leitura da Nação”, no 9º Concurso Literário de Crônica, Conto e Poesia. O evento ocorreu nesta última quinta-feira (11), no Criciúma Clube e foi organizado pela Academia Criciumense de Letras.

 

Charlene Miranda é aluna da 6ª fase do curso de Letras e elaborou este poema na aula da professora Dr. Jussara Bittencourt de Sá que na ocasião representou a Unisul. “Sinto-me honrada em ver uma aluna tão esforçada como a Charlene vencendo um concurso como este”, comenta a professora. “É gratificante para mim como educadora”, complementa.

 

O concurso tinha como objetivo estimular a produção literária nos municípios pertencentes à região da Associação dos Municípios da Região Carbonífera – AMREC e municípios da região da AMUREL, da AMESC e da região de São Joaquim, desde a Grande Florianópolis, indo a Bom Retiro/Urubici e até Passo de Torres, no sul catarinense, tendo como atribuição direta a revelação e premiação de obras inéditas de autores catarinenses nos Gêneros conto, crônica e poesia.

 

Foram conferidas  Medalhas “Ouro”, “Prata” e “Bronze”, assim como Diplomas de “Honra ao Mérito” aos três Primeiros Classificados nos Gêneros conto, crônica e poesia. De acordo com a Comissão Julgadora, poderia haver duas ou mais premiações com “Menção Honrosa” em cada categoria com entrega de Diploma de “Honra ao Mérito”. A Academia Criciumense de Letras – ACLe –, editou os trabalhos premiados em sua Revista Acadêmica nº. 10.

 

Na cerimônia de premiação foi entregue um kit de livros para ser doado para a  biblioteca da Unisul e para a Academia Tubaronense de Letras. Para ver o poema clique aqui.

 

Na foto principal, da esquerda para direita, Charlene Miranda, Cristiane Dagostim e a professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá.

 

PPGCL


 

Alunas do Mestrado participam de Fórum

 

As mestrandas Monalisa e Maristela participaram do VII Fórum de Literatura Brasileira e II Fórum de Literatura Portuguesa e Luso-Africana da UFRGS, realizado entre os dias 2 e 4 últimos, nas dependências da UFRGS.

 

No evento, Leopoldo Waizbort, autor do livro “A passagem do três ao um, ministrou a conferência de abertura no dia 02, sob mediação de Luís Augusto Fischer. Hélio de Seixas Guimarães, autor do livro “Os leitores de Machado de Assis”, “O Romance Machadiano” e o “Público de Literatura no Século 19, fez a segunda conferência, no dia 03, também sob mediação de Luís Augusto Fischer. Hélder Macedo, autor do livro "Vícios e Virtudes", fez a conferência de encerramento, no dia 04, sob mediação de Jane Tutikian.

 

 

Nas fotos, as alunas Maristela e Monalisa, posam com a professora Regina Zilberman, organizadora do evento.

 

Suelen Francêz Machado


Questões sobre leitura em debate

 

(12/12/2008) A professora Onici Claro Flôres, da Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, ministrou a conferência “Inter-relação texto-contexto e a leitura de implícitos por crianças de 1º a 5º ano do Ensino Fundamental” nos Seminários de Estudos da Linguagem, nesta última sexta (12), na Sala de treinamento do Campus Sul da Unisul.

 

Onici debateu seu projeto intitulado “Consciência e Linguagem: os papéis da consciência lingüística pragmática e da atividade metapragmática”, que vem sendo desenvolvido no curso de mestrado em Letras da Unisc. Neste projeto, a pesquisadora correlaciona consciência e linguagem, vinculando estudos sobre a consciência desenvolvidos na área das ciências cognitivas com aqueles voltados à análise da consciência lingüística e da habilidade metalingüística realizados pela psicolingüística.

 

A autora considera que a consciência, em termos de estudo da linguagem, sempre será lingüística. “A análise e a explicação dos usos lingüísticos por meio da metalinguagem, por sua vez, evidencia conhecimento declarativo sobre esses usos. Ela traduz capacidade ou habilidade metalingüística, de algum tipo”, diz.

 

Seu trabalho, especificamente, investiga evidências da tomada de consciência lingüística pragmática e de sua expressão através de epiprocessos e metaprocessos, analisando aspectos específicos da linguagem que exigem interpretação do dito/lido, vinculando-o ao seu contexto enunciativo. “Meu trabalho diz respeito a questões lingüísticas que demandam entendimento do que foi lido ou ouvido”, complementa.

 

Onici Flores possui graduação em Filosofia (1970) e Letras (1973) pela Universidade Federal de Santa Maria. Tem mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1983) e doutorado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994).

 

PPGCL


Avaliação de interpretações de poesia é tema de dissertação.

 

“Justificativas de avaliação de interpretações do poema O Barro, de Paulo Leminski, por professoras de Língua Portuguesa: análise com base na Teoria da Relevância” foi o título da dissertação da estudante Eva Lourdes Pires, orientada pelo professor Fábio José Rauen, nesta última sexta (12).

 

Nesta pesquisa, Eva descreveu e explicou, como cinco professoras de Língua Portuguesa justificaram as notas atribuídas por a doze interpretações do poema O barro, Paulo Leminski. Conforme o estudo, as professoras não conseguiram interpretar adequadamente a estrutura lógica do poema, prejudicando a avaliação das interpretações mais adequadas. O estudo demonstrou que elas avaliaram os textos com critérios ad hoc, cujas justificativas não se sustentaram, além de propor critérios estranhos em relação à tarefa de interpretação do poema. As notas, atribuídas de modo pessoal, não discriminaram qualitativamente as interpretações por ausência de critérios.

 

Compuseram a banca as professoras Onici Claro Flores, UNISC, e Maria Ester Wollstein Moritz, UNISUL.

 

PPGCL


Introdução à Multimodalidade é título de minicurso

 

(12/12/2008) O Doutorando da UFSC Fábio Alexandro Silva Bezerra ministrou minicurso intitulado “Introdução à Multimodalidade: interações entre a imagem e o texto verbal”, nesta última quinta-feira (11), na Unisul, durante a disciplina texto e discurso da professora Dra. Maria Ester Moritz.

 

O minicurso teve como objetivo despertar o olhar do aluno para interação do verbal e da imagem em textos multimodais, promovendo uma reflexão sobre o papel dos recursos visuais na construção de sentidos em diferentes contextos, tais como: anúncios publicitários, textos jornalísticos, capas de revistas, pôsteres, artigos acadêmicos dentre outros.

 

“O professor promoveu atividades práticas a fim de exemplificar como a interação entre a imagem e o texto verbal constrói a realidade a partir de diferentes visões de mundo e com objetivos específicos”, comenta a professora Maria Ester. “A comunicação torna-se cada vez mais multimodal, daí a importância de dar atenção a como recursos semióticos”, complementa.

 

Suelen Francêz Machado


Semiotização do mundo físico é tema de conferência

 

(11/12/2008) O professor José Luiz Meurer, da UFSC, apresentou a conferência “dimensão semiótica dos mundos físico, biológico e social: uma perspectiva sistêmico-funcional” nesta última terça (9) no Campus da Pedra Branca.

 

No evento, Meurer explicou como o mundo físico é semiotizado seja em virtude de discursos e relações sociais, seja como pretexto para construir discursos e relações sociais. O autor tomou como exemplo central de sua fala o Urulu, uma grande rocha situada no centro da Austrália que, no passado, foi um território sagrado dos aborígines e, mais recentemente, sem sido semiotizado para se transformar no principal símbolo do país.

 

Atualmente, José Luiz Meurer é professor titular na Universidade Federal de Santa Catarina e exerce a função de coordenador do Programa de Pós-Graduação em Inglês. Ele possui graduação em Letras Inglês (1972) pela Faculdade Católica de Filosofia, Ciência e Letras de Bagé. Ele fez mestrado em Letras Inglês e Literatura Correspondente (1978) pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrado em Lingüística (1981) - Georgetown University, doutorado em Lingüística (1985)- Georgetown University e o professor realizou pesquisa em nível de pós-doutorado na University of Birmingham, UK (1993-1994) e na Macquarie Uniiversity, Austrália (2003-2004).

 

O Dr. José Luiz Meurer participou da defesa de Zulmar Teresinha Barbosa Corrêa intitulada “O Gênero Carta do Leitor: Análise de Exemplares Publicados no Jornal Folha de S. Paulo, neste mesmo dia. Este trabalho foi orientado pelo professor Dr. Adair Bonini. Completou a banca a professora Dra. Débora de Carvalho Figueiredo da Unisul.

 

Suelen Francêz Machado


Mestrado coordena comissão julgadora de Concurso do Rotary Clube

 

(11/12/2008) O Rotary Clube de Armazém homenageou os vencedores do Concurso de Poesia, Contos e Crônicas: Cidade de Armazém. O evento ocorreu neste último dia 3 de dezembro, nas dependências do Rotary. A Unisul, através do Mestrado em Ciências da Linguagem e do Curso de Letras, constituiu a comissão julgadora do Concurso, coordenada pela professora Dra. Jussara Bitencourt de Sá.

 

Segundo Dr. Eduardo José Küerten Mendes, representante do Rotary Clube, foi um prestígio tanto para os participantes quanto para os organizadores ter a Universidade como parceira.  “Pretendemos através desse programa, desenvolver nos jovens o prazer pela leitura e pela escrita, como forma de prevenir a marginalidade, e o desvio para o uso das drogas”, afirma.

 

O concurso visava incentivar adolescentes, da Rede Pública Estadual, à produção textual e ao pensamento criativo através da literatura. “Os Rotaryanos elogiaram muito nosso trabalho e também  nos fizeram uma bonita homenagem”, comenta a professora Jussara. “Foi muito gratificante ler os contos, poemas e crônicas dos alunos, comprovando que estão despontando grandes talentos  na literatura em nossa região.  O incentivo da Coordenação do PPGCL e o apoio dos alunos do curso de Mestrado e do curso de Letras foram fundamentais ao êxito do projeto do Rotary”, complementa.

 

Suelen Francêz Machado


Professora Solange Gallo coordena Mesa Redonda

 

(10/12/2008) Texto e Discurso foi o título da Mesa Redonda coordenada pela professora Solange Leda Gallo, nesta última segunda-feira (08) na sala 214 do Bloco B do Campus da Grande Florianópolis da Unisul.

 

Compuseram a mesa as professoras pesquisadoras Suzy Lagazzi, professora de Análise do Discurso no Instituto de Linguagem da UNICAMP, e a professora Onice Payer, docente do Mestrado em Lingüística da Fundação do Vale do Sapucaí.

 

As pesquisadoras abordaram o assunto a partir de diferentes materiais de mídia como capas de revista de divulgação científica, outdoors e programa de rádio. Esses diferentes tipos de texto têm em comum um efeito de unicidade e de legitimidade, apesar de serem polissêmicos na sua forma de constituição, conforme mostraram as pesquisadoras.

 

“A professora Suzi Lagazzi analisou capas da revista Pesquisa FAPESP, buscando determinar como os discursos científicos e jornalísticos ali se materializam como texto. A professora Onice Payer falou dos efeitos de leitura produzidos por outdoors, tecendo reflexões sobre o discurso publicitário e sobre os conceitos de texto e discurso”, comenta a professora Solange.

 

Estavam presentes no evento alunos do Mestrado em Ciências da Linguagem e dos cursos de graduação em Letras e Comunicação Social da Pedra Branca. A sala estava repleta de alunos dessa linha de pesquisa, tanto os atuais como alunos que já defenderam suas dissertações.

 

Na foto, a professora Suzi Lagazzi argumentando, ladeada pelas professoras Onice Payer e Solange Leda Gallo,

 

Suelen Francêz Machado


Ensino Fundamental de nove anos: em 2009, o desafio do 3º ano

 

(09/12/2008) O ano de 2007 foi marcado pela renovação do sistema de ensino no Brasil: as escolas passaram a implantar o ensino fundamental de nove anos. Com esta medida, acredita-se que os setores populares foram os mais beneficiados.

 

Entretanto, a escola também passou a deparar-se com novos desafios, o maior deles, segundo a professora Mariléia, é o que implica maior cuidado na seqüência do processo de desenvolvimento e aprendizagem das crianças de seis anos de idade em relação ao conhecimento e à atenção às suas características etárias, sociais e psicológicas. “As crianças que se matricularam no primeiro ano em 2007 vão para o terceiro ano em 2009”, explica Mariléia.

 

Uma dúvida dos professores que atuam na rede pública é formalizar seus planos de ensino a serem adotados ano que vem, uma vez que há vários níveis de aprendizagem da leitura dessas crianças terceiranistas do ensino de nove anos, em 2009: a grande maioria já lê com fluência e compreensão, mas um percentual, também muito alto, ainda não domina os princípios do sistema alfabético do português no que se refere à orientação da leitura. Reside neste ponto a dificuldade dos professores: como administrar esta diferença (de aprendizagem).

 

Para a professora Mariléia, em 2007, quando estas crianças se matricularam no Ensino Fundamental, há de se considerar que, a despeito das possibilidades já constatadas em crianças que nos anos anteriores ao primeiro ano tiveram contato com a leitura e com a escrita, é fundamental considerar que uma parcela significativa das crianças brasileiras de seis anos inicia essas experiências somente ao ingressar na escolaridade formal. Dadas essas dificuldades, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Araranguá convidou a professora Mariléia, mais uma vez,  para ministrar um curso de formação dos professores da referida região.

 

Participaram deste encontro as integrantes do projeto 'Letramento, ensino e sociedade', mestrandas Edina da Silva de Freitas e Lucimar Ferreira da Silva Oliveira.

 

Na foto principal, a professora Mariléia ministrando o curso. Mais abaixo, Mariléia ladeada pelas mestrandas Edina da Silva e Lucimar Ferreira.

 

 

Suelen Francêz Machado


Olimpíada de LP premia estudante de Içara

 

(05/12/2008) Édina da Silva de Freitas, estudante do curso de mestrado em ciências da linguagem, e sua aluna Joice da Silva, vencedora nacional em 2006, participaram da cerimônia de premiação dos vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa.

 

Em 2006, a professora Édina da Silva de Freitas decidiu trabalhar o gênero artigo de opinião com sua turma de 4º série, através do Prêmio Escrevendo o Futuro, oferecido pelo Ministério da Educação (MEC) para as escolas da rede pública municipal e estadual.

 

“Na época Joice ficou surpresa, afirmando não acreditar que havia sido selecionada. Muitos de nós não acreditamos na potencialidade de nossos alunos da rede pública, a Joice provou o contrário, e até hoje participa de eventos para falar sobre a produção de texto”, conta a professora.

 

Os textos premiados em 2006 estão sendo usados em forma de publicidade em todas as emissoras de televisão, como também no site do MEC. Joice redigiu sua opinião sobre o problema da sua comunidade, que luta contra a instalação de uma mina de carvão próxima a zona rural do município de Içara. E não somente redigiu como participa do vídeo feito na própria comunidade.

 

“A emoção tomou conta no momento em que foi exibido, para toda a platéia, o vídeo institucional com os vencedores de 2006, transmitido pelas emissoras de TV”, comenta Joice.

 

“Tivemos o privilégio de almoçar com o Ministro da Educação e participar da cerimônia com a presença do Presidente da República durante divulgação dos vencedores e a Premiação dos 15 alunos com seus textos de poesia (5), memória (5) e artigo de opinião (5)”, comenta Édina. “O presidente Lula, em seu pronunciamento, reportou as enchentes de SC e destacou a importância de bons Projetos como o Escrevendo o Futuro, agora Olimpíada de Língua Portuguesa, valorizando a leitura e as produções textuais dos alunos de escolas públicas”, complementa.

 

Em 2007, a aluna Merlim Miriane Malacoski da escola E.E.B. Luiz Davet da cidade de Major Vieira de Santa Catarina ficou entre os vencedores em Artigo de Opinião.

 

Para assistir à redação de Joice da Silva, através do site do Ministério da Educação, clique aqui.

 

Suelen Francêz Machado


Comissão da Capes avalia projeto de doutorado

 

(02/12/2008) A Universidade está recebendo a visita da Comissão da Capes para avaliação do projeto de doutorado em Ciências da Linguagem, formada pelas professoras Diana Luz Pessoa de Barros, da Universidade Mackenzie, e Célia Marques Telles, da Universidade Federal da Bahia, nesta segunda (1º) em Tubarão, e terça (2) em Pedra Branca, Palhoça.

 

O objetivo da Comissão é avaliar o projeto de doutorado em Ciências da Linguagem. Cabe às professoras Diana Luz Pessoa de Barros e Célia Marques Telles observar como o curso é executado, entrevistando os alunos, professores, funcionários, bolsistas, bem como verificar as condições institucionais, reunindo-se com dirigentes da universidade.

 

A professora Diana Barros explica que para o projeto de doutorado ser aprovado o corpo docente precisa trabalhar em tempo integral. “Deve haver seis docentes para cada linha de pesquisa e o número de professores tem que estar compatível com o número de vagas abertas. Todo professor deve ter formação em doutorado e ser produtivo o suficiente (linhas de pesquisa”, comenta. “Um critério importante para a aprovação do projeto de doutorado é a organização e a experiência de cada docente relativo ao tempo de trabalho”, complementa.

 

“Esta sendo bastante produtiva nossa visita. A Unisul e todo o programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem mostraram muita vontade e disposição para que o programa de Doutorado aconteça. Mudaram as estruturas, fizeram o projeto e se dedicaram muito. Todo o corpo docente que conhecemos e o coordenador Fábio Rauen mostraram-se muito ativos e preocupados com o desenvolvimento do curso. A direção da Universidade é muito boa e todos estão envolvidos com o projeto do doutorado”, elogia Célia.

 

“Não poderíamos estar recebendo a visita das professoras Diana e Célia em data mais feliz para o Programa, pois justamente nessas datas comemoramos nossos dez anos de criação”, comenta o professor Fábio Rauen, coordenador do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem. “Toda a Universidade está se empenhando ao máximo para apresentar as qualificações do curso”, complementa.

 

 

Veja também a matéria do SIC sobre a visita das avaliadoras da CAPES. Clique aqui.

 

PPGCL 


Mestrado comemora 10 anos

 

(01/12/2008) O Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem comemora dez anos de criação nessa terça (2), contabilizando inúmeras realizações acadêmicas.

 

Foi no dia 2 de dezembro de 1998, que a Câmara de Gestão da Universidade criou o curso de mestrado em Ciências da Linguagem, pela Resolução 28/98. O projeto fora aspiração de docentes do curso de Letras, entre as quais Albertina Felisbino, Maria Felomena Souza Espíndola, Amaline Boulos Issa Mussi e Mara Stringer da Fonseca, em seu primeiro esboço, e, mais à frente Maria Marta Furlanetto, que ajudou a finalizá-lo.

 

“A denominação ‘Ciências da Linguagem’ foi sugestão da professora Mariazinha, como é conhecida a professora Maria Felomena Souza Espíndola”, relata o professor Fábio José Rauen, que integrou o projeto como coordenador desde a sua implantação em 1999.

 

Em 2001, ainda na fase do que se denominaria currículo CEE, o curso expandiu-se para o Campus da Grande Florianópolis da Unisul, configurando seu aspecto sui generis de ser ofertado em duas sedes. O reconhecimento do curso ocorre em 2002 e a renovação desse reconhecimento ocorre em maio de 2008.

 

Em 2002, ocorre a primeira revisão curricular, que é aprovada pela Capes em 2004. O curso passa a ter uma área de concentração: “Linguagem, mídias e processos discursivos”, vista sob três ângulos, as linhas de pesquisa: “Análise discursiva de processos semânticos”, “Textualidades e práticas discursivas” e “Linguagem, cultura e mídia”.

 

O curso se apresenta, hoje, com um portfólio de três revistas (Linguagem em (Dis)curso, indexada em 11 bases de dados, Crítica Cultural e Ciência em Curso), 180 dissertações on-line, um verdadeiro portal para estudos da linguagem (www.unisul.br/linguagem), a experiência de ter sediado o IV Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, anais de vários eventos. Em 2010, o curso sediará o IX Encontro do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul (CELSUL), cuja diretoria é integralmente composta pelo mestrado.

 

Doutorado pode ser o próximo passo.

 

Em 2007, o curso elaborou seu projeto de doutorado. O projeto foi aprovado pela Comissão da Área de Letras/Lingüística, em Brasília. O Conselho Técnico consultivo da Capes determinou a visita de uma Comissão às instalações do Programa, que ocorre hoje (em Tubarão) e amanhã (em Pedra Branca).

 

Suelen Francêz Machado


Mestrado lança simbolicamente quatro obras

 

(28/11/2008) O curso de mestrado lança simbolicamente três livros e um fascículo de Linguagem em (Dis)curso, comemorando os dez anos de existência nessa segunda (1º de dezembro).

 

O primeiro livro denomina-se “Ciências da linguagem: avaliando percursos, abrindo caminhos” e foi organizado por Sandro Braga, Maria Ester Wollstein Moritz, Mariléia Reis e Fábio José Rauen.

 

“Trata-se de uma retrospectiva do ponto de vista acadêmico do que o curso produziu nesses últimos anos e uma avaliação do que se pode avançar nos próximos anos”, comenta Mariléia Reis, uma das co-organizadoras.

 

O segundo livro se intitula “A literatura infantil e juvenil de língua portuguesa: leituras do Brasil e d’além-mar” e foi organizado por Eliane Santana Dias Debus.

 

“O livro é composto de três partes. As duas primeiras reúnem textos apresentados no I e no II Seminário de Literatura Infantil e Juvenil de Santa Catarina e o  I e II Encontro sobre Leitura, Literatura e Ensino, realizados, anualmente, no mês de maio”, relata Eliane. “A terceira parte traz cinco artigos de estudiosos portugueses, das Universidades de Évora, Aveiro e Minho, que se debruçam sobre a produção literária para crianças e jovens naquele País”, completa.

 

O terceiro livro, de Solange Gallo, intitula-se “Como o texto se produz: uma perspectiva discursiva”. Neste trabalho, conforme Freda Indursky, Solange Gallo desenvolve noções essenciais sobre o texto, à luz da AD. Sua noção de textualização resulta numa formulação muito importante para aqueles que se preocupam em desenvolver um ensino crítico e consistente.

 

“Entendo que seu trabalho representa uma contribuição importante tanto para analistas de discurso, quanto para educadores”, argumenta Freda. “Aqui se pode ver uns cem números de questões importantes e fundamentais tanto para refletir a questão da produção textual quanto para a reflexão da produção da leitura, percebidas ambas a partir da prática discursiva de textualização”.

 

Linguagem em (Dis)curso apresenta seu sexto número temático, dedicado à questão do letramento e da formação de professores”. Esse número temático foi organizado pela professora Ângela B. Kleiman (Unicamp) e pelo professor Marcos Baltar (UCS).

 

De acordo com os organizadores, os trabalhos “examinam (de perspectivas distintas, porém formadas por concepções interacionistas da linguagem e por enfoques sócio-históricos da língua escrita) quais são os efeitos, no ensino e na formação profissional, de uma organização social, na qual atividades, mudanças e reformas são, cada vez mais, viabilizadas pela linguagem”.

 

“Esses lançamentos bem revelam a produtividade científica do curso”, comenta o professor Fábio Rauen, coordenador do curso de Mestrado. “A lamentar apenas as intempéries que castigaram o Vale do Itajaí, onde os livros estavam sendo impressos, o que impossibilitou o lançamento das obras nesse início de dezembro. Seguem nossos votos e apoio para que todos em Blumenau possam soerguer-se dessa tragédia”.

 

Suelen Francêz Machado


Professora Eliane Debus participa de Jornada da Educação

 

(24/11/2008) A professora Eliane Debus participou da Jornada da educação, dos direitos e da produção cultural - reflexões políticas sobre diversidade, ocorrido entre os dias 19 e 21 de novembro, na Universidade Federal de Santa Catarina.

 

O evento foi organizado pelo Centro de Ciência da Educação e o programa de Pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina, sob a coordenação das professoras Vânia Beatriz Monteiro da Silva CED e Simone Pereira Schmidt CCE.

 

Eliane Debus participou da mesa-redonda “Escolarização, sujeitos e a diversidade na educação”, juntamente com as professoras Vânia Beatriz Monteiro da Silva e Joana Célia dos Passos, tendo como temática a literatura infantil e infanto-juvenil e pluralidade cultural.

 

“O evento procurou comungar com a ampla mobilização pela afirmação da igualdade de direitos, com base no reconhecimento da diversidade humana como elemento de fortalecimento da democracia, articulando um conjunto de atividades com a finalidade de promover um diálogo político, cultural e educacional entre acadêmicos/as, profissionais da educação e a comunidade em geral”, comenta Eliane.

 

Na foto, Eliane Debus junto ao escritor João Melo que lançou no evento seu livro Filhos da Pátria (Record).

 

PPGCL


Professoras avaliam jovens de SC para o Soletrando

 

(14/11/2008) Grupo de professores da Unisul tiveram a difícil tarefa de selecionar os melhores para o quadro do programa de Luciano Huck na TV. Oitenta e dois jovens, entre 11 e 13 anos, de escolas públicas estaduais reuniram-se na FIESC, na segunda-feira, 10 de novembro, em Florianópolis, para a etapa estadual do Soletrando.

 

Nos momentos que antecediam o início do evento, Mateus da Silva Tosatti permanecia concentrado, estudando gramática. Selecionado entre 150 alunos, o jovem de 13 anos veio para representar Campos Novos. "Estou nervoso, mas animado em participar", afirmou o estudante.

 

As professoras Maria Ester Wollstein, do Mestrado em Ciências da Linguagem, Chirlei Domingues, do curso de Letras, e Eloise Alano, do Direito, tiveram a difícil tarefa de julgar e eliminar as crianças que iam errando.

 

Divididos em dois grupos para acelerar o processo, ficaram em uma sala as três professoras da Unisul e em outra, três da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Ainda assim o evento durou cerca de três horas.

 

Pais e mestres dos adolescentes que aguardavam do lado de fora pareciam ter perdido a noção do tempo. A ansiedade consumia os impacientes acompanhantes. E a cada jovem que saia da sala os aplausos eram generosamente oferecidos. Lágrimas, sorrisos marotos e carinhas de "que pena" eram as expressões.

 

"Meu pai e meus primos me ajudaram com jogos e brincadeiras para memorizar palavras", explica Bruno da Silva, de Palhoça. O loirinho de olhos verdes foi muito bem, mas perdeu para a maior inimiga dos participantes, a ansiedade. Para Bruno, morar perto da capital foi um facilitador, ao menos o cansaço físico foi menor, uma vez que algumas crianças viajaram mais de 600 quilômetros para participar do programa.

 

Os recursos disponíveis para os concorrentes eram definição do verbete, sinônimo e aplicação em uma frase. Enquanto ouviam, usavam o curto tempo para pensar melhor na palavra a ser soletrada.

 

Josiane Moraes, de Praia Grande, no sul do Estado, foi a classificada para representar Santa Catarina, no Rio de Janeiro, em março de 2009.

 

"Que situação delicada. Mexer com os sonhos desses pequeninos e ver a decepção deles é a parte mais difícil dessa missão", diz a professora Eloise.

 

"Muito boa a experiência. Ver a comemoração dos acertos era empolgante. Em contrapartida, bater a sineta e dizer que a palavra está incorreta era um tanto quanto difícil. Ainda que pouco agradável, era preciso permanecer firme para não abalar os que permaneciam na competição", analisa Maria Ester.

 

SIC/Unisul


Conto do Prof. Fernando Vugman é premiado em concurso

 

(11/11/2008) O professor Dr. Fernando Simão Vugman teve seu conto “A casa de pedra” premiado no “Premio Fundação Franklin Cascaes de Literatura”. O lançamento do livro dos contos selecionados  ocorreu em cerimônia pública na Casa da Memória no dia 16 de outubro de 2008.

 

Em comemoração ao centenário de Franklin Cascaes, o selo editorial Fundação Franklin Cascaes Publicações lançou o livro “Crônicas de Cascaes”, além de outros dois títulos: “Contos - Prêmio Franklin Cascaes de Literatura” e “Diário de bordo”. Os lançamentos fazem parte do objetivo de estimular e apoiar os movimentos das artes visuais e da literatura contemporânea em Florianópolis. No evento, houve também exibição de trechos de uma entrevista concedida por Franklin Cascaes.

 

O livro “Crônicas de Cascaes” é formado por textos selecionados no prêmio FC de Literatura, escritos pelos contistas Fernando Simão Vugman do PPGCL, Thiago Floriano dos Santos, Ladislau Lopes de Freitas, Nara Marques Soares e Selma Ferraz.

 

Vugman, recentemente, traduziu o livro “Multiculturalismo Tropical”, de Robert Stam (da New York University), sobre cinema e música brasileiros. A obra faz um estudo comparativo com os Estados Unidos, contextualizando a produção cultural dos dois países com análises históricas, políticas e econômicas comparadas.

 

 

Suelen Machado


Unisul sediará IX Encontro do CELSUL

 

(03/11/2008) Assembléia do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul – CELSUL elege chapa do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem para a diretoria da entidade (período 2008-2010). IX Encontro do CELSUL ocorre na Pedra Branca em 2010.

 

36 votos elegeram chapa formada por docentes do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem para a nova Diretoria do CELSUL, com mandato entre os anos de 2008 e 2010, no auditório 2 da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, nesta última sexta (31). A Unisul concorreu com a Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, que propunha sediar o IX Encontro da entidade em Foz do Iguaçu, PR.

 

A nova diretoria do CELSUL é composta pelos seguintes professores:

 

Presidente – Dra. Débora de Carvalho Figueiredo;

Vice-presidente – Dra. Maria Marta Furlanetto;

Secretária – Dra. Maria Ester Wollstein Moritz;

Tesoureiro – Dr. Adair Bonini.

 

Uma das atividades importantes do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul é a promoção, a cada dois anos do Encontro do CELSUL. “A próxima edição do evento será em Palhoça, SC, no Campus da Pedra Branca”, comenta a professora Débora Figueiredo. “A realização desse evento é muito importante para a Universidade e para o Campus, porque marca nossa consolidação como universidade de referência na área de letras”, completa.

 

O CELSUL – Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul – é uma associação cujo objetivo é aproximar os lingüistas que atuam nas Universidades da região sul do Brasil. Seus encontros procuram oferecer um espaço de discussão e divulgação da produção científica regional e nacional nas áreas de lingüística e lingüística aplicada. Além disso, os encontros do CELSUL também têm tentado se caracterizar como um fórum multidisciplinar, de interação entre lingüistas e estudiosos de áreas afins – como os estudos literários, a comunicação, a psicologia, a fonoaudiologia, etc.

 

Na foto principal, a nova diretoria: Débora, Adair, Marta e Ester, da esquerda para a direita. Abaixo, docentes do Programa no auditório da UFRGS aguardando a votação.

 

 

PPGCL


Sessão Especial apresenta trabalhos da Unisul

 

(03/11/2008) Quatro trabalhos sobre teoria da Relevância da Unisul foram apresentados em sessão especial do VIII Encontro do Celsul no plenarinho da Reitoria da UFRGS, nesta última quinta (30).

 

Trata-se de pesquisas do Projeto: Teoria da Relevância II: práticas de leitura e produção textual em contexto escolar, do Grupo de Pesquisa: Práticas discursivas e tecnologias da linguagem – PRATEC e da Linha de pesquisa: Textualidade e práticas discursivas, coordenado pelo professor Fábio José Rauen.

 

Conheça os trabalhos da Sessão Especial

 

 

Relatos orais de crianças de três e quatro anos produzidos a partir da ordenação de gravuras de uma história em quadrinhos sem balões de fala: análise com base na teoria da Relevância.

Alba da Rosa Vieira

Nesta pesquisa, Alba analisa os processos ostensivo-inferenciais em relatos orais de crianças de três a quatros anos de idade produzidos a partir da ordenação de gravuras de uma história em quadrinhos sem balões de fala. Para dar conta desse objetivo, ela dividiu-se a turma em 4 grupos de 5 crianças e foi solicitado a cada grupo que ordenasse a história em quadrinhos, para, num segundo momento, repetir-se a atividade individualmente. Na comunicação, a autora apresentou os resultados preliminares da análise do corpus.

 

Reescrita de produção textual por alunos da disciplina de Leitura e Produção Textual nas modalidades presencial e virtual: estudo comparativo com base na Teoria da Relevância.

Eloíse Machado de Souza Alano

Eloíse está analisando, com base na Teoria da Relevância, os processos de reescrita de uma produção textual por alunos da disciplina de Leitura e Produção Textual nas modalidades presencial e virtual em 2008/B. Para isso, ela propôs um mesmo tema aos alunos das duas modalidades. A comunicação apresentou o planejamento da pesquisa

 

Análise de processos interacionais no Espaço Virtual de Aprendizagem da Unisul: estudo de caso com a oferta 2008/1 da disciplina Sociologia a partir da Teoria da Relevância.

Layla Antunes de Oliveira

A pesquisa de Layla analisa os processos interacionais em trocas comunicativas nas ferramentas do Espaço Virtual de Aprendizagem (EVA) da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) na oferta 2008/1 da disciplina Sociologia. Na comunicação, Layla apresentou resultados parciais da análise dos dados.

 

Mensagens de erros em sistemas e aplicativos computacionais: análise com base na teoria da Relevância.

Neli Miglioli Sabadin

A pesquisa de Neli está analisando, com base no aporte da Teoria da Relevância, um conjunto de mensagens de erro do sistema operacional Windows e de seus aplicativos Office, destacando como essas mensagens são construídas, que processos inferenciais precisam ser mobilizados de modo a compor a explicatura e, se pertinente, certas implicaturas dessas mensagens.

 

Além dos trabalhos apresentados na sessão especial destacam-se os seguintes:

 

 

A relevância em literatura: a construção da coerência em “O Mez da Grippe”, de Valêncio Xavier, de Ana Sueli Ribeiro Vandresen (FAPI, Pinhais, PR), mestre em Ciências da Linguagem em 2005. Ana investigou a consistência da Teoria da Relevância, de Sperber e Wilson (1986; 1995), no tratamento da construção da coerência textual em textos literários pós-modernistas, selecionando cinco fragmentos de “O Mez da Grippe”, de Valêncio Xavier, por tratar-se de um texto que mescla linguagem verbal com  linguagem visual.

 

Interpretações do poema O barro, de Paulo Leminski: uma análise com base na Teoria da Relevância das justificativas de avaliação atribuídas por docentes de Língua Portuguesa, de Eva Lourdes Pires (UNISUL, Tubarão, SC). Nesse trabalho, Eva descreve e explica os processos ostensivo-inferenciais que permeiam justificativas de cinco docentes de Língua Portuguesa para a atribuição de notas a interpretações do poema O barro, de Paulo Leminski.

 

Influência da intervenção escrita do docente em textos dissertativo-argumentativos reescritos: análise com base na Teoria da Relevância, de Rosane Maria Bolzan (UNISUL, Tubarão, SC; CEFET-SC, São José, SC), mestre em Ciências da Linguagem em 2008. Sua pesquisa analisa a influência do registro escrito de questões de segunda ordem (perguntas-QU) pelo docente na explicitação lingüística dos elementos da forma lógico-proposicional dos enunciados da reescrita de produções textuais dissertativo-argumentativas de estudantes do ensino médio.

 

Na foto principal, Fábio Rauen entre as pesquisadoras da Sessão Especial. Da esquerda para a direita, Rita (PUCRS), Alba, Neli, Eloíse e Layla.

 

PPGCL


Teoria da Relevância em debate

 

(03/11/2008) Grupo Temático “Cognição, relevância e interface semântico-pragmática” reuniu pesquisadores para debater questões emergentes nesse campo do conhecimento dias 29 e 30 no VIII Encontro do Celsul, realizado na UFRGS em Porto Alegre, RS.

 

Organizado pelos professores Fábio José Rauen, da Unisul (foto) e Jorge Campos da Costa, da PUCRS, pesquisadores de várias universidades da região sul e de Minas Gerais debateram problemas de interface entre os campos da semântica e da pragmática.

 

Conforme Rauen, o grupo congregou pesquisas que correlacionam questões cognitivas e interacionais, olhando especialmente para peças comunicativas em linguagem natural. “Os trabalhos apresentados examinaram aplicações e também discutiram os próprios fundamentos da Teoria da Relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995)”, comenta o organizador. “Nesse último enfoque, o encontro foi muito importante porque promoveu  uma releitura crítica dos conceitos centrais da teoria, verificando possíveis conseqüências dessa releitura na redefinição dos papéis intradisciplinares da semântica e da pragmática em processos comunicacionais humanos”.

 

Nessa linha de investigação, destaca-se o trabalho de Rauen, intitulado, Sobre relevância e irrelevâncias: princípio de relevância e variáveis de exaustão e de saturação. Para o autor, a teoria da relevância, a noção de relevância decorre de uma economia baseada na relação entre custos e benefícios, de modo que quanto maiores são os benefícios e menores os custos, maior é a relevância de um input. Costa (2005) apresentou sete eventos comunicativos que desafiaram essa relação. Rauen defende a tese de que em estados tensos ou distensos os seres humanos tendem a ser guiados para a maximização da relevância, mas essa maximização é moderada pelas variáveis de exaustão e saturação.

 

PPGCL


Professor Sandro Braga organiza debate sobre subjetividade

 

(03/11/2008) O professor Sandro Braga, da Unisul, coordenou discussões sobre a questão da subjetividade na voz e na escrita, no VIII Encontro do Celsul, ocorrido nos dias 29 e 30 últimos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em Porto Alegre.

 

Juntamente com professor Pedro de Souza, da UFSC, o professor do PPGCL coordenou o Grupo Temático "Subjetividade na Voz e na Escrita". O grupo foi proposto como um espaço de debate acerca das questões de constituição do sujeito, imbricadas à problemática da construção e representação de um corpo a partir da voz ou da escrita.

 

"No primeiro caso, a questão era saber como que as inflexões de voz modulam ondas sonoras de tal modo que possibilitem a identificação do sujeito. No segundo, questionou-se como sujeitos podem inscrever seu corpo abandonando-os e deixando-os representar-se somente através da forma material da escrita", explica Braga.

 

Para Sandro Braga, a importância deste evento não foi somente para divulgação das várias vertentes dos estudos na área das ciências de linguagem, mas, sobretudo, para o intercâmbio entre pesquisadores – professores, mestrandos e doutorandos – dos três estados da Região Sul do país. Pedro de Souza, por sua vez,  destacou a interdisciplinaridade para o fazer lingüística e na contribuição dos vários campos para se pensar no desenvolvimento das pesquisas nas respectivas áreas.

 

PPGCL


Programa organiza grupos temáticos no CELSUL

 

(03/11/2008) Seis grupos temáticos são organizados pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem no VIII Encontro do CELSUL, realizado entre os dias 29 e 31 de outubro na UFRGS em Porto Alegre.

O Grupo temático "Gêneros do discurso, autoria e ensino" foi coordenado pelas professoras Maria Marta Furlanetto e Rosângela Hammes Rodrigues (UFSC) (foto) e  congregou trabalhos de pesquisadores de dez universidades: UCPel, UFSC, UNESC, UFMG, UNISUL, UFRGS, UFPR, UNIFIN, FURB e FHCE (Montevidéu). O grupo propôs que pelo menos dois dos temas expostos no título fossem explorados, do ponto de vista teórico e/ou das práticas com linguagem. O objetivo da sessão, pela abrangência das perspectivas e das esferas (por um lado) e pela convergência ditada pelo foco de discussão (por outro lado), foi aproximar tratamentos/interesses divergentes dos pesquisadores e temas específicos (gênero, autoria, ensino), permitindo uma abertura salutar ao exercício da interdisciplinaridade.

"Foram apresentados dezenove trabalhos (dos vinte previstos), e apesar do tempo restrito para a exposição e a discussão, tivemos um bom saldo em termos de divulgação e intercâmbio com os pesquisadores presentes. Sete dos trabalhos têm texto completo nos anais do Encontro", comenta Maria Marta.

O Grupo temático: "Lingüística Sistêmico-Funcional", organizado pela professora Maria Ester Wollstein Moritz, contou com a participação de 13 trabalhos de representantes de diversas universidades. "A coordenação do GT foi dividida com a professora Dra. Adriana Kuerten Dellagnelo da UFSC que trabalha com a lingüística Hallidayana há alguns anos", conta Ester. O GT compreendeu trabalhos desenvolvidos em língua inglesa e em língua portuguesa, e proporcionou a integração e a articulação de diferentes projetos de abordagens da linguagem e da educação através da LSF. "Foi um momento ímpar para as trocas de experiências e conseqüente aprofundamento nos estudos da LSF no Brasil", completa.

O Grupo temático "Estudos em Análise Crítica do Discurso: questões de gênero social, da mídia e da educação, por sua vez, foi coordenado por José Luiz Meurer (UFSC) e Débora de Carvalho Figueiredo (UNISUL, SC). Conforme relata Débora, o grupo incluiu trabalhos de pesquisadores/as que analisam textos da mídia e da educação como forma de semiose social. "A análise da linguagem em termos de gênero social, da mídia e da educação deve ser vista como um elemento importante no campo de pesquisas sobre processos contemporâneos de mudança social e cultural", comenta. "Na modernidade tardia, a linguagem vem se tornando um elemento cada vez mais saliente nas práticas sociais, fazendo com que a adoção de uma perspectiva crítica sobre o discurso e a linguagem seja essencial, tanto teórica quanto metodologicamente, para estudantes, professores e pesquisadores da área de Letras", complementa.

Além dos dois grupos destacados, vale mencionar os seguintes grupos temáticos: "Gêneros textuais jornalísticos em suportes diversos: análise e ensino", coordenado por Adair Bonini (UNISUL) e Marcos Baltar (UCS); "Cognição, relevância e interface semântico-pragmática", coordenado por Fábio José Rauen (UNISUL) e Jorge Campos da Costa (PUCRS); e, "Subjetividade na voz e na escrita", coordenado por Pedro de Souza (UFSC) e Sandro Braga (UNISUL).

PPGCL


Professora Eliane Debus participa do III Unisul Contexto

 

(31/10/2008) O III Unisul Contexto contou com a presença da Dra. Eliane Santana Dias Debus, do PPGCL, que ministrou minicurso intitulado “A cultura africana na literatura infantil e juvenil: espiadela no mercado editorial brasileiro”, nesta quinta (30) em Tubarão.

 

O minicurso teve como objetivo principal possibilitar aos participantes o conhecimento da produção literária de recepção infantil e juvenil, disponível no mercado editorial brasileiro, que trata como tema a cultura africana. “O mapeamento apresentado está pautado nas pesquisas que venho realizando nos últimos dois anos: “A representação do negro na literatura brasileira para crianças e jovens: negação ou construção de uma identidade?” (PUIP-2006) que verificou uma recorrência aos contos africanos por escritores brasileiros e o projeto “As histórias de lá para leitores daqui: os (re) contos africanos para crianças pelas mãos de escritores brasileiros” (PUIP, 2007)”, comenta a professora.

 

O evento teve como público-alvo os alunos do Curso de Pedagogia da Instituição e demais professores interessados.

 

Suelen Machado


Oficina tematiza a sociedade e o espetáculo

 

(31/10/2008) "Sociedade e o espetáculo: reflexões sobre o papel do texto teatral no contexto escolar" foi o título da oficina proferida pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá, nesta última quinta (30), em Tubarão.

 

A proposta da oficina ministrada pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá foi destacar o papel da literatura ficcional, em especial a dramaturgia e a teatrografia, para a construção do imaginário de nossa nacionalidade, além de propor sua inserção no processo educacional. Foram eleitos como objetivos específicos a apresentação de alguns aspectos da escritura teatral, o desenvolvimento de atividades que envolvam a dramaturgia, bem como exercícios práticos sobre o tema.

 

Segundo Jussara,  a escritura teatral ocupou e ocupa papel importante para o pensar sobre como se construíram (e se constroem) as concepções de nação, a representação de brasilidade, de sociedade, de diferentes vozes sociais que adentraram a cena nesses tempos, nos permitindo também pensar sobre este nosso tempo.

 

"Tal situação caracteriza nossa sociedade como a sociedade do espetáculo", comenta. "Isso torna possível uma linha de reflexão entre as representações escritas para o palco e as representações veiculadas pelas mídias. Essa articulação entre as obras ficcionais e as matérias/reportagens veiculadas pelas mídias pode ser um importante viés para o ensino", complementa.

 

Durante a oficina foram costumizadas máscaras e apresentação de uma esquete da peça “Como se fazia um deputado”, de França Júnior, editada em 1863. A oficina foi dinâmica, envolvendo a participação de todos.

 

Na foto principal, Jussara ministrando a oficina. Mais abaixo, os participantes do evento posam para a foto.

 

 

Suelen Machado


Cartilha de alfatização é tema de conferência

 

(30/10/2008) “Caminho suado: como integrar as cartilhas ao socioconstrutivismo na alfabetização para o letramento?”, foi o título do minicurso ministrado pela professora Dra. Mariléia Reis, nessa quinta (30), no III Unisul Contexto.

 

No evento, Mariléia conjecturou que brasileiros maiores de 30 anos, possivelmente foram alfabetizados pelo ‘Caminho suave’, cartilha idealizada em 1947, por Branca Alves de Lima, e que já vendeu mais de 40 milhões de exemplares. “Ainda hoje, há um grande número de alfabetizadores que consideram que, na prática de sala de aula, a alfabetização com cartilhas (à moda de Caminho Suave) é mais simples e mais produtiva do que a proposta socioconstrutivista, por exemplo, na qual se defende que a alfabetização não depende tanto de métodos ou manuais: cada criança desenvolve sua própria maneira de aprender a ler e a escrever  e busca construir seu conhecimento através de elaboração de hipóteses”, comenta.

 

Mariléia esclarece que nos estudos neurocientistas de Dehaene (2007), do centro Neurospin, de Paris, foi descoberto que o cérebro junta as regiões da linguagem e da visão para proporcionar a leitura. Em seus experimentos, a partir de estímulos visuais (textos verbais e não-verbais),  dois grupos de pessoas foram examinados por máquina de ressonância magnética: um grupo de alfabetizados, e o outro, de não-alfabetizados, e que levaram Dehaene a não hesitar em informar que é o lado esquerdo do cérebro que ativamos quando lemos, precisamente atrás da orelha, na região occipito-temporal-ventral-esquerda. “Seria, então, essa a região que muda no momento da leitura: as pessoas alfabetizadas, ao lerem, ativam esse circuito; as não-alfabetizadas, ao serem expostas a letras, não ativam esse circuito?”, questiona Mariléia.

 

Mariléia explica que hoje, com o avanço das neurociências, concebe-se a leitura como atividade decorrente da existência de uma rede complexa e crescente de interconexões entre vias visuais que reconhecem as letras, de vias auditivas e motoras da palavra oral, e de vias que processam o sentido, concebe-se também que tais traços da topologia neuronial podem nos instruir (e muito) sobre a forma como a criança vai aprender (decodificar e codificar) o sistema escrito: uma das grandes contribuições destas descobertas é, por exemplo, a de que, na alfabetização, deve-se partir, então, do nível fonológico para o grafêmico, ou seja, da decodificação (leitura) para a codificação (escrita), uma vez que a recepção é anterior à produção, isto é, o processo de leitura se dá mediante as interconexões das vias visuais, auditivas e motoras da palavra oral, e não da palavra escrita. “Uma criança que não sabe ler não aprende, portanto, a escrever, e nem desenvolver sua competência discursiva decorrente das práticas sociais da leitura e escrita”, argumenta.

 

Suelen Machado


Professora Eliane Debus coordena Painel sobre Literatura Infanto-Juvenil

 

(27/10/2008) A professora Eliane Santana Dias Debus coordenou Painel sobre a Literatura Infanto-juvenil em Santa Catarina no II Congresso Estadual de Academias de Letras e de Associações de escritores, realizado neste último dia (22), no Auditório da Academia Catarinense de Letras.

 

Eliane apresentou um mapeamento da produção literária para crianças e jovens de Santa Catarina levando em consideração o mercado editorial. “Este evento propiciou aos escritores e acadêmicos presentes um conhecimento a produção literária para crianças e a sua importância para a formação de leitores ao mesmo tempo em que possibilitou aos envolvidos a divulgação de seus trabalhos”, comenta.

 

O II Congresso Estadual de Academias de Letras e de Associações de escritores teve como tema “Quem escreve hoje em Santa Catarina: conhecer para integrar”.

 

Estavam presentes no evento docentes, acadêmicos e escritores representando as academias e associações catarinenses.

 

Na foto, Eliane, Lauro Junkes e o escritor Júlio Queiroz.

 

Suelen Machado


Conferência aborda contribuições de Bakhtin

 

(17/10/2008) “Conhecimento e prática pedagógica: contribuições da teoria de Bakhtin” foi o título da conferência da professora Nelita Bortolotto, da UFSC, nesta última sexta-feira (17) à noite no Salão Nobre do Campus Sul da Universidade do Sul de Santa Catarina.

 

Na conferência, Nelita abordou sua experiência  como pesquisadora e docente com um grupo de professores durante um curso de formação continuada. "Docentes manifestam certo distanciamento do conhecimento científico, ao mesmo tempo em que pouco problematizam o objeto de ensino", argumenta.

 

Para a pesquisadora, “Os professores acabam por naturalizar certas práticas pedagógicas sem refletir teoricamente sobre elas. Fazem assim porque 'todos os professores' agem assim. Mas quem são esses 'todos os professores'?", questiona. "O rito pedagógico acaba por ser mais importante do que a responsabilidade ética do educador. Educamos por quê? Para quê?", complementa.

 

Nelita é professora na pós-graduação em educação da UFSC, onde lidera o Grupo de Pesquisa em “Alfabetização e Ensino da Língua Portuguesa”. Com mestrado em lingüística e doutorado em educação, tem dedicado suas pesquisas ao ensino da língua portuguesa, com ênfase nas questões da linguagem e da formação pedagógica. 

 

Nelita é autora do livro “A Interlocução na Sala de Aula”, publicado pela editora Marins Fontes em 2001. Em 2006, organizou com Nilcéia Lemos Pelandré o dossiê: “Ensino da língua portuguesa e alfabetização: diálogos com a formação docente”, publicado na revista Perspectiva da UFSC.

 

Antes da conferência, a pesquisadora fez parte da banca de defesa de dissertação do estudante Jair Joaquim Pereira. A pesquisa de Pereira, orientada pela professora Maria Marta Furlanetto, teve como tema a Proposta Curricular do município de Palhoça (SC), observando conflitos entre concepção e elaboração didática. Também participou da banca a professora Mariléia Silva dos Reis.

 

PPGCL


V SIGET apresenta programação preliminar

 

(15/10/2008) O V Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais – SIGET apresenta a programação preliminar das conferências. O evento ocorrerá entre os dias 11 e 14 de agosto de 2009, na Universidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.

 

O SIGET contará com a participação de trabalhos de docentes do PPGCL, a professora Dra. Maria Marta Furlanetto participará da mesa “Gêneros textuais: perspectivas epistemológicas e metodológicas”, e o professor Dr. Adair Bonini apresentará trabalho no painel, “Gêneros textuais e instâncias profissionais”.

 

A última edição do SIGET foi realizada em Tubarão, Santa Catarina, entre os dias15 e 18 de agosto de 2007, com a presença de mais de 800 participantes. No IV SIGET inscreveram-se representantes de 16 países, além do Brasil, que contribuíram com aproximadamente 25% dos trabalhos apresentados.

 

O Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, SIGET é um evento que congrega pesquisadores, professores e profissionais envolvidos no estudo dos gêneros textuais. Devido ao caráter interdisciplinar do objeto de estudo (gêneros textuais), o evento tem interessado pesquisadores de diversos ramos da lingüística teórica e aplicada (analistas de discurso, estudiosos do texto, da conversação, da enunciação, formadores de professores), bem como profissionais e pesquisadores de outros campos.

 

Para mais informações, clique aqui.

 

Suelen Machado


Professora Débora Figueiredo participa do Programa “Falando” da TV

 

(15/10/2008) A professora Dra. Débora de Carvalho Figueiredo falou sobre questões de identidade feminina na modernidade no último dia 24 de setembro, no programa “Falando” da TV Com.

 

Débora acredita que linguagem e sociedade são inseparáveis e que, por isso, as instituições sociais, a escola, as empresas, os órgãos públicos, a mídia, dependem profundamente da Linguagem. “O meu foco de interesse é o papel da linguagem nas relações de poder, de controle, de discriminação e de exclusão (por exemplo discriminação de classe, de gênero social, de raça, de orientação sexual, comenta”.

 

Débora afirma que a imposição que a mídia propaga do modelo massificado de beleza, faz com que as mulheres sintam a necessidade de buscar constantemente as transformações para alcançar o padrão ideal. “Com as mudanças tecnológicas e sociais dos tempos pós-modernos, o sentido de identidade individual e social se fragmenta diariamente. Mulheres são especialmente afetadas, já que suas maneiras de ser e de se apresentar ao mundo são ameaçadas por discursos persuasivos que propagam certos estilos de vida”, comenta. “Seus corpos se tornam um local de comodificação nos discursos da propaganda, da moda, do tratamento do corpo, das práticas de emagrecimento, das academias e da cirurgia plástica”, complementa.

 

A professora afirma que, na cultura de consumo, a mulher tem que ser eternamente jovem, magra e bonita. “Ao manipular e muitas vezes mutilar seu corpo, a mulher pós-moderna se transforma e desta forma, medeia à relação entre a sua identidade própria e uma identidade social imposta pela sociedade de consumo. A manutenção corpo perfeito é construída através de muito sofrimento”, argumenta.

  

Veja a matéria completa, aqui.

 

Suelen Machado


Professor Dr. Ingo Voese é homenageado

 

(14/10/2008) João Wanderley Geraldi organiza número especial da revista Signo em homenagem ao professor Ingo Voese. O número 54 do volume 33 da revista da Unisc apresenta depoimentos, resenhas, trabalhos orientados e um texto inédito.

 

Ingo Voese formou-se em Letras pela Universidade de Passo Fundo (1972). Possuía mestrado e doutorado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Seu pós-doutorado foi concluído em 1996 pela Universidade de Campinas. Foi docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem de 2002 a 2007, quando faleceu em 31 de julho de 2007.

 

Ingo Voese foi o fundador da revista Signo, que é publicada pela Universidade de Santa Cruz do Sul/UNISC-RS e circula desde 1975, com periodicidade semestral. A partir de 2007, o periódico passa a ter apenas versão eletrônica. A revista divulga estudos de caráter teórico ou aplicado na área de Letras (Literatura e Lingüística), desde que as contribuições sejam inéditas.

 

Para Fábio Rauen,  coordenador do PPGCL, “Ingo Voese deixou um espaço difícil de ser preenchido nos debates sobre linguagem, uma vez que, em suas reflexões e estudos, se atinha a questões bastante difíceis de serem discutidas, às quais poucos estão afeitos”.

 

Maria Marta Furlanetto assim se expressa sobre o pesquisador: “Bakhtiniano até o fundo da alma, ele conduzia suas explorações sobre o discurso de um modo típico: associava as teorias de Bakhtin especialmente aos trabalhos filosóficos de Heller e Lukács, pelos quais víamos que sentia, como estudioso, um grande respeito”.

 

Conheça os artigos publicados neste fascículo.

 

Depoimentos sobre Ingo Voese:

 

A dádiva como uma tarefa, de Márcia Beatriz Garibaldi Voese;

 

Minhas lembranças de Ingo Voese, de Sírio Possenti;

 

Ingo Voese: notas biográficas & lembranças de convívio, de João Wanderley Geraldi;

 

Professor e gestor movido a paixão, de Elenor J. Schneider;

 

Tributo ao professor Ingo Voese, de Maria Virginia Borges Amaral

 

Amorosidade e humanidade: o discurso como superação na obra de Ingo Voese, de

Maria Marta Furlanetto e Fábio José Rauen.

 

Sobre a Produção Científica:

 

Questões de bilingüismo: ontem e hoje, de Rosângela Gabriel, Onici Claro Flores e Dercy Akele;

 

Construção de uma compreensão, de João Wanderley Geraldi;

 

Notas sobre um livro de Ingo Voese, de Sírio Possenti;

 

Argumentação jurídica, de Nilsa Brito Ribeiro;

 

Discurso, espaço de negociação entre o singular e o genérico, de Aline Maria Pacífico Manfrim Covre;

 

Caminhantes, de Aline Maria Pacífico Manfrim Covre;

 

O contexto refletido, de Maria Marta Furlanetto.

 

Trabalhos Orientados:

 

A universidade e suas ações sobre a realidade social: um discurso fragmentado, de Josemeri Peruchi Mezari;

 

Ideologia e discurso: aproximações da análise do discurso das teorias de Lukács e Bakhtin, de Maria Virgínia Borges Amaral;

 

Libro de la vida de Teresa de Jesus: a autobiografia como manifestação literária feminina, de Dulce Pansera Espíndola;

 

Músicas sertanejas: um diálogo entre raízes e ideologias, de Elisângela de Castro Reynaldo Rodrigues;

 

O discurso do prestígio em um anúncio de automóvel, de Vinicius Valença Ribeiro;

 

O discurso e suas determinações sociais: o avesso de uma inocência, de Márcia Beatriz Garibaldi Voese;

 

Os ascensos revolucionários de fevereiro e outubro de 1917 na Rússia nos livros didáticos de história, de Antonio Pedro Gonçalves;

 

Silenciamento de sentidos: análise de “o operário em construção”, de Marilane Mendes Cascaes de Rosa;

 

Inédito:

 

O discurso como possibilidade: a amorosidade, de Ingo Voese

 

Para ter acesso ao periódico, clique aqui.

 

Suelen Machado


Programa apresenta chapa para o CELSUL

 

(14/10/2008) Com a presidência da professora Débora Figueiredo, a Unisul se candidata a diretoria do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul – CELSUL. Com essa iniciativa, o PPGCL propõe organizar e sediar o IX Encontro do CELSUL, no Campus da Pedra Branca, em 2010.

 

O CELSUL -- Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul -- é uma associação cujo objetivo é aproximar os lingüistas que atuam nas Universidades da região sul do Brasil. Seus encontros procuram oferecer um espaço de discussão e divulgação da produção científica regional e nacional nas áreas de lingüística e lingüística aplicada. Além disso, os encontros do CELSUL também têm tentado se caracterizar como um fórum multidisciplinar, de interação entre lingüistas e estudiosos de áreas afins -- como os estudos literários, a comunicação, a psicologia, a fonoaudiologia, etc

 

Segundo Débora Figueiredo, o Mestrado já organizou um evento internacional, o IV SIGET (Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais), em agosto de 2007 em Tubarão. O SIGET contou com cerca de 700 participantes do Brasil e de diversos outros países (Argentina, Austrália, Canadá, Chile, EUA, Finlândia, Inglaterra, Noruega, Portugal, Uruguai).

 

Na avaliação do Mestrado, esse evento, além de ter sido um dos maiores na área dos Estudos de Gênero Textual, e de ter nos possibilitado estabelecer várias linhas de interlocução e projetos em conjunto com pesquisadores de outras instituições brasileiras e estrangeiras, rendeu alguma familiaridade com o processo de organização de eventos científicos.

 

“Acreditamos que o Campus da Pedra Branca tem a estrutura necessária para sediar esse grande evento”, comenta Débora. “Além disso, esse campus está localizado no Município de Palhoça, um lugar de grandes belezas naturais (a exemplo da Praia da Guarda do Embaú e do Parque da Serra do Tabuleiro), e fica a menos de 20 minutos de carro do centro de Florianópolis”, complementa.

 

A chapa da Unisul para a diretoria do CELSUL é composta pelos seguintes membros:

 

Presidente: Débora de Carvalho Figueiredo

Vice-presidente: Maria Marta Furlanetto

Secretária: Maria Ester Moritz

Tesoureiro: Adair Bonini

 

A eleição para a nova diretoria do CELSUL ocorre no próximo dia 31 de outubro em Porto Alegre. Podem votar todos os participantes do VIII Encontro do CELSUL.

 

Suelen Machado


Mariléia Reis integra mesa no II SINPEL

 

(10/10/2008) A professora Dra. Mariléia Reis participou da mesa-redonda “Alfabetização: aprendizagem neuronial para as práticas sociais de leitura e escrita, no II Seminário Integrado de Pesquisas em Lingüísticas: Língua(gens), fundamentos epistemológicos (II SINPEL), realizado entre os  06 e 08 de outubro, pelo PPGL da UFSC.

 

A discussão dessa mesa faz parte dos trabalhos de pesquisa e elaboração de material didático-pedagógico da equipe de alfabetização do Projeto Ler & Ser: prevenindo o analfabetismo funcional. O foco temático recai sobre a premente necessidade de uma base teórica atualizada, que fundamente a ação pedagógica sobre os processos de emergência e aprendizagem inicial da leitura e da escrita que implicam a aprendizagem neuronial (DEHAENE, 2007), com vistas a práticas sociais efetivas e significativas.

 

Dados do Indicador de Alfabetismo Funcional (INAF) demonstram que os índices de analfabetismo funcional ultrapassam 70% da população brasileira com idade superior a 15 anos. Os dados são corroborados pelas estatísticas mais atuais do IBGE sobre os alunos dos quatro anos iniciais. “O projeto Ler & Ser se volta à prevenção do analfabetismo funcional, historicamente instalado em nosso sistema educacional”, comenta Mariléia. "A estratégia começa pela formação de 500 multiplicadores com vistas a atingir um grande contingente de 2500 professores que, por sua vez, atuarão com mais de 130000 crianças", complementa.

 

Paralelamente, a equipe está elaborando o material pedagógico e os Guias para o Professor. “Nesta mesa, focalizamos: as bases teóricas do Projeto que fundamentam a metodologia para a alfabetização e para o ensino da leitura e escrita; a formação de professores das séries iniciais; a importância do desenvolvimento da consciência fonológica para a alfabetização e a alfabetização para o letramento, afirma Mariléia”.

 

Participaram da mesa, Leonor Scliar-Cabral (UFSC), Ana Cláudia de Souza (UFSC) e Otília Heinig (FURB).

 

O SINPEL contou com a participação de trabalhos dos discentes do PPGCL Lucimar da Silva (Contradições no ensino-aprendizagem na correlação grafema-fonema vocálico do português do Brasil), Rosane Bolzan (Efeitos da intervenção docente através de perguntas-QU em textos escolares), Edna de Freitas (O gênero artigo de opinião na esfera escolar: prática social da escrita como uma das metas do ‘Ler & Ser’), Cíntia da Silva e Jeanine Costa (Second life: linguagem e semiose), além da participação de alunos egressos, como Josemeri Peruchi Mezari (Proposta curricular de SC, universidade e formação docente: discurso em conflito). Estiveram presentes também no evento as alunas Neli Sabadin e Sebastiana Santos.

 

Na foto principal, da esquerda para direita Leonor, Mariléia, Ana Claúdia e Otília. Mais abaixo, as professoras posam para a foto.

 

 

 

Suelen Machado


Mariléia Reis forma professores na Rede Estadual

 

(10/10/2008) A professora Mariléia Reis ministrou um curso sobre o ensino e aprendizagem de leitura e escrita a docentes que trabalharão com a terceira série do ciclo de nove anos, em 2009, na última quarta (8), na rede estadual de ensino, no município de Araranguá e região.

 

Para Mariléia, a introdução de mais um ano no ensino fundamental requer um trabalho continuado e proativo. "A nova proposta do Estado, que é de estender a aprendizagem da leitura aos três anos da série inicial, é muito inovadora e poderá gerar, de fato, a mudança efetiva na alfabetização das nossas crianças, sendo que, cada vez mais, é crescente o número de alunos não-alfabetizados na quarta série do primeiro ciclo do ensino fundamental, explica". 

 

Para a professora, a lingüista Magda Soares tem muita razão, quando nos diz que, com a introdução do termo 'letramento' nos materiais pedagógicos que circulam nas escolas (PCN e PCSC, por exemplo), houve uma grande confusão (por parte de docentes mal-formados) com o que se entende, hoje, como 'aprendizagem da leitura'. Segundo Soares, precisamos reinventar a alfabetização, porque, com este equívoco, ela foi 'desinventada' no Brasil, nos últimos vinte anos.

 

"E é nesta perspectiva que se fundamenta a proposta do Projeto "Ler&Ser", em que se defende a reinvenção da aprendizagem da leitura para o exercício pleno de cidadania, no que diz respeito às práticas sociais, com base nos avanços das pesquisas das neurociências", comenta Mariléia Reis. "Se o aluno não souber ler com fluência, como poderá fazer as inferências textuais? Por isso, a defesa da alfabetização para o letramento, e não o inverso" complementa.

 

 Além de professores do terceiro ano, o curso de formação contou com a participação de docentes das demais séries iniciais e de profissionais ligados à Secretaria de Educação de Araranguá.

 

Suelen Machado


Maria Ester é homenageada no ALSFAL

 

(06/10/2008) A professora Maria Ester foi homenageada pela Comissão organizadora do 4° Congresso da Associação de Lingüística Sistêmico-Funcional da América Latina, ASFAL.  O evento encerrou nesta última sexta (3) de outubro.

 

Maria Ester participou ativamente da Comissão organizadora do evento que, segundo a presidente da ALSFAL no Brasil, professora Leila Bárbara (PUCSP), “Será uma tarefa difícil para os próximos organizadores superar”.

 

“Organizar um evento desse porte não é tarefa fácil, mas estar em contato direto com os ‘papas’ na área já vale o esforço”, comenta.

 

O congresso apresentou os maiores nomes em sistêmica no mundo como o professor Jim Martin da Universidade, de Sidney, o professor Christian Matthiessen, da Universidade de Hong Kong, Carlos Gouveia da Universidade de Lisboa e Theo van Leeuwen da Universidade de Tecnologia, Sidney.

 

O 4° Congresso da Associação de Lingüística Sistêmico-Funcional da América Latina, ASFAL teve como objetivo estimular a integração e articulação de diferentes projetos nacionais e internacionais de abordagens da linguagem e da educação através da LSF. O congresso foi o maior já realizado e contou com a apresentação de cerca de 200 comunicações.

 

No congresso, a professora Maria Ester também ministrou a conferência “A modalidade no discurso acadêmico: um estudo contrastivo de conclusões de artigos acadêmicos escritos em português e em inglês”.

 

Suelen Machado


Débora Figueiredo lança livro na ALSFAL

 

(03/10/2008) A professora Débora de Carvalho Figueiredo lançou no 4º Congresso da ALSFAL o livro “Desvendando discursos: conceitos básicos” nesta última quinta (2). Na obra, Débora escreve o capítulo “A análise crítica do discurso na sala de aula: uma proposta de aplicação pedagógica”.

 

A Coletânea, organizada pelas professoras Carmen Rosa Caldas-Coulthard e Leonor Scliar-Cabral traz a colaboração de vários(as) investigadores(as) nas mais diversas áreas referentes à Análise de Discurso Anglo-Saxã, desde a análise teórica à aplicação textual, à tradução, à lexicografia, passando pelas áreas de discuso forense e de estudos de gênero. Carmen Rosa, da Universidade de Birmingham, foi professora colaboradora do PPGCL em 2005, e é uma expoente na área de Análise Crítica do Discurso. Leonor tem colaborado com o Programa, especialmente no Projeto “Ler & Ser”.

 

Segundo as organizadoras, o livro esclarece as noções básicas da Análise Crítica do Discurso com exemplos práticos aplicados em temas como: clinica psiquiátrica, narrativas, letramento, publicidade, mídia, aquisição da linguagem, preconceito racial contra a mulher.

Segundo as organizadoras, existe uma carência de material em Língua Portuguesa em análises discursivas sob o enfoque das correntes anglo-saxônicas. O livro é uma boa alternativa para alunos e professores de graduação e de pós-graduação em letras, lingüística, tradução, psicologia, direito, jornalismo, publicidade, ciências sociais, filosofia e antropologia.

 

No Congresso, Débora também participou da Mesa: “Interação com Lingüística Sistemica Funcional”, que foi coordenada pela professora Leila Barbara (PUC/SP). A mesa contou com os seguintes trabalhos: 'Escrita e ensino para além da gramática com a gramática', de Carlos Gouveia (Univ. de Lisboa); 'Representações da pobreza e gramática', de Denize Elena Garcia da Silva (Unb); e 'Linguagem, corpo e gênero social: contribuições da Análise Crítica do Discurso e da Lingüística Sistema Funcional', de Débora de Carvalho Figueiredo (Unisul).

 

O 4° Congresso da ALSFAL visa estimular a integração e articulação de diferentes projetos nacionais e internacionais de abordagens da linguagem e da educação através da Lingüística Sistêmico-funcional – LSF. O evento contou com aproximadamente 100 participantes provenientes de vários países (Argentina, Austrália, Brasil, Colômbia, China, Inglaterra).

 

A professora Maria Ester Wollstein Moritz, do Mestrado, participou da Comissão organizadora e a professora Débora de Carvalho Figueiredo participou da Comissão Científica.

 

No evento, os participantes apresentaram questões atuais da linguagem e da educação, examinando os seguintes temas: linguagem como sistema, linguagem como arte, linguagem como conhecimento e linguagem como comportamento.

 

Conforme a organização do evento, tomar a linguagem como sistema implica olhar “qualquer aspecto da semântica, da lexicogramática e/ou da grafologia/fonética ou qualquer aspecto da interação entre estes níveis, incluindo a variação lingüística e as perspectivas históricas”. Olhar a linguagem como arte implica estudar os textos literários e/ou outros tipos de discursos esteticamente orientados  ou meios de expressão artística. Linguagem como conhecimento, por sua vez, tem a ver com o lado cognitivo ou psicológico do uso da linguagem, nesse caso, levando-se em conta o seu desenvolvimento, a produção de texto, a compreensão em leitura, o processamento de informações e o papel da memória. Linguagem como comportamento, por seu turno, investiga os textos como uma atividade semiótica e uma forma de ação social. Nesse aspecto, são incluídos o estudo de diferentes gêneros e a análise da interação entre discurso e práticas sociais, temas de pesquisa recorrentes no PPGCL.

 

Na foto principal, Débora posa entre as professoras Leonor e Carmen Rosa

 

PPGCL


Papo Cabeça tem como tema Monteiro Lobato

 

(03/10/2008) A professora Eliane Debus participou , do “PAPO Cabeça: Monteiro Lobato” , atividade organizada pela editora da Univali, no campus sede da Univali, em Itajaí, na noite desta quinta-feira (2).

 

A atividade busca a integrar escritor e o público leitor, através de um bate papo sobre a obra e a aquisição do livro por preço a baixo do mercado. Eliane Debus falou sobre seu livro Monteiro Lobato e o leitor, esse conhecido (publicado pela UNIVALI e UFSC), editado em 2004, ganhador, na categoria livro teórico, do selo de Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil no ano de 2005.

 

Estiveram presentes ao evento alunos da Univali e público externo, entre eles as alunas do Mestrado em Ciências da Linguagem Claudia Poglia e Maria Laura.

 

PPGCL


Projeto Ler & Ser é objeto de entrevista

 

(30/09/2008) A professora emérita Leonor Scliar-Cabral, em entrevista ao Jornal A Letra do último dia (21), apresentou a proposta do projeto Ler & Ser.

 

Leonor, que é coordenadora-geral do projeto ‘Ler&Ser, combatendo o analfabetismo funcional’, concedeu entrevista ao Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale), da UFMG, sobre os pressupostos teórico-metodológicos que fundamentam o livro 'Alfabetização: aprendizagem neuronial para as práticas sociais de leitura e escrita. O livro será editado pela Unisul, ainda em 2008, em co-autoria com as professoras Mariléia Reis (PPGCL/Unisul), Otília Heinig (PPGE/Furb) e Ana Cláudia Souza (PPGL/Ufsc).  O Ceale desenvolve projetos integrados de pesquisa relacionados à análise do estado do conhecimento sobre a alfabetização e o letramento, assim como das práticas de leitura e escrita e dos problemas relacionados a sua difusão e apropriação.

 

Para Leonor, o que entra em questão nas séries iniciais não consiste apenas em ensinar o alfabeto, mas em alfabetizar para o letramento. A proposta do projeto Ler & Ser é motivada pelos alarmantes índices de analfabetismo funcional, não só no Brasil, conforme os últimos dados do IBGE, mas em muitos países altamente desenvolvidos. “Ela fundamenta-se nos mais recentes achados das neurociências e da psicolingüística”, explica.

 

Para conhecer a entrevista completa, clique aqui.

 

Suelen Machado


Colóquio Machado de Assis

 

(29/09/2008) O colóquio Machado de Assis realizado pelo Curso de Letras da Unisul, Campus Pedra Branca, nesta última sexta (26), superou as expectativas dos organizadores, reunindo cerca de 80 pessoas entre professores e alunos de vários cursos da Universidade.

 

Para a Coordenadora do Curso de Letras, professora Dilma Beatriz Juliano, Machado de Assis não se esquiva da abordagem dos mais espinhosos temas: desde as alucinações e desvarios dos atos humanos até o ridículo provocado pelas distinções de classes sociais, num Brasil que se pretendia moderno e liberal. “Trata-se do primeiro evento realizado na nova fase do curso que se inaugura nesse semestre de 2008-2”, afirma. “Esse Colóquio abre uma programação de eventos e ações de ampliação do Curso de Letras, constituindo-se de um planejamento que visa à implantação de dois novos cursos de graduação: Língua Portuguesa e Literatura e Língua Inglesa e Literatura; a expansão do Programa de Línguas e a solidificação da pós-graduação lattu sensu”, complementa.

 

A programação do Colóquio contou com a participação das palestrantes Eliane Santana Dias Debus, professora do Mestrado em Ciências da Linguagem, Graduação em Pedagogia e Letras, Lara de Oliveira, professora no Curso de Letras da UNIVALI  e Chirley Domingues, professora de Letras e Assistente Pedagogia da UNISUL.

 

A Professora Lara de Oliveira apresentou a palestra intitulada Especulações sobre a sexualidade na obra machadiana. Ela falou sobre sua leitura do livro Por um novo Machado de Assis (2006), do crítico literário John Gledson, quando ele defende a tese de que as personagens machadianas, longe do naturalismo da época, têm a sexualidade mostrada em seu domínio político. Ou seja, o autor denuncia que através sexualidade os interesses políticos e econômicos podem ser alcançados nas representações sociais do final do século XIX e início do XX.

 

A Professora Eliane Debus, com o texto Machado de Assis e a roda viva da tradição literária, aproximou o estilo, as preocupações e a maneira de abordagem machadianos com a produção literária de Laurence Sterne, mais especificamente na obra A vida e as opiniões do cavalheiro Tristam Shandy (tradução de José Paulo Paes, Cia das Letras, 1998), bem como, alinhou aos dois anteriores Xavier de Maistre, autor do livro Viagem à roda do meu quarto (tradução de Marques Rebello, Estação Liberdade, 1989). Seguindo a abordagem de Antonio Candido, em Formação da Literatura Brasileira,  Eliane revela traços inequívocos da influência dos autores estrangeiros na obra machadiana.

 

A Professora Chirley, por sua vez, levou sua contribuição para o Colóquio com o texto Machado de Assis e o olhar de seus contemporâneos. Neste trabalho, a pesquisadora trouxe informações que contextualizaram Machado de Assis no campo literário do século XIX, mostrando a opinião de seus contemporâneos que, curiosos com a personalidade esquiva de Machado, buscavam em sua obra desvendar a intimidade do autor, reservada por ele à exposição pública. Chirley apresentou as opiniões controversas de Silvio Romero e de João do Rio sobre o bruxo do Cosme Velho, contando, também, fatos e causos apontados por biógrafos e críticos de Machado de Assis.

 

Com tão diversificada pesquisa sobre Machado de Assis mostrada pelas palestrantes confirmou-se aquilo que o próprio título do debate buscava afirmar, ou seja, mesmo após 100 anos de seu falecimento o autor e crítico permanece no debate cultural brasileiro mostrando-se a novas leituras e atualizadas abordagens teórico-críticas, que despertam curiosidade e reúnem platéias.

 

Estavam presentes no evento, alunos dos Cursos de Administração, de Sistema de Informações, de Pedagogia e de Comunicação Social, além, é claro, dos acadêmicos de Letras.

 

PPGCL


Cérebro tem área destinada à leitura identificada

 

(26/09/2008) O Jornal Nacional desta última quinta-feira (25) começou com uma descoberta histórica. Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar a região do cérebro responsável pela leitura.

 

Os pesquisadores conseguiram, pela primeira vez, fazer um mapa da leitura no cérebro humano. “Essa região conecta as áreas cerebrais destinadas à linguagem e da visão no momento da leitura”, afirma o pesquisador Stanislas Dehaene, do centro Neurospin, de Paris. “Este estudo pode auxiliar no tratamento de lesões cerebrais e distúrbios de aprendizagem”, complementa.

 

No Brasil, a professora Emeritus Leonor Scliar Cabral está traduzindo para o português o livro de Dehaene, “Les neurones de la lecture”, lançado no final de 2007, na França. A maior contribuição do livro é mostrar o mapeamento do modo como se dá o processamento da leitura no cérebro e o modo como aprendemos a ler.

 

O PPGCL, através do projeto 'Ler&Ser, combatendo o analfabetismo funcional', soma contribuições a estas descobertas atuais, ao redefinir o ensino da aprendizagem da leitura em cinco dissertações atualmente desenvolvidas pelas suas mestrandas. Por isso tem parte nestas conquistas, visto que esses trabalhos têm como suporte teórico-metodológico as descobertas de Dehaene, decorrentes, na sua maioria, de imagens de ressonância magnética, eletroencefalografia e magnetoencefalografia.

 

“As descobertas das pesquisas das neurociências são um grande avanço, mas, diríamos,  pouco produtivo, se não se transformar em material didático que atenda a estas descobertas, para a nossa prática docente”, argumenta a professora Mariléia dos Reis, do PPGCL.

 

“O prazer de ler, todo mundo compreende. O que ninguém nunca soube explicar é de que forma isso acontece na cabeça da gente”, afirma a reportagem da Rede Globo. Com a participação de pesquisadores brasileiros, a Ciência conseguiu, pela primeira vez, fazer o mapa da leitura no cérebro humano. Conforme a matéria divulgada no dia 25 último, neurocientistas do Hospital Sarah, de Brasília, e do centro Neurospin, de Paris, descobriram que o cérebro junta as regiões da linguagem e da visão para proporcionar a leitura.

 

O neurocientista francês Stanislas Dehaene não hesita: “É o lado esquerdo do cérebro que é ativado quando lemos, precisamente atrás da orelha”. A descoberta foi feita submetendo a estímulos visuais dois grupos de pessoas examinadas pela máquina de ressonância magnética: alfabetizados e analfabetos. “As pessoas alfabetizadas, ao lerem, ativam esse circuito. E as pessoas analfabetas, ao serem expostas a letras, não ativam esse circuito”, resumiu Lúcia Braga para o Jornal Nacional.

 

Saber exatamente como o cérebro aciona a leitura abre novas possibilidades para a medicina. “Por exemplo, no diagnóstico da dislexia, no tratamento de pessoas que tiveram traumatismo craniano. Descobrir, desvendar os mistérios do cérebro é uma coisa fantástica e é um passo para o desenvolvimento”, explica Lúcia.

 

Veja a matéria completa no Jornal Nacional, aqui.

 

PPGCL/Jornal Nacional


Um lugar que faz a diferença

 

(23/09/2008) O mestrado em Ciências da Linguagem possibilita a todas as suas funcionárias e estagiárias um aprendizado contínuo. Charlene, Keisy, Layla e Suelen falam de suas experiências.

 

É só ligar. E eis um “Mestrado em Ciências da Linguagem, Layla (Suelen, Charlene, Keisy) Bom dia (Boa tarde)!”. E, em seguida, aquele tratamento que se dispensam aos amigos mais queridos. Converse com a gente! Que podemos fazer para ser útil! Reflexo de profissionalismo apenas? Sim, mas não somente. O ambiente transpira engajamento. Talvez aquela pista da qualidade do ambiente do curso.

 

Para Layla, secretária do programa, trabalhar com a equipe de professores do mestrado é uma oportunidade de adquirir conhecimento acadêmico e profissional. Modesta. Nós também aprendemos muito com ela. Em especial, aprendemos a organização e a competência com que Layla assume suas atividades. Um sorriso e uma atenção sempre presente.

 

O mestrado conta também com uma equipe de estagiárias: Suelen Francez Machado, Charlene Silveira Miranda e Keisy da Silva Bratti. 6ª fase de Letras, presente! Não só presente, porque presentes. Presente, porque são um presente para o mestrado, quer na condução das revistas científicas, na condução do sítio do mestrado, ou no auxílio que dão às atividades da secretaria

 

“Como acadêmica do curso de Letras, sinto-me honrada em estagiar no PPGCL”, afirma Suelen. “O ambiente de trabalho é ótimo. A Layla e o professor Fábio Rauen estão sempre presentes para nos auxiliar”, complementa. Suelen, que atua no período matutino, é responsável pela gestão da secretaria das revistas científicas.

 

“Trabalhar no mestrado está sendo uma experiência maravilhosa, na qual aprendo coisas novas não só relacionadas à secretaria, mas também a minha área do curso de Letras”, diz Charlene, que atua no período vespertino, na sala da coordenação. Charlene tem dado apoio à secretaria e cuidado da organização das viagens dos docentes e dos alunos do curso.

 

Keisy começou suas atividades mais recentemente, está se adaptando ao ambiente e às atividades. “É fundamental mencionar a oportunidade de conviver com os professores doutores, com os quais aprendemos muito. E o mais importante é estar inserida em um ambiente agradabilíssimo, onde todos se respeitam e a união faz a força”, diz. Ela está assumindo questões do sítio e auxiliando a equipe nas demais atividades.

 

Com esse quarteto, quem segura!

 

Na foto, da esquerda para a direita Charlene, Keisy, Layla e Suelen.

 

PPGCL


Palestra tematiza Literatura de recepção infantil

 

(19/09/2008) Com a temática Literatura de recepção infantil a professora Eliane Debus realizou uma palestra junto aos professores de Educação Infantil da rede Municipal de Florianópolis na última terça-feira (16).

 

Eliane desenvolve pesquisas que contemplam a literatura de recepção infantil e juvenil a partir da investigação do sistema de sua produção, circulação e consumo. Entre sua produção, destaca-se a obra Festaria de brincança.  “As condições de produção institucional, especialmente no cotidiano da Educação Infantil, se manifestam de várias maneiras. É preciso viajar e estudar este espaço para descobrir de que formas isso ocorre, comenta a professora. “A leitura literária neste espaço não é apenas pensada como um vôo solitário. Ela é a revoada de um bando (professor e criança) para um mesmo local: o imaginário, onde se encontra mais do que um território quente, pois reside ali a festividade com que a literatura pode presentear o leitor”, complementa.

 

No ano de 2007 a prefeitura de Florianópolis adquiriu para o acervo das instituições de Educação Infantil o livro Festaria de brincança: a leitura literária na Educação Infantil (Paulus, 2006).

 

Ludicidade, criança e literatura em foco

 

A professora Eliane Debus proferiu a palestra intitulada “Reflexões sobre a importância e uso da literatura no processo educativo” no evento Ludicidade, criança e literatura, no Instituto de Ensino Superior Santo Antonio (INESA), Joinville, no dia 11 de setembro a convite da professora Dra. Maria Aparecida Lapa Aguiar, organizadora do evento.

 

Segundo Eliane a linguagem literária nos espaços educativos formais e não-formais é reconhecidamente uma das possibilidades de desenvolver a sensibilidade leitora, nos seus aspectos críticos e criativos, contribuindo para a inserção das crianças e jovens nas práticas sociais de leitura e, por conseqüência, de cidadania.

 

O evento tinha como público alvo os alunos do Curso de Pedagogia da Instituição e demais professores interessados. Na ocasião a professora Eliane Debus lançou seu livro O medo e seus segredos e autografou o Livro Festaria de brincança: a leitura literária na Educação Infantil.

 

PPGCL


l

PPGCL participa de Simpósio Mundial de Estudos de LP na USP

 

(19/09/2008) O I Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa (SIMELP) que ocorreu entre os dias 01 a 05 de setembro de 2008, na USP (Universidade de São Paulo) contou com a presença das professoras do PPGCL Dra. Maria Marta Furlanetto e Dra. Mariléia Reis e das mestrandas Fabiana Nazário, Édina  de Freitas e Cristiane Dagostim.

 

O SIMELP  contou com a participação de trabalhos dos docentes do PPGCL Maria Marta Furlanetto (Formações neológicas e discurso) e Mariléia Reis (Alfabetização para o letramento, baseada nos princípios do sistema alfabético do PB). As mestrandas Fabiana Zulma Goulart Nazário (Capacitação de docentes para o ensino-aprendizagem do reconhecimento da sílaba tônica), Édina da Silva de Freitas (O gênero artigo de opinião no contexto escolar: estratégia para a produção textual no Projeto "Ler & Ser") e Cristiane Gonçalves Dagostim (O gênero charge no contexto escolar: estratégia para a leitura e produção textual).

 

Para a professora Maria Marta, o evento possibilitou contato com pesquisadores de diversas nações. “O Simpósio ofereceu um conhecimento sobre a difusão do português nos países falantes da Língua Portuguesa", afirma a professora.

 

Segundo Mariléia Reis, especificamente sobre o projeto Ler e Ser, no evento foi firmada a parceria com a Universidade de Açores, o que vai possibilitar ao Programa do Mestrado em Ciências da Linguagem o intercâmbio de alunos com Portugal.

 

O Simpósio foi organizado com a parceria de universidades do mundo todo em que se ensina a língua portuguesa e suas variadas formas de difusão cultural, tais como músicas, língua, lingüística e literaturas. A sede administrativa foi instalada na USP e tem à sua frente uma coordenação geral composta por professores da Universidade de São Paulo, da Universidade de Évora e da Universidade Cruzeiro do Sul.

 

O SIMELP acolheu, ainda, a estrutura e programação de três outros eventos, anteriormente com organização e programação individuais. Trata-se do III Encontro Anual do Grupo de Pesquisa "Mudança Gramatical do Português (USP/CNPq), do II Encontro Anual do Grupo de Pesquisa "Morfologia Histórica do Português (GMHP/USP) e do IV Simpósio Internacional sobre  Práticas Escritas na Escola: letramento e representação (Projeto CAPES/COFECUB 510/05). Foram eventos paralelos que, nesta edição, integraram-se ao SIMELP por meio da estrutura organizativa e da programação, que contou com simpósios com apresentação de trabalhos e debates. Ainda em parceria com o PPG em Filologia e Língua Portuguesa, ocorreu um minicurso de pós-graduação oferecido pelo Prof. Dr. Gregório Firmino (Universidade Eduardo Mondlane) sobre o contato lingüístico e o português como segunda língua em Moçambique.

 

O conselho científico contou com instituições brasileiras (USP, UNICAMP, UFG, UNESP, UNICSUL, UFOP, UFRJ, UNIR, UFV, UNEB, UFMT, UNBRO, UERJ, FSA, UNIBAN, UNINOVE, UPM), instituições internacionais: Universidades Européias (França, Portugal, Finlândia, Espanha), universidades chinesas, norte-americanas, africanas e outras associações e institutos: AILP (Associação Internacional de Lingüística do Português), Museu de Língua Portuguesa, GEL (Grupo de Estudos Lingüísticos do Estado de São Paulo), CELP (Centro de Estudos Lingüísticos do Estado de SP, coordenado por Benjamin Abdala Júnior).

 

PPGCL


Conferência discute mídia e linguagem

 

(16/09/2008) A professora Dulce Márcia Cruz da Universidade Federal de Santa Catarina apresentou a conferência "Linguagem e Mídia" para professores e alunos do mestrado e da Comunicação Social na tarde de segunda-feira (15) no Campus da Pedra Branca.

 

Dulce é expoente em pesquisa que fazem a interface entre a Educação e Mídias. "Meu interesse está particularmente voltado a temas como a formação docente para as mídias e para a educação a distância, a inovação tecnológica, a questão dos videogames e a correlação entre a linguagem e as narrativas na cibercultura", relata.

 

Professora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem de 2001 a 2007, Dulce é  professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina no Departamento de Metodologia de Ensino (MEN) e no Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Ciências da Educação (CED). A pesquisadora é graduada em Comunicação Social (RTV) pela Fundação Armando Álvares Penteado (1980), mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994), e doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001).

 

Agenda cheia na Pedra Branca

 

A conferência da tarde não foi a única atividade que movimentou o Programa nessa segunda-feira. Pela manhã, alunos e docentes do curso participaram de um Curso de Capacitação sobre bases de dados promovido pela Biblioteca Central da Unisul.

 

O curso, que tem como público-alvo  professores e estudantes envolvidos com pesquisa (PUIC, PUIP, PIBIC, Art. 170, núcleos de pesquisa) e  cursos de mestrado, trata de orientações, através de oficinas, sobre o acesso às Bases de Dados assinadas pela Unisul (Academic OneFile, Be usiness Source Premier e Regional Business News e NTIS).

 

À tarde, na sala 211 do Bloco B, ocorreu a defesa da dissertação da aluna Kátia Regina de Souza Pereira Rufino (foto). Intitulado: "Leitura da Música Popular Brasileira: uma proposta para atividade teórico/prática no ensino de Arte", o trabalho foi orientado pela professora Jussara Bittencourt de Sá. Participaram da banca os professores Fábio de Carvalho Messa, Unisul e Dulce Márcia Cruz – UFSC, como avaliadores e Aldo Litaiff, como suplente.

 

PPGCL/Unisul


i

O bandido que sabia Latim

 

(16/09/2008) O escritor, jornalista e biógrafo Toninho Vaz apresentou seu livro intitulado O bandido que sabia latim, nessa última sexta (12), na IV Feira do Livro de Tubarão. O livro fala sobre a poética de Paulo Leminski.

 

Segundo o autor, o livro pretende fornecer elementos para a compreensão do poeta e de sua personalidade singular. “Os trabalhos publicados por Leminski eram ricos estética e graficamente. O autor era apaixonado pelo avanço da tecnologia e da publicidade”, afirma Toninho Vaz.

 

O jornalista Toninho Vaz nasceu em 1947 em Curitiba. Iniciou sua carreira aos 22 anos, escrevendo sobre cinema no suplemento cultural do Diário do Paraná. Em 1974, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde foi repórter da revista Isto É e colaborador da Revista de Domingo do Jornal do Brasil. Em 1979, trabalhou como editor do Jornal Bandeirantes. Durante 14 anos, foi editor de texto da Rede Globo participando de diversos telejornais e programas semanais. Vaz é autor dos livros, O Bandido que Sabia Latim, a biografia de Paulo Leminski, e Pra Mim Chega, a biografia de Torquato Neto.

 

A IV edição da Feira do Livro de Tubarão encerrou na última segunda (15). Foram oito dias de palestras, lançamentos e venda de livros.

 

Suelen Machado


Um garoto chamado Rorbeto

 

(12/09/2008) Gabriel, o Pensador, escritor e cantor, falou sobre sua vida e obra para uma platéia de docentes e discentes da Universidade e do Colégio Dehon nesta tarde de sexta-feira (12) no Espaço Integrado de Artes de Tubarão.

 

Pela primeira vez, Tubarão contou com a presença do escritor, poeta e músico, Gabriel, o pensador. Alunos e professores do Colégio Dehon e da UNISUL participaram do evento, em que o escritor relatou um pouco de sua vida pessoal e profissional.

 

De um jeito muito descontraído, Gabriel interagiu com a platéia, fazendo com que o público encenasse junto com ele a história de seu livro “Um Garoto chamado Rorbeto”, com o qual recebeu o Prêmio Jabuti, em 2006. O livro conta a vida de um garoto, que, pela ignorância do pai quando foi registrá-lo, trocou as letras do nome. Além de ter um nome diferente, Rorbeto ainda tinha uma mão com seis dedos, e esses fatores deixavam o menino se sentir diferente. Porém, Rorbeto descobre que mesmo diferente conseguiria aprender a escrever e a contar.

 

Em seguida, o escritor falou de seu livro “Diário Noturno”, que abrange vários assuntos, inclusive textos escritos por Gabriel quando ainda era criança. O compositor, no livro, escreveu vários poemas, muitos deles para familiares, aos quais ele se demonstrou muito ligado. Ele confessa que seu gosto pela escrita teve influência de sua mãe, a jornalista Belisa Ribeiro.

 

Gabriel conta de como a leitura e a escrita sempre fizerem parte de sua vida. Seu nome, Gabriel, foi dado em homenagem ao escritor Gabriel Garcia Marques. “Nasci antes do tempo e minha mãe ainda não sabia qual seria meu nome, como ela era fã de Gabriel Garcia Marques, resolveu colocar meu nome de Gabriel”, disse.

 

Na noite anterior, Gabriel participou das atividades da IV Feira do Livro, que continua até o dia 15 de setembro em frente ao Pátio da Antiga Rodoviária de Tubarão. 

 

Keisy Bratt


Mestrado tem seu reconhecimento renovado

 

(11/09/2008) Resolução 106/2008 do Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina renova o reconhecimento do Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem até 2013.

 

A comunidade do Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem comemorou a renovação do reconhecimento do curso na esfera estadual. “O ato oficial foi promulgado no dia 26 de agosto último, mas nós recebemos oficialmente a Resolução nesta semana”, comentou o professor Fábio Rauen, coordenador do Programa. “Estamos fazendo um grande trabalho e ficamos felizes por termos sido reconhecidos pelo Conselho Estadual de Educação”, completa.

 

O Curso foi avaliado em loco por uma Comissão formada pelas professoras Ana Cláudia de Souza e Rosângela Hammes Rodrigues da UFSC no final de maio deste ano. A avaliação foi aprovada pelo Parecer n. 265, relatado pelo Professor Darcy Laske e acompanhado pelo plenário do Conselho formado pelos professores: Paulo Hentz, presidente da CEDS, Tito Lívio Lermenn, vice-presidente da CEDS, Egon José Schramm, Gilberto Borges de Sã, José Roberto Provesi, Kuno Paulo Rhoden, Mauricio Fernandes Pereira e Walter Fernando Piazza.

 

PPGCL


Professores do PPGCL organizam edição da LHS

 

(11/09/2008) Débora Figueiredo, Charles Bazerman e Adair Bonini são organizadores do volume 3, n. 1, da revista Linguistics and the Human Sciences – LHS (Lingüística e Ciências Sociais), que é uma publicação da editora Equinox, sediada em Londres. Figueiredo e Bonini são professores da Unisul e Bazerman leciona na University of Califórnia (EUA).

 

“Este número é um dos resultados mais importantes do IV SIGET – Simpósio Internacional de Gêneros Textuais, que realizamos em Tubarão, ano passado”, afirma o professor Adair Bonini. “Nessa edição, abordamos questões que conectam os gêneros e formas sociais de existência (Genres and social ways of being), tema de grande interesse na comunidade científica”, complementa.

 

Para Débora Figueiredo, a edição desse número de Linguistics and the Human Sciences foi uma experiência muito interessante de trabalho conjunto com pesquisadores do Brasil e do exterior. “A edição revela nosso amadurecimento na área de estudos de gêneros textuais”, destaca.

 

Vejam-se os cinco artigos desse número especial sobre Gêneros e formas sociais de existência/Genres and social ways of being

 

1) Breast cancer narratives as public rhetoric: Genre itself and the maintenance of igorance, de Judy Z. Segal (University of British Columbia, CA);

2) The psychiatric interview: Practice in/of the clinic, de Tânia Conceição Pereira (Universidade do Estado do Rio de Janeiro, BR);

3) Engaging with and arranging for publics in blog genres, de Kathryn Grafton e Elizabeth Maurer (University of British Columbia, CA);

4) Professionalizing the student body: Uptake in a nineteenth century journalism textbook, de Chalet Kay Seidel (Case Western Reserve University, EUA); e

5) Colonial texts in post-colonial contexts: A genre in the contact zone, de Shurli Makmillen (Wilfrid Laurier University, CA).

 

A publicação já está disponível no site da revista na internet, e os artigos podem ser adquiridos ao preço de 12 libras cada um.

 

LHS: http://equinoxjournals.com/ojs/index.php/LHS

Equinox: http://www.equinoxpub.com/homemain.asp

 

PPGCL


Moacyr Scliar palestra sobre criação literária

 

(10/09/2008) O escritor Moacyr Scliar fez um breve histórico de sua produção literária, nesta tarde de quarta (10), no Salão Nobre do Bloco Sede do Campus Sul da Unisul. O evento faz parte da IV Feira do livro de Tubarão.

 

Professores e alunos do curso de Letras e do Mestrado em Ciências da Linguagem foram brindados com a palestra do escritor gaúcho Moacyr Scliar. Na oportunidade, o autor fez um relato de sua produção artística. Depois disso, platéia e autor dialogaram sobre temas desde a criação estética, passando pela discussão sobre como autores brasileiros escreviam na época da ditadura militar, até sobre a reforma ortográfica e a influência da internet na leitura de obras literárias.

 

Para Scliar, a inspiração não vem de fora. Muitas pessoas imaginam que a inspiração possa ser obtida a partir de drogas, bebidas e outros truques. Isso é um erro. Todavia o autor não acredita na suficiência da inspiração. “A inspiração é necessária, mas não é suficiente”, afirma. “Para ser escritor, não basta ter inspiração; tem que saber transformar as idéias em palavras”, complementa.

 

Moacyr Jaime Scliar nasceu em março de 1937 em Porto Alegre (RS), filho de José e Sara Scliar. Alfabetizado por sua mãe, cursou, a partir de 1943, a Escola de Educação e Cultura, transferindo-se, em 1948, para o Colégio Rosário. Em 1955, passou a cursar a faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul onde se formou em 1962.

 

Sua obra abrange cerca de 70 livros abrangendo o romance, a crônica, o conto, a literatura infantil, o ensaio, pelos quais recebeu inúmeros prêmios literários. A obra de Moacyr Scliar é caracterizada pelo flerte com o imaginário fantástico e pela investigação da tradição judaico-cristã. Em 2003 passou a fazer parte da Academia Brasileira de Letras.

 

Na noite de quarta-feira, o autor participou das atividades da IV Feira do Livro, que continua até o dia 15 de setembro em frente ao Pátio da Antiga Rodoviária de Tubarão. 

 

Keisy Bratt


Pesquisa vê despreparo docente em Literatura

 

(10/09/2008) Trabalho com professores municipais de Palhoça tem resultados alarmantes. Curso de Letras da Universidade oferece oficina de capacitação gratuita entre os dias 11 e 13 de setembro no Campus da Pedra Branca.

 

Uma pesquisa feita pelos cursos de Letras e Pedagogia da Unisul em escolas públicas municipais de Palhoça mostra um mau aproveitamento das aulas de Literatura nos últimos anos do ensino fundamental. Alguns dos motivos são a falta de tempo para trabalhar a literatura de forma mais atrativa com os jovens e o despreparo dos professores.

 

Essa investigação foi possível através de uma parceria entre os dois cursos e a prefeitura do município e se deu por questionários dirigidos a alunos de 6ª a 9ª séries do ensino fundamental, seus respectivos professores de Língua Portuguesa e Literatura, bibliotecários e pedagogos. O objetivo do projeto era entender como a literatura era trabalhada pelos professores em sala de aula. Além dos questionários, a equipe avaliou também o material didático e o acervo disponível nas bibliotecas das escolas.

 

A professora Chirley Domingues (foto), uma das idealizadoras do projeto, diz que a literatura só é incentivada nos primeiros anos de estudo das crianças, sendo relegada a um segundo plano durante o fim da formação básica. Uma das razões seria a ampliação de matérias que as crianças e jovens têm de estudar a partir da 6ª série, diminuindo o tempo que o professor passa com seus alunos em sala de aula. Além disso, os professores precisam adaptar o tempo das aulas com ensino de literatura e gramática. Dessa forma, o acesso dos alunos à literatura se resume ao livro didático, que traz apenas fragmentos de textos e não dá acesso direto dos alunos aos autores", conclui a professora.

 

Segundo ela, outro problema é a falta de conhecimento literário de alguns professores. "Uma das perguntas do questionário dirigido aos professores era que eles indicassem três autores e sua importância para o ensino de literatura e a maioria citava apenas os clássicos. Muitos não conhecem autores contemporâneos, pois não têm acesso a livros mais novos".

 

O estado do acervo das bibliotecas também é preocupante, de acordo com a pesquisa. A professora Chirley conta que em vários casos, além da desatualização, muitas obras se encontram em péssimo estado de conservação. E os bibliotecários também sofrem do mesmo problema dos professores: seu despreparo os impossibilita de indicar e incentivar a leitura para os jovens. A pesquisa mostrou que a maior parte dos livros retirados nas bibliotecas são os didáticos, apenas com o objetivo de se fazer algum trabalho para a aula, enquanto os literários quase não saem das prateleiras.

 

Agora, com o resultado em mãos, o projeto da Unisul entra em uma segunda fase. Dos dias 11 a 13, os professores que foram objeto da pesquisa farão uma oficina de capacitação gratuita oferecido pela universidade, no campus Pedra Branca. Durante o evento, será feita a leitura e indicação de obras contemporâneas.

 

Chirley ainda prevê outra etapa desse projeto, na qual a Biblioteca Universitária entraria como parceira. A idéia é ampliar o acervo de obras infanto-juvenis e trazer esses alunos ao convívio universitário. Para o futuro, o objetivo é a criação de um laboratório de leitura, mantido pela prefeitura.

 

Chirley Domingues é licenciada em Letras Português-Francês, pela UFSC, com mestrado em Literatura Brasileira. Atua como Assistente Pedagógica da Unidade Acadêmica da Saúde e como docente do curso de Letras da Pedra Branca em Palhoça, SC.

 

SIC/Unisul e PPGCL


Prefeitura promove IV Feira do Livro

 

(08/09/2008) Acontece de 7 a 15 de setembro em frente ao Pátio da Antiga Rodoviária de Tubarão a IV Feira do Livro, promovida pela Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo.

 

O evento conta com a participação de autores, bem como de livreiros e editoras tubaronenses e nacionais.

 

Veja a programação da Feira, a seguir.

 

Dia 08/09 - Segunda-feira

Horário: 16 horas

Literatura Catarinense e ficção Historiográfica

Literatura Catarinense

Celestino Sachetti

Júlio Queiroz

Maria Felomena de Souza Espíndola

 

Dia 08/09 - Segunda-feira

Horário: 19h 30min

Ficção historiográfica

Alexandre Bittencourt

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia 09/09 - terça-feira

Horário: 16 horas

Literatura e imagens

Literatura e o lugar

Waldir Gomes,

Maria do Carmo Tridapphalli Facchini

Mirian Meier Nunes

Ângela Kuerten

 

Dia 09/09 - Terça-feira

Horário: 19h 30min

Fotografia: crônicas e imagens

Dr. José Warmurth Teixeira,

Genovencio Binttercourt

Jussara Bittencourt de Sá

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia 10/09 - quarta-feira

Horário: 16 horas

Literatura e folclore

A literatura infantil e folclore

Mirian M Nunes

 

Horário: 15 horas

Local: Salão Nobre da UNISUL

Breve histórico da produção do autor e suas temáticas

Moacyr Scliar

 

Dia: 10/09 - quarta-feira

Horário: 19h 30min

Local: Feira do Livro

A experiência da autoria compartilhada: um processo de produção literária a partir da WEB.

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

 

Dia 11/09 – quinta-feira

Horário: 16 horas

Literatura e Viagens

Viagens Literárias

Manoel Mendes

 

Dia 11/09 – quinta-feira

Horário: 18 horas

Lançamento com sessão de autógrafos das obras "O Buscador - Uma Aventura a Machu Picchu" escrita por Manoel Mendes e "Compostela - Muito Além do Caminho de Santiago" - escrita por Manoel Mendes e Beto Colombo

 

Dia 11/09 - quinta-feira

Horário: 19h 30min

Local: Feira do Livro

3. Um garoto chamado Rorberto

Gabriel, o Pensador

 

Dia 12/09/08 – sexta-feira

Horário: 14 horas

Local: COLÉGIO DEHON/EIA/UNISUL

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia 11/09 – sexta-feira

Horário: 16 horas

Imagens poéticas

SESC - Contação de histórias

 

Dia: 12/09 - sexta-feira

Horário: 19h 30min

A poética de Leminski

Toninho Vaz

 

Exposição permanente do SESC  “ 100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia 13/09 – sábado

horário: 16 horas

Mostra de filmes e lançamento de livro

Sessão de cinema - SESC

 

Dia 13/09 – sábado

Horário: 18 horas

Lançamento do livro “Entrelinhas”, de Fernanda Rogério

 

Dia 13/09 – sábado

Horário: 19 horas

Sessão de cinema - SESC

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia 14/09 – domingo

Horário: 16 horas

Literatura e imagens

Literatura Juvenil: contos e romances de suspense

Maicon Tenfem

 

Dia 14/09 – domingo

Horário: 19 horas

Sessão de cinema - SESC

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

 

Dia: 15/09 – segunda-feira

Horário: 16 horas

Arte em cena

Peça teatral

 

Exposição permanente do SESC “100 anos sem Machado de Assis”

PPGCL


Gênero e produção cultural para crianças

 

(05/09/2008) As professoras Eliane Debus (Unisul), Rosa Maria Hessel Silveira e Marisa Vorraber Costa (UFRGS/Ulbra) coordenaram o Simpósio: Questões de gênero na produção cultural para crianças: literatura infantil, filmes, desenhos, sites, publicidade e outros artefatos culturais no Seminário Internacional Fazendo o Gênero VIII entre os dias 25 e 28 de agosto.

 

Segundo Eliane, o foco central de problematização e reflexão teórica foi a concepção de gênero como uma construção social e cultural contingente ligada ao sexo, que tem servido de álibi para preconceitos e discriminações relativos à orientação sexual e à mulher.

 

“A motivação do simpósio vem da  proliferação dos artefatos culturais produzidos para as crianças, vistas hoje como um importante mercado consumidor. Tais artefatos abrangem desde a literatura infantil – campo de maior tradição no panorama dessa produção – até produtos  midiáticos de eclosão mais recente  que povoam o cotidiano das crianças do séc. XXI”, comenta. “Entendemos que representações de feminino e de masculino, freqüentemente marcadas pela heteronormatividade, são inscritas em tais artefatos culturais mediante articulações textuais que põem em ação diferentes códigos – verbais, imagéticos, sonoros, de movimento, etc. - e buscam operar com a imaginação, os sentimentos e as expectativas infantis”, completa.

 

O simpósio, pois, foi planejado no sentido de abrigar trabalhos que examinassem, com fundamentação teórica adequada e originalidade analítica, produtos dirigidos ao público infantil, privilegiando, por um lado, os livros para crianças e, por outro, variados objetos culturais circulantes – filmes, desenhos, programas de TV, sites, histórias em quadrinhos, games - direcionados a esse público em crescimento, formação e constante mudança.

 

A partir de tais análises e da teorização que as subsidia, pretende-se debater as formas pelas quais as representações de gênero e sexualidade embutidas em tais artefatos podem estar operando para reforçar, refratar, confirmar ou subverter discriminações calcadas numa tradição pautada pela heteronormatividade e pela fixidez de determinadas identidades masculina e feminina.

 

O Simpósio contou com a participação de 24 comunicações de pesquisadores de diversas partes do País.

 

Na foto, a professora Eliane Debus (terceira a esquerda), juntamente com as professoras Rosa Marisa Vorraber Costa e Maria Hessel Silveira (a sua direita), ladeadas de participantes do Simpósio.

 

PPGCL


Mestrado participa de Seminário Internacional

 

(02/09/2008) A professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá e as mestrandas Cintia Rosa da Silva e Jeanine Ferreira dos Anjos Costa participaram do Seminário Internacional Fazendo o Gênero VIII,  que ocorreu entre os dias 25 e 28 de agosto.

 

Em sua quinta participação no Seminário Internacional Fazendo o Gênero, com o estudo intitulado “A voz e o silenciamento da dor em Sangue Limpo”, a Prof. Dra. Jussara Bittencourt de Sá compôs o grupo temático “A escrita do eu: ficções e confissões da dor”.

 

Na palestra, a Professora Jussara mostrou sua análise sobre as representações da dor que advém das falas e do enredo no drama Sangue limpo, de Paulo Eiró, de 1863. Jussara destacou a relevância da escritura teatral como promotora de debates culturais, ao trazer à cena, dentre outros aspectos, a percepção peculiar do artista sobre a dor das personagens que representam escravos, índios e miscigenados na sociedade brasileira do século XIX.

 

“Meu trabalho evidencia também como as personagens brasileiras desvelam sua voz e seu silenciamento em virtude da sua condição social”, comenta a professora.

 

No mesmo evento, as mestrandas Cintia Rosa da Silva e Jeanine Ferreira dos Anjos Costa apresentaram a comunicação “Second Life: simulacros do corpo, violência e poder”. O tema tratava da leitura de alguns aspectos do jogo Second Life, destacando a representação dos simulacros do corpo, da violência e do poder. Second Life é um jogo virtual que traz à cena elementos da cultura pós-moderna, como a construção e desconstrução de representações da realidade, através de narrativas que acontecem em um ambiente virtual em três dimensões.

 

PPGCL


Congresso discute obra de Fábio Messa

 

(01/09/2008) O I Congresso de Teorias e Práticas Jornalísticas da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel trabalhou o tema A Estética do Crime na Mídia Jornalística, entre os dias 28 e 29 últimos em Cascavel, PR.

 

Segundo a organização do evento, o Congresso trouxe à cena um tema polêmico e que muitas vezes choca. Para a Univel, a temática reforça a importância de uma discussão séria e eficaz sobre em que medida a mídia jornalística se apega a uma estética grotesca em que sangue, violência, sexo tomam conta das publicações e apresentações: onde o vermelho parece imperar. Trata-se de discutir a polêmica do certo e errado, do mostra ou não mostra, enfim de como e qual é o papel da mídia jornalística em relação a essa Estética do Crime, completam.

 

Haveria uma estética do Crime na Mídia Jornalística? Para Fábio de Carvalho Messa, professor do mestrado, a resposta é que sim. Tanto que publicou pela editora da Unisul, na coleção Linguagens do PPGCL a obra: O gozo estético do crime: dicção homicida na ficção contemporânea. Na obra, Messa descreve um conjunto de leituras que mostram o crime como temática e forma de linguagem na literatura contemporânea, com especial atenção aos casos de homicídio.

 

“Fiquei bastante feliz pela oportunidade de discutir essa questão com alunos e professores do Paraná”, disse o autor. “No meu livro, defendi a existência de uma dicção própria do narrador assassino, que é representada em modos distintos em textos de diferentes autores”, complementa.

 

A palestra de Fábio Messa ocorreu nessa última sexta (29) no encerramento das atividades do Congresso.

 

A Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel é uma Instituição de Ensino Superior privada, sem fins lucrativos, mantida pela UNIVEL - União Educacional de Cascavel. A instituição foi criada em 1995, pelas Organizações Renato Silva. Suas atividades acadêmicas tiveram início no em fevereiro de 1996.

 

Ilustração: site da Univel (adaptado)

 

PPGCL


Professor Sandro Braga participa de Simpósio

 

(27/08/2008) O professor Sandro Braga participou do Simpósio Temático Vulnerabilidade e Condições lingüísticas de Sobrevivência do Seminário Internacional Fazendo Gênero: Gênero, Violência e Poder, que acontece na UFSC de 25 a 28 de agosto.

 

O professor do PPGCL apresentou parte de sua pesquisa de doutorado intitulada Falas do falo: o travesti e a metáfora da modernidade. O trabalho propõe uma discussão sobre o sujeito travesti, tendo como hipótese a possibilidade de se pensar esse sujeito, entendendo as transformações corpóreas, identitárias, subjetivas como metáfora da modernidade.

 

Segundo Braga, a referência à metáfora, que se desenvolve desde o título, objetiva tomar o travesti como espelho refratário, que ao refletir, absorve, também, um pouco de todos nós e de nosso tempo.

 

O autor aponta, por fim, como que o processo de construção de um corpo que visa à aparência, no sentido de aparecer, dentro de uma atividade contínua, incessante, marca a busca de um modo de se registrar a existência daquilo que é da ordem do não-identificável.

 

PPGCL


 

Sete trabalhos encerram Semana de Qualificação

 

(26/08/2008) A Semana de Qualificação do PPGCL foi encerrada com a apresentação de sete projetos de dissertação no auditório do bloco G do Campus da Grande Florianópolis - Pedra Branca, nesta última segunda-feira (25).

 

O sete trabalhos apresentados nessa segunda-feira concluem a defesa de 22 projetos de dissertação da turma 2007 do PPGCL. A qualificação é uma etapa necessária para a elaboração das dissertações. Ao ser qualificado, o estudante está formalmente autorizado a dar continuidade a sua pesquisa.

 

Na foto, a banca formada pelos professores Fábio Messa, Marci Martins e Solange Gallo avaliam o trabalho de Gilson Luiz Piber da Silva.

 

Veja abaixo os mestrandos de Florianópolis e seus respectivos projetos e bancas:

Gilson Luiz Piber da Silva

Café com o presidente: uma análise semântico-pragmática do programa de rádio de Lula.

Dr. Fábio de Carvalho Messa (Orientador)

Dra. Solange Maria Leda Gallo

Dra. Marci Fileti Martins

Susete Cani

Concepções de oratória: da retórica à Fonoaudiologia.

Dr. Fábio de Carvalho Messa (Orientador)

Dra. Solange Maria Leda Gallo

Dra. Marci Fileti Martins

Vivian Rauh de Souza

Sonhos e Delírios de Ruizinho: atitude e violência narrativa em Inferno de Patrícia Melo.

Dr. Fábio de Carvalho Messa (Orientador)

Dr. Jorge Hoffmann Wolff

Dr. Fernando Simão Vugman

Alexandra Filomena Espíndola

Crítica moderna de Gonzaga Duque: a partilha do sensível dos modos de produção e de visibilidade da arte no regime estético.

Dr. Antônio Carlos Gonçalves dos Santos (Orientador)

Dr. Fernando Simão Vugman

Dr. Jorge Hoffmann Wolff

Thiago Silva de Amorim Jesus

Corpo e Linguagem: leituras sobre Linguagem Corporal no Ritual Carnavalesco.

Dr. Aldo Litaiff (Orientador)

Dr. Fernando Simão Vugman

Dr. Antônio Carlos Gonçalves dos Santos

Cátia Melissa Silveira Rodrigues

As relações discursivas no meio acadêmico e as influências decorrentes do uso das novas tecnologias de comunicação.

Dra. Marci Fileti Martins (Orientadora)

Dra. Solange Maria Leda Gallo

Dra. Rosângela Morello

José Américo de Carvalho Pessoa

Análise do Discurso Orçamentário – execução da emenda do parlamentar: facultativa ou obrigatória.

Dra. Solange Maria Leda Gallo (Orientadora)

Dra. Marci Fileti Martins

Dra. Rosângela Morello

Suelen Machado


Análise do discurso é tema de minicurso

 

(25/08/2008) O curso "Análise do Discurso e Ensino", ministrado pelo professor Dr. Sandro Braga, iniciou mais uma edição do Círculo de Estudos da Linguagem no Campus de Araranguá da Unisul nos dias 22 e 23 últimos.

 

Caracterização do discurso em práticas pedagógicas: condições de produção, sujeito, sentido e história em processos de leitura escolar foram os temas abordados pelo professor Dr. Sandro Braga para os acadêmicos dos cursos de Letras e Pedagogia da Unisul Araranguá. O curso ofereceu uma introdução aos conceitos da Análise do Discurso e sua filiação teórica, além de propor atividades para se pensar uma prática dessa teoria em sala de aula, sobretudo, no ensino de Língua Portuguesa.

 

O evento contou com a presença do Coordenador do Curso de Letras/Araranguá Professor Otávio Zanella e da Professora Conceição Aparecida Kindermann. Ambos destacaram a importância da inserção do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem junto aos cursos de graduação com o intuito de firmar parcerias de pesquisas.

 

Na foto, os professores  Sandro Braga (PPGCL) e Conceição Aparecida Kinderman (Graduação), ladeados de alunas do curso de  Letras/Araranguá.

 

PPGCL


Qualidade marca defesas de Projetos de Dissertação

 

(25/08/2008) Quinze trabalhos foram defendidos em banca de qualificação quinta e sexta-feira (21 e 22) no Auditório 311 do Bloco D do Campus de Tubarão. A Semana de Qualificação termina hoje (25) no Campus da Grande Florianópolis com mais oito projetos de dissertação.

 

Para o professor Fábio Rauen, coordenador do Programa, a Semana de Qualificação é um momento muito importante quando os projetos dos alunos são autorizados a serem executados. “É nessa hora que o estudante avalia, junto com uma banca de docentes do curso, a qualidade de sua proposta de pesquisa”, comenta.

 

Na qualificação, três docentes avaliam cada projeto: dois na qualidade de argüidores e o orientador que preside a banca.

 

As bancas contaram com a presença de docentes, alunos do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem e alunos do curso de Letras. Para Suelen Francêz Machado, estudante da 6ª fase de Letras, este evento contribuiu muito para sua formação. “Eu considero a semana de qualificação de projetos um momento muito especial, não só porque propicia aos mestrandos uma avaliação de seus projetos, mas porque pude ver a qualidade do que se faz na pós-graduação”, afirma. "Essa qualidade vai influenciar minha formação na graduação, porque participo de projeto de iniciação à pesquisa e farei meu Trabalho de Conclusão de Curso em breve", complementa.

 

Veja, abaixo, lista dos projetos apresentados.

 

A crônica jornalística em uma perspectiva sócio-retórica: organização textual e processo de produção.

Juliana Bernardini Francischini

Dr. Adair Bonini (Orientador)

Dra. Débora de Carvalho Figueiredo

Dr. Fábio José Rauen

Cineminha: um gênero jornalístico organizado a partir de uma visão sócio-retórica.

Lis Airê Fogolari

Dr. Adair Bonini (Orientador)

Dra. Débora de Carvalho Figueiredo

Dr. Fábio José Rauen

Storyboard Jornalístico: estudo do gênero a partir de exemplares publicados na Folha de S. Paulo.

Emerson de Lima

Dr. Adair Bonini (Orientador)

Dra. Débora de Carvalho Figueiredo

Dra. Maria Ester Wollstein Moritz

Discursos midiáticos identitários e identidades corporais conflitantes: modelagem na revista Manequim.

Ana Maria Riquelme Vega

Dra. Débora de Carvalho Figueiredo (Orientadora)

Dr. Adair Bonini

Dra. Maria Ester Wollstein Moritz

O sujeito da ação religiosa: análise do discurso de prosperidade financeira do programa Show da Fé da igreja internacional da graça.

Wesley Knockenhauer Carvalho

Dr. Sandro Braga (Orientador)

Dra. Maria Marta Furlanetto

Dra. Rosângela Morello

O efeito metafórico nas capas da revista Veja: uma análise discursiva.

Josiane Fidélis

Dra. Maria Marta Furlanetto (Orientadora)

Dr. Sandro Braga

Dra. Rosângela Morello

Charge: funcionamento e possibilidades de utilização no ensino de Língua Portuguesa.

Cristiane Gonçalves Dagostim

Dra. Maria Marta Furlanetto (Orientadora)

Dr. Sandro Braga

Dra. Rosângela Morello

Relatos orais de crianças de três a quatro anos produzidos a partir da ordenação de gravuras de histórias em quadrinhos sem balões de fala.

Alba da Rosa Vieira

Dr. Fábio José Rauen (Orientador)

Dra. Eliane Santana Dias Debus

Dra. Mariléia Silva dos Reis

Influência de um curso de capacitação com base nos princípios do sistema alfabético: contradições no ensino-aprendizagem da correlação grafema x fonemas vocálicos do português do Brasil.

Lucimar Ferreira da Silva Oliveira

Dra. Mariléia Silva dos Reis (Orientadora)

Dra. Eliane Santana Dias Debus

Dra. Maria Marta Furlanetto

Reescrita de texto por alunos da disciplina de Leitura e Produção Textual nas modalidades presencial e virtual: estudo comparativo com base na Teoria da Relevância.

Eloise Machado de Souza Alano

Dr. Fábio José Rauen (Orientador)

Dra. Maria Ester Wollstein Moritz

Dra. Mariléia Silva dos Reis

O gênero artigo de opinião em Escrevendo o Futuro: didatização do modelo cars para o Ensino Fundamental.

Édina da Silva de Freitas

Dra. Mariléia Silva dos Reis (Orientadora)

Dra. Maria Ester Wollstein Moritz

Dr. Sandro Braga

Proposição de curso de extensão sobre matemática elementar na modalidade a distância com base na abordagem semiótica de Peirce (1980) e Duval (2003) e na teoria de transposição informática de Balacheff (1994).

Cíntia Rosa da Silva

Dr. Fábio José Rauen (Orientador)

Dr. Aldo Litaiff

Dra. Jussara Bittencourt de Sá

A Etnomatemática e a construção semiótica de significados: estudo de caso em escola de Jaguaruna – SC.

Jeanine Ferreira dos Anjos Costa

Dr. Fábio José Rauen (Orientador)

Dr. Aldo Litaiff

Dra. Jussara Bittencourt de Sá

Um estudo sobre a presença da estética da linguagem pós-moderna na composição do programa Bom Dia Litoral.

Leonir Alves

Dra. Jussara Bittencourt de Sá (Orientadora)

Dr. Fábio de Carvalho Messa

Dr. Aldo Litaiff

A Nona Arte: análise dos aspectos estéticos das histórias em quadrinhos na obra “Guerra Civil” de Millan e Mc Niven.

Fábio Ballmann

Dra. Jussara Bittencourt de Sá (Orientadora)

Dr. Fábio de Carvalho Messa

Dr. Aldo Litaiff

 

PPGCL


Conferência aborda obra de Carlito Azevedo

 

(11/07/2008) Mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul teve conferência e defesa de dissertação na sexta-feira, 11 de julho, na Pedra Branca, em Palhoça.

 

A conferência foi ministrada pela professora Rita Lenira de Freitas Bittencourt (UFRGS), que faz leituras de poemas do carioca Carlito Azevedo a partir da reordenação sofrida por eles. Rita enfatiza, no seu estudo, ao cruzamento da literatura com outras áreas e saberes, como a filosofia, por exemplo. O poético e o pictórico em Carlito Azevedo é o título do seu trabalho.

 

A dissertação defendida foi a da professora do curso de Jornalismo Daniela Germann, com o trabalho “Como narrar depois do que tudo já foi feito? Uma análise da novela Rastros de Verão, de João Gilberto Noll, em contraponto crítico com La Liebre, de César Aira”. Rita, Antonio Carlos dos Santos e Fernando Vugman, que aparecem na foto, formaram a banca da professora Daniela.

 

As defesas do mestrado continuam nesta segunda-feira (14) pela manhã em Tubarão. Na oportunidade, a professora Alesandra da Cruz, de São Ludgero, defende a dissertação intitulada: “Compreensão de texto de avaliação descritiva: estudo de caso exploratório com base na Teoria da Relevância”. Orientada pelo professor Fábio José Rauen, o trabalho, que será avaliado pelas professoras Silvana Souza Silveira (PUC/RS) e Mariléia Reis (Unisul), aborda a pertinência das avaliações descritivas no ensino fundamental para a interação com os pais.

 

SIC/Pedra Branca; PPGCL


Adair Bonini é eleito para o Conselho da ANPOLL

 

(04/07/2008) O professor Adair Bonini, do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem foi eleito para o Conselho da ANPOLL nesta sexta-feira (4) na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

 

Como parte das atividades do XXIII Encontro da ANPOLL, foram eleitos três novos conselheiros da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Lingüística. Os professores Adair Bonini e Maria Marta Furlanetto, do curso de mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul, respectivamente na qualidade de titular e suplente, concorreram a uma vaga como representante da área de Lingüística. Adair e Marta receberam 52 votos dos coordenadores dos cursos de Pós-graduação em Letras e Lingüística presentes à Assembléia da Associação.

 

O Conselho é um órgão normativo e deliberativo da ANPOLL. Ele é composto de oito membros titulares e respectivos suplentes, que representem paritariamente a área de Letras e a área de Lingüística, com um mandato de quatro anos, vedada a recondução imediata para a mesma função. A cada dois anos, é renovada a metade dos membros do Conselho, na mesma data em que se realizar a eleição para a Diretoria.

 

Na mesma oportunidade, foi eleita a nova diretoria da Associação para um mandato de dois anos. O novo presidente da ANPOLL é o professor Fábio Alves da Universidade Federal de Minas Gerais. A chapa ainda é composta pelos professores: Maria de Lourdes Matencio (PUC/MG), Sandra Almeida (UFMG), Célia Magalhães (UFMG), Audemaro Goulart (PUC/MG) e Heliana Ribeiro de Mello (UFMG).

 

PPGCL


GT de Lingüística Aplicada tem reunião em Goiânia

 

(04/07/2008) Sob a coordenação de Desirée Motta-Roth, o Grupo de Trabalho em Lingüística Aplicada da ANPOLL reuniu-se nesta quinta e sexta (dias 3 e 4) na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

 

Estado da arte e perspectivas futuras para a Lingüística Aplicada foram discutidos no XXIII Encontro da ANPOLL em Goiânia, com a participação de pesquisadores de todo o Brasil. O encontro serviu para debater formas de financiamento e questões de metodologia para os estudos aplicados no Brasil.

 

Além dos trabalhos conjuntos, houve reunião dos três subgrupos de trabalho: de Formação de Professores, coordenado pela professora Solange Ricardo de Castro (Unitau), de Ensino e Aprendizagem, coordenado pelo professor Renilson Menegassi (UEM) e de Teorias de Gênero (genre) em Práticas Sociais, coordenado pela professora Maria Marta Furlanetto (Unisul).

 

Maria Marta, além de apresentar um relatório sobre as pesquisas em gêneros em práticas sociais (foto), coordenou a apresentação de trabalhos do subgrupo. Do mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul, participaram dos trabalhos os professores Adair Bonini, Débora Figueiredo e Fábio José Rauen.

 

Uma das conseqüências do encontro foi a proposição da elevação dos três sub-GTs da Lingüística Aplicada à qualidade de GTs. “Essa qualificação fortalecerá a Lingüística Aplicada na ANPOLL”, defende Maria Marta.

 

Visite o site do Subgrupo de Trabalho de Teorias de Gênero em Práticas Sociais e conheça mais sobre essa área do conhecimento. Clique aqui.

 

PPGCL


Cinco trabalhos da Unisul no GT de Análise do Discurso.

 

(03/07/2008) O GT de Análise do Discurso da ANPOLL contou com quatro trabalhos da Unisul nesta última quinta (3) no Centro de Aulas da Universidade Federal de Goiás em Goiânia.

 

A Unisul foi representada em duas linhas de pesquisa do GT de Análise do Discurso da ANPOLL. Na linha de pesquisa: Práticas discursivas e movimentos na história, coordenada pelas professoras Solange Maria Leda Gallo (Unisul) e Solange Mittmann (UFRGS), foram apresentados os trabalhos: “Entre a ciência e a mídia: um olhar da assessoria de imprensa”, de Giovanna Benedetto Flores (Unisul/Unicamp); “Análise discursiva do Telecurso 2000”, de Silvânia Siebert (Unisul/Unicamp); e “Redes de Pesquisa e a produção de conhecimento”, de Solange Maria Leda Gallo (Unisul).

 

“Meu trabalho fez uma abordagem do conceito de redes de pesquisa enquanto redes discursivas, tomadas aqui como conjunto de ‘nós’, ou seja, confrontando diferentes processos discursivos articulados”, comenta Solange sobre seu trabalho.

 

Na linha de pesquisa: O verbal e o não verbal, coordenada pelas professoras Maria da Conceição Fonseca-Silva (UESB), Solange Mittmann (UFRGS) e Suzy Lagazzy (Unicamp), foram apresentados os trabalhos: “Os sentidos do provisório e do ilegítimo no audiovisual contemporâneo”, de Marci Fileti Martins (Unisul) e “Verbal/ não verbal - dicotomias ou constitutividade? O discurso artístico da/na produção

audiovisual”, de Nádia Régia Maffi Neckel (Unicamp).

 

“Interessa-me discutir certos audiovisuais produzidos com câmeras domésticas, celulares, máquinas fotográficas, com ou sem produção, edição ou montagem, e que são disponibilizados na internet, em que não se exploraria, como num audiovisual documental ou ficcional, as dimensões estéticas da imagem”, disse Marci sobre sua pesquisa sobre o provisório e o ilegítimo no audiovisual contemporâneo.

 

“Estivemos na ANPOLL com duas professoras do curso e três doutorandas da Unisul que fizeram mestrado na Unisul”, comemora a professora Solange Gallo. “Isso bem demonstra a qualidade da nossa formação na área”, completa.

 

Conheça os trabalhos do GT de Análise do discurso aqui.

 

PPGCL


Fábio Rauen propõe critérios para a Base Qualis

 

(02/07/2008) O professor Fábio Rauen, coordenador do curso de mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul apresentou critérios para a qualificação de periódicos e eventos na Base Qualis da Capes nesta última quarta (2) em Goiânia.

 

Com a comunicação “Apontamentos sobre a qualificação de eventos e periódicos na área de letras e lingüística”, o professor Fábio Rauen participou da mesa de Coordenadores de Programas (Comissão QUALIS de eventos, editoras e periódicos), coordenada pela professora Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira (UFG) – Secretária da ANPOLL.

 

Rauen defendeu a tese de que é preciso estabelecer critérios de indução de qualidade na avaliação de revistas que sirvam de base para a qualificação e classificação da produção científica em letras e lingüística. “A definição de critérios objetivos de qualificação só tem a contribuir para a profissionalização da produção científica”, argumenta. “Pode ser que alguns dos critérios que propus só sejam alcançados no médio e no longo prazos, mas eles devem estar no horizonte da área de letras e lingüística”, complementa.

 

Na mesa, participaram os professores Fábio Durão (Unicamp), Jaime Ginzburg (USP), Amanda Scherer (UFSM) e Benjamin Abdala Júnior (USP). Durão defendeu que a Base deve atender também as especificidades da literatura. Ginsburg questionou o modelo de competitividade americano que está na base dos critérios de qualificação. Amanda alertou que a área não deve apenas pensar numericamente, mas acima de tudo em processos de produção e de recepção. Abdala, que é Coordenador da área de Letras e Lingüística na Capes, ponderou sobre os desafios da qualificação de periódicos, livros e eventos em ciências humanas, diante do modelo de produção das ciências biológicas e exatas.

 

PPGCL


Soneto é apresentado como tema de dissertação

 

(30/06/2008) O soneto visto a partir de um pensamento teórico e prático. Esta foi a base de um ano e meio de estudos do mestrando Solange Rech, homenageado nesta sexta-feira 27 na Unisul Pedra Branca.

 

Solange foi poeta e faleceu em janeiro, um mês depois de entregar a dissertação de  conclusão do curso de mestrado em Ciências da Linguagem na Unisul. A orientação do trabalho foi realizada pelo professor doutor Antônio Carlos Gonçalves dos Santos.

 

A apresentação da dissertação de Solange foi feita pelo doutor em Letras da Universidade de São Paulo Deonísio da Silva, amigo próximo do mestrando, que veio da cidade do Rio de Janeiro para Florianópolis exclusivamente para a banca. Ao lado do orientador Antônio Carlos e do professor do curso de mestrado Fernando Vugman, Deonísio elogiou o trabalho de Solange, confirmando que mais do que um estudioso dos sonetos, Solange foi um dos melhores poetas que ele já conheceu. A dissertação nomeada "Teoria do Soneto: de Giacomo da Lentini ao século XXI" realiza uma análise de toda  evolução do soneto e dos principais autores que fizeram parte dessa forma de escrever poesia.

 

Para fechar a avaliação da banca, Fernando Vugman considerou que o trabalho de Solange poderia ser publicado e distribuído em universidades. "É uma obra completa que abrange muito mais do que apenas conceitos teóricos sobre o soneto", considerou Vugman, completado por Deonísio, que definiu a dissertação como "necessária para estudos em cursos universitários que abrangem ciências da linguagem".

 

A banca teve a participação da viúva, filhos e netos de Solange, que vieram prestigiar a homenagem realizada pelo curso de mestrado em Ciências da Linguagem ao pesquisador nascido em Tubarão no ano de 1946.

 

SIC/Unisul


Evento aproxima poesia da academia

 

O Campus Pedra Branca contou com a presença do poeta Alckmar Santos, sábado (14 de junho). O poeta fechou a sessão de quatro encontros que objetivaram a aproximação dos acadêmicos do curso de Letras com a poesia e poetas contemporâneos, sob a coordenação da professora Dra. Eliane Debus.

 

No encontro, estiveram presentes alunos da 5ª fase do Curso de Letras, de Nutrição e de Pedagogia, acompanhados de seus respectivos professores. Na ocasião Alckmar falou sobre o ofício da escrita, leu poemas de seu livro Rios Imprestáveis e  lançou o livro Circense.

 

Natural de Silveiras, SP, Alckmar é Engenheiro Elétrico, modalidade eletrônica, pela Universidade Estadual de Campinas (1983). Com mestrado em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e doutorado em Estudos Literários pela Université Paris VII (1993), o poeta é professor de Literatura Brasileira da Universidade Federal de Santa Catarina e coordenador do Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Lingüística (NUPILL).

 

Na foto, participantes do evento.

 

PPGCL


Professores do Mestrado participam do XXIII ENANPOLL

(25/06/2008) Professores do mestrado tem participação ativa no XXIII Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Letras e Lingüística – ENANPOLL, que será realizado em Goiânia entre os dias 2 e 4 de julho na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

 

O Encontro contará com a participação dos professores Adair Bonini, Débora de Carvalho Figueiredo, Maria Marta Furlanetto e Solange Maria Leda Gallo, bem como das pesquisadoras Giovana Lindair Dal Zotto Schmidt e Silvânia Siebert. Todos participarão dos Grupos de Trabalho patrocinados pela Associação.

 

O professor Fábio José Rauen participará da mesa de Coordenadores de Programas que abordará o tema QUALIS de eventos, editoras e periódicos. “QUALIS é uma base de dados da Capes que visa analisar a qualidade dos eventos, das editoras e dos periódicos”, explica Rauen. “É preciso discutir em que base essa avaliação deverá ser feita e, para isso, presidi uma comissão que trabalhou esse tema”, complementa.

 

A mesa será coordenada pela professora Dra. Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira (UFG) – Secretária da ANPOLL e será composta pelos palestrantes convidados: Fábio José Rauen (Unisul/Lingüística) – presidente, Fábio Durão (UNICAMP/Literatura), Jaime Ginzburg (USP/Literatura) e Amanda Scherer (UFSM/Lingüística).

 

O XXIII Encontro Nacional da ANPOLL tem como objetivo possibilitar a discussão a respeito da produção do conhecimento em Lingüística e Letras e promover o intercâmbio das pesquisas desenvolvidas pelos Grupos de Trabalho congregados pela ANPOLL. Segundo a organização do evento “o tema "Produção do Conhecimento em Letras e Lingüística: Identidade, Impacto e Visibilidade" abarca questões que permeiam a produção e a difusão do conhecimento das áreas, subáreas e especialidades de Lingüística e Letras”.

 

No último dia do evento, ocorre a eleição da nova diretoria da ANPOLL. Para obter mais detalhes do evento, clique aqui.

 

Reunião de Coordenadores antecede XXIII ENANPOLL

 

Coordenadores de pós-graduação do Brasil inteiro têm reunião em Brasília, nos dias 30 de junho e 1º de julho. A reunião, que acontece no Auditório do Anexo do Ministério da Educação e Cultura – MEC, é coordenada pelo professor Benjamin Abdala Júnior (USP). A Unisul será representada pelo professor Fábio José Rauen, que coordena o Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem.


Hipertexto como instrumento pedagógico

 

(25/06/2008) Sabrina Faraco apresenta dissertação no mestrado em Ciências da Linguagem sobre o uso do hipertexto como forma de ampliar conhecimento.

 

(SIC/Unisul) Um mundo de informações por meio de cliques que levam a outros conhecimentos agregados sobre o mesmo assunto. O recurso do hipertexto, uma forma de ampliar as possibilidades pedagógicas, foi defendido pela mestra Sabrina Faraco, sexta-feira, em banca do mestrado de Ciências da Linguagem, na Unisul Pedra Branca. Sabrina, que é professora da UnisulVirtual, vai apresentar seu trabalho aos coordenadores de cursos da UnisulVirtual na quarta-feira 2 de julho.

 

O trabalho de pesquisa durou seis meses e foi orientado pelo professor Dr. Fábio de Carvalho Messa. De acordo com Sabrina, o hipertexto, se utilizado corretamente, pode ser uma forma interessante na transmissão de conhecimentos no ensino a distância. O recurso estudado pela dissertação aponta o uso do ambiente virtual e gratuito de aprendizagem, o Moodle, como um dos únicos que oferece a possibilidade do hipertexto em seus fóruns de discussão. “Neles os alunos ou os professores podem postar seus comentários e em um mesmo texto inserir links para outros sites na internet referentes ao assunto discutido no fórum”, explica Sabrina, que vê no hipertexto uma forma de incentivar a leitura entre os estudantes de cursos virtuais. “Essa ferramenta desperta a curiosidade do aluno que vai querer saber qual informação está por trás daquele link”, comenta Sabrina.

 

Uma das problemáticas encontradas pela mestra foi a ressalva de muitos professores que não buscam a utilização de hipertexto. “Vejo que uma das soluções seria investir na capacitação do docente para que ele veja quais as vantagens de utilizar a ferramenta”, frisa Sabrina, que desenvolveu toda sua pesquisa com alunos de cursos na área da informática, que apesar de terem amplos conhecimentos do mundo virtual, ainda sentiam certa estranheza ao manter contato com o hipertexto. “Percebi que apenas a partir da iniciativa dos professores/tutores que os alunos motivavam-se a inserir outros links dentro das discussões”, avaliou.

 

Entre os objetivos de Sabrina está o de instigar a UnisulVirtual a adquirir uma ferramenta semelhante para proporcionar aos alunos a opção de trabalhar com o hipertexto, que muito além de lincar textos escritos na web pode transmitir fotografias ou vídeos da mesma forma, visando sempre a ampliar conhecimentos.

 

Sabrina comenta que o “tema é bem provocativo, pois induz a quebras de paradigmas quanto à postura de docentes e sua posição político-pedagógica diante de alunos e do próprio projeto pedagógico da instituição de ensino”. “Afinal, quando falamos em usar hipertextos em discussões de cunho educacional estamos nos referindo a ‘soltar’ os alunos em um meio onde não existem fronteiras, que muitas vezes são impostas pelo próprio projeto pedagógico”, afirma.


Mestrado participa de Encontro sobre Imigração alemã

 

(25/06/2008) “Migrações e identidades: a mitologia na nostalgia germânica” e “Germanicidade brasileira: aspectos da colonização alemã em São Martinho” foram trabalhos destacados no II Encontro sobre Imigração alemã, realizado em Rio Fortuna, nesta última sexta-feira (20).

 

O PPGCL da Unisul, coordenado pelo Prof. Dr Fábio Rauen, com o apoio da  Profa. Dra. Eliane Debus, participou do II Encontro de Estudos sobre a imigração alemã: os Vales dos Rios Braço do Norte e Capivari, apresentando: a  conferência intitulada "Migrações e identidades: a mitologia na nostalgia germânica", de autoria da Profa. Dra. Jussara Bittencourt de Sá e do Prof. Mestrando Fábio Ballmann;  e o pôster “Germanicidade brasileira: aspectos da colonização alemã em São Martinho”, de autoria da Profa. Dra. Jussara Bittencourt de Sá e dos mestrandos Cíntia Rosa da Silva, Jeanine da Costa, Fábio Ballmann, Leonir Alves e Liomar V. Fernandes.

 

 

 

A palestra "Migrações e identidades: a mitologia na nostalgia germânica" procurou enfatizar algumas considerações obtidas a partir do desenvolvimento do Projeto de Pesquisa Migrações e identidades: a estética das linguagens oral, visual,escrita e midiática. Evidenciaram-se as estéticas dessas linguagens, observando cruzamento de fronteiras, identificação étnica e visão do hibridismo cultural como pressupostos relevantes para se pensar a nossa identidade. A pesquisa focalizou os estudos realizados no município de São Martinho.

 

Ao trazer à cena o município de São Martinho, (40 quilômetros de Tubarão), os palestrantes destacaram é possível descansar nas pousadas, usufruir das cachoeiras e principalmente apreciar as obras do artesão Ademar Feuser. Os autores observaram que num  rápido olhar seria possível perceber a sensibilidade e toda a nostalgia histórica em torno de seu trabalho. Ele se dedica à madeira há quase 50 anos e em meio a uma comunidade mergulhada na cultura germânica e no artesanato, a dica é prestar atenção às cadeiras criadas em madeira.

 

Segundo Jussara, "As criações de Ademar são carregadas de nostalgia de uma Alemanha deixa para trás em decorrência da guerra e das dificuldades que muitas famílias enfrentaram, inclusive a dele". Tal qual o legado recebido de seus ascendes, nas cadeiras de Ademar Feuser, é possível compreender o entrelaçamento do passado com o futuro, no momento em que essa arte/artifício recebe continuidade na criatividade/sensibilidade que toma forma pelas mãos de seu filho Harick Rodolfo Feuser, ainda adolescente. E para falar do trabalho deste artesão, um pouco de mitologia permite dar o colorido que a obra merece. E assim, a região sul, em especial, São Martinho pode se tornar um momento de cultura e um resgate nostálgico também da germanicidade brasileira.

 

 

O pôster intitulado “Germanicidade brasileira: aspectos da colonização alemã em São Martinho” também é resultado de pesquisas do projeto do PPGCL. Com ênfase aos temas: Preservar  é eternizar!, Criar é preciso! e Recordar é reviver!, os pesquisadores destacaram e a arte com características germânicas de nossa região, em especial, a relevância do papel de instituições como Casa da Cultura e o Museu Memorial, localizadas no município de São Martinho para a promoção da nossa cultura.

 

Unisul se fez presente no II Encontro sobre Imigração alemã

 

(SIC/Unisul) O evento realizado pelo Instituto Carl Hoepcke, em parceria com a universidade e entidades da região ocorreu em comemoração aos 180 anos da imigração alemã em Santa Catarina e do cinqüentenário de emancipação política do município de Rio Fortuna.

 

A professora do curso de História, Eugênia Exterkoetter, natural de Rio Fortuna sempre teve muito interesse sobre a cultura alemã e contribuiu com a pesquisa “Templos e necrópoles de origem germânica nos vales dos rios Capivari e Braço do Norte a serem preservados como fontes históricas”, juntamente com o professor Arilton Teixeira. Ela explica que o estudo foi direcionado a estudar a religião do povo alemão, a estrutura das famílias e como é a relação das pessoas com a morte.

 

Além da professora Eugênia, a Unisul contribuiu com as pesquisas “A importância da preservação cultural para o registro da história local” da professora Valdézia Pereira, “AMA – Arqueologia na Mata Atlântica, os sítios arqueológicos do rio Facão – Rio Fortuna/SC” da professora Deisi Scuderlick Eloy de Faria e “Migrações e identidades: a mitologia na nostalgia germânica” da professora Jussara Bittencourt de Sá.

 

O vice-reitor da Unisul Salésio Herdt considera importante a participação da universidade. “Essa parceria é fundamental. O evento resgata um patrimônio cultural e a Unisul não podia ficar de fora. Nós temos a obrigação de além de participar contribuir com esse evento, com o trabalho de nossos professores”.

 

O evento foi dividido em dois períodos. Na parte da manhã os temas foram apresentados por estudiosos renomados, e a tarde pesquisadores, professores e alunos de instituições de ensino superior apresentaram as pesquisas e trabalhos mais recentes sobre o tema.

 

Mariza Jorge, professora de História e visitante do evento, veio de Florianópolis para prestigiar o encontro. “Participei do primeiro e foi muito interessante. A informação e a cultura que a gente leva daqui é impressionante, e o nível dos profissionais é muito bom”, salienta.

 

O instituto Carl Hoepcke foi criado em Florianópolis em 2004 e tem como objetivo a preservação e o estudo do patrimônio cultural ligado a memória de Carl Hoepcke, um grande empresário e descendente da imigração alemã no estado.


Nação brasileira é tema de varal literário

 

(24/06/2008) “A nação em verso em cena" foi o título do varal literário dos acadêmicos da 5ª fase do curso de Letras, orientados pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá, do PPGCL, nesta segunda (23) na Sala 115 do bloco B do Campus Sul da Unisul.

 

A partir dos estudos tendo com temática a "Nação brasileira", os alunos compuseram poemas e os apresentaram através do "varal literário" e da "Esquina Brasil", uma cabine onde os visitantes depositavam seus sentimentos sobre o Brasil e a condição de ser brasileiro. “Sinto-me gratificada com o trabalho, o interesse e principalmente com a criatividade dos alunos na representação da temática estudada", diz Jussara.

 

O evento contou com a presença de docentes e alunos do curso de Letras e do mestrado em Ciências da Linguagem. Maria Filomena de Souza Espíndola, professora do curso de Letras, sugere que se elabore uma antologia com os textos. “Há muita qualidade nos trabalhos apresentados”, elogia. Para Rosenir Serafim, estudante da 4ª fase de Letras, este evento é muito importante para o amadurecimento do acadêmico. “Eu considero o varal literário um momento muito especial que nos incentiva como autores e nos cativa como espectadores”.

 

Na foto principal, Jussara apresenta o trabalho “Esquina Brasil”; mais abaixo, apresentam-se os estudantes do projeto.

 

 

 

Suelen Machado


Professora do Mestrado participa de Simpósio

 

(24/06/2008) A professora Dra. Eliane Debus apresentou a comunicação a comunicação “As vozes das margens no discurso sensível de Georgina Martins” no I Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil que ocorreu na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, que ocorreu entre os dias 11 e 13 de junho de 2008.

 

O evento, que reuniu vários pesquisadores de Literatura de recepção infantil, bem como escritores, ilustradores e editores, foi organizado em formato de mesa-redonda, conferências e seis simpósios. A professora Eliane participou do Simpósio Literatura infantil e juvenil: do texto ao leitor, Coordenado pelas professoras Dra. Vera Teixeira de Aguiar (PUCRS) e Dra. Alice Áurea Penteado Martha (UEM).

 

“Minha comunicação apresentou a leitura de três livros da escritora carioca Georgina Martins: Uma maré de desejos (Ática, 2005), No olho da rua: historinhas quase tristes (Ática, 2004) e O menino que não se chamava João e a menina que não se chamava Maria (DCL, 1999) trazendo à tona reflexões sobre um fazer literário que apresenta, de forma sensível, ao leitor as “vozes das margens” (Stuart Hall, 2003), sem maquiar as agruras e mazelas pelos quais passam as personagens dessas narrativas”, comenta Eliane.

 

Segundo a autora, “tematizar e problematizar a questão étnico-racial, bem como questões sociais (marginalização e trabalho infantil) na produção literária de recepção infantil e juvenil exigem um lidar com a linguagem que leve em conta esse interlocutor.  “Ao nos debruçarmos sobre o corpus desta reflexão, constata-se que a linguagem literária, tecida pelos fios da imaginação, confecciona um enredo de visibilidade, de encontros e diferenças”, afirma a pesquisadora. “A palavra alçada ao plano do ficcional (re)desenha, (re)significa papéis e (re)configura espaços; o Outro não é mais sempre o mesmo, porque o mesmo assim o deixou de ser”, completa.

 

PPGCL


Discurso é objeto de conferência.

 

(20/06/2008) “Análise crítica do discurso: conceitos-chave” foi o título da conferência ministrada pela professora Dra. Gisele de Carvalho, da UERJ, nessa sexta (20) na Sala 102 do bloco A do Campus Sul da Unisul.

 

Durante o evento a professora pôde apresentar conceitos chaves da Análise crítica do discurso. “O Discurso cria realidade, incorpora valores e cria identidades”, diz Gisele. “Nos textos encontram-se marcas (lingüísticas ou não) de relações entre a linguagem e a estrutura social: estas relações, no entanto, não são sempre facilmente percebidas porque tratam à realidade discursivamente como natural e, consequentemente, legítima”, complementa.

 

A professora, ressaltou que cabe ao analista desconstruir crenças que se baseiam em estruturas de dominação. “A Análise crítica do discurso procura realizar um trabalho interdisciplinar, a fim de poder compreender de modo mais abrangente o funcionamento do discurso na constituição de identidades sociais, na transmissão de valores, crenças e conhecimentos, na forma como a sociedade se organiza e na forma que o poder é exercido”, explica Gisele.

 

Estavam presentes também no evento professores e alunos do curso de mestrado em Ciências da Linguagem, alunas do curso de Letras do campus de Araranguá e a professora Márcia Cristina Scardueli. Para a aluna Rosane de Freitas Porto do curso de letras, a conferência ministrada pela  professora Dr. Gisele contribuirá muito para sua formação acadêmica. “Nós estamos em fase final da monografia e temos como fio norteador a Análise crítica do discurso”.

 

Gisele de Carvalho, professora adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, possui graduação em Letras (1983) e especialização em Língua Inglesa (1985) por essa universidade. Ela fez mestrado (1992) e doutorado (2002) em Letras pela Universidade Federal Fluminense e tem experiência na área de lingüística aplicada, atuando com os temas: retórica contrastiva, padrões retóricos e resenhas em inglês e português.

 

A professora participou da banca de defesa de dissertação da estudante Daniela Arns Silveira Monteiro, intitulada “O gênero comentário: análise sócio-retórica de exemplares publicados nos jornais Diário Catarinense e Folha de S. Paulo”, que ocorreu na manhã do mesmo dia. O trabalho, orientado pelo professor Dr. Adair Bonini, analisou as características sócio-retóricas do gênero comentário nesses jornais.

 

Suelen Machado


Mestrado seleciona estudantes para turmas 2008

 

(18/06/2008) O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem selecionou nesta segunda e terça (16 e 17) 38 estudantes para compor as turmas 2008 do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem, no Campus da Pedra Branca em Palhoça, SC.

 

A seleção ocorreu em três fases. Na manhã de segunda-feira, a partir das 9 horas (ver foto), os candidatos responderam questões sobre temas ligados às linhas de pesquisa. Para o professor Fábio Rauen, coordenador do Programa, esse exame tem o objetivo de verificar a capacidade dos candidatos em compreender textos da área do curso, bem como de argumentar por escrito, a partir de perguntas selecionadas pelos docentes.

 

À tarde, os candidatos fizeram exame de proficiência em língua estrangeira moderna. O candidato podia optar em fazer o exame em língua espanhola, francesa ou inglesa. “O exame de proficiência é uma exigência legal”, disse a professora Maria Ester Wollstein Moritz, que coordenou a avaliação de língua inglesa. “Ele visa analisar se o futuro estudante do mestrado é capaz de atender às demandas de leitura em língua estrangeira, que são comuns para a formação nos cursos de mestrado e de doutorado”, completa.

 

A terça-feira foi dedicada às entrevistas. “No dia anterior às entrevistas, os docentes do curso analisam os anteprojetos e os currículos dos candidatos”, comenta Layla Antunes de Oliveira, secretária do curso. “Com base nesse estudo que é feito coletivamente, além das correções dos exames das linhas de pesquisa e de proficiência, que também é feito na véspera, os docentes escolhem seus futuros estudantes”, completa.

 

Na avaliação do professor Fábio Rauen, todo o processo ocorreu com tranqüilidade. “Na tarde mesmo de terça (17), conseguimos determinar os aprovados e atribuir aos futuros alunos seus orientadores”. “A lamentar apenas o frio que chegou com força durante as atividades e quase congelou todo mundo. Creio que conseguimos compensar com muito calor humano”, brinca.

 

O edital de aprovados pode ser visto aqui. As matrículas ocorrem entre os dias 30 de junho e 4 de julho. As aulas estão programadas para 14 de julho (segunda-feira) na Pedra Branca e 17 de julho (quinta-feira) em Tubarão.

 

PPGCL


I SIMFOP tem inscrições prorrogadas

 

(11/06/2008) Prazo de inscrições de trabalhos (comunicação oral e pôster) do I SIMFOP foi prorrogado até o dia 22 de junho.

 

 O Comitê Organizador do Simpósio sobre Formação de Professores: infâncias e linguagens em debate (Simfop), prorrogou o prazo para inscrição de trabalhos (comunicação oral e pôster) para o dia 22 de junho.

 

O Simfop será realizado nos dias 29, 30 e 31 de julho na Unisul de Tubarão. Segundo informações do site, os participantes terão direito a um certificado de participação (40 h/a). Além das palestras e mini-cursos, nos intervalos serão feitas programações culturais.

 

O evento é coordenado pelo curso de Pedagogia da Unisul, com apoio do Mestrado em Educação e Ciências da Linguagem, e tem como um dos principais objetivos oportunizar à comunidade externa, acadêmicos e profissionais da área da educação, abrangendo toda a educação básica, o fornecimento de uma melhor formação docente.

 

Para os interessados em participar da programação sem apresentação de trabalhos as  inscrições vão até 20 de julho. O evento tem capacidade para 900 participantes. A partir desta data, as inscrições de última hora terão os valores aumentados.

 

Para mais informações sobre o Simfop, como programação de todos os dias, cronogramas, comissão científica e valores, confira no site.

 

PPGCL

SIC-Unisul


Poeta catarinense fala sobre sua trajetória

 

(10/06/2008) No dia 7 de junho, último sábado, o Campus Pedra Branca contou com a presença do poeta Alcides Buss, a convite da professora Eliane Debus. O poeta contou a história de sua produção poética.

 

“Inicialmente tínhamos como objetivo expor o assunto aos alunos da 5ª fase do Curso de Letras, porém o professor Ivo Zimermann levou a 6ª fase juntamente com a professora Cecília Dolzan com a turma do Curso de Pedagogia, deixando assim o encontro mais atrativo”, conta Eliane.

 

O poeta catarinense relatou as dificuldades de publicar poesias no país, os problemas de acesso ao livro e as políticas públicas de leitura. Ressaltou sua trajetória no Varal Literário, hoje incorporado em atividades de muitas escolas públicas brasileiras.

 

“Os alunos que tinham lido os poemas do autor e sua biografia, publicada no caderno especial da fundação catarinense de Cultura (1994), interagiram com Buss, realizando vários questionamentos sobre sua produção. Assim, concluímos nossa meta: aproximar os acadêmicos da poesia contemporânea de Santa Catarina”, ressalta a professora.

 

Alicides Buss nasceu em Rio do Sul. Formou-se em Letras, com mestrado em Literatura Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina. Buss foi criador dos Varais Literários. Hoje, é diretor da Editora da UFSC e presidente da União Brasileira de Escritores de Santa Catarina.

 

O autor publicou, entre outros, Transações, M.A.L Edições, 1989; Natural, afetivo, frágil, Edições Athanor, 1992; Nenhum milagre, Editora Letras Contemporâneas, 1993; e Sinais – sentidos, M.A.L Edições, 1995.

 

Cíntia Abreu


Rosângela Morello participa de Semana Acadêmica

 

(05/06/2008) De 19 a 23 de maio, aconteceu a II Semana Acadêmica do Curso de Letras/Espanhol da Faculdade de Ampére/FAMPER, em Ampére,  no Paraná. A professora Dra. Rosângela Morello apresentou conferência sobre bilingüismo no evento.

 

O evento, que contou com a participação massiva de docentes e alunos da FAMPER e região, tematizou questões vinculadas ao bilingüismo. Situada próxima à fronteira com a Argentina, e sendo formada por imigrantes vindos principalmente da Itália e Polônia, além de argentinos e paraguaios que ali vivem, Ampére é uma cidade permeada por práticas lingüísticas bilíngües.

 

Por isso, o tema atraiu muita atenção. Os alunos prepararam instalações que tematizaram a relação entre as línguas Portuguesa e Espanhola, traduziram poemas, organizaram peças de teatro.

 

"Em vista de minha experiência como assessora pelo Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Lingüística/IPOL ao Programa das Escolas Bilíngües de Fronteira (MEC/BR e MECyT/AR), fui convidada a fazer a palestra de abertura do evento, intitulada: “Bilingüismo: uma política de educação na fronteira”, conta.

 

Rosângela ressalta ainda que, "tomando o bilingüismo nessa relação com uma região de fronteira, vinculei-o a uma política atual de fomento da diversidade lingüística no Brasil. Coloquei o foco na relação entre as línguas como prática bilíngües, mostrando a necessidade de pensá-las para além das metodologias de ensino de língua estrangeira. Essa reflexão teve ótima repercussão, sobretudo para se pensar o ensino do Espanhol".

 

Durante toda a semana, as palestras, oficinas, debates e apresentações culturais promoveram uma verdadeira integração entre a comunidade acadêmica da FAMPER, comunidade externa e região.

 

Cíntia Abreu


Mestrado coordena GTs no VIII CELSUL

 

(02/06/2008) O PPGCL organiza seis Grupos de Trabalho no VIII Encontro do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul, que ocorre de 29 a 31 de outubro no Campus Centro da UFRGS em Porto Alegre.

 

Adair Bonini, Fábio Rauen, Débora Figueiredo, Maria Marta Furlanetto, Maria Ester Moritz e Sandro Braga coordenam seis dos 29 Grupos de Trabalho previamente aprovados para o VIII Encontro do Celsul. Conforme a Comissão Organizadora, os Grupos de Trabalho este ano não devem ser meras “sessões de comunicações”, mas serem estruturados de modo similar ao funcionamento dos Grupos de Trabalho da ANPOLL.

 

O professor Adair Bonini coordena, com Marcos Baltar (UCS, RS) o GT “Gêneros textuais jornalísticos em suportes diversos: análise e ensino”. Segundo os organizadores, o grupo objetiva congregar pesquisadores que estejam envolvidos com o estudo e o ensino dos gêneros jornalísticos. Espera-se que sejam focalizados, nas apresentações, aspectos relativos à organização, produção e compreensão de tais gêneros. Os trabalhos apresentados deverão ater-se às práticas realizadas em diversas mídias e suportes jornalísticos, a exemplo do jornal, da rádio, da televisão e da internet. A partir da confrontação das pesquisas apresentadas, o grupo pretende debater temas como: 1) o papel dos suportes e mídias na constituição dos gêneros; 2) o papel de tais gêneros no ensino da produção e da compreensão textual; 3) os limites da descrição e análise dos gêneros e práticas jornalísticas; e 4) as metodologias de análise e ensino desses gêneros.

 

O GT “Cognição, relevância e interface semântico-pragmática”, coordenado por  Fábio José Rauen e Jorge Campos da Costa (PUCRS), pretende congregar pesquisas que correlacionam questões cognitivas e interacionais de interface semântico-pragmática na análise de peças comunicativas em linguagem natural. Entre as possibilidades de abordagem, os trabalhos a serem apresentados poderão examinar aplicações e/ou discutir os próprios fundamentos da Teoria da Relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995). No primeiro enfoque, os trabalhos terão como objetivo analisar peças comunicativas do ponto de vista ostensivo-inferencial. No segundo enfoque, projetam-se pesquisas que promovam uma releitura crítica dos conceitos centrais da teoria (como intenção, relevância, representação, subjetividade, ostensão e inferência), verificando possíveis conseqüências dessa releitura na redefinição dos papéis intradisciplinares da semântica e da pragmática em processos comunicacionais humanos.

 

Débora de Carvalho Figueiredo e  José Luiz Meurer (UFSC) coordenam o GT “Estudos em Análise Crítica do Discurso: questões de gênero social, da mídia e da educação”. Este grupo temático filia-se ao campo de estudos da análise crítica do discurso (ACD), que em suas versões mais atuais baseia-se em uma perspectiva da semiose como parte intrínseca dos processos sociais. Assim, a ACD dedica-se a analisar as relações dialéticas entre as semioses (que incluem a linguagem verbal e não-verbal) e outros elementos das práticas sociais. Seu foco de interesse são as mudanças radicais que têm ocorrido na vida social contemporânea, no papel que a semiose desempenha nos processos de mudança e nas alterações na relação entre a semiose e outros elementos não semióticos das redes de práticas sociais. Os trabalhos em ACD investigam diferentes discursos públicos, como o da mídia e da educação, e têm como foco de suas investigações distintas questões contemporâneas, como as relações de gênero social, as relações de poder, a construção de identidades e de sistemas de conhecimento.

 

Gêneros do discurso, autoria e ensino” é o GT coordenado por Maria Marta Furlanetto e Rosângela Hammes Rodrigues (UFSC). O grupo pretende congregar trabalhos de pesquisadores que focalizem as noções de “gêneros do discurso”, “autoria” e “ensino”, vinculando pelo menos duas delas. Quanto aos gêneros, propostas teóricas e aplicadas são bem-vindas, aproximando ou distanciando abordagens que focalizem os gêneros do discurso das várias esferas sociais (política, jornalística, religiosa, econômica, científica, jurídica, pedagógica, etc.). Quanto à autoria, serão acolhidas propostas que discutam, comparativamente ou não, novas perspectivas sobre o tema (por exemplo: morte do autor, função-autor, subjetividade e autoria, relações autor/texto/leitor, autoria e interpretação, posição de autoria, autoria e estilo, autoria e gêneros do discurso), relacionando-o a um dos outros dois tópicos. Quanto ao ensino, acolhem-se propostas que, desenvolvendo tópicos em associação com os gêneros ou com o processo de autoria, relatem experiências, proponham metodologias de trabalho didático, discutam questões emergentes de tratamento em propostas curriculares e outros documentos que contemplem políticas de ensino. O objetivo do GT, pela abrangência das perspectivas e das esferas (por um lado) e pela convergência ditada pelo foco de discussão (por outro lado), é, por aproximar tratamentos/interesses divergentes dos pesquisadores e temas específicos (gênero, autoria, ensino), permitir uma abertura salutar ao exercício da interdisciplinaridade

 

Maria Ester Wollstein Moritz  e Adriana de Carvalho Kuerten Dellagnelo coordenam o GT “Lingüística sistêmico-funcional”. Tendo como um dos ‘arquitetos’ o lingüista Michael Halliday (1978, 1985, 1989, 1994; Halliday & Matthiessen, 2004), a lingüística sistêmico-funcional (LSF) postula que a linguagem é sistêmica, uma vez que consiste em uma cadeia de sistemas de escolhas em que cada sistema oferece ao falante/escritor uma escolha de formas para expressar o significado proposto, e é funcional, uma vez que a linguagem serve a propósitos funcionais. Dessa forma, sugere-se então, que devemos levar em consideração o relacionamento entre linguagem e contexto social no qual essa é usada, o que nos leva a entender que, para a LSF, a linguagem é vista como um fenômeno social. Para o lingüista, os aspectos funcionais da linguagem são expressos, simultaneamente, em três tipos de significados, a saber: ideacional, interpessoal e textual. A LSF desenvolveu ferramentas analíticas para investigar tanto a linguagem falada, quanto à escrita. De acordo com Halliday (1994, p. xvii), “uma análise do discurso que não é baseada na gramática não é uma análise, mas simplesmente comentários num texto”. Partindo da abordagem teórica postulada pela LSF, o GT aqui proposto compreenderá trabalhos desenvolvidos em quaisquer línguas, usando os princípios oferecidos pela gramática hallidayana.

 

O GT “Subjetividade na voz e na escrita”, coordenado por Sandro Braga e Pedro de Souza (UFSC) apresenta-se como um espaço de reflexão e debate das questões de constituição do sujeito, imbricadas à problemática da construção e representação de um corpo a partir da voz ou da escrita. No primeiro caso, a questão é saber como que as inflexões de voz modulam ondas sonoras de tal modo que, tomadas em certa ordem prosódica de enunciação, possibilitem a identificação do sujeito. No segundo, pergunta-se de que modo os sujeitos podem inscrever seu corpo abandonando-os e deixando-os representar-se somente através da forma material da escrita. Sob este ponto de vista, cabe investigar como os leitores (re)constroem, na trama da escritura, o corpo como (d)escrito. Serão aceitos trabalhos que tangenciem essas (uma ou outra, ou as duas) questões dentro das correntes teóricas propostas pela Análise do Discurso de corrente francesa.

 

O próximo passo consiste na apresentação de propostas de comunicações até o dia 7 de julho.

 

Informações sobre o VIII CELSUL podem ser obtidas no sítio do Encontro. Clique aqui.

 

Fábio Rauen


Conferência discute compreensão em leitura

 

(02/06/2008) A professora Dra. Rosângela Gabriel, da Universidade de Santa Cruz do Sul - Unisc, ministrou a palestra “Compreensão em leitura: cognição e ensino” nesta segunda-feira (2), no bloco sede campus de Tubarão.


Durante o evento a professora pôde relatar como se dá o processamento da leitura. “A leitura envolve vários tipos de representação mental, ou seja, vários tipos de memória. Para ler a gente usa a memória de trabalho”, diz Rosângela. “Acredito que o processo da aquisição e o uso de símbolos lingüísticos escritos transforma a forma como processamos e armazenamos informações”, complementa.


A professora, que também coordena o curso de mestrado em Santa Cruz do Sul, ressaltou o papel importante que a emoção desempenha na cognição e na leitura em particular. Relatando várias das pesquisas que Rosângela vem coordenando no Rio Grande do Sul, a conferência destacou como está o ensino de leitura na sala de aula. Para ela, “Não basta que o professor seja um bom leitor; ele tem que saber transmitir seu conhecimento de leitura para os alunos”.


A Dra. Rosângela Gabriel participou da defesa de Rosane Maria Bolzan intitulada “Influência da intervenção escrita do docente em textos dissertativos argumentativos reescritos: análise com base na Teoria da Relevância”, na manhã deste mesmo dia.

 

Suelen Machado


Mestrado recebe comissão avaliadora do CEE-SC

 

(30/05/2008) Mestrado em Ciências da Linguagem recebe visita da comissão de avaliação do Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina – CEE-SC, para renovação de seu reconhecimento. A comissão é formada pelas professoras doutoras Rosângela Hammes Rodrigues e Ana Cláudia de Souza, da Universidade Federal de Santa Catarina.

 

Conforme o professor Fábio Rauen, coordenador do curso, “A cada cinco anos os cursos de mestrado devem renovar seu reconhecimento junto ao Conselho Estadual de Educação. Uma das etapas da avaliação consiste na visita de uma comissão. Para formar a comissão, o CEE-SC convida profissionais de renome de outras universidades”.

 

“O processo de avaliação, de fato, só se inicia depois que visitamos todas as instalações onde e suas instalaçtodas mpi que o curso encias osteriormente viemos o curso é ministrado. Na quarta-feira estivemos no Campus de Pedra Branca e hoje (quinta-feira) no Campus de Tubarão”, explica Ana Cláudia. Fica a cargo da comissão verificar se todos os setores da instituição atendem às necessidades estipuladas pelo Conselho Estadual e se funcionam da forma como é apresentado no relatório enviado pela própria coordenação do curso. A verificação vai desde banheiros, salas de aula, espaços administrativos, laboratórios, espaço virtual, acervo da biblioteca. “Cabe à comissão também observar como o curso é executado, entrevistando os alunos, professores, funcionários, bolsistas, bem como verificar as condições institucionais, reunindo-se com dirigentes da universidade”, complementa Rosângela.

 

“Esta sendo bastante produtiva nossa visita. Tanto a secretaria como a coordenação do programa estão sendo muito disponíveis. Eles têm tentado responder a tudo que precisamos para compor o relatório”, salienta a professora Ana Cláudia. “A instituição oferece todas as condições para um bom andamento do curso. Você tem a disposição o material que precisa e o apoio imediato das pessoas”, elogia Rosângela.

 

Cíntia Abreu


 

Dr. Sandro Braga participa da II Semana de Letras da UFSC

(21/05/2008) Discurso e subjetividade: processos de identificação pela voz foi o tema de Mesa Redonda da II Semana Acadêmica de Letras da UFSC com participação dos professores (da esquerda para direita) Dr. Sandro Braga (UNISUL), Dr. Pedro de Souza (UFSC) e a atriz e locutora Ana Paula Possap.

O debate procurou mostrar que a relação entre os indivíduos e certos discursos comportam modos de subjetivação que não passam apenas pela palavra falada ou escrita. Destaque para o corpo como sustentação para produção de subjetividade.

Ana Paula contou sobre o processo de construção de sujeitos identificados apenas pela voz. Falou de sua experiência na produção de spots em que a voz que anuncia um motel precisa de uma tonicidade sedutora, já a que recepciona visitantes a um shopping deve ser mais grave e menos envolvente.

Sandro Braga mostrou como sujeitos podem ser identificados pela escrita. Analisou anúncios de jornais em que a palavra produz um corpo para ser consumido pelo leitor.

Unindo voz e escrita, Pedro de Souza analisou o making off do filme Transamérica destacando a voz não como efeito do corpo, mas como parte constitutiva deste. Para ele, essa atividade foi muito interessante, pois em um mesmo momento o público esteve em contato com a materialidade da fala e da escrita e pôde perceber como esses elementos podem ser tomados sob um viés analítico de pesquisa.

PPGCL


Livro comemora 10 anos do mestrado

 

(14/05/2008) “Ciências da Linguagem: avaliando o percurso, abrindo caminhos”, este é o título provisório da obra que será escrita em comemoração aos 10 anos de criação do Mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul.

 

Reunião, realizada nesta última terça-feira (13) na coordenação do curso, marcou o início do projeto de elaboração de um livro para homenagear os 10 anos de história do Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem. O livro será organizado pelos professores Dr. Sandro Braga, Dra. Maria Ester Wollstein Moritz e Dra. Mariléia Silva dos Reis (foto). Na obra, cada docente terá a oportunidade de fazer uma retrospectiva histórica das pesquisas do PPGCL, definindo o estado da arte (o que se faz no mestrado) e as perspectivas de sua pesquisa e da pesquisa de seus alunos.

 

 “O livro será uma coletânea de ensaios que permitirá fazer uma radiografia de como o curso se encontra em 2008, bem como das perspectivas futuras”, disse a professora Mariléia Reis. “Ele não apenas vai permitir que as pessoas conheçam o curso, mas visualizem quais são os caminhos futuros”.

 

Para Sandro Braga, essa organização será uma atividade muito bem-vinda, especialmente para ele e Maria Ester que estão ingressando no curso. “Com a organização da obra, podemos pensar em nossas pesquisas no mesmo foco e nas linhas desenvolvidas dentro do programa”.

 

“Este livro é uma grande responsabilidade e uma grande oportunidade”, afirma Ester. “É principalmente uma forma de dar visibilidade para a qualidade do programa como um todo”, complementa.

 

Para a coordenação do curso, além da função histórica, o livro pretende subsidiar futuros processos seletivos no que se refere às linhas e aos projetos de pesquisa, bem como políticas de pesquisa. “Quem sabe a sua história e sabe quais são seus objetivos, atinge-os mais rapidamente”, afirma o professor Fábio Rauen.

 

O Mestrado em Ciências da Linguagem foi criando em novembro de 1998. A previsão de lançamento do livro é para o final deste ano

 

Conheça a história do curso aqui.

 

Cíntia Abreu


Turma de 2007 organiza projetos de dissertação

 

(12/05/2008) Disciplina de Introdução à Produção Acadêmica possibilitou aos alunos de Tubarão e Florianópolis do PPGCL orientação metodológica para elaboração de projetos de dissertação. Semestre prossegue com Tópicos para Leitura Orientada.

 

Alunos do Mestrado dos dois campi participaram em abril e maio último da disciplina de Introdução à Produção Acadêmica. Essa disciplina tem o objetivo de apresentar orientações para a elaboração de projetos focados nas linhas de pesquisa do curso de Mestrado em Ciências da Linguagem. Em Florianópolis, a disciplina foi lecionada pela professora Dra. Maria Ester Wollstein Moritz e em Tubarão pelo professor Dr. Fábio José Rauen.

 

“A disciplina faz convergir duas competências bem estabelecidas no PPGCL”, comenta o professor Fábio Rauen. “De um lado, temos a tradição de estudos em gêneros acadêmicos, em que a professora Ester é expoente; de outro, todo um trabalho que estamos desenvolvendo na área mais específica da metodologia. Acho que o curso ganha muito com essa parceria”, completa.

 

Fábio Rauen é autor dos livros “Elementos de iniciação à pesquisa” (1999), “Roteiros de Investigação Científica” (2002) e “Roteiros de pesquisa” (2006); além de autor de modelos para digitação de trabalhos acadêmicos, que podem ser acessados aqui.

 

Na foto, turma de Tubarão no encerramento das aulas em 9 de maio.

 

Cíntia Abreu


Leitura, informação e imagem são temas de encontro

 

(06/05/08) Dias 8 e 9, em Florianópolis, acontece seminário de literatura infantil de SC e encontro sobre leitura, literatura e ensino, com palestras, minicursos e mesa-redonda

 

Durante os dias 8 e 9 de maio, no auditório do Instituto Estadual de Educação, na avenida Mauro Ramos, centro de Florianópolis, será realizado o 3º Seminário de Literatura Infantil e Juvenil de Santa Catarina e o 2º Encontro sobre Leitura, Literatura e Ensino.

 

Os eventos aproximam o professor-leitor de escritores e de suas produções literárias para ampliação de conhecimentos sobre a literatura infantil e juvenil produzida no Estado.

 

A programação está recheada de palestras, com a participação de escritores, professores de Letras e mesas-redondas, além de minicursos que auxiliam no conhecimento de jovens e adultos interessados na literatura.

 

Patrocinado pela Unisul, o evento promete ainda ajudar a divulgar a produção local, trazendo escritores e promovendo o encontro deles com o público-alvo, formado por acadêmicos de graduação dos cursos de Pedagogia e Letras, professores que atuam no ensino fundamental, tanto em escolas públicas quanto privadas, bibliotecários e contadores de histórias, entre outros.

 

A programação prevê a presença dos escritores Eloi Elizabeth Bocheco, Flávio José Cardozo, Alcides Buss, Yedda Goulart, Maria de Lourdes Krieger e do escritor nacional André Neves.

 

Este ano, o objetivo principal é focalizar a questão da imagem no livro infantil, e através da palestra de André Neves, escritor e ilustrador, tentar abranger o conhecimento da imagem na literatura.

 

- Uma boa oportunidade de estudantes de Jornalismo, Design, Cinema e Letras conhecerem o trabalho da ilustração no campo da literatura infantil - afirma a professora Eliane Debus, do mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul.

 

São esperadas pelo menos 180 pessoas, dentre alunos de graduação, pós-graduação, professores e demais interessados.

 

- Durante a programação serão realizadas sessões de autógrafos, com lançamento de livros, exposições e um mural com algumas matérias do quadro “Sopa de letrinhas”, do Diário Catarinense, realizado por Márcia Feijó e Romí de Liz”, complementa Eliane Debus.

 

Os minicursos serão realizados nas salas de aula do próprio Instituto Estadual de Educação, todos serão realizados na mesma hora, portanto será necessário escolher entre eles.

 

Na quinta-feira, dia 8 de maio, a partir das 19 horas, Eliane Debus realizará uma palestra para oficializar a abertura do evento.

“Irei fazer um panorama de tudo, para quem estará no evento, ou quem não conhece os palestrantes, irei apresentá-lo aos demais, falar um pouco mais sobre a mesa-redonda que irá acontecer na sexta-feira, dia 9 de maio, com a presença de Eloi Bocheco, Flávio Cardozo, Alcides Buss e outros”, ressalta Eliane Debus.

“Esta é a terceira edição do Seminário de Literatura infantil e juvenil e o segundo Encontro de Leitura, Literatura e Ensino; estamos numa expectativa muito boa, vários escritores, alunos e professores procuram saber mais sobre a atividade, todos querem participar, estamos bem positivos com a recepção do público”, declara Eliane Debus.

O evento tem duração de 20h, e o valor é de R$ 20,00. Inscrições aqui.

 

Outras informações pelo telefone 3338.3117.

 

PROGRAMAÇÃO

8 de maio – quinta-feira - 19h às 22h

Abertura e conferência

A literatura infantil e juvenil em Santa Catarina: um panorama

Profª. Dra. Eliane Debus

9 de maio – sexta-feira - 9h às 12h

Mesa-redonda: A literatura para crianças e jovens em Santa Catarina: mais que uma mesa, um encontro

Escritores Eloi Elizabet Bocheco, Flávio José Cardozo, Alcides Buss, Yedda Goulart, Maria de Lourdes Krieger

14 horas às 17 horas

Palestra: IMAGEM - AMPLIANDO O OLHAR

André Neves - Escritor e Ilustrador

17h30min às 19h

Lançamento de livros

Local: Feira do Livro

19h30min às 22h

 

Minicursos

1. Adaptações e (re)leituras dos contos de fadas: ilustrações clássicas e contemporâneas. ( Profª. Msc. Daniela Bunn – UFSC)

2. A literatura infantil em sala de aula (Profª. Msc. Chirley Domingues – UNISUL/UNIVALI)

3. Leitores do século XXI: as mediações de Machado de Assis (Profª. Msc. Gabriela Bohm – UNISUL)

4. Literatura: prazer e fantasia na infância (Profª. Dra. Dilma Juliano – UNISUL)

5. A arte de contar histórias (Profª. Msc .Beatriz Fleck - IEE)

6. A ilustração no livro infantil: formando leitores (Escritor e Ilustrador André Neves)

 

Na foto, Eliane Debus em conferência recente no Salão Nobre da Unisul.

 

SIC/Unisul


Colégio Dehon faz da leitura um momento de satisfação

 

(05/05/08) Atividade de leitura em sala de aula movimentou o Colégio Dehon na manhã de sábado (26 de abril). O evento visou congregar pais, professores e alunos do maternal e das séries iniciais do colégio em torno da leitura.

 

A professora Mariléia Reis participou das atividades junto com seu filho Matheus (foto). Para ela, atividades desse tipo são muito importantes para a idade das crianças. “é nessa idade que elas adquirem o hábito de ler e o papel dos pais e professores é fundamental para que isso ocorra”, comenta.

 

Inspirada pelo momento, Mariléia redigiu o artigo “Era uma vez” onde reforça o argumento da importância do hábito da leitura.

 

Era uma vez ....

 

Vencendo o analfabetismo funcional ... uma vez na minha escola

 

Acredita-se não existir desafio maior para a escola do que o de tornar seu aluno leitor. Isso também (e principalmente) em primeiro mundo. Para o professor, entre as suas mais bem-sucedidas práticas, com certeza, estão a da satisfação e felicidade de ter provocado no seu aluno a busca de mais informação sobre o que seu mestre abordou em sala de aula, em outros ambientes: no google, biblioteca ou bancas de revista. Isso é fantástico!!!  Wonderfull. Primeiramente, porque o refletir do aluno-leitor além do contexto escolar evidencia não um desafio, no mínimo, parcialmente cumprido, como também a esperança de ele próprio (o aluno) estar mais fortalecido para o exercício pleno da cidadania.

 

Pois é. Dias desses, o Colégio Dehon abriu suas portas aos pais e comunidade para o reino encantado das histórias. A cada sala de aula, uma professora; a cada quinze minutos, uma nova história: para as crianças que compareceram, para os grandinhos que as acompanharam. E me pediram para fazer um feedback sobre esse dia especial, um dia do Ler e gostar, é começar! Mas, bem dentro de mim, quero mais ser neste momento um espectador, aquela criança que compareceu, a família que esteve. E é sobre isso que eu gostaria de me deter.

 

Me detive, então, sobre o encantamento que o último sábado de abril possivelmente exerceu sobre os futuros bons leitores que estiveram. Falar sobre a grandeza da simplicidade deste evento. Então, foi assim que tudo aconteceu:

 

Era uma vez ... uma escola que muito me ajudou a entender como é fácil, simples e prazeroso viver no mundo da leitura. Era uma manhã de sábado de muito sol, quando minha escola, com muita maestria, contou suas histórias a mim, à família e a meus colegas. E foram várias as histórias.

 

Era uma vez ... um menino que queria ser adulto, que queria acelerar a linha mágica do tempo, mas que perderia a sua história. A mamãe-canguru que procurava, procurava e procurava o pequeno filhinho na sua bolsa que, como toda bolsa de mulher, tudo nela cabia. Um coleguinha que jogava tanto videogame, mas tanto, que um dia queria levá-lo até no piquenique. Pode isso?  Um menino muito, muito, muito maluquinho. Alguém que ia e voltava todos os dias para a sua casa ... e, no caminho, comia uma maçã e jogava o caroço no lixo ... e dava flores para uma vovozinha.

 

Era uma vez ... uma escola que me ensinou a ler ... o livro, a vida, o bem-viver. Mostrou a mim, pais e colegas que é possível, fácil e prazeroso contarmos histórias dentro das nossas casas, sobre o nosso dia-a-dia. Nos ensinou sobre a importância da leitura, sem, no entanto, ficar nos repetindo que ler é isso e aquilo, mas que demonstrou como poderemos construir esse tão importante hábito nas nossas vidas, dentro dos nossos lares. Trocou nossos velhos livros de histórias contadas por novas histórias de velhos novos livros. Trouxe à família como é que se contam histórias, como que é que se constroem leitores, como é que se encantam os pequenos (e os grandinhos). Trouxe a família pra escola. Mas, desta vez, não para fazê-la lembrar dos seus compromissos, mas para convidá-la a brincar. Brincar de contar histórias, brincar de ser criança.

 

Era uma vez ... uma escola que escondia em cada professor e pedagogo um artista da leitura, que contaram e encantaram o público, sem sequer falar sobre leitura, mas de muito bem exercê-la. Uma escola que, numa bela manhã de sábado, nada falou, mas muito mostrou. Que nada nos disse, mas muito nos significou. Que nada teorizou, mas muito edificou. Esta é a escola do fazer-contextualizado, da prática da leitura como uma das mais importantes práticas sociais de cada um de seus alunos.

 

E foi assim que a escola cumpriu prazerosamente sua missão. De volta para a casa, fiquei pensando que era isso mesmo que a nossa escola precisava fazer, porque dizer todos dizem a suas crianças que é muito importante a leitura, que a leitura é muito importante. E é sempre assim mesmo, de modo muito repetitivo. Sempre.

 

Leitura e escrita são habilidades muito lembradas no nosso dia-a-dia. Na tevê, as campanhas (ainda poucas) em defesa da leitura: Ler para ser cidadão. Quando se vai ao supermercado, vê-se a promoção: A melhor frase sobre esse produto vai concorrer a tal prêmio.  Mattoso Câmara: escreve bem aquele que sabe bem o que vai escrever. No programa infantil: Quem contar a melhor história vai levar esse game para casa.

 

Então, é importante lermos.  Mas, de fato, quem, naquela manhã de sábado, ensinou nossas crianças ler, e as motivou para iniciar esta prática tão importante foi a nossa escola, aquela escola que trouxe a família à escola.

 

Foi naquele sábado de manhã que ela fez suas crianças entenderem que a leitura nada mais é que uma interação entre sujeitos e sociedade. Bom, mas isso é outra história, de novo a teoria.

 

Essa é a história de um dia de sábado na vida dos Joãozinhos, Pedrinhos e Mariazinhas que compareceram. E, assim, era uma vez uma escola que conceituou leitura, que motivou a leitura, combateu o analfabetismo funcional, definiu letramento como o exercício da cidadania através de práticas sociais da escrita e da leitura. Que vivenciou eventos de todos esses letramentos, sem, sequer, fazer uso de uma destas palavras que, como palavras, tão abstratas o são. Mas o fez. E bonito o fez. Contar história é uma das mais antigas práticas de letramento, são práticas sociais de interação e comunicação entre os maior representante social: o homem, um ser que fala, um ser que conta e encanta com suas histórias. Antes, nas cavernas. Hoje, na escola. Sim, com a família na escola.

 

Cíntia Abreu


Arte e encantamento integram alunos de letras

 

(02/05/2008) Sarau literário apresenta experiências pedagógicas do curso de Letras na noite desta última quarta-feira (30) no Salão Nobre do Campus de Tubarão.

 

Com o objetivo de socializar experiências e práticas da sala de aula, o professor Felipe Felisbino, coordenador do curso de Letras, abriu o II Sarau Literário: Entrelaços, que contou com a apresentação de números de todas as fases do curso, incluindo estudantes de Imbituba.

 

“O evento mostra um pouco do que os professores estão ensinando e o que nossos estudantes estão fazendo junto com a comunidade”, explica o coordenador. “É também um grande momento de troca de experiências”, completa.

 

“O sarau foi pensado principalmente para aproximar e integrar os alunos de todas as fases do curso de Letras”, comenta a professora Maria Felomena Espíndola. Para Mariazinha, uma das organizadoras das apresentações, o evento “é uma oportunidade de tornar visível atividades não só de literatura, mas de todas as disciplinas do curso”.

 

Números artísticos abrilhantam a noite

 

O II Sarau foi apresentado pelas professoras Regina Rocha Tibúrcio e Cláudia Espíndola Gomes e contou com as seguintes apresentações:

 

“Machado de Assis: uma homenagem”, 1ª Fase, orientada por Cláudia Espíndola Gomes e Maria Aparecida Marcon;

 

“Forrest Gump: uma fábula dos anos 60”, 1ª Fase, orientada por Mara Stringer da Fonseca;

 

Números musicais: Mambo nº 5, I gotta a Girl, the time of my life, Summer Night, Musical Show, More Than Words, Y.M.C.A. – Village People, 5ª Fase, orientada por Regina Rocha Tiburcio;

 

Peça teatral “Shakespeare: revisitando Romeu e Julieta”, 5ª Fase, orientada por Geraldo Porto;

 

“O amor perdoa”, “Roteiros do amor”, “Viver: uma arte”, “Dançando com a vida”, “Todos os amores” - Música “Epitáfio”, 3ª e 4ª Fases, orientada por Jussara Bittencourt de Sá (foto principal desta matéria);

 

“Máscaras”, de Menotti Del Picchia, 3ª Fase, encenação da peça na forma de texto que teve a adaptação realizada pela Profa. Maria Felomena Espíndola (foto do Arlequim, acima);

 

As Pessoas em Fernando Pessoa, 5ª Fase, orientada por Gabriela Böhm;

 

Poema “Caminante” Antônio Machado, 5ª Fase, orientada por José Luis P. Cernada;

 

“Macunaíma”, de Mário de Andrade: uma rapsódia da identidade brasileira, 6ª Fase, orientada por Maria Felomena Espíndola

 

“As Cidades e o Campo”, 7ª Fase, orientada por Gutemberg Geraldes Jr.

 

Cíntia Abreu


Professora analisa os momentos da Proposta Curricular de Santa Catarina

 

(28/04/2008) A professora Dra. Maria Izabel de Bortoli Hentz, ministrou a palestra: “Dez anos de Proposta Curricular de Santa Catarina: Desdobramentos e desafios”, nesta quinta-feira (24), no Salão Nobre do Campus de Tubarão, às 19h30min.

 

Durante o evento a professora pôde relembrar aos alunos todas as fases da proposta curricular, que teve início em meados de 1988 e segue até hoje com muitas inovações. Em um segundo momento Maria Izabel ressaltou a importância do interesse dos novos profissionais em conhecer a proposta curricular, já que são eles que farão à diferença.

 

Pode relatar também que há alguns estudos que apontam a necessidade de uma capacitação intensa dos profissionais que já estão no mercado de trabalho. “Acho importante que a universidade trabalhe essa discussão desde o início para que o estudante saia mais motivado em trabalhar a proposta”, explicou.

 

A professora exemplificou a proposta relatando alguns efeitos positivos nas escolas dos municípios de São José e Bigaçú, na grande Florianópolis. Com isso ela afirmou que o professor dinâmico é reconhecido pelo aluno.

 

“Há estudos que mostram que há um interesse do profissional. A de hoje é um exemplo claro disso, a aluna foi feliz na sua análise, e o mais importante é que focou o desenvolvimento do aluno em torno desta proposta”, afirmou.

 

Maria Izabel participou da defesa de Miriam Gomes D’Alascio na manhã deste mesmo dia.

 

Cíntia Abreu


 

Sarau Literário lembra a passagem do Dia do Livro

 

(28/04/2008) O sarau será no próximo dia 30 no Salão Nobre da Unisul de Tubarão. As apresentações vão ficar por conta dos alunos do curso de Letras

 

O Sarau Literário do curso de Letras da Unisul de Tubarão será realizado na próxima quarta-feira (30/4) e marcará a passagem do Dia do Livro, que foi no dia 18. Segundo o coordenador do curso Felipe Felisbino, a idéia é estimular a prática de novas práticas pedagógicas na sala de aula, uma vez que as apresentações que serão feitas pelos alunos no sarau têm relação com os conteúdos estudados em sala. Felisbino afirma ainda que, além disso, o evento objetiva, num primeiro plano, tornar a literatura mais acessível.

 

“O dia do livro deve ser usado para popularizar a leitura. Os livros ainda estão muito ligados à elite, às classes mais altas. A literatura deve ser mais popular, deve estar mais próxima”, diz o coordenador.

 

Segundo Felisbino, os livros exercem grande importância na formação do indivíduo, o que justifica as ações que têm por fim aproximá-los das pessoas. No sarau, os alunos de todos os semestres do curso de Letras vão expressar a literatura através de outras artes, como a música e o teatro. Haverá ainda a declamação de poemas, tal como ocorreu no ano passado. A organização é dos professores de Literatura Jussara Bittencourt de Sá, Maria Filomena Espíndola, Cláudia Espíndola, Gabriela Bohm, Gutemberg Júnior, Mara Fonseca e Regina Tibúrcio.

 

O sarau ocorre no Salão Nobre da Unisul das 19 às 22 horas e é aberto ao público.

 

SIC - Unisul


Inovação em sala de aula beneficia comunidade em geral

 

(25/04/2008) Édina da Silva de Freitas, aluna do mestrado em Ciências da Linguagem relata como a redação de sua aluna tornou-se parte da divulgação da Olimpíada de Língua Portuguesa.

 

A professora Édina da Silva de Freitas em 2006 decidiu trabalhar o gênero artigo de opinião com sua turma de 4º série através do Prêmio Escrevendo o Futuro, oferecido pelo Ministério da Educação (MEC) para as escolas da rede pública municipal e estadual. Depois da formação de oficinas na escola, que proporcionou o estudo do gênero com o material oferecido pelo MEC, Edna partiu para prática, e assim a redação da aluna Joice da Silva passou a concorrer na etapa regional, estadual e nacional e por fim a grande premiada.

 

“Na época Joice ficou surpresa, afirmando não acreditar que havia sido selecionada. Muitos de nós não acreditamos na potencialidade de nossos alunos da rede pública, a Joice provou o contrário, e até hoje participa de eventos para falar sobre a produção de texto”, conta a professora.

 

A premiação foi uma bolsa de estudos para custear todo seu ensino superior. Este ano a aluna tornou-se mais uma vez protagonista do Ministério da Educação, que acaba de lançar através do Prêmio Escrevendo o Futuro a política pública - Olimpíada da Língua Portuguesa. Os textos premiados em 2006 estão sendo usados em forma de publicidade em todas as emissoras televisivas, como também no site do MEC. Joice redigiu sua opinião sobre o problema da sua comunidade, que luta contra a instalação de uma mina de carvão próxima a zona rural do município de Içara. E não somente redigiu como participa do vídeo feito na própria comunidade.

 

 “Para nós enquanto educadores trabalhar nessa perspectiva de gênero na escola é uma coisa diferente, vivenciamos muito a questão de trabalhar com livros didáticos. Essa forma é uma inovação para trabalhar com conteúdos significativos da realidade da criança. O artigo de opinião oportunizou isso, uma questão polêmica na comunidade onde as crianças tiveram de pesquisar, ler e argumentar, criticar e redigir o artigo”, afirma Édina.

 

A Escola de Educação Básica Antônio Colonetti juntamente com aluna e professora ganharam grande destaque e apoio de várias instituições educacionais da região. A professora Edna também obteve benefícios financeiros após a premiação que hoje lhe proporcionam cursar o mestrado, ressaltando que - “pretendo focar minha dissertação com relação a gêneros textuais na questão artigo de opinião nas séries inicias. Por que  acredito que isso é viável, que temos como trabalhar nessa perspectiva e dar essa oportunidade para o professor, que tem que se atualizar trabalhando com essas questões lá no dia a dia com a crianças”.

 

Para assistir à redação de Joice da Silva, através do site do Ministério da Educação, é só clicar aqui.

 

Cíntia Abreu


Garota da Serra cativa pela simplicidade

 

(24/04/2008) A doutora Solange é vista pela sua simplicidade e facilidade de fazer amizade. A sua história inicia-se na pequena cidade de Serra Negra

 

A risada da professora Solange Leda Gallo, estrepitosa num raio de 500 metros, revela o seu sangue puro italiano. Seus quatro avós formam a segunda geração de imigrantes na pequena Serra Negra (SP), estância hidromineral fundada por portugueses há exatamente 180 anos, mas que 60 anos depois acabou dominada por famílias oriundas do norte da Itália. “É uma perfeita siciliana, no grito e na prosa”, define o professor Osvaldo Della Giustina, também de linhagem italiana, porém do Vêneto.

 

Os que a conhecem cultivam a amizade nos reflexos da sua simpatia, lealdade e da sua disposição ao trabalho coletivo. O sorriso já é a sua apresentação, enquanto a gargalhada é o selo de familiaridade. Solange é tão inclinada às amizades que aceita com naturalidade gozações que acabam estimulando o relacionamento. Dizem até que suas gargalhadas ganharam altos decibéis depois que se casou. O seu sobrenome passou a ser Gallo Pequeno, que pode ser simplificado como garnizé. ”Pequeno, porém potente”, justifica uma colega.

 

Solange herdou as características do pai Nelson, conhecido por Galão. Os gritos de Galão, porém, silenciaram-se por 22 anos, período em que o Corinthians experimentou um jejum sem ganhar o campeonato estadual. Bastava o Palmeiras vencer um jogo para os torcedores – 99,9% da população de Serra Negra – soltarem fogos sobre a casa de Galão. “Um dia vocês vão pagar por tudo isso”, jurava Nelson. E não deu outra. No dia 13 de outubro de 1977, o Corinthians venceu a Ponte Preta, quebrando o jejum. Galão colocou uma meia colante preta até cobrir a cueca branca, vestiu a camisa do timão e carregou dezenas de foguetes em seu fusquinha, soltando-os em frente de cada uma das residências dos torcedores da Palestra Itália. Depois, escondeu-se por uma semana.

 

- Pai, pare com isso, vá!! Por que o senhor não torce de uma vez para o Palmeiras e acaba com essa rivalidade?, insistiu Solange.

 

- Não diga bobagem, minha filha. É mais fácil deixar Serra Negra do que o Timão, esbravejava Galão.

 

Solange e o irmão José Luiz viveram a infância em travessuras na bucólica Serra Negra, onde a água mineral ensejava banhos nos lagos no verão insuportável. Certa vez, José Luiz confundiu um bebedouro de cavalo com uma piscina e acabou contraindo tifo. “Salvou-se por pouco”, lembra Solange. Já na adolescência, Solange e as coleguinhas se entretinham com os turistas que lotavam a cidade. “Os meninos nativos ficavam com ciúmes, porque a gente só queria namorar os turistas”, revela em meio a gargalhadas. Ela não sabe precisar quantos namorados teve. “Foram muitos, mas tudo namorico, com beijinhos de selinho”, jura.

 

O SONHO REALIZADO

 

Solange sonhava em estudar numa grande universidade. O pai Galão queria vê-la freqüentando a Faculdade de Amparo, a 20 minutos de Serra Negra, mas ela imaginava-se em Campinas, quem sabe na Unicamp. Seu irmão preparava-se para viajar a Campinas a fim de inscrever-se no vestibular de Computação da PUC. Solange convenceu-o a permitir a sua companhia. Enquanto José Luiz fazia sua inscrição, Solange correu a outra sala para candidatar-se a uma vaga no curso de Letras, também na PUC.

 

Poucos dias faltando para as provas do vestibular, a garota travessa persuadiu o mano a deixá-la ir junto. Bastou José Luiz entrar na sala do exame para Solange sorrateiramente correr para a sua, sem que o irmão percebesse.

 

A lista dos aprovados saiu publicada no jornal. Em casa, o jornal passava de mãos em mãos em meio a abraços e beijos em José Luiz. “Poxa, que orgulho”, exaltava a mãe Terezinha. Solange, em um canto, continha a sua ansiedade de ver a lista ou de esperar que alguém pudesse ver o seu nome, caso tivesse sido aprovada. “Se eles lerem o meu nome, tô frita. O Galão vai me deixar careca só com os cascudos”, pensou. A mãe Terezinha largou o jornal sobre a poltrona. Solange, sorrindo e tentando assoviar, pegou-o, refugiando-se no banheiro. “Opa!, exclamou em alto tom ao ver seu nome entre os aprovados.

 

 O que foi, minha filha?

 

- Nada mãe. Foi apenas um susto.

 

- Susto? Com o quê?

 

- Nada, mãe, passou a minha dor de barriga!

 

Com o jornal dobrado, Solange esbanjou sorriso ao deixar o banheiro. “Poxa, como é que eu vou falar para o Galão?”, acautelou-se.

 

Dois dias depois, Solange acordou-se cedo, aproximando-se da mãe.

 

- Se eu lhe contar um segredo a senhora jura que vai me ajudar?

 

Sorrindo, Terezinha indaga: “e qual será a surpresa desta vez?”

 

- Pois é mãe. Mas a senhora precisa acreditar, suplica.

 

Depois de ouvir, Terezinha deixou o prato espatifar-se no chão. “O quê?. Tás brincando, é claro. Não queres que eu acredite nessa história maluca”.

 

E Solange abre o jornal e lhe mostra seu nome.

 

- Só faltava essa agora, exclamou a mãe. “Vamos ver o que Galão acha disso”.

 

Galão não perdeu a calma.

 

- Queres a minha resposta agora?, questionou o pai.

 

- Sim, pai, respondeu Solange de mãos cruzadas prestes a rezar um terço.

 

- Você não irá estudar em Campinas. Filha minha só sai de casa depois de casada. E ponto final, determinou Galão, afastando-se da sala.

 

Disposta a arquitetar uma nova estratégia, Solange foi até ao terminal rodoviário a fim de montar um esquema de viagem. Saindo todas as manhãs às 5h30min da madrugada, chegaria a Campinas às 7h30min, suficiente para não perder a primeira aula, com retorno marcado para as 17 horas. Depois de cinco dias de catequização da filha com a ajuda da mãe, Galão jogou a toalha: “Tá bom, assim pode”. E a pequena endiabrada quebrou uma tradição de três gerações da família Gallo, que só permitia a mulher deixar a casa do pai com a aliança na mão esquerda.

 

O motorista do ônibus acostumara-se tanto com a presença da menina- sorriso que nos dias de sua ausência ele mudava o roteiro da viagem para passar em frente da sua casa a buzinar: “A sua filha não vai hoje?”

 

- Vai sim, é que ela não se acordou em tempo. Espera aí um pouco - pedia Terezinha. E Solange, com pedaço de pão na boca, corria vestindo o casaco com uma mão e segurando a pasta com a outra. “Obrigada, seu Zé, devo-lhe mais uma”, sorria.

 

No início do terceiro ano da faculdade, Solange foi informada de que a sua tia Marina, de Jundiaí, a meia hora de Campinas, enfrentava uma grave doença e que surgira a alternativa familiar de ela ajudá-la.

 

- Morar em Jundiaí? Poxa, que bom, mãe. E o pai deixa?

 

E assim, Solange passou a trabalhar em uma creche de manhã, estudar à tarde e, à noite, cuidava da tia. Meses depois, a tia morreu. O pai novamente é convencido a confiar na filha, deixando-a morar numa república com outras quatro amigas. “Agora não tenho como não deixar”, pondera Galão. Solange começou logo a lecionar no supletivo e com tempo para participar da diretoria do Diretório Central dos Estudantes. Certo dia, o Exército invadiu a PUC à caça dos dirigentes do DCE. Solange refugiou-se na casa de uma amiga e alguns dias depois ela conseguiu explicar ao pai por telefone. Galão resgatou a sua filha com o seu DKW, um pequeno veículo da moda. Já em casa, na Serra Negra, o pai censurou: “Daqui você não dá mais um passo”. Não demorou muito para Galão novamente ser convencido de que Solange não poderia perder a faculdade, faltando apenas seis meses para a filha alcançar o diploma.

 

FINALMENTE, A ALIANÇA

 

Galão não se acostumou com o fato de a filha morar em Campinas e namorar um filho do seu amigo, o Pequeno. Numa tarde cinzenta, típica de inverno, a família Gallo foi surpreendida com a presença embaraçada de Solange e Pequeno. Encabulado, ele se dirigiu a Galão: “Vou me casar com a sua filha”. A cerimônia foi breve, na presença do escrivão, enquanto Terezinha colocava sobre uma mesa enorme os salgadinhos que aprontara com a ajuda de amigas. Os noivos não perderam tempo. Saborearam bolinhos e embarcaram no fusquinha para retornar a Campinas, onde a lua- de-mel acabou sendo em sua própria casa. Quatro anos depois, nasceu Victor e com ele o casal foi residir um ano em Paris, onde Solange realizou o doutorado- sanduíche. Solange e a família retornaram, amargando a doença de Galão, que não resistiu à leucemia, aos 64 anos.

 

Ela passou em um concurso para a Universidade Federal da Amazonas, mas não resistiu à cultura do norte, retornando a São Paulo, cuja neurose urbana a impeliu à busca de qualidade de vida. Conseguiu transferência para a UFSC, mas não se convenceu em trabalhar com o espírito corporativista do curso de Letras. Soube que a Unisul implantava um campus em Palhoça.

 

- Este é o meu currículo e gostaria de ingressar na Unisul - apresenta-se ao coordenador do curso de Comunicação Social, que depois de ler seu histórico a desafia:

 

- Gostaria de vê-la amanhã às 19 horas em sala de aula. Por favor, não chegue atrasada.

 

Solange arregala os olhos e indaga: “Só isso. Basta eu entrar em sala de aula?

 

- Sim, este é o primeiro passo. Depois, a contratação. Mas pelo visto você tem muito a fazer na Unisul - prevê o coordenador.

 

Solange Leda Gallo leciona duas disciplinas no mestrado de Ciências da Linguagem – Análise do Discurso e Divulgação Científica -, orienta mestrandos em suas dissertações, dirige a Pesquisa da universidade e ainda faz o pós-doutorado em Autoria em Rede, na Unicamp.

 

- Cada vez me entusiasmo mais com a Unisul - confessa Solange, para quem o modelo de gestão implantado pela reitoria é um sucesso em nível de participação.

 

- São pessoas novas e competentes que a cada dia assumem novas funções. Isto é muito bom para a renovação e à inovação. Além disso, a internacionalização da Unisul e o incentivo à pesquisa, principalmente, fazem a diferença. Agora, a Unisul parte para o envolvimento direto dos professores e alunos no processo de mudança. Isto é muito valioso e mantém a nossa universidade na vanguarda das transformações - salienta, com entusiasmo.

 

Laudelino José Sardá – SIC/Unisul


Estudantes viajam a estudo para São Paulo

 

(23/04/2008) Grupo de Estudos de Estética, liderado pela professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá, visitou, quinta e sexta feira última (10 e 11 de abril), vários locais de interesse acadêmico em São Paulo.

 

Participaram do grupo de estudos os alunos Cíntia de Rosa, Fábio Ballmann, Jeanine da Costa, Leonir Alves, Liomar Fernandes e Maiyara Borges. A viagem, que teve como objetivo participar das oficinas e exposições do Itaú Cultural, também oportunizou que os estudantes conhecessem e conversassem com organizadores/colaboradores do Museu da Língua Portuguesa, do Páteo do Colégio São Bento, Museu Anchieta, MASP, MAM. No Parque do Ibirapuera, na Fundação Bienal, durante as atividades da Feira do Estudante- Expo CIEE -2008, o grupo foi recepcionado pelos organizadores e participou do programa da Rádio Oficina.

 

Em entrevista, o grupo teve a oportunidade de falar sobre o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, e conseqüentemente sobre a Unisul e o município de Tubarão.

 

“As pesquisas in loco dentro de perspectiva extradisciplinar são relevantes para dar visibilidade ao Programa e promover a integração e interação entre professores, alunos e a comunidade”, diz o Coordenador, Prof. Dr. Fábio Rauen.

 

Segundo a Professora Jussara, “A escolha de São Paulo deu-se principalmente pela metrópole presentificar, em seus espaços culturais, as migrações, o cruzamento de fronteiras e de identificações étnicas que revelam nosso hibridismo cultura. Conhecer e reconhecer a nossa cultura com olhos livres torna-se importante para pensar a nossa identidade plural. Essas atividades fazem parte também do elenco de ações que desenvolvemos em nossos projetos de pesquisas no PPGCL.”

 

Jussara coordena o projeto “Migrações e identidades: análise da estética das linguagens a partir da história oral, visual e escrita”. O projeto focaliza as estéticas das linguagens nas obras visuais, escritas, e relatos, observando cruzamento de fronteiras, identificação étnica e visão do hibridismo cultural como pressupostos relevantes para se pensar a identidade de nossa região. Mais informações sobre o projeto, clique aqui.

 

Cíntia Abreu


Guerra declarada ao analfabetismo funcional

 

(18/04/2008) Professor Felipe Felisbino, coordenador do curso de Letras da Unisul,  declara-se na linha de frente no combate ao analfabetismo funcional em entrevista ao jornal Diário do Sul da última segunda (14).

 

Felipe Felisbino coordena em Tubarão o Projeto Ler e Ser, lançado em Curitiba no dia 14 de março último. O projeto é uma pareceria dos cursos de Letras e de Ciências da Linguagem da Unisul com várias universidades do sul do país que visa atacar o problema do analfabetismo funcional.

 

Quando se fala em analfabeto funcional, "não se trata de pessoas que nunca foram à escola. Elas sabem ler, escrever, contar. Chegam a ocupar cargos administrativos, mas não conseguem compreender o texto escrito", declarou Felipe ao jornal.

 

Em Tubarão, o Projeto Ler e Ser tem a coordenação pedagógica da Profa. Dra. Mariléia Silva dos Reis, do PPGCL.


Veja a matéria completa
aqui.

 

Fábio Rauen

Foto: Diário do Sul


Professores analisam documentário e ficção

 

((17/04/2008) Alunos da Comunicação participaram de debate sobre documentário e ficção com professores Jorge Wolff e Antonio Carlos Santos, na noite de quarta-feira(16), no auditório C da Pedra Branca.

 

A proposta do trabalho foi relatar um pouco mais sobre o documentário e a ficção, dando ênfase ao trabalho de diretores de cinema.

 

Os debatedores interagiram com os alunos, e a atividade foi bem representada, ocorrendo entre as idéias dos palestrantes e apresentações de trechos de filmes de dois diretores.

 

“Eu uso o cinema brasileiro, documentários brasileiros para auxiliar as minhas aulas”, diz Jorge Wolff, professor de Comunicação Social da Unisul, durante a palestra.

 

Durante o evento, os professores colocaram as suas reflexões sobre os dois diretores, e os filmes que dirigiram a fim de que se pudesse perceber a distinção do real e da ficção representados em suas produções.

 

“Saber abordar, entrevistar sem agredir, sem fazer com que a pessoa entrevistada fale o que você quer, e diga simplesmente o que quer dizer, a sua realidade, é o estilo de Eduardo Coutinho, e isso deveria ser seguido por todos que fazem comunicação, jornalistas, publicitários, cinema, enfim, saber escutar é muito importante”, afirma Antonio Carlos Santos, professor de mestrado de Ciências da Linguagem da Unisul.

 

Durante a palestra foram apresentados os filmes “Boca de Lixo”, de Eduardo Coutinho, e “Sanduíche”, de Jorge Furtado.

 

“Isso demonstra a relação de uma história dentro de outra, uma relação de presente e passado, de documentário e ficção”, ressalta Santos.

 

Semana da Comunicação

 

O Mestrado em Ciências da Linguagem e o Curso de Comunicação Social promoveram do 14 a 17 de abril, na UNISUL-Pedra Branca A SEMANA DA COMUNICAÇÃO- COMUNISUL, sendo que a programação contou com mini-cursos e mesas-redondas.

 

A mesa-redonda “Comunicação e Ciência: a produção e circulação da ciência na sociedade contemporânea e o papel do divulgador do conhecimento científico contou com a participação da Profa. Dra. Suzy Lagazzi da UNICAMP, a Profa. Dra. Simone Terezinha Bortoliero da UFB/ABJC e da Profa. Dra. Solange Leda Gallo do Mestrado em Ciências Da Linguagem da Unisul.

 

A mesa-redonda “Documentos do Presente Documentos do presente: cinema, memória e história em duas leituras” teve como debatedores o Prof. Dr. Antonio Carlos Santos do Mestrado em Ciências da Linguagem da Unisul e o Prof. Dr. Jorge Wolff (Unisul) do Curso de Comunicação da também da Unisul.

 

A mesa-redonda “Comunicação e Educação Questionar os processos teóricos e práticos que envolvem a Comunicação e seus reflexos na Educação, por meio da ciência. A mediação e a autoridade no dizer” teve a participação da Profa. Dra. Cremilda Medina da USP e da Profa. Ms. Raquel Wandelli e da Profa. Ms. Silvânia Siebert do Curso de Comunicação Social da Unisul, sendo esta última uma mestre egressa do Mestrado em Ciências da Linguagem.

 

SIC Unisul

Na foto: Dr. Antonio Carlos Santos. Arquivo PPGCL.


Professora faz conferência sobre Monteiro Lobato

 

(08/04/2008) A professora Dra. Eliane Santana Dias Debus apresentou a conferência "Monteiro Lobato e o diálogo com o leitor" nesta terça (8) no Salão Nobre do Campus de Tubarão da Unisul. O evento foi organizado pelo curso de Pedagogia com apoio do PPGCL.

 

A conferência faz parte de um programa de formação cultural que o curso de Pedagogia está promovendo neste semestre. Neste programa. a professora Dra. Eliane Debus (PPGCL/Unisul) responsabilizou-se pelos aspectos literários e pelas diversas linguagens. No evento Eliane fez um relato da obra de Monteiro Lobato, com ênfase nas influências dos leitores na sua produção literária.

 

Para Eliane, o objetivo da palestra foi o de despertar aos alunos o interesse pela literatura. "Muitos não reconhecem o verdadeiro sentido dos livros", conta. Seu trabalho também procura mostrar o aspecto lúdico. "Como está próximo do dia 18 de abril, dia nacional do livro infantil e aniversário do nosso grande autor da literatura infantil Monteiro Lobato, a partir dessa discussão quero despertar o interesse pela leitura e incentivar os alunos a buscar, conhecer um pouco mais as obras de Monteiro Lobato", completa.

 

Para a professor Maria Sirlene Pereira Schlickmann, coordenadora do curso de Pedagogia, a presença da professora Eliane é importante porque seu trabalho tem feito um diálogo entre a literatura infantil e os leitores infantis dando especial atenção à formação de professores e profissionais da educação. "Uma das nossas preocupações do curso de pedagogia tem sido buscar ampliar a formação dos nossos acadêmicos", diz a coordenadora. "Entendemos que uma das formas de fazer isso é oportunizar aos mesmos esses momentos ricos de formação cultural", conclui.

 

No semestre, o curso promove mais dois encontros. O primeiro debaterá o cinema, com a professora Dra. Alessandra Mara Rotta de Oliveira, no dia 28 de maio; o segundo debaterá o teatro, com a debatedora Ilza Bitencourt Laportta, no dia 27 de junho.

 

No mestrado, a professora Eliane Debus é responsável pelo projeto "A Literatura de recepção infantil e juvenil: reflexões sobre os caminhos de sua produção, circulação e consumo". Conheça mais sobre o projeto aqui.

 

No dia 18 de abril, Eliane apresentará a conferência "O diálogo da literatura infantil de Monteiro Lobato com o público leitor: ontem e hoje". O evento ocorrerá no Campus da Pedra Branca às 19 horas. Neste dia, comemora-se o Dia Nacional do Livro Infantil – Data de nascimento de Monteiro Lobato. A atividade apresenta o diálogo da literatura infantil de Monteiro Lobato com os leitores entre os anos de 1920 e 1940, destacando os pontos de permanência desta produção na contemporaneidade.

 

Bruna Nunes Fernandes


Obra de Ademar Feuser é destaque em artigo

 

(07/04/2008)  O Diário Catarinense publicou no último sábado (5) o artigo "Assento nostálgico da germanicidade", da professora Dra. Jussara Bittencourt de Sá (PPGCL/Unisul) e do professor Carlos Silva (Furb/Unidavi), sobre a obra do artesão Ademar Feuser, de São Martinho (SC).
 

Para os autores, as criações de Ademar revelam a "nostalgia de uma Alemanha deixada para trás" em função da guerra ou das dificuldades econômicas enfrentadas pelas famílias que imigraram ao Brasil. Para eles, podem ser vistas na obra de Feuser "o significado de acolhimento, de resguardo e de assentamento", além de toda a simbologia possível que aproxima sua obra às questões mitológicas.

 

Dizem os articulistas: "As cadeiras de Ademar Feuser, ao mesmo tempo em que evidenciam as lembranças da Alemanha, que os imigrantes tiveram que deixar, também representa o Novo Mundo, o Brasil, que os recebeu e lhes deu assento. Não o assento cheio de mágoas e revoltas construído por Hefesto, mas o lugar de acolhimento de um porto onde se poderiam vislumbrar esperanças". Um verdadeiro resgate nostálgico da germanicidade do local.

 

O texto faz parte do projeto "Migrações e identidades: análise da estética das linguagens a partir da história oral, visual e escrita" do Grupo de Pesquisa “Estudo da estética das linguagens verbais e não-verbais”. Conheça mais sobre o grupo de pesquisa aqui.

 

Veja o texto completo no sítio do Diário Catarinense.

 

Na foto, cadeiras produzidas por Ademar Feuser.

 

Fábio Rauen


Morre Willy Zumblick aos 94 anos

 

(04/04/2008) Considerado o maior artista de Tubarão, faleceu na última quinta (3), às 21h, Willy Zumblick. Willy estava internado desde 17 de agosto no Hospital Nossa Senhora da Conceição em Tubarão com problemas pulmonares.

O artista está sendo velado no centro cultural que leva seu nome, em Tubarão. O enterro acontece no Cemitério Horto dos Ipês, às 17 horas, após missa de corpo presente a ser celebrada na Igreja Matriz de São José Operário, no Bairro Oficinas.

 

Nascido em 1913, filho de Roberto Zumblick e Ida Furghestti, Willy Alfredo Zumblick produziu mais de cinco mil telas pintadas. Não menos importante foram suas esculturas. Seus temas prediletos foram religiosos, como a série bandeiras do divino, e históricos, como os dedicados à Anita Garibaldi. Considerava sua obra um presente de Deus e da natureza. Willy casou-se em 1937 com Célia Sá, falecida em 2005. O casal teve cinco filhos: Carlos Roberto, Túlio, Maria Elisa, Raimundo e Marcus Geraldo

 

O Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem estudou a produção de Zumblick no projeto "O artista e seus lugares". Um dos resultados desse trabalho foi o destaque de várias de suas obras que ilustraram capas da Revista Linguagem em (Dis)curso.
 

Fábio Rauen


Grandes Temas apresenta mestrados da Unisul

 

(03/04/2008) O Programa Grandes Temas Especial foi dedicado aos três cursos de Mestrado da Universidade. Participaram os professores Fábio José Rauen (mestrado em Ciências da Linguagem), Maria da Graça Nóbrega Bollmann (mestrado em Educação) e  Maria Teresinha Angeloni (mestrado em Administração).

 

O programa foi apresentado pelo jornalista Eduardo Zabot, e foi inteiramente dedicado a explicar o que é, para quem destina e como participar dos cursos de mestrado da Universidade, que estão com inscrições abertas para novas turmas até 15 de maio.

 

A Universidade possui três cursos de mestrado, todos reconhecidos pela Capes.

 

O curso de mestrado em Administração tem sede no centro de Florianópolis. Com área de concentração em Estratégia e Desempenho, conta com as linhas de pesquisa em Administração Estratégica e Avaliação de Desempenho Organizacional

 

O curso de mestrado em Ciências da Linguagem ocorre no campus de Tubarão e no campus da Pedra Branca (Palhoça). A área de concentração é processos textuais, discursivos e culturais e as linhas de pesquisa são: Textualidade e práticas discursivas, Análise discursiva de processos semânticos e Linguagem e processos culturais.

 

O curso de mestrado em Educação, sediado em Tubarão, tem área de concentração em educação. O curso tem três linhas de pesquisa: Educação em Ciências; Educação, História e Política no Brasil e na América Latina; e Relações Culturais e Históricas na Educação

 

Você pode conferir na íntegra o programa Grandes temas clicando aqui.

 

Para maiores informações sobre os mestrados da Unisul, clique nos atalhos a seguir: administração, ciências da linguagem e educação.

 

Fábio Rauen


Programa lança segundo livro da Coleção Linguagens

 

(01/04/2008) O professor Fábio de Carvalho Messa lançou o livro "O gozo estético do crime: dicção homicida na ficção contemporânea", nesta última segunda (31). O evento foi realizado no Café no Matisse do CIC, em Florianópolis. Este é o segundo livro da Coleção Linguagens do PPGCL/Unisul.

 

De acordo com Fábio Messa, O gozo estético do crime: dicção homicida na ficção contemporânea é um trabalho de crítica literária que discute a construção dos discursos de narradores e personagens assassinos. “A obra estuda o relato desses homicidas que descrevem seus crimes como se fossem verdadeiras obras de arte”, conta. “Quanto mais bizarro mais curioso, quanto mais requintes de crueldade, mais impasses morais geram na mente do leitor”, explica.

 

Para o autor, ler estes textos, de certa forma, nos leva a perceber como funciona a mente de um assassino. “Não importa que sejam personagens e narradores ficcionais, o importante é que há um ser humano real, vivo, (o autor) que está ali, planejando e executando o crime. ‘Como se fosse um criminoso que agisse por procuração’”, ressalta.

 

Nesta noite do dia 31/3, além da sessão de autógrafos, foi exibido um clipe que consiste numa edição de imagens de alguns filmes que contêm cenas de assassinatos com requintes de crueldades. Obras como filmes antigos de Jean Renoir, de 1936, e até os hitchcockianos e contemporâneos como O Silêncio dos Inocentes.

 

Nascido no Paraná, Messa fez sua formação superior em Comunicação Social (Jornalismo) na PUCRS e Letras na UFRGS. Mestre e doutor em Teoria Literária, seu trabalho de pesquisa tem focado a loucura e o crime como tema e forma da linguagem narrativa mais recente, em especial na obra de Autran Dourado e Rubem Fonseca. Docente do PPGCL/Unisul, Messa é obstinado por narrativas policiais. Verificou, a partir do estudo de tragédias clássicas, romances franceses, russos, britânicos e americanos, a gênese e a evolução de uma "dicção homicida", numa espécie de manobra literária cujo ápice se encontra nos textos literários de Rubem Fonseca e Patrícia Melo.

 

Manuela Prá


Unisul propõe novos cursos de pós-graduação

 

 (01/04/2008) Universidade encaminhou à Capes projetos dos cursos de doutorado em Ciências da Linguagem e de mestrados em Direito e Saúde, na última segunda-feira (31).

 

Os projetos serão avaliados pela Capes até julho deste ano. Atualmente a Unisul tem três mestrados – Ciências da Linguagem, recomendado desde 2004, Administração e Educação em 2007.

 

Para o coordenador de pós-graduação da Unisul, professor Peter Bürger, a Unisul está dando prioridade à área da pós-graduação stricto sensu, “A nova política da pós visa um crescimento qualitativo, dando a oportunidade aos egressos, aos profissionais das várias áreas de se qualificarem para docência do ensino superior e para pesquisa”, diz.

 

Na legislação atual, para poderem manter o status de universidade as instituições terão que ter no mínimo um curso de doutorado e três de mestrado. De acordo com Bürger, essa condição já está parcialmente assegurada. “Contamos com três mestrados, faltando apenas o doutorado para atender a legislação. Por isso o envio do APCN – Aplicativo para Cursos Novos do curso do curso de doutorado em Ciências da Linguagem, é muito importante para universidade”, explicou.

 

Para o coordenador do PPGCL, professor Fábio José Rauen, o projeto de doutorado representa o estágio de maturação do programa. “Penso que a proposta está muito coerente e será bem acolhida pela CAPES”, conta. “Mesmo que o projeto não seja aprovado, teremos ganhos porque a CAPES indicará em que nós precisamos melhorar”, completa.

 

Até 15 de maio estão abertas as inscrições para os mestrados. Mais informações podem ser obtidas no site da universidade


Professora participa de conferência em Curitiba

 

(19/03/2008) A professora Mariléia Reis participou do II Fórum de Leitura – Ação da cidadania, na Faculdade Padre João Bagozzi, em Curitiba, na coordenação de oficinas de compreensão textual com alfabetizadores de toda a parte do Brasil: dos três estados do Sul, da região Nordeste e Norte, nos dias 14 e 15 março de 2008. O encontro foi presidido e coordenado pela professora emeritus Leonor Scliar-Cabral, da Universidade Federal de Santa Catarina, momento em que foi lançado o Projeto Ler & Ser, combatendo o analfabetismo funcional, que trata da sistematização de ações continuadas voltadas para a formação do professor alfabetizador sobre os princípios do sistema alfabético do português do Brasil. Considera-se analfabeto funcional aquele que sabe ler, escrever e contar, mas não consegue compreender o texto escrito, mesmo os mais simples, como uma receita culinária que altere um pouco o modo de fazer, por exemplo.

 

Segundo a professora Mariléia, constitui um problema silencioso e perverso que afeta todos os segmentos da sociedade, desde a prática de atividades no lar (mães e secretárias-do-lar) até em atividades administrativas fora dele. Não se trata de pessoas que nunca foram à escola, mas, na grande maioria, costumam ter entre quatro a oito anos de escolarização. Acrescenta que, segundo INAF 2007, somente 23% da população conseguem compreender informações a partir de mapas, tabelas e gráficos. Especificamente em Santa Catarina, esse índice é menor, fica em torno de até 30% de analfabeto funcionais. Também coordenaram oficinas de texto as mestrandas Édina da Silva de Freitas, Fabiana Goulart Nazário e Raquel da Silva, esta última, agora doutoranda da UFSC.

 

 

Na foto, da esquerda para direita, Édina da Silva de Freitas, Raquel da Silva, Mariléia Reis e Fabiana Zulma Goulart Nazario.


Língua portuguesa deve passar por mudanças

 

(17/03/2008) TUBARÃO – O trema está com os dias contados. Assim como o circunflexo em palavras como vôo, lêem, crêem. Essas e outras mudanças devem entrar em vigor mais cedo do que se pensava. O tão falado e polêmico Acordo da Língua Portuguesa deve passar a valer definitivamente ainda este ano. Na semana passada, o Conselho de Ministros de Portugal decidiu pela adesão à reforma ortográfica proposta em 1991 pelos membros do CPLP (Conselho dos Países de Língua Portuguesa). Era, literalmente, só o que faltava.

 

A ratificação do texto pelo país ainda depende da aprovação no Parlamento. Se for aceito, o texto passará pelas mãos do presidente português Aníbal Cavaco Silva, que parece ser favorável às mudanças. No Brasil, o acordo já foi aprovado pelo congresso e teoricamente está valendo, já que para isso bastam apenas assinaturas de três países do Conselho. O acordo já foi ratificado, além do Brasil, por Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

 

Entre as principais mudanças estão a extinção do trema (que só deverá ser usado em nomes próprios) e a inclusão definitiva das letras “k”, “w” e “y” no alfabeto, que passará a contar com 26 letras. Em Portugal, caem as letras “c”, “p” e “h” em palavra sonde elas não são pronunciadas como acção e húmido.

 

As novas regras passam a valer porque três dos oito Países de Língua Portuguesa (CPLP) ratificaram as regras gramaticais do acordo proposto em 1990. Brasil e Cabo Verde já haviam assinado e esperavam a terceira adesão, que veio em novembro de 2006, por São Tomé e Príncipe.

 

Assim que as mudanças forem incorporadas oficialmente ao idioma, começa o período de transição – onde ministérios da educação, associações  academias de letras, editores e produtores de materiais didáticos irão receber as novas regras ortográficas e poderão, reimprimir livros e dicionários gradativamente.

 

A idéia do acordo surgiu pela importância do português (terceira língua ocidental mais falada, após o inglês e o espanhol) no cenário mundial, sendo usada por 230 milhões de pessoas. Os defensores do projeto dizem que o fato de o idioma apresentar ortografias distintas atrapalha a divulgação e a sua prática em ventos internacionais. Sua unificação, no entanto, facilitará a definição de critérios para exames e certificados para estrangeiros.

 

Gramáticos calculam que as modificações propostas no acordo devem alterar 1.6% do vocabulário de Portugal. No Brasil, a mudança será bem menor: 0,45% das palavras terão a escrita alterada. Mas apesar das mudanças ortográficas, serão conservadas as pronúncias típicas de cada país.

 

Mesmo assim, toda a ortografia brasileira terá que ser revisada. A primeira mudança acontecerá nos documentos oficiais. A Academia Brasileira de Letras (ABL) está encarregada de fazer esse trabalho com quase 300 mil palavras da língua.

 

Entendendo a reforma ortográfica

 

TUBARÃO – Segundo a pós-doutoranda em Lingüística, professora de Lingüística e Língua Portuguesa no curso de Letras da Unisul, Mariléia Reis, o acordo ortográfico deu margem a mal-entendidos e desencontros de informações diversas no Brasil. “olhando de um modo mais distante, acredito que o acordo tem sofrido maior resistência por parte das editoras, que não querem alterar seus arquivos. Mas a nova ortografia só traz ganho cognitivo ao usuário a língua escrita, não há complicação”, defende. De acordo com a Dra. Mariléia, a essência das regras de acentuação gráfica é mantida (oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas). “Mantém-se a essência, retiram-se as exceções não cobertas pelas regras. E tudo vai ficar mais econômico”, explica.

 

Para ela, o maior ganho é a queda dos ditongos abertos éi, éu e ói. "Diga-se de passagem tardia a sua saída. Uma vez acentuada a palavra idéia, pergunta-se para o aluno por que ele a acentuou, a resposta é sempre direta: paroxítona terminada em 'a'. Então devo acentuar 'casa'? Esta regra é absurda", diz a professora.

 

Desfilando várias regras que serão abolidas, ela cita o apagamento dos acentos diferenciais entre (pára/para) e do acento circunflexo da primeira vogal dos hiatos "ee" e "oo".   

 

Portugal - A ministra da Cultura anunciou na Assembléia da Republica de Portugal que o país pedirá um prazo de 10 anos para a entrada em vigor do novo acordo. "Também sou a favor de uma moratória aqui no Brasil. Acredito que um período de dois ou três anos seja suficiente para as adaptações", avalia a Dra. Mariléia. 

 

No Brasil, o Ministério da Educação preparou a licitação dos livros didáticos para 2009 e pediu a adesão À nova ortografia para as editoras. "Tomara que iniciativas como esta não se intimidem frente à resistência das editoras. As clausulas do Protocolo de 2004: se apenas três países ratificarem o texto, o documento entrará juridicamente em vigor", lembra.

 

 

*Matéria publicada pelo jornal impresso Diário do Sul, do dia 17 de março de 2008.

 


Professores iniciam atividades no Programa

 

(03/03/2008) Quatro novos docentes iniciam atividades no Programa neste ano. Para a linha de discurso, foram contratados os professores Sandro Braga e Rosângela Morello. As professoras Maria Ester Moritz e Eliane Santana Dias Debus já eram docentes da casa e foram credenciadas no Programa. Elas ocupam vagas na linha de texto e de cultura respectivamente. 

 

Maria Ester Moritz assume a vaga do Prof. Wilson Schuelter em Tubarão. Ela já era docente da Unisul há seis anos, atuando principalmente na graduação em Letras. “No SIGET, em Tubarão, eu ministrei um municurso sobre o artigo acadêmico. O coordenador do curso foi me assistir e acho que gostou do que viu”, brinca Maria Ester. Ela diz também que se sente muito motivada. “Foi o que sempre almejei para a minha carreira acadêmica. Acho que o meu trabalho com gêneros acadêmicos pode auxiliar não só alunos de mestrado, mas alunos de graduação em geral”.

 

Quem assume a vaga do Prof. Ingo Voese no campus de Tubarão é professor Sandro Braga. Ele é jornalista e tem mestrado e doutorado em Lingüística. Braga é vinculado à linha de pesquisa Análise Discursiva de Processos Semânticos, especificamente na área de Análise do Discurso. “Espero finalmente poder compartilhar com a comunidade acadêmica os conhecimentos adquiridos até este momento e, muito especialmente, aprender, aprender e aprender mais, para poder contribuir com o desenvolvimento dos estudos na área da Ciência daLinguagem”, conta o professor.

 

A professora Eliane Santana Dias Debus vai reforçar a equipe de cultura em Tubarão. Eliane conta que ser convidada a participar do PPGCL foi um presente de natal. “Trabalhar no mestrado era algo muito desejado por mim. Espero contribuir efetivamente no que diz respeito à produção de conhecimento, à formação docente e de novos pesquisadores”. Ela vai atuar na linha de pesquisa Linguagens e Processos Culturais com projetos que focalizem a literatura de recepção infantil e juvenil.

 

A professora Rosângela Morello é especialista em análise do discurso. Rosângela

trabalhou no Laboratório de estudos urbanos (Labeurb) da Unicamp. Em 2005, atuou como pesquisadora visitante no PPGCL, desenvolvendo atividades de um Convênio de Cooperação Científica entre a Unisul e a Unicamp. A professora irá compor equipe de pesquisa sobre divulgação científica no campus da Pedra Branca.

 

A novidade esse ano será a implantação da linha de textualidade na Pedra Branca. O professor Adair Bonini e a professora Débora Figueiredo assumem as atividades naquele campus a partir do segundo semestre de 2008.

 

Manuela Prá


Docentes executam projetos de pós-doutorado.

 

(03/03/2008) As professoras Mariléia Reis e Solange Gallo estão em estágio pós-doutoral. O estágio visa executar pesquisas de alto nível junto a instituições de pesquisa de excelência. Por meio do estágio, o docente aprofunda questões emergentes em sua área de atuação.

 

Mariléia desenvolve pesquisa na área de letramento na UFSC, em Florianópolis. “O projeto ‘Ler & Ser, combatendo o analfabetismo funcional’, busca encontrar as medidas para que crianças e jovens se insiram em um novo mundo do trabalho, que exige proatividade e competência para uma educação continuada, respondendo a este grande desafio do mundo contemporâneo”, explica ela. “Nosso objetivo é realizar uma ação consistente e continuada para reduzir o analfabetismo funcional nos municípios participantes, inserindo-se na linha de educação para qualificação profissional e também na garantia dos direitos da criança e do adolescente”, complementa.

 

O trabalho da Professora Solange pretende analisar os mais recentes processos discursivos ligados à AUTORIA em Ciência e tecnologia. “Interessa-me esta questão por três motivos convergentes. Desenvolvi meu mestrado na Unicamp, e meu doutorado na França sobre o mesmo tema. Nos dois casos tratei de produções inscritas no Discurso Pedagógico. E hoje respondo pela área de pesquisa da Unisul. Por fim, lidero o grupo de pesquisa ‘Produção e Circulação do Conhecimento Científico’”, explicou Solange.

 

A professora coordena a edição da revista eletrônica “Ciência em Curso” que pode ser acessada em http://aplicacoes.unisul.br/cienciaemcurso/revista/index.html

 

O incentivo ao pós-doutorado é marca do PPGCL. Em 2005, o professor Aldo Litaiff terminou seu estágio na França. Em 2006, o professor Fábio Rauen terminou seu estágio junto a PUC/RS, em Porto Alegre.  A meta é encaminhar um docente por ano ao estágio.

 

Manuela Prá

 


Reuniões marcam início das atividades de 2008

 

(18/02/2008) Colegiado do Programa de Pós-graduação se reúne todas as quartas no Campus da Pedra Branca até o final de março. O primeiro encontro foi realizado nesta quarta-feira (13) e marcou o início de uma série de reuniões do Colegiado do PPGCL.

 

A abertura dos trabalhos contou com a presença da Profa. Sônia Hickel Probst, Pró-reitora Adjunta de Ensino e do Prof. Peter Johann Burger, coordenador de pós-graduação. Sônia falou sobre políticas da Unisul para o stricto sensu, renovando o apoio ao curso do Mestrado em Ciências da Linguagem. Para ela, os cursos de pós-graduação da Universidade têm de almejar metas de produtividade e qualidade acima dos parâmetros da Capes, mesmo porque precisam comprovar competência instalada. Empenho dos docentes nesse sentido é fundamental, completou.

 

O prof. Fábio José Rauen, coordenador do mestrado, explica que entre os objetivos, estão a elaboração do projeto de doutorado e dos relatórios da CAPES, relativos a 2007, e do Conselho Estadual de Educação, relativos à renovação do reconhecimento do Curso de Mestrado.

 

As reuniões do colegiado em fevereiro e março visam atender três demandas simultâneas: o relatório das atividades de 2007, por meio do Aplicativo “Coleta Capes”, até 20/03/2008; o relatório das atividades de 2002 a 2008, para a renovação do reconhecimento do Mestrado em Ciências da Linguagem pelo Conselho Estadual de Educação, até 29/02/2008; e o projeto de curso de doutorado, por meio do Aplicativo “APCN” da Capes, até 31/03/2008.

 

Para o prof. Fábio José Rauen, trata-se de demandas muito sérias. “Não adianta executar adequadamente o projeto do mestrado, é preciso saber relatar adequadamente essa execução”. “Apesar de termos três tarefas simultâneas, isso acabou sendo uma vantagem, porque levantamentos, relatórios que servem para uma das agências, servem para a outra”, completou.

 

No último encontro, o colegiado fechou o edital de seleção acadêmica 2008. As inscrições vão ocorrer em abril para 34 vagas, sendo 18 em Florianópolis e 16 em Tubarão.

 


MAIS NOTÍCIAS DO PROGRAMA

 

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061