Página Inicial > Dissertações > Dissertações Defendidas > Resumos de Dissertações

 

Dissertações

Dissertações Validadas

Dissertações Defendidas

Editais de Dissertações

 

Dissertações

Resumos de Dissertações


 

192


Malandragem, Marginalidade e (Des)Esperança: A (Des)Ordem em Amarelo Manga

 

Paulo Ricardo dos Santos


Dia 1º de junho de 2009, às 14 horas

Cine Pedra Branca,  Bloco A do Campus da Grande Florianópolis da Unisul

Dr. Fernando Simão Vugman - UNISUL (orientador);

Dr. Mauro Eduardo Pommer – UFSC (avaliador);

Dr. Fábio de Carvalho Messa – UNISUL (avaliador); e

Dr. Jorge Hoffmann Wolff – UNISUL (suplente)


Resumo:

 

Neste trabalho, é apresentada uma panorâmica da figura do bandido no cinema brasileiro. Buscou-se, através de pesquisa teórica, investigar os aspectos sociais das representações do malandro de Candido (1970) e do marginal de Rocha (2004); bem como conhecer os ritos e rituais brasileiros que contextualizam a vivência desses dois personagens. A pesquisa teve como objetivo contribuir para a discussão sobre a representação da figura do bandido no cinema brasileiro, em especial no filme Amarelo Manga, e verificar quais as implicações dessa representação. A pesquisa demonstra que a figura do bandido está se modificando, em compasso com as transformações pelas quais têm passado a sociedade brasileira, das últimas décadas até o momento atual. Candido e Rocha dão suporte à discussão sobre o bandido ficcional, considerando seus pressupostos teóricos sobre a representação do mal no cinema brasileiro. A partir desse levantamento teórico, fez-se uma análise do longa-metragem Amarelo Manga, do diretor Cláudio Assis (2003), na qual são descritas cenas do filme e características dos personagens, em busca de uma possível correspondência entre os conceitos teóricos que caracterizam as figuras do malandro e do marginal e o contexto representado. Percebeu-se que a estruturação do enredo complica uma classificação dos personagens dentro das noções de “malandro” e de “marginal”, especialmente porque o filme não apresenta uma divisão tradicional entre os mundos da ordem e desordem, no sentido que lhes dá DaMatta (1990). No enredo, não há mocinhos e bandidos. Os personagens são pessoas que vivem à margem da sociedade e do direito e que, menos do que viver, sobrevivem, segundo valores e crenças ditadas pela necessidade de adaptação ao meio.

 

Palavras-chave:

 

Amarelo manga, malandro, marginal, cinema brasileiro.


versão integral

 

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Campus Tubarão:  Av. José Acácio Moreira, 787, Bairro Dehon, 88.704-900 - Tubarão, SC - (55) (48) 3621-3369

Campus Grande Florianópolis: Avenida Pedra Branca, 25, Cidade Universitária Pedra Branca, 88137-270 - Palhoça, SC - (55) (48) 3279-1061